Pular para o conteúdo principal

A paixão de Björk por Kate Bush

Foto: Divulgação

"Eu gostaria de ouvi-la sem parar. Era muito divertido acompanhar sua música na Islândia. Eu acabei adquirindo os álbuns muitos anos depois que saíram, então eu não tinha qualquer contexto, eu estava simplesmente ouvindo-os no meu próprio contexto. E todas as minhas canções favoritas eram as “lado-B” do terceiro single, por exemplo.

E então eu vi alguns documentários sobre ela, era a primeira vez que eu via as coisas de um ponto de vista britânico e eles estavam falando: "Ela esteve no Top 3 das paradas musicais, e foi no Top of The Pops, e fez muito melhor do que o fracasso do álbum anterior”. E foi o oposto total para mim! É tão ridículo, esta narrativa de sucesso e fracasso. Como, se você faz algo surpreendente, a próxima coisa tem que ser horrível. É como o tempo ou algo assim. Dez anos mais tarde, alguém assiste na Islândia ou na China e é totalmente irrelevante.


Para mim, ela sempre representará a época de exploração da própria sexualidade, a transição de garota para uma mulher. Tinha tantos álbuns dela na casa dos meus pais, então via muitas das capas por lá, mas achava que eram muito machistas, o que eu não gostava.

Ela é tão completa! A música, as letras e a maneira como ela abordava os assuntos, tudo fazia sentido. Especialmente para uma garota de treze ou quatorze anos. Era a primeira vez que eu tinha meu próprio quarto. Mesmo que tivesse espaço o suficiente para uma cama e uma mesa, senti como se fosse um palácio. Meu avô me deu uma grande lâmpada com uma luz azul, era como entrar em um aquário. Um dia reencontrei um álbum dela e você pode imaginar o resto, né? Eu costumava fechar a porta e não queria que ninguém entrasse.

Minhas músicas favoritas mudaram ao longo do tempo. Gostei muito daquela sobre o Peter Pan. Obviamente, eu amava The Man With the Child in his Eyes. Todo mundo adora a voz da Kate, mas acredito que o que é realmente subestimado sobre ela é a questão da produção. Acho que é realmente algo original e feminino, com mais primitividade do que os homens, e as próprias mulheres, gostariam de acreditar que temos. Se tivesse sido apenas a voz e o olhar, não tenho certeza se eu teria me ligado tanto a ela - o que é tão comum, uma garota que parece excelente e canta muito bem. O que acho muito especial sobre Kate Bush é que ela não fez isso. Ela criou seu próprio visual e produziu seu próprio som.

Existe uma intemporalidade em sua música que, para mim, pessoalmente, tem um sentimento nostálgico.

Eu acho que nunca me senti confortável no estilo punk que adotei na minha adolescência. Na época, eu li muitos livros de ficção científica, então acho que as perguntas que vão além de mim sempre me interessaram, como também acontece hoje em dia. Quando alguém é educado por esse tipo de questionamento, necessariamente se torna otimista por natureza, porque aguarda uma resposta sobre tudo. Quando adolescente, eu ouvia muito mais a Kate Bush e o Brian Eno do que as bandas punks do estilo que eu tocava. Isso me levou a estados de êxtase e euforia tão elevados. 

Foto: Santiago Felipe

Nos últimos anos, tenho notado alguns aspectos da nova geração. Estou trabalhando com a Arca, que é da Venezuela. Estávamos brincando porque um cara fez uma pesquisa online de onde meus fãs estavam - de alguma forma você pode mapear isso - e, aparentemente, o meu típico fã é um cara gay mexicano de 20 anos de idade! Fiquei muito orgulhosa! Eu não teria voltado o trabalho da minha vida para isso. Tenho a sensação de que há algo no espírito de uma época, em que chega a hora de um pouco de energia matriarcal, da mesma maneira que eu costumava olhar para Kate Bush. De qualquer forma, fiquei encantada.

Outro assunto importante é a questão do feminismo, acho que a maior ajuda que posso oferecer é simplesmente fazer as coisas. Quando as meninas me perguntam: "Você programou suas batidas?" E eu: "Sim, a maior parte delas. Escrevi a linha do baixo em Venus As A Boy, então me respondem: "Realmente, foi muito importante para mim saber disso". Eu nunca pensei em mim como uma inspiração feminista, e nos últimos anos ousei fazer isso. Quando olho para trás e lembro de quando eu tinha a idade delas, só o fato de que Kate Bush produziu seus álbuns me deu esperança. Não era que eu quisesse copiar sua música ou a de Joni Mitchell, era o fato de que elas realmente faziam, e que era possível.

Antigamente, era algo meio sexista. As pessoas pensavam que estavam loucas, pois ficavam constrangidas em admitir que realmente gostavam dela. Eu acho que uma coisa boa sobre o feminismo de hoje em dia é que ela não é uma 'ameaça' sobre tudo".

Fontes: Les Inrockuptibles, site oficial, AnOther Magazine, NOISEY. 

Postagens mais visitadas deste blog

35 anos de Sugarcubes, a banda que lançou Björk ao sucesso internacional

Em 8 de junho de 1986 , o Sugarcubes surgia na Islândia, bem no dia do nascimento do 1º filho de Björk . O grupo musical deu projeção internacional para a artista. Eles lançaram três discos e estiveram em atividade até 1992. Em 2006, a banda se reuniu pela última vez para uma apresentação, em Reykjavík . Os integrantes já tinham formado projetos de música punk ao lado de Björk. Inicialmente, eles desenvolveram o selo Smekkleysa ( Bad Taste ), com o lançamento de uma série de projetos musicais e literários. Na intenção de conseguir dinheiro para a criação dessas obras, os membros perceberam que precisavam de uma ferramenta que chamasse a atenção do grande público. A partir disso, tiveram a ideia de formar uma banda: "A gente se divertia! A música era algo secundário, então não tínhamos essa grande ambição musical de ser algo brilhante. Tivemos a chance de viajar o mundo e ver como outras bandas funcionavam, o que me ensinou muito. A fama não estava nos nossos planos, mas ao mesm

A história de Gling-Gló, o álbum de jazz de Björk

Várias canções em islandês de nossa amada estão creditadas nas plataformas digitais como Björk Guðmundsdóttir . Um desses projetos é o disco Gling-Gló em parceria com o Tríó Guðmundur Ingólfsson . O álbum é recheado de covers de músicas de jazz tradicionais, clássicos interpretados originalmente em inglês. Lançado em outubro de 1990, ultrapassou a marca de 300 mil cópias . É o disco de Björk mais vendido na Islândia (sim, superando todos os do Sugarcubes e da carreira solo). Foi comercializado em CD, vinil e fita cassete. Até 2011, ainda estava entre os 30 mais populares no país. Uma performance especial desse projeto já havia acontecido alguns meses antes sob encomenda da rádio pública de Reykjavík. A apresentação foi muito elogiada. Registros em áudio da ocasião estão disponíveis na internet. Alguns outros shows e aparições na TV foram realizados na região. Sempre ocupada, Björk logo partiu para outros projetos. "Eu simplesmente não entendo (o sucesso desse disco). Na época,

Lido Pimienta lança versão de Declare Independence

Lido Pimienta é uma artista colombo-canadense. Nascida em Barranquilla (Colômbia), atualmente mora em Toronto. Celebrando o Mês do Orgulho LGBTQIA+ , ela produziu uma nova versão para Declare Independence , faixa do Volta , disco que Björk lançou em 2007. O cover é parte do projeto "Claim Your Space" do Spotify Singles . "Cantei a letra maravilhosa em inglês e acrescentei novas palavras em espanhol, que refletem a atual situação na Colômbia, um sentimento geral em defesa da liberdade dos povos colonizados, do rio ao mar", disse em post nas redes sociais. Em comunicado para a imprensa, explicou: "Escolhi essa música principalmente por causa da letra: "Agite a sua bandeira, levante-a, mais alto" e "não deixe que façam isso com você". Eu ouvi essa música ao vivo e adorei como todos os imigrantes na plateia estavam agitando suas bandeiras. O sentimento de ORGULHO que então todos nós sentimos. Eu queria trazer isso com esta versão, honrando

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet. Em outubro de 1996 , Björk finalmente desembarcou no Brasil, com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no R