Pular para o conteúdo principal

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução. 

O músico Sindri Eldon, que é filho de Björk, respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe. 

Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine: "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe". 

A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou: 

"Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu estava muito amargo e com raiva, sim, mas também estava apenas brincando. 

Obviamente, o contexto realmente não é muito bem transmitido em uma entrevista feita apenas por texto, e eu sei disso agora, mas nos meus 20 anos não entendia. É engraçado que tanto com entrevistas quanto com músicas, é difícil ter uma noção de como é algo que se torna permanente. 

Raiva, auto-aversão e autossabotagem são coisas contra as quais lutei muito na minha vida. Como todo mundo que gosta de seus pais, eu cresci querendo ser como eles, mas eles faziam tudo parecer tão fácil, então realmente não fiz o trabalho como eu deveria". 

Foto: Divulgação. 

Ele também acrescentou: "E agora, olhando para trás, parece que meu coração nunca esteve realmente nisso o suficiente. Mesmo agora, me sinto como um artista muito autoconsciente para realmente entregar uma boa música. Outra coisa que parece evidente em teoria, é que quando você cala a boca e parar de divulgar o material e de dar entrevistas, ninguém percebe. As pessoas ainda apenas julgam por aquilo que você disse quando era alguém desagradável. 

Em algum momento, percebi como podemos nos sabotar dando entrevistas e lançando álbuns ruins, então parei, mas as pessoas ainda podem te tratar como se essa merda te definisse. Você se lembra de uma coisa estúpida que você disse há 10 anos? Seus pensamentos e sentimentos sobre isso mudaram desde então? Claro que sim! Mas se ninguém perguntar a você sobre isso, todos simplesmente irão achar que você ainda é o mesmo idiota estúpido. 

Acho que é isso, não tenho mais nada a dizer, mas fique à vontade para perguntar se você deseja esclarecimentos sobre algum ponto em particular. Eu só queria aproveitar esta oportunidade para anunciar que não sou o cara que disse essas coisas, não mais, e se as pessoas vão rir de mim e me julgar, deveriam saber que eu também acho que esse cara era apenas um idiota, com quem não me identifico mais. Isso não me absolve das coisas imbecis que eu disse, eu sei, mas acho que a sociedade é, de alguma forma, minimamente culpada aqui. 

As pessoas veem o que querem ver e se sentem melhor enquadrando essa situação como: "ah, o filho dessa pessoa famosa é um idiota" e não como: "esse cara muito normal é jovem, bêbado e arrogante, mas vamos interpretá-lo de um outro jeito, pois a cultura de celebridades destruiu o senso de empatia das pessoas". 

Eu me identifico muito com o que Mia Khalifa disse sobre como as pessoas a definem como uma pessoa com base talvez no ponto mais baixo de sua vida, e que agora é apenas uma luta árdua para consertar as coisas, então eu acho que esta pequena thread é a minha tentativa de apresentar eu mesmo como sou agora, como uma réplica ao que eu disse quando tinha uns 25 anos". 

Postagens mais visitadas deste blog

Debut, o primeiro álbum da carreira solo de Björk, completa 30 anos

Há 30 anos , era lançado "Debut", o primeiro álbum da carreira solo de Björk : "Esse disco tem memórias e melodias da minha infância e adolescência. No minuto em que decidi seguir sozinha, tive problemas com a autoindulgência disso. Era a história da garota que deixou a Islândia, que queria lançar sua própria música para o resto do mundo. Comecei a escrever como uma estrutura livre na natureza, por conta própria, na introversão". Foi assim que a islandesa refletiu sobre "Debut" em 2022, durante entrevista ao podcast Sonic Symbolism: "Eu só poderia fazer isso com algum tipo de senso de humor, transformando-o em algo como uma história de mitologia. O álbum tem melodias e coisas que eu escrevi durante anos, então trouxe muitas memórias desse período. Eu funcionava muito pelo impulso e instinto". Foto: Jean-Baptiste Mondino. Para Björk, as palavras que descrevem "Debut" são: Tímido, iniciante, o mensageiro, humildade, prata, mohair (ou ango

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Björk e a paixão pelo canto de Elis Regina: "Ela cobre todo um espectro de emoções"

"É difícil explicar. Existem várias outras cantoras, como Ella Fitzgerald , Billie Holiday , Edith Piaf , mas há alguma coisa em Elis Regina com a qual eu me identifico. Então escrevi uma canção, Isobel , sobre ela. Na verdade, é mais uma fantasia, porque sei pouco a respeito dela".  Quando perguntada se já viu algum vídeo com imagens de Elis, Björk respondeu:  "Somente um. É um concerto gravado no Brasil, em um circo, com uma grande orquestra. Apesar de não conhecê-la, trabalhei com ( Eumir ) Deodato e ele me contou várias histórias sobre ela. Acho que tem algo a ver com a energia com a qual ela canta. Ela também tem uma claridade no tom da voz, que é cheia de espírito.  O que eu gosto em Elis é que ela cobre todo um espectro de emoções. Em um momento, ela está muito feliz, parece estar no céu. Em outro, pode estar muito triste e se transforma em uma suicida".  A entrevista foi publicada na Folha de São Paulo , em setembro de 1996. Na ocasião, Björk divulgava o

Björk nega história envolvendo o músico argentino Charly Garcia: "Não sei quem é"

O livro "100 veces Charly" compila histórias que ocorreram na vida de Charly Garcia . Um desses relatos foi muito comentado ao longo dos anos. Após uma apresentação da "Volta Tour" na Argentina, o cantor e compositor teria tentado chamar a atenção de Björk em um jantar. Foi relatado que o músico era um grande fã e queria algum tipo de colaboração musical. Estava animado em conhecê-la, e junto de sua equipe descobriu o lugar que ela estaria e foi até lá para tentar tocar com ela e outros músicos argentinos. Pedro Aznar, Gaby Álvarez, Gustavo Cerati e Alan Faena. No entanto, Björk não apareceu de imediato e ficou em seu camarim no Teatro Gran Rex. Algumas horas depois, ela quis sair para comer. Assim, uma longa mesa foi montada para ela, sua equipe e banda. E então os músicos argentinos se juntaram a eles. Apesar das tentativas de Charly de iniciar uma conversa, Björk o teria ignorado completamente, conversando apenas com a amiga islandesa ao lado dela. A história fo