Pular para o conteúdo principal

A paixão de Björk por Kate Bush

Foto: Divulgação

"Eu gostaria de ouvi-la sem parar. Era muito divertido acompanhar sua música na Islândia. Eu acabei adquirindo os álbuns muitos anos depois que saíram, então eu não tinha qualquer contexto, eu estava simplesmente ouvindo-os no meu próprio contexto. E todas as minhas canções favoritas eram as “lado-B” do terceiro single, por exemplo.

E então eu vi alguns documentários sobre ela, era a primeira vez que eu via as coisas de um ponto de vista britânico e eles estavam falando: "Ela esteve no Top 3 das paradas musicais, e foi no Top of The Pops, e fez muito melhor do que o fracasso do álbum anterior”. E foi o oposto total para mim! É tão ridículo, esta narrativa de sucesso e fracasso. Como, se você faz algo surpreendente, a próxima coisa tem que ser horrível. É como o tempo ou algo assim. Dez anos mais tarde, alguém assiste na Islândia ou na China e é totalmente irrelevante.


Para mim, ela sempre representará a época de exploração da própria sexualidade, a transição de garota para uma mulher. Tinha tantos álbuns dela na casa dos meus pais, então via muitas das capas por lá, mas achava que eram muito machistas, o que eu não gostava.

Ela é tão completa! A música, as letras e a maneira como ela abordava os assuntos, tudo fazia sentido. Especialmente para uma garota de treze ou quatorze anos. Era a primeira vez que eu tinha meu próprio quarto. Mesmo que tivesse espaço o suficiente para uma cama e uma mesa, senti como se fosse um palácio. Meu avô me deu uma grande lâmpada com uma luz azul, era como entrar em um aquário. Um dia reencontrei um álbum dela e você pode imaginar o resto, né? Eu costumava fechar a porta e não queria que ninguém entrasse.

Minhas músicas favoritas mudaram ao longo do tempo. Gostei muito daquela sobre o Peter Pan. Obviamente, eu amava The Man With the Child in his Eyes. Todo mundo adora a voz da Kate, mas acredito que o que é realmente subestimado sobre ela é a questão da produção. Acho que é realmente algo original e feminino, com mais primitividade do que os homens, e as próprias mulheres, gostariam de acreditar que temos. Se tivesse sido apenas a voz e o olhar, não tenho certeza se eu teria me ligado tanto a ela - o que é tão comum, uma garota que parece excelente e canta muito bem. O que acho muito especial sobre Kate Bush é que ela não fez isso. Ela criou seu próprio visual e produziu seu próprio som.

Existe uma intemporalidade em sua música que, para mim, pessoalmente, tem um sentimento nostálgico.

Eu acho que nunca me senti confortável no estilo punk que adotei na minha adolescência. Na época, eu li muitos livros de ficção científica, então acho que as perguntas que vão além de mim sempre me interessaram, como também acontece hoje em dia. Quando alguém é educado por esse tipo de questionamento, necessariamente se torna otimista por natureza, porque aguarda uma resposta sobre tudo. Quando adolescente, eu ouvia muito mais a Kate Bush e o Brian Eno do que as bandas punks do estilo que eu tocava. Isso me levou a estados de êxtase e euforia tão elevados. 

Foto: Santiago Felipe

Nos últimos anos, tenho notado alguns aspectos da nova geração. Estou trabalhando com a Arca, que é da Venezuela. Estávamos brincando porque um cara fez uma pesquisa online de onde meus fãs estavam - de alguma forma você pode mapear isso - e, aparentemente, o meu típico fã é um cara gay mexicano de 20 anos de idade! Fiquei muito orgulhosa! Eu não teria voltado o trabalho da minha vida para isso. Tenho a sensação de que há algo no espírito de uma época, em que chega a hora de um pouco de energia matriarcal, da mesma maneira que eu costumava olhar para Kate Bush. De qualquer forma, fiquei encantada.

Outro assunto importante é a questão do feminismo, acho que a maior ajuda que posso oferecer é simplesmente fazer as coisas. Quando as meninas me perguntam: "Você programou suas batidas?" E eu: "Sim, a maior parte delas. Escrevi a linha do baixo em Venus As A Boy, então me respondem: "Realmente, foi muito importante para mim saber disso". Eu nunca pensei em mim como uma inspiração feminista, e nos últimos anos ousei fazer isso. Quando olho para trás e lembro de quando eu tinha a idade delas, só o fato de que Kate Bush produziu seus álbuns me deu esperança. Não era que eu quisesse copiar sua música ou a de Joni Mitchell, era o fato de que elas realmente faziam, e que era possível.

Antigamente, era algo meio sexista. As pessoas pensavam que estavam loucas, pois ficavam constrangidas em admitir que realmente gostavam dela. Eu acho que uma coisa boa sobre o feminismo de hoje em dia é que ela não é uma 'ameaça' sobre tudo".

Fontes: Les Inrockuptibles, site oficial, AnOther Magazine, NOISEY. 

Postagens mais visitadas deste blog

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Jan

Iris Van Herpen fala sobre colaboração com Björk

"Dez anos se passaram desde que tive a honra de criar o visual da capa do álbum Biophilia. Desde então, muitas performances ao vivo e momentos de expansão da mente foram compartilhados. Björk continua nos inspirando com sua música, sua voz para proteger a natureza e seu espírito colaborativo por um futuro mais saudável. Sou muito grata por essa colaboração em evolução.  Ela foi uma das primeiras a usar minhas peças. Estamos sempre em contato. Na verdade, faremos algo juntas em breve . A parte mais bonita do que faço é criar esses mundos alternativos, que alguém como Björk realmente incorpora. O filósofo Peter Sloterdijk fala sobre como todos nós vivemos em bolhas. Então, quando trabalho com as pessoas, parece que estou mergulhando na bolha delas, flutuando por um tempo e depois voltando à realidade".   "São essas conexões que me fazem continuar, que me fazem acreditar que a moda pode realmente transcender e nos levar a outro lugar. Eu sei disso através de Björk, que r

25 anos de Post - Conheça curiosidades sobre o álbum icônico de Björk

13 de junho de 1995: Há exatos 25 anos , era lançado Post , um dos trabalhos mais marcantes da carreira de Björk. Em comemoração a essa data especial, preparamos uma super matéria honrando a importância desse disco repleto de clássicos.  Para começar, conheça a história do álbum no documentário  dividido em dois episódios  na Websérie Björk . Os vídeos incluem imagens de bastidores, shows e diversas entrevistas detalhando a produção de Post e os acontecimentos daquela era. Tudo legendado em português !     Além disso, separamos vários depoimentos sobre as inspirações por trás das canções e videoclipes do álbum:  1. Army of Me: "Algumas das minhas melodias são muito difíceis para que outras pessoas possam cantar, mesmo que não envolvam técnicas específicas. Essa talvez é a única das minhas músicas que escapa desse 'padrão'. Me lembro de que, quando a escrevi, tentei ter um certo distanciamento. Meu irmão mais novo est

Afterwards: Björk canta em espanhol em parceria com Arca

Foto: Divulgação KiCK i , novo álbum de Arca , já está disponível em todas as plataformas digitais. O disco traz Afterwards , uma parceria com Björk . Na faixa, a islandesa canta em espanhol ! A letra é do poema Anoche mientras dormía , de Antonio Machado , escrito em 1907.  As duas estrearam a canção no ano passado, em um show da venezuelana no The Shed , em NY.  Foto: Annie Forrest Em entrevista ao Pitchfork , Arca foi questionada se foi dela a ideia da islandesa cantar em espanhol na música. A artista respondeu: "Não, foi ideia da própria Björk. Rosalía , que também estava na nossa conversa por e-mail , a ajudou um pouco com a pronúncia. Eu amo o jeito que a Björk canta, não há pronúncia certa ou errada. Quando ela me enviou depois o arquivo de sua parte na gravação, fiquei arrepiada, incrédula. Adoraria que nós três fizéssemos uma canção juntas, mas é realmente