Pular para o conteúdo principal

Os bastidores da construção do som de Cornucopia, o teatro digital de Björk



O processo criativo:

A visão de Björk para o som de Cornucopia era criar uma experiência sensorial sobrenatural que une elementos visuais, auditivos e virtuais. Isso do cenário de composição do estúdio até o palco final da performance do show. É o que conta Steve Jones, que faz parte da equipe de produção do novo espetáculo da artista, que inclui uma cabine de reverb e som surround de 360º.

É um projeto ambicioso, cujas ideias iniciais começaram a ser desenvolvidas há quase 10 anos, ainda na época do Biophilia. Não é à toa que a islandesa o descreve como sua apresentação mais elaborada em toda a carreira, onde o lado acústico e o digital estão de mãos dadas. 

“Björk sempre ultrapassou os limites ao desafiar as experiências a serem oferecidas a seu público”, observa Jones. “Experiências sonoras envolventes são o tema principal no momento; e Björk e o engenheiro de John Gale estavam muito interessados ​​em explorar os mais recentes métodos de som imersivo. Eles dois lideraram tudo. John organizou demos de vários sistemas de som e a Soundscape apareceu através da Southby Productions do Reino Unido. Nós criamos uma afinidade e discutimos sobre como esse show poderia ser realizado em espaços muito individuais, como foi o caso do The Shed".

Para a grande produção, foi exigida uma abordagem bastante diferente do design comum na maioria dos casos. Não se trata de uma configuração padrão da esquerda para a direita. Vai muito além com os alto-falantes de 360º ao redor do público, compatível com as escolhas criativas de quais lugares esses sons surgem e quanto tempo devem durar.


“Na fase de planejamento do show, o The Shed ainda não tinha sido inaugurado e a equipe da casa de espetáculos estava colocando em prática seu fluxo de trabalho interno para administrar o local. Então, fazer perguntas como: "Podemos montar um equipamento com grande capacidade de carga?" era uma parte do desafio, era uma tarefa justa para um novo local, com uma nova equipe e infraestrutura. Por sorte, tivemos um ótimo "time de áudio" liderado por Jim van Bergen, para colaborar junto da Southby e encontrar soluções para necessidades individuais. Também recebemos grande ajuda da SAVI, nossa parceira D&B de Nova Iorque, que ajudou a fornecer e adaptar o sistema interno do The Shed. Tudo para combinar a configuração da infraestrutura de áudio com uma iluminação e produção de vídeo extremamente ambiciosas. Por isso, todos nós tivemos que aprender a fazer compromissos certos para o bem da experiência geral do público. Como sempre, grandes shows acontecem com um ótimo trabalho em equipe, e esse show neste local definitivamente precisava de um bom trabalho de equipe".

Desafios:

Tudo começou no Stúdio Sýrland, na Islândia. À medida em que a produção progredia, os ensaios passavam para o Backstage Center, em Londres, até toda a equipe finalmente viajar para a estreia no The Shed. Björk, como sempre, cuidou de todos os detalhes. Inicialmente, a equipe do Southby encontrou Gale e montou uma apresentação, em uma igreja, do que viria a ser o áudio, para que depois com a supervisão dela tudo pudesse ser ajustado e modificado. “Foi o ponto de partida da nossa jornada”, afirma Christopher Jones, diretor da empresa. “Na terra natal de Björk, nossa equipe recebeu o desafio de montar um sistema Soundscape para ela experimentar em um farol remoto, em um lugar 4×4 que só podia ser acessado com a maré baixa".

Jones explica que eles queriam materializar a noção de áudio perfeito imaginado por Björk: “Primeiramente, visualizamos e movemos objetos ao vivo em um software. Em seguida, pré-programamos as posições específicas deles no espetáculo em canais de reprodução dentro de uma sessão ProTools codificada por tempo para mostrar sequências. Grande parte do show é pré-concebida e sincronizada com uma ferramenta principal de reprodução que fica no palco. Além disso, também cuidamos simultaneamente de instrumentos ao vivo e de todos os efeitos vocais. Tudo isso também nos permitiu fazer registros mais complicados".


A experiência do público:

O design de som proporcionou uma nova experiência auditiva na apresentação para o público, bem como uma oportunidade única para a criatividade de Björk no palco: “Para mim, a música Body Memory é um momento de destaque no show”, observa Steve Jones. “Nós temos um coral em um ambiente no qual abusamos dos efeitos realmente musicais, mas também dinâmicos, vindos de vários ângulos acentuados pela equipe de iluminação, liderada por Bruno Poet. Também encontramos maneiras de quebrar criativamente as regras usuais do Soundscape com "objetos de som" que parecem vir de cima, apesar de não haver alto-falantes no teto. Essa música tem uma camada rica de tantas partes que o software consegue oferecer um resultado que não é exagerado demais para se absorver. O The Shed é um espaço muito individual, geométrica e acusticamente".

A parceria com o engenheiro de som John Gale:

"Há algum tempo, Björk já vinha me perguntando se poderíamos fazer shows com som em 360º. Ela tem trabalhado em alguns projetos de realidade virtual e está em uma abordagem totalmente imersiva em sua música e arte, então essa foi uma progressão muito natural para a produção.

O resumo inicial que eu tinha em mente era que a Cornucopia seria muito teatral e, portanto, um espetáculo transparente, com efeitos sutis e ruídos ambientais, não amplificados pelos softwares, mas reforçados para soar como se estivessem vindo diretamente do palco. Björk queria muito que esse elemento fosse introduzido, conversamos bastante sobre como fazê-lo. Havia também a preocupação de como fazer tudo em surround sem confundir o público.

Mas, como muitas vezes acontece no mundo dela, tudo se desenvolveu bastante ao longo dos meses. Cornucopia se tornou um mundo imersivo e ainda um evento musical. Então, ficou claro que enquanto o show tivesse esses momentos transparentes e tranquilos, também teria um áudio totalmente imersivo, com músicas que envolveriam o público de todos os cantos da casa de shows. Ainda cheguei a fazer toda a mixagem de maneira tradicional, mas percebi que nem sempre precisamos ser tão brutais. Não é preciso gastar tanto "espaço sonoro" entre os elementos de som, porque naturalmente se espalham pelo lugar e nossos ouvidos fazem a somatória. "Colamos" tudo de forma transparente. Foi uma jornada gratificante, precisei fazer ajustes na minha abordagem, percebi que muita coisa não se aplica mais.

Criativamente, fomos apresentados a tantas possibilidades. Eu particularmente adorei trabalhar com o departamento de iluminação. Foi tão divertido! Além disso, a ideia principal era envolver o público, unindo elementos visuais e o áudio. Björk realmente queria abraçar isso. 

Do ponto de vista do público, há momentos em que não ficamos exatamente cientes da tecnologia usada, como por exemplo: O fato do coral ter sido cuidadosamente colocado (para não soar como algo amplificado), o uso de alto-falantes especiais para as flautas (para que o som viesse de determinada direção), os instrumentos de percussão (incluindo os "tambores de água") colocados como espaço físico no palco, os backing vocals percorrendo todas as direções da sala (até mesmo perdendo um pouco do vocal -ao vivo- de Björk entre eles), as flautas e batidas que parecem girar em torno da cabeça das pessoas, ou a parte em que (por um efeito de som) a plateia é colocada dentro da cabine de reverb com ela. Tudo isso foi planejado no design de som. É assim que Björk passeia sonoramente entre o público.


Aliás, penso que cada um deles tira algo diferente desse show. Visualmente, é incrível, então às vezes um membro da plateia mergulha tanto nesse universo que nem percebe que o Soundscape ou o Surround estão sincronizados. Muitos deles comentam sobre como foi maravilhoso estarem imersos no sistema de áudio. Eu encaro ambas as situações como uma vitória".

No tourbook de Cornucopia, Björk falou sobre como está contente em finalmente ter uma cabine de reverb em seus shows: "Ela se parece um pouco com uma capela para uma só pessoa. Muitas vezes, em tudo do ambiente teatral, as coisas são feitas para parecerem boas, mas eu queria que o som acústico fosse de qualidade. E foi tão inspirador quando tudo começou a tomar forma! Mesmo sendo uma espécie de miniatura em comparação a templos e catedrais, se alinharam com a linguagem estética. Em diversas ocasiões, quando aqueço minha voz, sinto que sonoramente, dentro de nosso crânio, temos nossa própria capela. E pensando dessa maneira, o teto dessa cabine é dessa natureza. Uma cúpula matriarcal. A 'umidade' que o som reverb dá ao tom das canções conecta ao mesmo tempo em que comunica. Acredito que ressoa semelhante a sensação que temos depois de uma boa aula de ioga. Alguns professores mencionam que, após finalizarmos uma meditação, há uma tigela cheia de mel quente flutuando acima de nossas cabeças. Mel disponível para ser derramado metafisicamente sobre nós quando necessário para nos curarmos espiritualmente, para treinar nossa catedral interna".


Postagens mais visitadas deste blog

A história do vestido de cisne da Björk

20 anos! Em 25 de março de 2001 , Björk esteve no Shrine Auditorium , em Los Angeles, para a 73º edição do Oscar . Na ocasião, ela concorria ao prêmio de "Melhor Canção Original" por I've Seen It All , do filme Dancer in the Dark , lançado no ano anterior.  No tapete vermelho e durante a performance incrível da faixa, a islandesa apareceu com seu famoso "vestido de cisne". Questionada sobre o autor da peça, uma criação do  fashion   designer macedônio  Marjan Pejoski , disse: "Meu amigo fez para mim".    Mais tarde, ela repetiu o look na capa de Vespertine . Variações também foram usadas muitas vezes na turnê do disco, bem como em uma apresentação no Top of the Pops .  "Estou acostumada a ser mal interpretada. Não é importante para mim ser entendida. Acho que é bastante arrogante esperar que as pessoas nos compreendam. Talvez, tenha um lado meu que meus amigos saibam que outros desconhecidos não veem, na verdade sou uma pessoa bastante sensata. 

Vestido de Cisne: o maior equívoco que as pessoas cometem sobre Björk

Foto: Divulgação "Estou acostumada a ser mal interpretada. Não é importante para mim ser entendida. Acho que é bastante arrogante esperar que as pessoas compreendam você.  Talvez, tenha um lado meu que meus amigos saibam que outros desconhecidos não veem, na verdade sou uma pessoa bastante sensata. (...)  Eu não posso acreditar que ainda estão falando sobre o vestido de cisne tantos anos depois! Acho esse sentido do vestido de Hollywood muito alienante! Obviamente, eu estava fazendo uma piada. Uma coisa que ninguém menciona é que eu tinha seis ovos comigo e os distribui ao redor do tapete vermelho. E todos os assistentes das estrelas ficavam tipo: "Desculpe, senhora, você deixou cair isso". Foi bem divertido! A coisa mais estranha é que todos realmente pensaram que eu estava tentando me encaixar, mas que de alguma forma eu tinha entendido isso errado. Parece que estou tentando me encaixar

A paixão de Björk por Kate Bush

Foto: Divulgação "Eu gostaria de ouvi-la sem parar. Era muito divertido acompanhar sua música na Islândia. Eu acabei adquirindo os álbuns muitos anos depois que saíram, então eu não tinha qualquer contexto, eu estava simplesmente ouvindo-os no meu próprio contexto. E todas as minhas canções favoritas eram as “lado-B” do terceiro single , por exemplo. E então eu vi alguns documentários sobre ela, era a primeira vez que eu via as coisas de um ponto de vista britânico e eles estavam falando: "Ela esteve no Top 3 das paradas musicais, e foi no Top of The Pops , e fez muito melhor do que o fracasso do álbum anterior”. E foi o oposto total para mim! É tão ridículo, esta narrativa de sucesso e fracasso. Como, se você faz algo surpreendente, a próxima coisa tem que ser horrível. É como o tempo ou algo assim. Dez anos mais tarde, alguém assiste na Islândia ou na China e é totalmente irrelevante. Para mim, ela sempre representará a época de exploração da

Björk e Milton Nascimento - A Travessia para um grande encontro

Foto: Horácio Brandão/Midiorama (1998) Poucas horas antes do show no  Metropolitan , no Rio de Janeiro, em 20 de agosto de 1998 (saiba mais AQUI ), Björk    conversou com a imprensa brasileira, e esteve junto de Milton Nascimento . Ela foi uma das atrações principais do festival Close-Up Planet : Fotos: Site Rock em Geral (1998) Ao jornal  Extra , ela contou que é fã não só de Elis, mas também do Sepultura . Falando de Milton Nascimento, revelou: "Cheguei no sábado (acompanhada de uma amiga de infância) e fiquei bêbada com algumas pessoas ouvindo as músicas dele". Segundo a publicação, a cantora teria cogitado a ideia de ir a apresentação "Tambores de Minas" da lenda brasileira, no Canecão . Ela admitiu que do line-up do festival, só conhecia mesmo as atrações internacionais: "Tenho que dizer que sou ignorante em relação à música brasileira, e isso me envergonha". Também deixou claro que, como de costume, não incluiria nada do Sugarcubes

Björk e Arca trocam cartas em nova edição da i-D Magazine

Para a edição em comemoração ao 40º aniversário da revista  iD , Björk e Arca compartilharam cartas profundamente pessoais, que escreveram uma para a outra. Nos relatos, elas falam sobre a natureza da família, seu relacionamento especial e em constante evolução; e a obra criada a partir disso.  As duas se conheceram em setembro de 2013, logo após o último show da turnê de Biophilia . Arca estava fazendo um DJset na festa nos bastidores. De cara, se deu muito bem com Björk e dançaram a noite toda. Com a amizade já fortalecida, a artista e produtora venezuelana foi convidada para colaborar no próximo álbum da islandesa, Vulnicura (2015). Juntas, elas também embarcaram na turnê do projeto, antes de se unirem novamente para criar o disco Utopia (2017). Em diversas entrevistas ao longo dos últimos 7 anos, Björk descreveu a parceria com Arca como o relacionamento musical mais forte que já teve.  Segundo Arca, Björk é uma pessoa “mergulhada em sua profundidade e multiplicidade. Simples, co