Pular para o conteúdo principal

Postagens

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre estas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.

1996 - Post Tour:
SETLIST: Army of Me/One Day/The Modern Things/Venus as a Boy/You've Been Flirting Again/Isobel/Possibly Maybe/I Go Humble/Big Time Sensuality/Hyperballad/Human Behaviour/The Anchor Song/I Miss You/Crying/Violently Happy/It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser mu…
Postagens recentes

Em novas entrevistas, Björk fala sobre vontade de vir ao Brasil

Hoje, acontece a estreia da exposição Björk Digital em São Paulo, que inclui o novo videoclipe Tabula Rasa! E nossa islandesa aproveitou a ocasião para conceder novas entrevistas ao Brasil.
Em conversa por telefone e via e-mail com o jornal O Estado de São Pauloe o UOL, ela declarou: "Amo montanhas e escaladas, mas mando mensagens via celular para os meus amigos. Adoro praia, mas assisto à Netflix. Minha vida é 50% natureza e 50% tecnologia. Não prefiro uma coisa a outra".
Sobre a escolha dos trabalhos que compõem a mostra, ela diz que faz as coisas por instinto: "Porém, depois os motivos se tornam mais óbvios", afirma. "Vulnicura é um álbum emocionalmente alienante, isolador. É como quando algo terrível acontece com a gente e ligamos para um amigo para contar um segredo. Esse disco é uma ópera do coração partido de uma pessoa só. É muito difícil explorar a emoção dele. Nunca cantei nada desse disco em programas de TV por causa disso. Mas quando uma pessoa co…

Para a Folha de São Paulo, Björk fala sobre o envelhecimento de sua voz

Na próxima terça-feira, 18 de junho de 2019, a exposição Björk Digital chega a São Paulo no Museu da Imagem e do Som (adquira ingressos clicando AQUI). Boa parte das datas já estão, inclusive, esgotadas! Em processo de divulgação do projeto, a cantora islandesa concedeu uma entrevista exclusiva para a Folha,em uma conversa por telefone direto de sua casa na Islândia. A matéria é de Diogo Bercito. Confira:
Björk discutiu alguns tópicos, como o estado atual de seus vocais: Ela vem cantando com tons abaixo das versões de seus discos já há alguns anos: "Deixo que a minha voz envelheça". A artista ainda se mostrou tranquila sobre a passagem de tempo natural da vida, e criticou a discriminação que a maioria das mulheres sofrem dando como exemplo Frank Sinatra e Johnny Cash, que puderam envelhecer sem esse tipo de cobrança do público, que parecia considerar suas vozes ainda mais charmosas com o avanço da idade. Enquanto, Whitney Houston era ridicularizada por não conseguir mais ca…

Björk lança videoclipe de "Tabula Rasa" e fala da relação com o público no show "Cornucopia"

Em Cornucopia, nova série de concertos de Björk, o público é convidado a embarcar em um show teatral, com base em uma utopia que a artista classifica como possível, em meio a necessidade de ação ambiental.
"Eu pessoalmente gostaria de dizer que estou tentando esculpir maneiras de expressar o lado espiritual no campo digital", contou em nova entrevista ao Dazed. “Isso é muito clichê? Acredito que existe uma enorme necessidade de se encontrar um lugar para a alma em nossa paisagem global. Sinto que a acústica (desse espetáculo) é algo ainda mais íntimo, pois nós queríamos isso e encontraremos um milhão de diferentes pontos de contato entre essas duas coisas. Quanto mais digital tivermos, mais pele nua e crua iremos querer.
Em geral, os meus álbuns foram escritos a partir de diferentes locais da minha mente. Por exemplo, o Biophilia é uma espécie de escola de música indo ao museu de ciências, e o Vulnicura uma ópera de tragédia grega da (história de) uma pessoa. Já Utopia foi …

Cornucopia: Björk une conto de fadas e música em novo espetáculo

“É como uma girafa albina bebê": De acordo com Björk, é dessa forma que soam as flautas do show Cornucopia. No novo espetáculo da artista islandesa, sete flautistas a acompanham, todas mulheres. Ela mencionou esses animais como uma maneira de tentar traduzir a visão que ela tem de suas colaboradoras no projeto. "São bichinhos meio peludos e meio limpos ao mesmo tempo, mas não tanto quanto pensamos, já que na verdade (continuam sendo) girafas. Se é que isso faz algum sentido".
Essa entrevista foi concedida durante uma pausa nos ensaios em um jantar com a cantora. A jornalista Melena Ryzik e Björk ficaram sentadas de frente para o palco durante o bate-papo. 
A estreia das apresentações com ingressos esgotados no centro cultural The Shed, em Nova Iorque, foram anunciadas como a performance mais elaborada da cantora até hoje! O coral de 50 pessoas, a cabine de reverb feita sob medida, as projeções de vídeo hipnotizantes, o "som de 360 ​​graus" cuidadosamente posi…

Cornucopia: Björk estreia show em Nova Iorque

No ano passado, Björk viajou pela Europa promovendo Utopia, seu mais recente disco de estúdio. Na noite desta segunda-feira, 6 de maio, ela expandiu o conceito do álbum em uma emocionante e impressionante ilustração audiovisual.
Cornucopia estreou em Nova Iorque, como uma residência de oito shows no centro cultural The Shed, com ingressos esgotados. O espetáculo será transformado em uma turnê mundial nos próximos meses. As primeiras apresentações serão no México nos dias 17, 20, 23 de agosto e 27, no Parque Bicentenario.

A superprodução com direção de Lucrecia Martel, trouxe surpresas! No setlist, como já esperado, 12 das 14 canções do álbum lançado em 2017 (incluindo as primeiras performances de Body Memory Future Forever), além de algumas faixas não tocadas há muitos anos! Definitivamente, a performance mais elaborada da carreira da artista, como ela mesma já havia prometido. 
Cornucopia teve início com um pré-show do Hamrahlid Choir, coral de 50 pessoas do álbum Utopia, que também…