Pular para o conteúdo principal

Postagens

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet. Em outubro de 1996 , Björk finalmente desembarcou no Brasil, com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no R
Postagens recentes

Björk terá sua própria estação musical na Sonos Radio HD

Björk fará parte da curadoria da estação de canções da empresa  Sonos Radio HD . A intenção é oferecer acesso a algumas das inspirações e obsessões musicais dos artistas, incluindo comentários. O projeto ainda conta com D'Angelo , FKA Twigs e The Chemical Brothers no time de convidados do serviço online .  "Estou muito emocionada por ter tido um motivo para passar 21 anos colecionando música. Desde o meu primeiro laptop , já tinha o costume de comprar CDs, de encontrar estranhamente Fitas K7 e de garimpar vinis em lojas secretas nas minhas viagens. Sempre reunindo tudo na minha biblioteca pessoal, com lindos arquivos do formato WAV .  Era apenas uma questão de tempo para que então eu pudesse compartilhá-los de outra forma: através da nuvem e streaming . Grande parte do meu coração está nesse material. Tantas memórias inacreditáveis ​​com amigos e entes queridos! DJsets em barzinhos e todos os tipos de ocasiões possíveis: barcos, carros, aviões.  Aqui estão músicas para cas

Björk começou as gravações do Debut secretamente

A ideia de um álbum da Björk era algo esperado por empresários desde que o Sugarcubes começou a fazer sucesso mundial. Grandes gravadoras tentaram contratá-la como uma artista solo. Por muito tempo, a islandesa preferiu não dar qualquer pista sobre uma possível mudança de direção em sua carreira:  "Nós tivemos essa merda desde o primeiro dia. Era ridículo! Comecei a gravar o Debut secretamente. Desde Birthday , havia uma certa pressão para fazer um disco só meu, e eu não queria que ninguém ficasse com uma ideia errada disso.  Quando comecei a trabalhar nesse projeto, fiz tudo sozinha. A partir do momento em que mais pessoas se envolveram, como os engenheiros de som e músicos, incluindo Oliver Lake , fiquei tipo: "Olha, ainda não temos um orçamento para tudo isso. Se você estiver realmente interessado em participar, terá que ser por si mesmo. Mas se tiver um álbum, será pago!".  Daí certo dia, resolvi falar com o cara da minha gravadora, Derek Birkett : "Escute, e

O final alternativo de Black Lake

Em publicação nos stories do Instagram, o diretor Andrew Thomas Huang revelou:  "O final alternativo de Black Lake tinha a Björk caindo do céu, despencando de volta ao solo islandês e deixando uma cratera no formato do símbolo do Vulnicura . Essa cena foi cortada da versão final do filme, mas ainda amo o design de produção feito por Thorgeir Odinsson e sua equipe".  Antes das filmagens, o processo criativo se estendeu por mais de 1 ano, em centenas de reuniões. Em entrevistas para TIME e The Creators Project , Björk falou das gravações, que aconteceram durante três dias, em julho do ano anterior:  "Estava muito frio lá. Fiquei cantando ao vivo, andando descalça. As condições eram extremas, mas perfeitas para essa música. É provavelmente uma das mais viscerais que já fiz, então era essencial ir para aquele lugar.  Andrew, sua equipe e eu estávamos tentando encontrar penhascos que se assemelhassem a uma ferida, para que eu pudesse aparecer como se estivesse dentro de

Björk e a busca pela canção perfeita

"Sou muito dura comigo mesma, pois acredito que ainda não fiz uma canção realmente boa. Espero conseguir criar alguma no tempo que me resta. Ficaria muito incomodada se não pudesse.  Penso que não estou nem um pouco próxima da música que ouço na minha cabeça. Minha mente nunca descansa, mas está tudo bem, pois faço aquilo que amo.  Cada música é muito importante para mim. O resultado deve me deixar satisfeita no som e no nível emocional. Eu jamais poderia me sentar e compor uma canção com disciplina. Escrever é algo que está ligado à minha vida, ao meu dia a dia. Criar é uma forma de colocar tudo em ordem, de esclarecer as coisas.  Quando acordo pela manhã, sempre tenho ideias para uma nova faixa. Daí, tenho que arrumar um jeito de tirar da minha cabeça. Para isso, gosto de sair para caminhar. Fico cantando até que surja algo, como uma espécie de vulcão em erupção.  Poder ouvir o que tenho em mente, faz com que tudo se encaixe. No momento de ir para o estúdio, já fiz 80% do disco

Conheça a história do cover de Björk para a canção tradicional islandesa do Gato de Natal

Em dezembro de 1987, foi publicado em uma compilação na Islândia um cover de Björk da canção tradicional Jólakötturinn . A música fala sobre o "Gato de Natal", uma figura monstruosa enorme e nada boazinha, que aparece nessa época do ano para devorar seres humanos que não estão usando roupas novas, especialmente crianças.  Segundo o conto, é por esse motivo que as pessoas costumam ganhar novas roupas nesse período de festas. Outras versões dessa mesma história dizem que, na verdade, o gato pega para si as comidas dos pequenos e dos adultos.  Ele é o animal de estimação dos filhos de outro nome do folclore islandês, Gryla . Durante o Século XIX, foi usado como uma ameaça no outono, para que trabalhadores islandeses terminassem rapidamente de processar lã. Aqueles que ficassem com preguiça e não quisessem colaborar, não receberiam novas peças de vestuário. Assim, seriam presos e entregues ao gatinho. Com o passar dos anos, a lenda também serviu como um incentivo aos jovens para

A linda relação de Björk e Þorgerður Ingólfsdóttir, lendas da música islandesa

Foto: Divulgação.  Em 1981, Björk Guðmundsdóttir , de apenas 16 anos , formou o grupo punk Tappi Tíkarrass . Imagens de uma das primeiras apresentações da banda, hoje estão em exposição em um museu na Islândia, bem no centro de Reykjavík. Nas fotos, Björk aparece em frente ao microfone vestida como uma boneca de porcelana. As sementes do punk foram plantadas no país alguns anos antes, quando The Stranglers atraiu 4.000 pessoas - cerca de 2% da população na época - a casa de shows Laugardalshöll, abrindo espaço para uma subcultura com a qual dezenas de jovens encontraram sua identidade.  Enquanto o Tappi Tíkarrass atuava na cena underground , Björk começou a cantar com um outro grupo de jovens. O coral Hamrahlíð foi fundado em 1982 por Þorgerður Ingólfsdóttir , que continua sendo sua maestrina até hoje. Com muita dedicação, ela formou milhares de musicistas na região, conquistando o respeito e a admiração de seus conterrâneos, bem como de outras pessoas em várias partes do mundo. 

The Juniper Tree chega ao catálogo da plataforma Supo Mungam Plus

The Juniper Tree é um filme islandês com um pequeno elenco de cinco atores, incluindo Björk quando ela ainda fazia parte do Sugarcubes . Foi escrito, produzido e dirigido por Nietzchka Keene baseado no conto de mesmo nome dos Irmãos Grimm .  Rodado no verão de 1986 com um orçamento extraordinariamente baixo, o filme só foi lançado em 1990 dentro do Sundance Film Festival . Filmado em preto e branco na paisagem de cinzas vulcânicas da Islândia para destacar seu conteúdo dramático, além de um recurso para ambientar a história como parte da Idade Média, esse filme se tornou popular entre os admiradores de Björk, depois que ela ganhou reconhecimento internacional em sua carreira solo.  Em junho de 2000, durante chat com fãs no site oficial, Björk disse: "Quando fiz esse filme, meu filho tinha dois meses de idade. Eu o amamentava nos intervalos das filmagens. A coisa toda parecia um sonho, e não acho que eu estava consciente do que estava acontecendo. Por isso, nunca contei muito esse

Björk ganha homenagens de fã em programa de TV no Chile

Na edição de 2020 do programa de TV chileno Yo Soy , Daniela Vásquez , uma grande fã de Björk , prestou homenagens à cantora recriando diversos momentos de sua carreira, inspirada nos ensaios fotográficos, videoclipes e shows da islandesa.  ❤️ Confira as performances dela exibidas ao longo da temporada:  Foto: Divulgação/Reprodução. 

Relembre entrevista de 2007 em que Björk falou sobre Britney Spears

  "Tenho muita simpatia pela Britney Spears , definitivamente. Não me identifico com a situação dela, porque eu tive uma escolha. Pude ir para bem longe, mas ela não. Embora ela se mudasse para Hong Kong, África ou qualquer outro lugar, não conseguiria escapar, e isso é bastante assustador! Foi assustador olhar as manchetes dela fotografada sem calcinha. Obviamente, haviam centenas de paparazzi em cima dela, mas o título das matérias sempre era: "Britney em busca de atenção". Me sinto envergonhada em falar, pois mostra o quanto estou seguindo isso tudo".  - Björk em entrevista para a revista Spin , junho de 2007.  No mesmo ano, o DigitalSpy publicou uma matéria dizendo que Björk enviou uma carta aconselhando a Princesa do Pop . Essa informação não foi confirmada, mas vale a pena relembrar. A islandesa teria dito a um jornalista responsável pelo site de notícias: "Eu sinto muito por ela. Lhe escrevi alguns dos meus pensamentos, que anotei quando estava passand

Leila Arab fala sobre colaboração com Björk

"Quando eu era mais jovem, realmente não gostava de música pop, mas no momento que vi Björk na TV com os Sugarcubes fiquei totalmente chocada. Ela é extraordinária! Depois de três anos, a conheci pessoalmente, em Londres. Na época, ela estava em busca de pessoas para tocar em sua nova banda.  Alguns amigos recomendaram o meu nome, embora eu realmente não soubesse como fazer música direito. Björk me ligou e lhe expliquei que eu não sabia ler partituras, mas ela me disse que não se importava. Isso não era tão importante.  Fotos: Divulgação.  Fiquei responsável pelo teclado na turnê do  Debut . Se eu te contar o que custou a ela cada nota que toquei. Aposto que milhões de libras por minuto, pois eu tive que tocar várias coisas! Na turnê do Post , ela me ofereceu o trabalho que eu queria: mixar as músicas ao vivo, embora eu ainda não tivesse muita experiência. Pensando agora, foi uma loucura, pois ela poderia ter contratado qualquer outra pessoa, sabe? Mas está sempre pronta para d