Pular para o conteúdo principal

O constante período criativo de Björk

A proposta de entrevista de Björk para o El Mundo veio com duas condições: tinha que ser por e-mail e as respostas precisavam ser reproduzidas na íntegra. Em troca, a equipe do jornal espanhol sugeriu que o bate-papo fosse iniciado com três perguntas parecidas com as que o jornalista Paulo Gil fez a ela em 2001, para o livro "El pop después del fin del pop" da revista Rockdelux. A ideia é comparar os depoimentos e ver o quanto a artista mudou desde então.

- Por que você dá tanta importância à coragem ao criar ou tocar música?

Hmm... Acho que este pode ser um daqueles momentos em que meu humor não traduz bem isso, mas obviamente existem diferentes tipos de bravura. Coragem para não se conformar, coragem para ter disciplina para praticar com seu instrumento muitas horas por dia, coragem para não depender do conforto do lar ou da família quando os projetos são realizados, e pelo contrário: coragem para se apoiar na família e amigos quando os projetos são realizados... O que estou tentando dizer é que é bastante abstrato. Mas é algo que sinto quando ouço um músico que estagna, ou se apoia em gêneros, ou workaholics, ou outras muletas. O que tento, como forma de agradecer aos músicos que não caíram nessas armadilhas, é ficar longe deles também para alimentar alguém por sua vez.

[Ela disse em 2001: "Levei uma vida muito feliz na Islândia, tudo foi maravilhoso. E nessa vida havia coisas que me alimentavam, que me faziam sentir viva: alguns livros, filmes e música. Eram obras criadas por pessoas que sacrificaram muitas coisas para poder dar isso aos outros. Senti que estaria enganando as pessoas se passasse o resto da minha vida quieta ali, sem correr riscos e me contentando em aproveitar os riscos que outros correram. Quando deixei a Islândia aos 27 anos com meu filho, foi um grande sacrifício. Preciso de um pouco de coragem para isso, sério"].

Para o Expresso, também em junho de 2023, Björk declarou: "Se fizesse o que a Islândia queria de mim, teria passado os anos 80 vendendo peixe".

- Você se considera uma artista de vanguarda?

É uma palavra complicada, acho que ninguém coloca esse rótulo de bom grado... Acho que significa algo como "perto de" ou "à frente de", ou algum tipo de proximidade de um centro, mas o centro de quê? Acho que todos os músicos gostariam de pensar que o seu trabalho é o centro e não o que está "perto" ou nos arredores de qualquer coisa. Nos poucos momentos em que sentimos que fizemos boa música, nos sentimos em casa.

[2001: "Não me vejo como uma artista de vanguarda. É um pouco estranho isso de vanguardista... Acho que em geral as pessoas têm gostos mais excêntricos do que admitem. Na minha opinião todo mundo é excêntrico. Gosto mais da individualidade do que da vanguarda. Avant-garde soa muito programado para mim, e eu nunca tentei ser esquisita. Todos nós temos pequenas peculiaridades e alguns de nós lidamos com elas muito bem e somos abertos a isso. Bom, acho que sou mais aberta do que a média sobre essas peculiaridades"].

- Seus discos podem ser interpretados em certa medida como diários, nos quais você destila muitos pensamentos e experiências pessoais. É necessário colocar o coração nas músicas?

Não acho necessário... Acho que toda música tem o direito de existir, com ou sem coração.

[2001: "Há vários lugares onde não consigo documentar como me sinto; eles são confusos, e eu gosto disso. É algo que não consigo controlar. Às vezes, se algo incrível acontece comigo, preciso contar a um amigo sobre isso. Outras vezes, porém, preciso escrever uma música. Nesses casos, não conto a mais ninguém. Mas eu sempre coloco meu coração nas músicas, é claro"].

- Um dos adjetivos recorrentes que lhe descrevem como artista é a palavra "única", no sentido de incomparável. É uma qualidade deliberada. É importante para você?

Não somos todos únicos? Acho que é um ponto cego, algo em mim que não consigo enxergar de fora...

- Você cuida de cada detalhe de seus shows para que eles se tornem uma ação artística total, algo que eu acho que é melhor exemplificado na turnê "Cornucopia", um show que funciona como uma obra de arte efêmera que dura apenas uma hora e meia e depois desaparece.

Obrigada! É um grande elogio. Eu aprecio isso. Obviamente, vou a shows desde criança e adoro a interação do som com o ouvinte e o que isso faz com os ouvidos, coração e alma combinados naquele momento. Pode ser algo mágico e transformador. Obviamente, todos os músicos aspiram a isso: às vezes a gente consegue, e muitas vezes não... Mas eu adoro o formato de concerto, é uma das minhas coisas favoritas.

- "Cornucopia" é seu espetáculo mais teatral. Lembrando seu trabalho intermitente como atriz, que retomou recentemente em "The Northman", tem sido uma frustração para você não desenvolver mais o seu trabalho como atriz?

Nas poucas vezes que tentei atuar, achei muito chato e não tão envolvente e satisfatório quanto estar no meio de uma música. Sempre me senti um pouco como um peixe fora d'água. Falando em expressão em "Cornucopia", o melhor de um show é que podemos justapor músicas emocionalmente estruturadas em uma ordem, e isso traz à tona a intérprete em mim. É uma parte da musicalidade que tanto os violinistas quanto os pianistas têm, o aspecto performativo, mas é sem linguagem e em muitos aspectos é uma celebração por finalmente estar livre de palavras em um mundo sonoro.

- A tecnologia sempre pareceu te atrair. Você acha que a Inteligência Artificial é uma nova ferramenta para músicos ou uma ameaça? Você já tentou trabalhar com isso?

Acho que, como a maioria das ferramentas, não é a ferramenta em si que é ruim, mas o que você faz com ela. Toda vez que os humanos inventam algo novo, surge a questão moral de como isso pode ser usado para o bem ou para o mal, e não há uma resposta em preto e branco. Não importa se é sobre fogo, telefone, internet ou inteligência artificial. Sempre surge o mesmo enigma: não é a ferramenta, mas o que se faz com ela.

- Você considera seus álbuns independentes uns dos outros ou eles formam um trabalho contínuo que mantém relações e conexões?

Hmm... Ambos... Há uma ordem cronológica e algumas pequenas histórias que se repetem ao longo dos álbuns entre as músicas, como "Pagan Poetry" e "Losss", "Arisen My Senses" e "Ovule", "Isobel" e "Bachelorette".

- Você está trabalhando em novas músicas?

Estou sempre trabalhando em algo, mas devagar e com segurança. Agora é muito cedo para descrevê-lo.

- A natureza é um dos grandes temas da sua música e uma das suas grandes preocupações. Que mensagem você acha importante transmitir hoje sobre as mudanças climáticas?

Que não seja tarde demais. Tome uma atitude agora. Passe mais tempo ao ar livre!

- Depois de 40 anos escrevendo canções e fazendo música, quais você acha que são seus maiores pontos fortes e fracos como criadora?

Meu entusiasmo.

- Você usa suas letras para explorar seus sentimentos e sua identidade. Como você trabalha nelas?

Minhas letras passam por vários níveis de exposição, embora provavelmente não pareça porque são bastante diretas. Dedico muito tempo a elas e procuro encontrar o momento em que brilham, entre o véu e a exposição, numa expressão que espero seja universal.

Foto: Santiago Felipe.

Postagens mais visitadas deste blog

Björk e a paixão pelo canto de Elis Regina: "Ela cobre todo um espectro de emoções"

"É difícil explicar. Existem várias outras cantoras, como Ella Fitzgerald , Billie Holiday , Edith Piaf , mas há alguma coisa em Elis Regina com a qual eu me identifico. Então escrevi uma canção, Isobel , sobre ela. Na verdade, é mais uma fantasia, porque sei pouco a respeito dela".  Quando perguntada se já viu algum vídeo com imagens de Elis, Björk respondeu:  "Somente um. É um concerto gravado no Brasil, em um circo, com uma grande orquestra. Apesar de não conhecê-la, trabalhei com ( Eumir ) Deodato e ele me contou várias histórias sobre ela. Acho que tem algo a ver com a energia com a qual ela canta. Ela também tem uma claridade no tom da voz, que é cheia de espírito.  O que eu gosto em Elis é que ela cobre todo um espectro de emoções. Em um momento, ela está muito feliz, parece estar no céu. Em outro, pode estar muito triste e se transforma em uma suicida".  A entrevista foi publicada na Folha de São Paulo , em setembro de 1996. Na ocasião, Björk divulgava o

Debut, o primeiro álbum da carreira solo de Björk, completa 30 anos

Há 30 anos , era lançado "Debut", o primeiro álbum da carreira solo de Björk : "Esse disco tem memórias e melodias da minha infância e adolescência. No minuto em que decidi seguir sozinha, tive problemas com a autoindulgência disso. Era a história da garota que deixou a Islândia, que queria lançar sua própria música para o resto do mundo. Comecei a escrever como uma estrutura livre na natureza, por conta própria, na introversão". Foi assim que a islandesa refletiu sobre "Debut" em 2022, durante entrevista ao podcast Sonic Symbolism: "Eu só poderia fazer isso com algum tipo de senso de humor, transformando-o em algo como uma história de mitologia. O álbum tem melodias e coisas que eu escrevi durante anos, então trouxe muitas memórias desse período. Eu funcionava muito pelo impulso e instinto". Foto: Jean-Baptiste Mondino. Para Björk, as palavras que descrevem "Debut" são: Tímido, iniciante, o mensageiro, humildade, prata, mohair (ou ango

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Relembre todas as passagens de Björk por terras brasileiras! Preparamos uma matéria detalhada e cheia de curiosidades: Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96) , como parte do Free Jazz Festival . Fotos:  André Gardenberg, Folhapres