Pular para o conteúdo principal

Björk recebe diploma honorário da Universidade de Artes da Islândia

Fossora não, Doutora!

A artista islandesa Björk recebeu um doutorado honorário da Universidade de Artes da Islândia durante uma cerimônia de formatura no Harpa Music Conference Hall em 16 de junho de 2023. É a segunda vez na história da universidade que tal prêmio foi concedido.

A cantora recebeu a homenagem em reconhecimento por suas significativas contribuições artísticas, que tiveram impacto mundial.

Durante o evento, Friða Björk Ingvarsdóttir, presidente da instituição, fez um discurso destacando a carreira de Björk, descrevendo-a como uma força formidável:

"Caros convidados, não é por acaso que agora estamos, pela primeira vez, premiando um indivíduo com um doutorado honorário, apenas por sua contribuição artística. E é uma honra especial para nós que Björk aceite este símbolo de respeito como um sinal de nossa gratidão por todas as suas criações inestimáveis.  

Os autores do documento e do prêmio são Guðmundur Oddur Magnússon e Tinna Gunnarsdóttir, ambos ex-professores do Departamento de Design da nossa universidade, que projetaram esses artefatos especialmente para esta ocasião.   

Desde que apareceu na cena, Björk tem sido extremamente fiel ao seu próprio senso de originalidade na criação e expressão. Ela foi uma pioneira, e trabalhou como empreendedora e seguiu seu próprio caminho explorando novos mundos. É difícil traçar sua carreira resumidamente, para que sua ampla influência se torne clara. 

A maioria de nós conhece a história quando Björk colocou diretamente a música islandesa no mapa mundial. Embora a música de nossos compatriotas tenha, sem dúvida, ultrapassado as fronteiras do país e impressionado muitos, ainda assim foi ela a primeira pessoa a abrir caminho para a música islandesa nos holofotes de todo o mundo, o que certamente também beneficiou aqueles que vieram depois.

Além disso, ela não é uma musicista comum e parece ser regida por leis diferentes da maioria. Como artista a solo, tem continuado a renovar a sua ligação às composições e à sua própria imagem. Cada vez que ela envia uma nova criação, ela nos traz um mundo novo e inesperado. 

Ela nunca olha para trás, e nesse processo constante de transformação artística, talvez seja simbólico que Björk mude de imagem; se metamorfoseando em pássaros, cogumelos e flores, por exemplo. Tudo isso através de trajes incríveis e forte apresentação visual.  

Desta forma, ela cria a ligação com o que vive dentro de todos nós, como um fragmento do vasto e diverso todo da existência, na sobreposição irracional da fantasia e da biosfera terrestre.  

Mas Björk não parou por aí quando o assunto é natureza. A natureza não é apenas seu material, mas também seu ideal. Ela lutou com firmeza contra Kárahnjúkavirkjun (um projeto de uma hidroelétrica no leste da Islândia, que consistia em duas barragens em dois rios, para produzir energia elétrica, sobretudo para uma siderurgia de alumínio construída pela empresa Alcoa em Reyðarfjörður). Björk se juntou a artistas de todos os tipos na luta contra o vandalismo da natureza, causado pelo homem. Mais recentemente, ela tomou medidas contra a matança sem sentido e cruel de baleias neste país, que todos devemos nos unir para acabar com essa situação.

Björk também é pesquisadora; ela estuda as forças que impulsionam a natureza e a dinâmica da percepção. Isso ficou bem claro em todas as enormes ambições que tiraram "Biophilia" de sua cabeça, formando um programa educacional único para crianças e jovens. E lá se juntou a ela um dos mais famosos exploradores da natureza dos últimos tempos, David Attenborough, o que por si só mostra o quão profunda é sua reputação profissional.   

Ela também escolheu uma maneira incomum de lançar suas criações no cosmos. Ela escreve, canta, arranja e produz todo o seu próprio material - além de ser sua própria editora. Isso por si só cria para ela uma singularidade e liberdade inestimável para obedecer ao seu chamado ao máximo, independentemente das forças do mercado que possam inibir sua liberdade artística e capacidade de expandir os limites da expressão.  

Suas obras, portanto, explodem todas as formas e trabalham em muitas camadas em todos os ramos da arte, bem como uma conexão com a inspiração filosófica e a ciência.  

E por falar em originalidade; Björk conduziu experimentos incríveis no palco; tocou música eletrônica acústica controlada por computadores, tocou uma bobina de tesla em um raio e usou uma variedade de outros instrumentos experimentais únicos. E como, hoje, ela está ganhando um pêndulo aqui (o formato do prêmio), é bom dizer que ela também deixou um pêndulo fazer sons ao dedilhar as cordas de uma harpa.  

Björk trabalhou em arte cinematográfica e participou de projetos artísticos. E encheu, por exemplo, o MoMa de NY com seus trabalhos em uma exposição que chamou a atenção do mundo. Tem livros publicados, um deles por exemplo com a sua correspondência com um dos principais pensadores da época, Timothy Morton.  

Claro, ela foi indicada para todos os prêmios importantes possíveis, por sua magnífica contribuição em diferentes formas de arte - e ganhou mais prêmios do que poderiam ser listados aqui.  

No início deste evento, me referi à democracia e ao papel das artes na luta pela verdade e na construção da solidariedade contra a opressão da opinião. Björk é uma daquelas que virou notícia mundial e assumiu riscos consideráveis ​​por sua luta pela democracia. Quem não se lembra de sua bravura quando pediu a liberdade do Tibete ao final da apresentação da música "Declare Independence" em um show em Xangai, para protestar contra a agressão da China ao Tibete?

Não importa onde a arte, a discussão filosófica e a ciência do dia estão em causa - Björk esteve envolvida em tudo isso. Sua história está simplesmente entrelaçada com a história contemporânea da cultura mundial.  

Vou pedir a Björk Guðmundsdóttir que suba aqui no palco e aceite esse prêmio, como um sinal de gratidão e respeito da Iceland University of the Arts por seu trabalho, e também por sua coragem inabalável em direcionar sua arte para todos nós, e ao mesmo tempo despertando nossa compreensão da existência".

Emocionante, né? Ela merece muuuuito! 💓

Para celebrar essa conquista tão linda, duas obras de Björk foram interpretadas na cerimônia: "Atopos" pelo grupo de clarinetistas Murmuri, e "Tabula Rasa" performada pelas flautistas do Viibra.

Em trecho de seu discurso de agradecimento, Björk disse: 

"É um momento tão emocionante que todos vocês estão "grávidos" de inúmeras possibilidades de manifestação de poder e, portanto, precisam ser meio "míopes" para serem capazes de ouvir seus próprios instintos, como os de um animal que nada profundamente abaixo de vocês.

E se não desenvolverem a audição desse animal, irão ficar incompreensivelmente perdidos e irão experimentar o sofrimento! Mas se vocês seguirem seus radares, se acreditarem no desconhecido, se seguirem esse desconhecido, se ouvirem a mensagem irracional e se renderem a isso, então vocês irão florescer".

Fotos: Eygló Gísladóttir.


Postagens mais visitadas deste blog

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Debut, o primeiro álbum da carreira solo de Björk, completa 30 anos

Há 30 anos , era lançado "Debut", o primeiro álbum da carreira solo de Björk : "Esse disco tem memórias e melodias da minha infância e adolescência. No minuto em que decidi seguir sozinha, tive problemas com a autoindulgência disso. Era a história da garota que deixou a Islândia, que queria lançar sua própria música para o resto do mundo. Comecei a escrever como uma estrutura livre na natureza, por conta própria, na introversão". Foi assim que a islandesa refletiu sobre "Debut" em 2022, durante entrevista ao podcast Sonic Symbolism: "Eu só poderia fazer isso com algum tipo de senso de humor, transformando-o em algo como uma história de mitologia. O álbum tem melodias e coisas que eu escrevi durante anos, então trouxe muitas memórias desse período. Eu funcionava muito pelo impulso e instinto". Foto: Jean-Baptiste Mondino. Para Björk, as palavras que descrevem "Debut" são: Tímido, iniciante, o mensageiro, humildade, prata, mohair (ou ango

Björk e a paixão pelo canto de Elis Regina: "Ela cobre todo um espectro de emoções"

"É difícil explicar. Existem várias outras cantoras, como Ella Fitzgerald , Billie Holiday , Edith Piaf , mas há alguma coisa em Elis Regina com a qual eu me identifico. Então escrevi uma canção, Isobel , sobre ela. Na verdade, é mais uma fantasia, porque sei pouco a respeito dela".  Quando perguntada se já viu algum vídeo com imagens de Elis, Björk respondeu:  "Somente um. É um concerto gravado no Brasil, em um circo, com uma grande orquestra. Apesar de não conhecê-la, trabalhei com ( Eumir ) Deodato e ele me contou várias histórias sobre ela. Acho que tem algo a ver com a energia com a qual ela canta. Ela também tem uma claridade no tom da voz, que é cheia de espírito.  O que eu gosto em Elis é que ela cobre todo um espectro de emoções. Em um momento, ela está muito feliz, parece estar no céu. Em outro, pode estar muito triste e se transforma em uma suicida".  A entrevista foi publicada na Folha de São Paulo , em setembro de 1996. Na ocasião, Björk divulgava o

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Relembre todas as passagens de Björk por terras brasileiras! Preparamos uma matéria detalhada e cheia de curiosidades: Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96) , como parte do Free Jazz Festival . Fotos:  André Gardenberg, Folhapres