Pular para o conteúdo principal

Postagens

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.




Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…
Postagens recentes

Björk e Milton Nascimento - A Travessia para um grande encontro

Poucas horas antes do show no Metropolitan, no Rio de Janeiro, em 20 de agosto de 1998 (saiba mais AQUI), Björk conversou com a imprensa brasileira, e esteve junto de Milton Nascimento. Ela foi uma das atrações principais do festival Close-Up Planet:


Ao jornal Extra, ela contou que é fã não só de Elis, mas também do Sepultura. Falando de Milton Nascimento, revelou: "Cheguei no sábado (acompanhada de uma amiga de infância) e fiquei bêbada com algumas pessoas ouvindo as músicas dele". Segundo a publicação, a cantora teria cogitado a ideia de ir a apresentação "Tambores de Minas" da lenda brasileira, no Canecão. Ela admitiu que do line-up do festival, só conhecia mesmo as atrações internacionais: "Tenho que dizer que sou ignorante em relação à música brasileira, e isso me envergonha". Também deixou claro que, como de costume, não incluiria nada do Sugarcubes no setlist: "São meus amigos, crescemos juntos. Não posso tocar uma música da banda sem eles&qu…

Synchronicity: A música de Björk para skatistas

31 de agosto de 2003, foi o dia do penúltimo show da Greatest Hits Tour. A apresentação em Boston, nos Estados Unidos, rendeu boas lembranças para Björk. Uma festa nos bastidores do espetáculo deu origem a uma canção chamada Synchronicity, que foi usada no documentário Hot Chocolate, de Spike Jonze


Em 2006, em entrevista para a Slap Magazine, a artista falou sobre a inspiração da composição: 
"Eu estava fazendo uma turnê no verão passado, e recebi uma mensagem do meu amigo Spike Jonze, me dizendo: "Está tudo bem se eu for ao seu show na lista de convidados? Sou eu e mais dezessete pessoas". Eu nunca recebo pedidos assim, então achei muito engraçado. 
Fiz a apresentação, e com performances ao vivo tem dias que são bons e outros ruins. Talvez, naquele dia eu não tenha feito um dos meus melhores, mas depois, nos bastidores, montamos várias mesas e cadeiras ao ar livre. Tínhamos um pequeno aparelho de som portátil e o Drew, do Matmos, aproveitou para fazer um DJset. Aí S…

Björk já quase saiu em turnê com o Radiohead

Em 1998, Björk e o Radiohead estavam fazendo shows pelo mundo divulgando Homogenic e Ok Computer, respectivamente. Hoje, ambos os álbuns são clássicos na discografia desses artistas. Em abril daquele mesmo ano, eles iriam unir forças no palco em quatro apresentações em arenas na América do Norte. Os ingressos já tinham sido colocados à venda, inclusive, com uma data marcada no lendário Radio City Music Hall, em Nova York. 
Mas dois meses antes da primeira performance, a participação da islandesa na turnê do grupo foi cancelada. Em comunicado veiculado na revista NME, com o posicionamento dela e da banda, o motivo foi revelado: "Os cenários dos shows de cada um deles são mais do que elaborados, com muitas configurações técnicas no som. Isso exigiria que o público esperasse bastante tempo entre os sets", explicou a assessoria.



Ainda de acordo com a nota, a demora seria de aproximadamente uma hora, algo que tanto o Radiohead quanto a Björk achavam inaceitável para seus fãs. Um…

Em entrevista, Björk fala sobre seu sotaque

Em entrevista para a Dazed, em março de 1996, Björk foi questionada pelo jornalista Jefferson Hack sobre a permanência de seu sotaque. Ele disse a cantora: 
- É engraçado porque, quando você está falando de um jeito mais sério, sua pronúncia é mais britânica. Mas, quando está discutindo um assunto de modo mais emocional, soa mais islandês. 
B: É definitivamente assim! Acredito que o islandês é o meu instinto, enquanto que o inglês sou eu sendo inteligente. O islandês é o lado inconsciente, e o inglês o consciente. Quando falo em inglês, especialmente em entrevistas e coisas assim, vejo muito facilmente como sou por fora e me descrevo. Mas, eu teria que ser muito estúpida para não aprender esse idioma, pois tenho falado com a imprensa já há uns 900 anos. Para mim, seria impossível se fosse em islandês, pois quando ouço a mim mesma (sendo entrevistada) falando na minha língua pareço tão falsa, tão terrivelmente pretensiosa e a "senhorita sabe tudo". Fico querendo me estrangula…

O dia em que Björk fez parte do Pierrot Lunaire

Em 04 agosto de 1996, Björk se apresentou no Verbier Festival, série de concertos de canções clássicas na Suíça. Na ocasião, a artista participou de uma representação única do Pierrot Lunaire, obra marcante e de destaque na história da música. A composição é de 1912, e foi feita por Arnold Schönberg baseada no ciclo de poemas homônimo escrito por Albert Giraud. Trata-se de um espetáculo com poemas interpretados a partir de técnicas vocais únicas, em uma espécie de idioma específico na ópera, o Sprechgesang. Termo alemão, cuja a tradução literal é a mistura de canto e fala, durante uma declamação. 
Em 21 textos, o trabalho é dividido em três partes. Na primeira, Pierrot, "intoxicado" pela lua, fantasia sobre amor, sexo e religião. Na segunda, o personagem encontra tudo isso em um mundo cheio de pesadelos e blasfêmia. Já na terceira, é assombrado por pensamentos nostálgicos de seu passado. Os instrumentos são organizados de maneira diferente em cada número, e trazem uma grand…

Exposição Björk Digital em cartaz no Rio de Janeiro

Nova turnê em 2021: Björk Orchestral

A partir de junho de 2021, Björk oferecerá aos fãs uma série de espetáculos bem especiais. Em Björk Orchestral, ela estará acompanhada apenas por uma orquestra, e revisitará os arranjos de cordas que criou em seu extenso catálogo de canções nos últimos 27 anos. Segundo a LiveNation, no setlist estarão faixas que moldaram sua carreira. Por enquanto, são 6 datas do show acústico na Europa, para um público de 5 a 22 mil pessoas. Clique nos links abaixo para conferir imagens dos lugares incríveis que receberão nossa musa:
- 10 de junho de 2021 - Helsinque, Finlândia - Hartwall Arena.
14 de junho de 2021 - Moscou, Rússia - Crocus City Hall: com participação da Orquestra Filarmônica Nacional da Rússia.  - 18 de junho de 2021 - Berlim, Alemanha - Waldbühne: com participação da Orquestra Sinfônica da Rádio de Berlim.  - 25 de junho de 2021 - Paris, França - La Seine Musicale.  - 28 de junho de 2021 - Paris, França - La Seine Musicale.  - 22 de julho de 2021 - Cheshire, Inglaterra no Bluedo…