Pular para o conteúdo principal

Postagens

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet. Em outubro de 1996 , Björk finalmente desembarcou no Brasil, com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no R
Postagens recentes

A criptomoeda vendida com o álbum Utopia de Björk agora vale apenas $0.04

Segundo a NME e o The Line of Best Fit , a criptomoeda que acompanhou as cópias do álbum Utopia de Björk , em 2017, agora vale um total de $0.04 . Na época, aqueles que compraram o disco no site da islandesa, receberam "recompensas criptográficas" em forma de 100 AudioCoins , algo como $0.20. O valor era depositado em uma "carteira eletrônica", também podendo ser convertido em Bitcoin , Litecoin e DASH . Nos últimos anos, com as mudanças diárias nesse mercado, o valor atribuído acabou diminuindo. A informação foi confirmada via relatório do Record Of The Day. Por meio de um acordo com a startup britânica Blockpool , a intenção da musicista era usar o novo sistema para oferecer ao público itens de sua loja oficial, incluindo edições limitadas de produtos para colecionadores. Na ocasião, Kevin Bacon , o CEO da empresa, comentou sobre a parceria em entrevista ao site Musically : "Não se trata de entrar nessa onda por moda ou para tentar ficar rico rapidamente,

A história do vestido de cisne da Björk

20 anos! Em 25 de março de 2001 , Björk esteve no Shrine Auditorium , em Los Angeles, para a 73º edição do Oscar . Na ocasião, ela concorria ao prêmio de "Melhor Canção Original" por I've Seen It All , do filme Dancer in the Dark , lançado no ano anterior.  No tapete vermelho e durante a performance incrível da faixa, a islandesa apareceu com seu famoso "vestido de cisne". Questionada sobre o autor da peça, uma criação do  fashion   designer macedônio  Marjan Pejoski , disse: "Meu amigo fez para mim".    Mais tarde, ela repetiu o look na capa de Vespertine . Variações também foram usadas muitas vezes na turnê do disco, bem como em uma apresentação no Top of the Pops .  "Estou acostumada a ser mal interpretada. Não é importante para mim ser entendida. Acho que é bastante arrogante esperar que as pessoas nos compreendam. Talvez, tenha um lado meu que meus amigos saibam que outros desconhecidos não veem, na verdade sou uma pessoa bastante sensata. 

Björk: uma "esquisita" gloriosa que me ensinou a ter orgulho de ser diferente

Mergulhei de cabeça na admiração por  Homogenic  e desde então, cada um de seus álbuns soou como um ponto de virada em minha vida. Foto: Dominic Favre (2007) Não fui uma criança esquisita em si, mas parecia esquisito. Quando era mais jovem, me destacar era algo que achava ótimo. Eu queria que as pessoas me vissem, mas, à medida que fui ficando mais velho isso mudou. Desejava desesperadamente ser como todo mundo. Era um adolescente gay, confuso e não assumido, cujo jeito entregava que não poderia entrar em uma sala e sumir. Eu precisava de estranhos na minha vida, precisava saber que não era necessário parecer ou agir como todo mundo, que o que o tornava alguém diferente poderia ser "alquimizado" em uma força. Para mim, Björk era como uma pessoa "esquisita" gloriosa. Uma alienígena, como foi rotulada pelo mainstream , que a recebeu em seu seio após Debut , em 1993. Suas excentricidades estavam embutidas em sua identidade pública: ela é islandesa, então falava com um

Vulcão Fagradalsfjall entra em erupção na Islândia e Björk comemora

"Sim, erupção! Nós na Islândia estamos tão animados. Ainda conseguimos! É uma sensação de alívio quando a natureza se expressa. Aproveitem.  Estou tão impressionada!!! Não consigo nem acreditar que é PRECISAMENTE onde gravamos o vídeo de Black Lake , uma canção de catarse e cura. Fica a 30 minutos da minha casa.  O diretor Andrew Thomas Huang até acrescentou uma erupção (na edição), e aqui está a real!!! Parece tão estranhamente profético me assistir ali na ponta dos pés, descalça, usando meu "vestido de lava" da Iris van Herpen , ferida e vulnerável em busca de redenção.  Isso que está acontecendo, só mostra que tudo se cura com o tempo. As feridas são cobertas, pode até haver cicatrizes, mas sempre há uma capacidade enorme na natureza de criar novas montanhas, de seguir em frente.  O lugar no qual filmamos, Geldingardalur, está desaparecendo lentamente, está sendo coberto por lava. Em breve, talvez ganhe um novo nome: Fagrahraun, que significa: "Bela Lava",

A gravação de There's More To Life Than This

We could nick a boat...   "Tenho uma canção antiga chamada There's More To Life Than This , que foi gravada ao vivo em um banheiro de uma festa. É possível perceber no eco e nos sons de fundo. Não sei explicar por qual motivo fiz isso, mas enfim, achei que precisava estar lá no disco. Pode parecer ingenuidade, mas prefiro o instinto do que a razão. É possível ir muito mais longe, acredite em mim!". - Björk em entrevista ao DeMorgen , 2018.      O registro foi feito no Milk Bar , em Londres, um lugar muito importante para a cena da nova música eletrônica na década de 90. Em 2017, Howie B , que trabalhou como engenheiro de som no Debut , disse para a Uncut Magazine : "Ela e o Nellee Hooper foram até lá com um equipamento de gravação, e quando voltaram me disseram: "Nós gravamos o vocal da canção". Eles fizeram isso no banheiro daquele lugar. Björk tem essa habilidade de reunir pessoas diferentes, e fazer com que tudo funcione. Às vezes, ela me dizia: "

Björk diz admirar a coragem de Lady Gaga como artista

"Definitivamente, gostei de algumas das roupas que a Lady Gaga está usando.   Eu a admiro por sua coragem, tudo estava ficando muito chato. Era como se todo mundo estivesse sendo conservador, e ninguém quisesse correr qualquer risco. Amo coisas teatrais, acredito que todos nós temos um lado teatral e um lado não tão teatral.  Quanto a música dela? Não é muito a minha praia. Tipo, não estou julgando. Algo muito bom sobre a música (em geral), é que a gente pode ter todos os tipos de canções para ouvir. Tem espaço para tudo. Já notei que mesmo que as coisas tenham mudado muito, sempre parece haver lugar para um monte de cantores homens, não vejo ninguém tratá-los como se o que fizessem fosse um duelo.  Ainda é como no tempo de " Christina Aguilera vs. Britney Spears ". Não quero ser colocada em uma posição na qual tenho que atacá-la. Achei muito injusto quando M.I.A e Joanna Newsom foram questionadas sobre Gaga e, por não gostarem de sua música, viraram imediatamente um

Björk e a sensação de conforto no palco

"Quando me apresento ao vivo, sinto que estou em casa, o que não significa que sempre tudo vai bem. É preciso muito esforço para encontrar esse lugar confortável! Em partes, se trata de determinar se existe algo visual, que me faça "ver" a música.  Tenho uma relação de amor e ódio com o mundo visual. Estou sempre rodeada de artistas visuais, e cinema e moda são duas das minhas coisas favoritas, mas às vezes sinto que meus sentidos ficam sobrecarregados. No minuto em que uma canção começa no palco, o que quero é fechar meus olhos".  - Björk para a Interview Magazine, agosto de 2007.  Foto: Santiago Felipe. 

The Dull Flame of Desire é um dos tesouros escondidos na discografia de Björk

The Dull Flame of Desire é um dos tesouros escondidos na discografia de Björk . A canção é um dueto com ANOHNI , e foi lançada como parte do álbum Volta . A letra é a tradução em inglês de um poema do Século XIX, de Fyodor Tyutchev , que também aparece em uma das cenas do filme Stalker (1979). "Antes, eu não tinha ela em mente para essa faixa. Nós cantávamos juntas (por diversão), já tinha muito tempo. Eu até achava que fazíamos isso timidamente, de um jeito meio sussurrado e doce, talvez com medo de pisarmos nos calcanhares uma da outra.  Certo dia, mostrei a ela uma melodia que criei no meio da noite, em cima de uma obra desse escritor, uma ideia que guardei no meu diário por uns 8 anos. Eu estava esperando o momento certo.  Tudo se encaixou perfeitamente, com essa sensação de uma fusão vocal. Até brincamos que aquela era a hora de finalmente interpretamos a música como duas divas. Nós podíamos fazer aquilo, pois eram as palavras de uma terceira pessoa. Não era o meu mundo, n

A música de Björk representada em imagens

"Eu sempre vejo as fotos de um ângulo emocional. Quero ter certeza de que estão em sintonia com o lugar no qual estou no momento. A razão de eu concordar em fazer ensaios fotográficos, é para ajudar as pessoas a entenderem melhor a minha música, então acho muito importante que, emocionalmente, eu pareça a mesma nas canções e nas imagens.  Os olhos da maioria dos indivíduos, são muito mais desenvolvidos do que seus ouvidos. Se eles perceberem um certo sentimento na fotografia, compreenderão a música. Então, para que não seja preciso ouvir dez vezes o álbum, vão conseguir isso de já de primeira".  - Björk em entrevista para a Index Magazine, junho de 2001.  Foto: Juergen Teller. 

A emoção nas canções de Björk

"Tenho usado as minhas emoções como uma espécie de estrutura para construir todo o resto. Basicamente, minhas músicas são uma coleção de picos emocionais, mesmo que sejam lindos ou dolorosos. Penso que essa é a natureza daquilo que faço.  Ser emocional não significa ser alguém estúpido. É possível "enlouquecer" e ainda orquestrar coisas que geralmente são consideradas bastante acadêmicas e inteligentes. Contanto que nosso coração esteja nisso, está tudo bem. Então, por esse motivo, minhas músicas são muito preciosas para mim.  Se isso quer dizer que vou criar um disco só a cada três anos, então são os picos emocionais vividos nesse período. É como se fossem dez ou onze assuntos e enigmas pessoais, que estou tentando resolver. Eu acho que cada uma das minhas canções tem algo nesse sentido.  No entanto, tenho notado que muitas pessoas que ouvem minhas músicas pensam que falam sobre amor, no lado romântico. E na verdade, estou muito satisfeita em ouvir isso, mesmo que estiv