Pular para o conteúdo principal

Hildur Rúna Hauksdóttir, a mãe de Björk


"Como eu estava sempre atrasada para a escola, comecei a enganar a minha família. Minha mãe e meu padrasto tinham o cabelo comprido e eles eram um pouco hippies. Aos dez anos de idade, eu acordava primeiro do que eles, antes do despertador tocar. Eu gostava de ir na cozinha e colocar o relógio 15 minutos mais cedo, e então eu iria acordá-los... E depois acordá-los novamente cinco minutos depois... E de novo. Demorava, algo como, quatro “rodadas”. E então eu acordava meu irmãozinho, todo mundo ia escovar os dentes, e eu gostava de ter certeza de que eu era a última a sair e, em seguida, corrigir o relógio. Fiz isso durante anos.

Por muito tempo, eu era a única criança da minha casa, e havia mais sete pessoas vivendo comigo lá. Todos tinham cabelos longos e ouviam constantemente Jimi Hendrix. O ambiente era pintado de roxo com desenhos de borboletas nas paredes, então eu tenho uma certa alergia a essa cor agora (risos). Vivíamos sonhando, e todos aqueles 'conceitos', sabe: "vamos viver em um avião", o que parece brilhante para uma garotinha. Imagina ser criada por adultos em que tudo o que querem fazer é brincar contigo o dia todo, contar histórias de quatro horas de duração, e fazer pipas... Mas quando eu tinha cerca de 7 anos, disse: "Ok. Já é o suficiente. E quanto a todos esses sonhos? Vamos realizá-los". Então me tornei o oposto daquilo e bastante autossuficiente. Saí de casa aos 14, consegui um apartamento, e entrei em bandas. É uma coisa comum na Islândia. Você começa em um emprego de verão e aprende cedo sobre trabalho e sobrevivência.

Eu sou o resultado da união de dois hippies que não tinham nenhuma disciplina. Naturalmente, eu queria ser o oposto. Quando criança, eu já amava organização. Tive a oportunidade de estar cercada por pessoas que ouviram a minha opinião. Meus pais eram muito ocupados. Assim, com menos de 5 anos de idade, aprendi a calçar meias e a me alimentar sozinha para ir à escola. Também me inscrevia em aulas de música, etc. Eu era a minha própria mãe cuidando da minha outra metade criança. E funcionou muito bem, era um relacionamento saudável. É natural para mim fazer as coisas da minha maneira. Talvez por essa razão, a maioria das pessoas pensem que eu sou ingênua. Poucos veem em mim o lado racional, o bom senso altamente desenvolvido.

Entre os hippies, reinava um forte sentimento de culpa. Independentemente do que a gente fizesse, iria dar errado, não deveríamos usar carros. Para mim, o negócio é dizer: temos que viver o presente. Somos pagãos, não tem a ver com voltar atrás, mas sim com admitir as coisas.

Mas me considero muito sortuda! Tive uma infância muito feliz. Ter sido criada por uma mãe hippie foi algo muito especial. Acredito que a mídia, que por alguma razão me acha alguém muito peculiar, olha para mim e pensa: "Mas por qual motivo a Björk é assim? O que há de errado?" E aí descobrem sobre a minha família e ficam: "Ahhh, então é isso! A mãe dela era uma hippie e não deu limites quando ela era uma criança!". O que não é totalmente o caso. Eu tive uma mãe maravilhosa! E o melhor de tudo sobre ela é que me deixava fazer o que eu queria. Ela confiou em mim, pois sabia que o que eu fazia era para o meu bem. Mas é claro que, fui como todos os filhos que quando crescem, querem ser o oposto daquilo que foram seus pais. E ainda bem que podemos fazer isso! 

Fui criada por uma mãe que acreditava fielmente na natureza e que queria que eu ficasse descalça 24hrs por dia, então cresci com um grande complexo de culpa em relação aos carros e arranha-céus. Fui ensinada a odiá-los, e, por isso, acho que estou mais ou menos no meio termo, por assim dizer. Vejo a geração mais jovem do que eu fazendo música e tentando se manter humana, conservando sua característica orgânica e imperfeita.

A minha mãe me mandou para a escola de música aos cinco anos de idade.

Quando criança, eu queria aprender a tocar um instrumento musical chamado "Oboé", mas ela não podia pagar por ele, então eu aprendi a tocar flauta e fiquei com esse sentimento meio imaturo de que era minha segunda opção durante os 6 ou 8 anos de prática.

Mas devo muito a esse instrumento. Porque todos aqueles anos de luta para aprender a tocá-la me ensinaram a respirar melhor, a trabalhar meus pulmões".

Lembram da capa do 1º disco da Björk, de 1977, quando ela tinha apenas 12 anos? A mãe dela foi a responsável pela ideia da foto icônica registrada em um estúdio local de Reykjavík. Segundo ela, a islandesa começou a cantar melodias muito cedo por volta dos sete meses de idade (!). 


"Quicksand é uma música sobre a minha mãe que teve um ataque cardíaco e ficou em coma por seis dias. Essa foi uma das primeiras canções de Vulnicura, composta 4 anos antes do lançamento. Trata do meu relacionamento com ela e o relacionamento dela com a mãe dela, que foi bem complicado, e ainda sou eu pensando nas coisas que tenho que resolver para aliviar a 'bagagem' que a minha filha receberá. É como uma corrente, de mãe para mãe. Preciso enfrentar a negatividade e as questões familiares não resolvidas. É tão fácil para as gerações mais jovens apontar e julgar, pois isso é algo humano e talvez seja até um truque engraçado da natureza. Estamos sempre vendo nossas vidas repetidas vezes, de novas perspectivas. 


Acredito na humanidade, canto para ela. Tenho a impressão de estar continuando o que meu pai, um sindicalista ativo durante quarenta anos, ou o que minha minha mãe, uma mulher notável do povo, fizeram no passado.

Minha mãe era muito ativa nos anos 60 e 70 como ativista, e eu não poderia ter feito nada do que fiz se não fosse pelas mulheres de sua geração. 


Eu a vi junto de outras mulheres brigarem muito por seus direitos em muitas lutas, ganhando e perdendo muitas delas. Foi meu papel ser essa pessoa livre, eu estava habilitada. Mesmo sendo mulher, fiz todas as coisas que os garotos faziam. Foi assim por 30 anos, e isso é realmente importante. Nós vamos ter que fazer isso por outra geração, aproveitar todas as ocasiões para falar sobre isso e sempre usar nosso julgamento. Eu tenho que me lembrar que não estou fazendo isso por mim. Eu estou fazendo isso por todas as mulheres!

Minha mãe era uma feminista muito presente, e sempre levantou a questão de que era a hora de deixar de nos queixarmos o suficiente, para começar a fazer as coisas. Então, eu passei a sempre me certificar de que eu não estava só reclamando. Percebo que as gerações mais jovens talvez não tenham a mesma experiência que a minha, então senti que tenho que mostrar que não estão sozinhas e apoiá-las. Vejo que com o passar dos anos, ganhamos espaço para o feminismo, mas isso muda ao longo do tempo, e já que o temos é importante que exponhamos os problemas para resolvê-los". 


1975 marcou um episódio importante na história da Islândia, quando 90% das mulheres do país entraram em greve em uma luta por direitos iguais: "Sim, eu estava lá com a minha mãe. Eu tinha dez anos. Nós acabamos de ter outros protestos, pois (...) ainda existe um problema com a questão do salário. Mesmo que essa lacuna seja a menor no mundo, ainda estamos tentando nos livrar disso. Então em 2016, as mulheres deixaram seus empregos às 14hrs38min, que é a porcentagem da diferença, e foram ao centro da cidade protestar. Há imagens realmente bonitas delas no YouTube agora, todas cantando. Eu fiquei muito orgulhosa!".

Dentre os feitos notáveis da mãe de Björk na Islândia, uma situação ganhou fama mundial em 2002, quando ela entrou em greve de fome por quase quatro semanas em protesto contra a construção de uma usina de alumínio da companhia norte-americana Alcoa em uma reserva ecológica no país e em Vatnajokull (um dos locais da gravação do videoclipe de Jóga), a maior geleira da Europa. Ela conseguiu mobilizar a opinião pública contra o projeto, mas não impediu que a implantação seguisse em frente. Sua saúde era, inclusive, considerada frágil. Ela então agradeceu pelo apoio de todos ao encerrar o protesto e disse que, era preciso fazer mais do que isso para evitar os danos. Ambientalistas temiam pelos danos a serem causados pela construção.

"Minha mãe costumava dizer a mim e meus irmãos: “Eu não fiz as coisas que eu queria, porque eu tinha vocês”.

Eu estou destinada a fazer o que eu quero e ainda assim ter filhos. Eu costumava responder: "Eu gostaria que você tivesse nos levado para a Itália ou África ou onde quer que você quisesse ter ido”. Eu teria ficado bem com isso, de modo que foi o que eu meio que decidi fazer. Mas então, você começa a ouvir que é muito autoindulgente. Acho que eu já consigo equilibrar tudo isso de alguma forma. Mas há outras coisas que não fazem sentido. Como, se o seu parceiro é muito ocupado, é muito natural para uma mulher dizer: "Oh, ele estará muito ocupado no próximo verão, eu não vou trabalhar até lá”. Você não tem nem mesmo que discutir isso. Se certificar de que está optando em ser capaz de ficar em casa. Mas um cara não faria isso. Pequenas coisas que ... ainda temos algum trabalho a fazer. Eu tenho que agradecer a minha mãe ... Eu só sei valorizá-la agora, especialmente depois que me mudei para Nova York. Ela nos levou para uma pequena casa na periferia da Islândia, em Reykjavík. Lá vazava quando chovia, então tínhamos que acordar no meio da noite e procurar por baldes vazios. Mas o que ela fez foi nos levar para longe do patriarcado. Estávamos neste mundo onde as mulheres comandavam!".

Hildur Rúna Hauksdóttir faleceu no último dia 25 de outubro de 2018 aos 72 anos de idade. Ela lutou incansavelmente pela natureza intocada da Islândia. Em uma entrevista concedida em 1998 a um jornal local, o avô de Björk disse que a mãe da cantora sempre foi rebelde e uma líder, inclusive lutando para que mulheres também pudessem aprender sobre construção civil em uma universidade no país. Hildur foi uma grande entusiasta da medicina natural, trabalhou em diversos remédios não tradicionais. Ela também estudou cirurgia pediátrica em Londres. 

Fontes: NME; Arena; Planet Rock; Dazed & Confused; Record Collector; Rolling Stone Brasil; INTER/VIEW Magazine; W Magazine; Iceland Magazine; Irish Times; New York Times; Télérama; Time Out London; Corriere della Sera; Red Bull Music Academy; AnOther Magazine; BBC; dv.is; Fréttablaðið; 

Fotos: Divulgação.

Postagens mais visitadas deste blog

Björk e Milton Nascimento - A Travessia para um grande encontro

Poucas horas antes do show no Metropolitan, no Rio de Janeiro, em 20 de agosto de 1998 (saiba mais AQUI), Björk conversou com a imprensa brasileira, e esteve junto de Milton Nascimento. Ela foi uma das atrações principais do festival Close-Up Planet:


Ao jornal Extra, ela contou que é fã não só de Elis, mas também do Sepultura. Falando de Milton Nascimento, revelou: "Cheguei no sábado (acompanhada de uma amiga de infância) e fiquei bêbada com algumas pessoas ouvindo as músicas dele". Segundo a publicação, a cantora teria cogitado a ideia de ir a apresentação "Tambores de Minas" da lenda brasileira, no Canecão. Ela admitiu que do line-up do festival, só conhecia mesmo as atrações internacionais: "Tenho que dizer que sou ignorante em relação à música brasileira, e isso me envergonha". Também deixou claro que, como de costume, não incluiria nada do Sugarcubes no setlist: "São meus amigos, crescemos juntos. Não posso tocar uma música da banda sem eles&qu…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades!

Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta Bizz, edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o Sugarcubes.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil, com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.





Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser mui…

Em carta aberta no Facebook, Björk fala sobre assédio sexual

Björk publicou em seu Facebook, na tarde deste domingo, um texto em que revela que foi vítima de assédio sexual por um diretor dinamarquês. Confira a tradução do post na íntegra:


"Me sinto inspirada por ver mulheres pelo mundo se pronunciando sobre esses casos (de abuso sexual) na internet. Isso me fez sentir vontade de contar minha experiência com um diretor dinamarquês. 
Porque eu venho de um país onde a diferença entre os sexos é pequena, apesar de ainda existir, e no momento em que tenho certa força no mundo da música com uma independência, que foi duramente conquistada, sempre esteve extremamente claro para mim que quando eu entrasse na carreira de atriz, meu papel e humilhação como uma menor sexualmente assediada seria uma norma para um diretor cuja a equipe de dezenas de pessoas permitiu e o encorajou a fazer isso. 
Eu estava ciente de que é algo universal, em que um diretor pode tocar e assediar suas atrizes à vontade e a indústria do cinema permite isso. Quando eu o co…

Com shows beneficentes na Islândia, Björk oferecerá apoio aos artistas locais

Björk marcou quatro shows do espetáculo Orchestral na Islândia, que serão realizados no Harpa Concert Hall, com transmissão ao vivo online(Saiba mais clicando AQUI). Em nova entrevista ao Fréttablaðið, a artista falou da motivação por trás da série de espetáculos em meio a pandemia, planos para o futuro em sua carreira e pela primeira vez, sobre ser avó! Confira a tradução completa
Os próximos concertos acústicos da cantora, são uma espécie de celebração aos 27 anos de colaboração dela com artistas locais, com foco nos arranjos de sua autoria, passeando por canções de toda a discografia. Cada uma das apresentações contará com setlists diferentes. No total, foram escolhidas 44 faixas. Segundo a cantora, a ideia desse projeto surgiu com o livro de partituras que ela lançou em junho de 2017, em parceria com Jónas Sen. A publicação é destinada não só àqueles com experiência profissional, mas também qualquer pessoa que tenha o mínimo de conhecimento musical, com a dis…

Em novas entrevistas, Björk fala sobre obsessão por Beyoncé, feminismo e o fim do ciclo de "Vulnicura"

Björk não é apenas uma estrela da música pop. Ela é compositora e produtora, bem como fez os arranjos de mais de 90% de suas músicas nos últimos 24 anos. A maioria de seus fãs podem não saber, mas ela não se sente confortável em se gabar do próprio trabalho, no entanto, está pronta para acabar com essa injustiça machista envolvendo seu nome na indústria. Em entrevista ao 'L.A. Times', a cantora declarou:

"Se eu fosse um cara, as pessoas estariam falando, e escrevendo apenas sobre a minha música, e não focando em coisas relacionadas a minha vida amorosa e meus filhos. Então, minha contribuição para o feminismo é começar a colocar os holofotes nos meus arranjos".
Seu livro de partituras, que será lançado no mês que vem, levou 8 anos para ser montado. E a 'Björk Digital', que continua a rodar o mundo, "tornou-se algo satisfatório, pois é possível ver a reação emocional das pessoas que vêm experimentar a realidade virtual pela primeira vez", disse James…