Pular para o conteúdo principal

"Sempre fiz o que eu queria, mesmo que não parecesse algo lógico"


Para o La Vanguardia, Björk falou sobre a chegada da Utopia Tour em Barcelona, no próximo dia 31/05:

- Duas visitas a Barcelona em menos de um ano. Temos que nos sentir privilegiados?

São duas visitas muito diferentes: a do ano passado foi, por assim dizer, uma visita para ensinar (com a exposição Björk Digital), e a de agora é sobre cantar e criar música. Esta é uma turnê preparada meticulosamente na qual estou acompanhada por vários músicos no palco. Nós criamos um repertório de cerca de quarenta músicas, e todas as manhãs dos dias em que vamos tocar eu decido o que vou cantar.

- E se o público pedir que você toque um clássico da sua discografia? Você costuma prestar atenção nisso?

A verdade é que eu geralmente não percebo essas coisas, e também, neste tipo de turnê, as coisas tendem a serem bem planejadas.

- Você é uma pessoa metódica ao desenvolver seus projetos?

No caso de "Utopia", foi um processo criativo sem exatamente um conceito do que eu estava procurando, foi algo sobre otimismo e 'luminosidade' mesmo (em contraste ao disco anterior). Eu trabalhei intensamente neste álbum por dois anos e meio. No início, passei meses ligando, como gosto de dizer, 'insumos emocionais', procurando elementos que somados começassem a ter um significado. Esse processo lento, mas frutífero, no qual dificuldades técnicas são combinadas com pequenas ou grandes realizações musicais. Não sei fui metódica, mas perseverei muito de um modo que possa até ser considerado obsessivo. Olhe, na produção deste trabalho a maior parte do tempo, de longe, eu gastei na frente do meu laptop editando música após música. Antes de compor, conversei com os músicos, com os editores, com os produtores; em seguida, organizei tudo, gravando, mixando e, no final, editando o resultado final. E é aí que eu poderia me ver polindo cada problema por semanas, sozinha, sentada com o meu computador. Foi intenso, mas reconfortante.

- E o Arca, com quem você colaborou mais uma vez, também se apresentará no Primavera Sound!

Sim, e com um dos seus shows fascinantes. Eu não poderia dizer exatamente por que nos conectamos tão bem, mas o fato é que concordamos quando se trata de adivinhar e entender o que cada um de nós sugere. Em "Utopia", seu papel foi fundamental. No "Vulnicura", ele apareceu quando o processo inteiro já estava se finalizando e já tinha ideias muito claras do que eu queria, por assim dizer. Mas a colaboração foi boa, excelente, porque suas ideias são brilhantes. Já no novo disco, no entanto, foi um bom começo, e seu papel foi de igual para igual no planejamento artístico.

- Por exemplo...

Nós conversamos, recuperamos elementos sonoros que tínhamos gostado bastante em "Vulnicura", trocamos e-mails sobre isso e construímos instrumentais com referências em melodias tocadas com flautas da América do Sul e harmonias vocais, , e cada um dos dois manipulou tudo isso em estúdio.

- Precisamente, o som das flautas é talvez o elemento mais marcante em "Utopia". Por que essa ênfase?

É uma das coisas que surgiram nesse processo criativo muito longo. Chegou um momento em que vi que o que eu queria transmitir sonoramente era algo leve, aconchegante, fofo, como uma casa onde você se sente à vontade, com um vago sentimento familiar. E entre uma coisa e outra acabei fazendo arranjos de flauta ao longo do álbum, além de também tocar nas canções e ter um grupo de de flautistas. A flauta é um instrumento que me leva de volta à minha infância, e seu som limpo, é, para mim, sinônimo de ingenuidade e inocência, me faz viajar para esse estágio da minha vida. Além de seu som em si ser de extrema beleza. É como o ar, o ar de viajar através dos instrumentos de sopro, junto do canto dos pássaros que gravamos para o álbum. Ou da minha própria voz, que em alguns momentos soa mais como um instrumento sonoro e em outros de forma mais convencional. 

- O seu novo trabalho é mais positivo? Você chegou a dizer que este é um álbum que lida com o amor em todos os aspectos.

Estas são coisas que se enxerga depois. É uma das coisas mais fascinantes do meu ofício. Fascinante ou dramático, dependendo de como você olha, porque quando você está preparando algo, você não está vendo o que está se tornando, você está apenas fazendo. A mesma coisa acontece com as músicas, que durante a concepção não se tem ideia da transcendência que elas podem ter. Uma vez que uma canção surge, e depois outra e depois outra, no final você vê que você pode fazer um álbum. E então você percebe que elas fazem um todo temático ou conceitual, ou não.

- É um processo ou uma tarefa que pode ser angustiante, certo?

Eu não vejo desse jeito. Para mim, uma das maiores coisas, a maior certamente, sobre a música é seguir seus instintos em liberdade. Minha carreira sempre foi guiada por isso. Sempre fiz o que eu queria, mesmo que não parecesse algo lógico.

- Quando você fala de uma utopia, é com certo significado político?

Embora eu seja islandesa, passo longos períodos em Nova York e querendo ou não vejo o que acontece por lá. Quando Trump foi eleito, percebi o quanto todos estavam preocupados e pessimistas, e isso com pessoas no meu trabalho e também no ambiente pessoal. De alguma forma eu amadureci a ideia de que o que eu fazia tinha que transmitir algum otimismo como uma arma e como uma opção real. Não bastava apenas lamentar ou reclamar, era necessário passar para fatos concretos. E eu tenho esperança, claro. (...) E estou me referindo a um desastre ecológico que está aqui, que vemos todos os dias na forma do desaparecimento das florestas, da necessidade urgente de limpar os oceanos. Essa ideia de uma ilha no tema do álbum onde as plantas têm voz, onde os pássaros dão vida a uma floresta em constante mutação, é algo que se reflete na mudança entre os sons dessas músicas.

- O que você acha de iniciativas como o #MeToo?

É algo necessário! No mundo da indústria cinematográfica, é um fenômeno muito difundido, mas no campo musical tive a sorte de decidir desde muito jovem. E eu acho que agora há uma geração de mulheres muito bem treinadas no mundo da indústria da música que estão assumindo um papel de liderança imparável. E isso é algo totalmente justo, porque a ideia é que esses setores reflitam a realidade de que o sexo feminino é a maioria no planeta.

Postagens mais visitadas deste blog

A história do vestido de cisne da Björk

20 anos! Em 25 de março de 2001 , Björk esteve no Shrine Auditorium , em Los Angeles, para a 73º edição do Oscar . Na ocasião, ela concorria ao prêmio de "Melhor Canção Original" por I've Seen It All , do filme Dancer in the Dark , lançado no ano anterior.  No tapete vermelho e durante a performance incrível da faixa, a islandesa apareceu com seu famoso "vestido de cisne". Questionada sobre o autor da peça, uma criação do  fashion   designer macedônio  Marjan Pejoski , disse: "Meu amigo fez para mim".    Mais tarde, ela repetiu o look na capa de Vespertine . Variações também foram usadas muitas vezes na turnê do disco, bem como em uma apresentação no Top of the Pops .  "Estou acostumada a ser mal interpretada. Não é importante para mim ser entendida. Acho que é bastante arrogante esperar que as pessoas nos compreendam. Talvez, tenha um lado meu que meus amigos saibam que outros desconhecidos não veem, na verdade sou uma pessoa bastante sensata. 

Vestido de Cisne: o maior equívoco que as pessoas cometem sobre Björk

Foto: Divulgação "Estou acostumada a ser mal interpretada. Não é importante para mim ser entendida. Acho que é bastante arrogante esperar que as pessoas compreendam você.  Talvez, tenha um lado meu que meus amigos saibam que outros desconhecidos não veem, na verdade sou uma pessoa bastante sensata. (...)  Eu não posso acreditar que ainda estão falando sobre o vestido de cisne tantos anos depois! Acho esse sentido do vestido de Hollywood muito alienante! Obviamente, eu estava fazendo uma piada. Uma coisa que ninguém menciona é que eu tinha seis ovos comigo e os distribui ao redor do tapete vermelho. E todos os assistentes das estrelas ficavam tipo: "Desculpe, senhora, você deixou cair isso". Foi bem divertido! A coisa mais estranha é que todos realmente pensaram que eu estava tentando me encaixar, mas que de alguma forma eu tinha entendido isso errado. Parece que estou tentando me encaixar

A paixão de Björk por Kate Bush

Foto: Divulgação "Eu gostaria de ouvi-la sem parar. Era muito divertido acompanhar sua música na Islândia. Eu acabei adquirindo os álbuns muitos anos depois que saíram, então eu não tinha qualquer contexto, eu estava simplesmente ouvindo-os no meu próprio contexto. E todas as minhas canções favoritas eram as “lado-B” do terceiro single , por exemplo. E então eu vi alguns documentários sobre ela, era a primeira vez que eu via as coisas de um ponto de vista britânico e eles estavam falando: "Ela esteve no Top 3 das paradas musicais, e foi no Top of The Pops , e fez muito melhor do que o fracasso do álbum anterior”. E foi o oposto total para mim! É tão ridículo, esta narrativa de sucesso e fracasso. Como, se você faz algo surpreendente, a próxima coisa tem que ser horrível. É como o tempo ou algo assim. Dez anos mais tarde, alguém assiste na Islândia ou na China e é totalmente irrelevante. Para mim, ela sempre representará a época de exploração da

Björk e Milton Nascimento - A Travessia para um grande encontro

Foto: Horácio Brandão/Midiorama (1998) Poucas horas antes do show no  Metropolitan , no Rio de Janeiro, em 20 de agosto de 1998 (saiba mais AQUI ), Björk    conversou com a imprensa brasileira, e esteve junto de Milton Nascimento . Ela foi uma das atrações principais do festival Close-Up Planet : Fotos: Site Rock em Geral (1998) Ao jornal  Extra , ela contou que é fã não só de Elis, mas também do Sepultura . Falando de Milton Nascimento, revelou: "Cheguei no sábado (acompanhada de uma amiga de infância) e fiquei bêbada com algumas pessoas ouvindo as músicas dele". Segundo a publicação, a cantora teria cogitado a ideia de ir a apresentação "Tambores de Minas" da lenda brasileira, no Canecão . Ela admitiu que do line-up do festival, só conhecia mesmo as atrações internacionais: "Tenho que dizer que sou ignorante em relação à música brasileira, e isso me envergonha". Também deixou claro que, como de costume, não incluiria nada do Sugarcubes

Björk e Arca trocam cartas em nova edição da i-D Magazine

Para a edição em comemoração ao 40º aniversário da revista  iD , Björk e Arca compartilharam cartas profundamente pessoais, que escreveram uma para a outra. Nos relatos, elas falam sobre a natureza da família, seu relacionamento especial e em constante evolução; e a obra criada a partir disso.  As duas se conheceram em setembro de 2013, logo após o último show da turnê de Biophilia . Arca estava fazendo um DJset na festa nos bastidores. De cara, se deu muito bem com Björk e dançaram a noite toda. Com a amizade já fortalecida, a artista e produtora venezuelana foi convidada para colaborar no próximo álbum da islandesa, Vulnicura (2015). Juntas, elas também embarcaram na turnê do projeto, antes de se unirem novamente para criar o disco Utopia (2017). Em diversas entrevistas ao longo dos últimos 7 anos, Björk descreveu a parceria com Arca como o relacionamento musical mais forte que já teve.  Segundo Arca, Björk é uma pessoa “mergulhada em sua profundidade e multiplicidade. Simples, co