Pular para o conteúdo principal

"Sempre fiz o que eu queria, mesmo que não parecesse algo lógico"


Para o La Vanguardia, Björk falou sobre a chegada da Utopia Tour em Barcelona, no próximo dia 31/05:

- Duas visitas a Barcelona em menos de um ano. Temos que nos sentir privilegiados?

São duas visitas muito diferentes: a do ano passado foi, por assim dizer, uma visita para ensinar (com a exposição Björk Digital), e a de agora é sobre cantar e criar música. Esta é uma turnê preparada meticulosamente na qual estou acompanhada por vários músicos no palco. Nós criamos um repertório de cerca de quarenta músicas, e todas as manhãs dos dias em que vamos tocar eu decido o que vou cantar.

- E se o público pedir que você toque um clássico da sua discografia? Você costuma prestar atenção nisso?

A verdade é que eu geralmente não percebo essas coisas, e também, neste tipo de turnê, as coisas tendem a serem bem planejadas.

- Você é uma pessoa metódica ao desenvolver seus projetos?

No caso de "Utopia", foi um processo criativo sem exatamente um conceito do que eu estava procurando, foi algo sobre otimismo e 'luminosidade' mesmo (em contraste ao disco anterior). Eu trabalhei intensamente neste álbum por dois anos e meio. No início, passei meses ligando, como gosto de dizer, 'insumos emocionais', procurando elementos que somados começassem a ter um significado. Esse processo lento, mas frutífero, no qual dificuldades técnicas são combinadas com pequenas ou grandes realizações musicais. Não sei fui metódica, mas perseverei muito de um modo que possa até ser considerado obsessivo. Olhe, na produção deste trabalho a maior parte do tempo, de longe, eu gastei na frente do meu laptop editando música após música. Antes de compor, conversei com os músicos, com os editores, com os produtores; em seguida, organizei tudo, gravando, mixando e, no final, editando o resultado final. E é aí que eu poderia me ver polindo cada problema por semanas, sozinha, sentada com o meu computador. Foi intenso, mas reconfortante.

- E o Arca, com quem você colaborou mais uma vez, também se apresentará no Primavera Sound!

Sim, e com um dos seus shows fascinantes. Eu não poderia dizer exatamente por que nos conectamos tão bem, mas o fato é que concordamos quando se trata de adivinhar e entender o que cada um de nós sugere. Em "Utopia", seu papel foi fundamental. No "Vulnicura", ele apareceu quando o processo inteiro já estava se finalizando e já tinha ideias muito claras do que eu queria, por assim dizer. Mas a colaboração foi boa, excelente, porque suas ideias são brilhantes. Já no novo disco, no entanto, foi um bom começo, e seu papel foi de igual para igual no planejamento artístico.

- Por exemplo...

Nós conversamos, recuperamos elementos sonoros que tínhamos gostado bastante em "Vulnicura", trocamos e-mails sobre isso e construímos instrumentais com referências em melodias tocadas com flautas da América do Sul e harmonias vocais, , e cada um dos dois manipulou tudo isso em estúdio.

- Precisamente, o som das flautas é talvez o elemento mais marcante em "Utopia". Por que essa ênfase?

É uma das coisas que surgiram nesse processo criativo muito longo. Chegou um momento em que vi que o que eu queria transmitir sonoramente era algo leve, aconchegante, fofo, como uma casa onde você se sente à vontade, com um vago sentimento familiar. E entre uma coisa e outra acabei fazendo arranjos de flauta ao longo do álbum, além de também tocar nas canções e ter um grupo de de flautistas. A flauta é um instrumento que me leva de volta à minha infância, e seu som limpo, é, para mim, sinônimo de ingenuidade e inocência, me faz viajar para esse estágio da minha vida. Além de seu som em si ser de extrema beleza. É como o ar, o ar de viajar através dos instrumentos de sopro, junto do canto dos pássaros que gravamos para o álbum. Ou da minha própria voz, que em alguns momentos soa mais como um instrumento sonoro e em outros de forma mais convencional. 

- O seu novo trabalho é mais positivo? Você chegou a dizer que este é um álbum que lida com o amor em todos os aspectos.

Estas são coisas que se enxerga depois. É uma das coisas mais fascinantes do meu ofício. Fascinante ou dramático, dependendo de como você olha, porque quando você está preparando algo, você não está vendo o que está se tornando, você está apenas fazendo. A mesma coisa acontece com as músicas, que durante a concepção não se tem ideia da transcendência que elas podem ter. Uma vez que uma canção surge, e depois outra e depois outra, no final você vê que você pode fazer um álbum. E então você percebe que elas fazem um todo temático ou conceitual, ou não.

- É um processo ou uma tarefa que pode ser angustiante, certo?

Eu não vejo desse jeito. Para mim, uma das maiores coisas, a maior certamente, sobre a música é seguir seus instintos em liberdade. Minha carreira sempre foi guiada por isso. Sempre fiz o que eu queria, mesmo que não parecesse algo lógico.

- Quando você fala de uma utopia, é com certo significado político?

Embora eu seja islandesa, passo longos períodos em Nova York e querendo ou não vejo o que acontece por lá. Quando Trump foi eleito, percebi o quanto todos estavam preocupados e pessimistas, e isso com pessoas no meu trabalho e também no ambiente pessoal. De alguma forma eu amadureci a ideia de que o que eu fazia tinha que transmitir algum otimismo como uma arma e como uma opção real. Não bastava apenas lamentar ou reclamar, era necessário passar para fatos concretos. E eu tenho esperança, claro. (...) E estou me referindo a um desastre ecológico que está aqui, que vemos todos os dias na forma do desaparecimento das florestas, da necessidade urgente de limpar os oceanos. Essa ideia de uma ilha no tema do álbum onde as plantas têm voz, onde os pássaros dão vida a uma floresta em constante mutação, é algo que se reflete na mudança entre os sons dessas músicas.

- O que você acha de iniciativas como o #MeToo?

É algo necessário! No mundo da indústria cinematográfica, é um fenômeno muito difundido, mas no campo musical tive a sorte de decidir desde muito jovem. E eu acho que agora há uma geração de mulheres muito bem treinadas no mundo da indústria da música que estão assumindo um papel de liderança imparável. E isso é algo totalmente justo, porque a ideia é que esses setores reflitam a realidade de que o sexo feminino é a maioria no planeta.

Postagens mais visitadas deste blog

Björk e Milton Nascimento - A Travessia para um grande encontro

Foto: Horácio Brandão/Midiorama (1998) Poucas horas antes do show no  Metropolitan , no Rio de Janeiro, em 20 de agosto de 1998 (saiba mais AQUI ), Björk    conversou com a imprensa brasileira, e esteve junto de Milton Nascimento . Ela foi uma das atrações principais do festival Close-Up Planet : Fotos: Site Rock em Geral (1998) Ao jornal  Extra , ela contou que é fã não só de Elis, mas também do Sepultura . Falando de Milton Nascimento, revelou: "Cheguei no sábado (acompanhada de uma amiga de infância) e fiquei bêbada com algumas pessoas ouvindo as músicas dele". Segundo a publicação, a cantora teria cogitado a ideia de ir a apresentação "Tambores de Minas" da lenda brasileira, no Canecão . Ela admitiu que do line-up do festival, só conhecia mesmo as atrações internacionais: "Tenho que dizer que sou ignorante em relação à música brasileira, e isso me envergonha". Também deixou claro que, como de costume, não incluiria nada do Sugarcubes

Björk ganha sua própria estação musical na Sonos Radio HD

Björk agora é parte da curadoria da estação de canções da empresa  Sonos Radio HD . A intenção é oferecer acesso a algumas das inspirações e obsessões musicais dos artistas, incluindo comentários. O projeto ainda conta com D'Angelo , FKA Twigs e The Chemical Brothers no time de convidados do serviço online por assinatura.  Vivendo no "oceano" da música:  "Estou muito emocionada por ter tido um motivo para passar 21 anos colecionando música. Desde o meu primeiro laptop , já tinha o costume de comprar CDs, de encontrar estranhamente Fitas K7 e de garimpar vinis em lojas secretas nas minhas viagens. Sempre reunindo tudo na minha biblioteca pessoal, com lindos arquivos do formato WAV .  Era apenas uma questão de tempo para que então eu pudesse compartilhá-los de outra forma: através da nuvem e streaming . Grande parte do meu coração está nesse material. Tantas memórias inacreditáveis ​​com amigos e entes queridos! DJsets em barzinhos e todos os tipos de ocasiões poss

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet. Em outubro de 1996 , Björk finalmente desembarcou no Brasil, com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no R

Em carta aberta no Facebook, Björk fala sobre assédio sexual

Björk publicou em seu Facebook, na tarde deste domingo, um texto em que revela que foi vítima de assédio sexual por um diretor dinamarquês . Confira a tradução do post na íntegra: "Me sinto inspirada por ver mulheres pelo mundo se pronunciando sobre esses casos (de abuso sexual) na internet. Isso me fez sentir vontade de contar minha experiência com um diretor dinamarquês.  Porque eu venho de um país onde a diferença entre os sexos é pequena, apesar de ainda existir, e no momento em que tenho certa força no mundo da música com uma independência, que foi duramente conquistada, sempre esteve extremamente claro para mim que quando eu entrasse na carreira de atriz, meu papel e humilhação como uma menor sexualmente assediada seria uma norma para um diretor cuja a equipe de dezenas de pessoas permitiu e o encorajou a fazer isso.  Eu estava ciente de que é algo universal, em que um diretor pode tocar e assediar suas atrizes à vontade e a indústria do cinema permite

The Dull Flame of Desire é um dos tesouros escondidos na discografia de Björk

The Dull Flame of Desire é um dos tesouros escondidos na discografia de Björk . A canção é um dueto com ANOHNI , e foi lançada como parte do álbum Volta . A letra é a tradução em inglês de um poema do Século XIX, de Fyodor Tyutchev , que também aparece em uma das cenas do filme Stalker (1979). "Antes, eu não tinha ela em mente para essa faixa. Nós cantávamos juntas (por diversão), já tinha muito tempo. Eu até achava que fazíamos isso timidamente, de um jeito meio sussurrado e doce, talvez com medo de pisarmos nos calcanhares uma da outra.  Certo dia, mostrei a ela uma melodia que criei no meio da noite, em cima de uma obra desse escritor, uma ideia que guardei no meu diário por uns 8 anos. Eu estava esperando o momento certo.  Tudo se encaixou perfeitamente, com essa sensação de uma fusão vocal. Até brincamos que aquela era a hora de finalmente interpretamos a música como duas divas. Nós podíamos fazer aquilo, pois eram as palavras de uma terceira pessoa. Não era o meu mundo, n