Pular para o conteúdo principal

Björk: uma "esquisita" gloriosa que me ensinou a ter orgulho de ser diferente


Mergulhei de cabeça na admiração por Homogenic e desde então, cada um de seus álbuns soou como um ponto de virada em minha vida.

Foto: Dominic Favre (2007)

Não fui uma criança esquisita em si, mas parecia esquisito. Quando era mais jovem, me destacar era algo que achava ótimo. Eu queria que as pessoas me vissem, mas, à medida que fui ficando mais velho isso mudou. Desejava desesperadamente ser como todo mundo.

Era um adolescente gay, confuso e não assumido, cujo jeito entregava que não poderia entrar em uma sala e sumir. Eu precisava de estranhos na minha vida, precisava saber que não era necessário parecer ou agir como todo mundo, que o que o tornava alguém diferente poderia ser "alquimizado" em uma força.

Para mim, Björk era como uma pessoa "esquisita" gloriosa. Uma alienígena, como foi rotulada pelo mainstream, que a recebeu em seu seio após Debut, em 1993. Suas excentricidades estavam embutidas em sua identidade pública: ela é islandesa, então falava com um "sotaque engraçado". Quando ganhava prêmios, não dizia coisas como: "Gostaria de agradecer a Deus e a minha gravadora". Seus videoclipes eram expressões oníricas de mundos que ninguém jamais havia imaginado; e sua voz cantada trazia diversas marcas próprias em meio ao lado dramático e gutural. Por volta da época do Post, em 1995, e de seu single de maior sucesso, It's Oh So Quiet, ela se tornou um alvo dos tabloides do Reino Unido, alimentados pelo infame evento em um aeroporto de Bangkok. 

Eu estava ciente de Post e Debut. Lembro-me de ficar fascinado pelo vídeo de Human Behavior, no qual Björk se apresentava como observadora de uma raça humana que não entendia totalmente ou não sabia como interagir. Mas foi só em Homogenic, de 1997, momento em que ela lutava contra as percepções convencionais, que mergulhei de cabeça em sua obra.

Fiquei imediatamente atraído pela imagem dela na capa do disco, uma princesa guerreira serena, mas pronta para a batalha. Nunca tinha comprado um álbum baseado apenas na capa, ou sem ouvir pelo menos dois ou três singles. Era uma coisa emocionante, como mergulhar em um universo governado pelo "estranha" mais habilidosa da música! O título do projeto também me fazia questionar: seria uma alusão à sexualidade? Uma nova forma de viver fora de determinados rótulos?

A onda de emoções de Homogenic me abriu um outro mundo. Enquanto isso, sua "paleta sonora" raivosa, com batidas vulcânicas misturada às cordas arrebatadoras (quase lindas demais para suportar), combinava com meu humor, que sempre oscilava. Para ser honesto, depois de anos obcecado com a fase "pós-imperial" de Michael Jackson, Björk também atendeu ao meu constante desejo adolescente de ser visto como alguém que poderia, na melhor das hipóteses, ser visto como legal.

Seu mundo criativo envolveu tantas mentes, incluindo Michel Gondry, Mark Bell, Stéphane Sednaoui, Alexander McQueen... Eu gastei muito dinheiro colecionando singles físicos, boxsets luxuosos, livros não oficiais, ingressos para shows, camisetas...

Minha obsessão era genuína e duradoura. A letra emocionante de Jóga, especificamente "estado de emergência", podia ser frequentemente encontrada rabiscada em meus cadernos, envelopes rasgados e nas bordas de jornais. Eu ansiava por estar com o coração partido como a protagonista de Unravel, ou tão caótico quanto o que quer que estivesse acontecendo em Pluto.

Björk se envolveu com a condição humana de maneiras abstratas e emocionantes, que pareciam canalizar as ideias preconcebidas das pessoas para algo poderoso. O fato de ela ter entregado tudo com uma voz que parecia, e ainda parece, enviada de outro planeta, apenas elevou aquela admiração.

Cada um de seus álbuns soou como um ponto crucial de mudança em minha vida. Vulnicura, por exemplo, chegou no mesmo dia de uma notícia devastadora para a minha família. A faixa Black Lake marcou uma tristeza inigualável, mas também foi uma espécie de cura. A dor de Björk refletia a minha. Os vários universos de cada disco anterior, com lugares de um conforto escapista, agora estavam bastante enraizados na realidade.

Ao final de Black Lake, tem uma dica sobre a chegada de algo novo: "Eu sou um foguete brilhante voltando para casa. Enquanto entro na atmosfera, queimo camada por camada". Ali está o poder de cura da transformação física e emocional, assim como Björk sempre me ensinou.

- Michael Cragg para o The Guardian, março de 2021. 

Postagens mais visitadas deste blog

35 anos de Sugarcubes, a banda que lançou Björk ao sucesso internacional

Em 8 de junho de 1986 , o Sugarcubes surgia na Islândia, bem no dia do nascimento do 1º filho de Björk . O grupo musical deu projeção internacional para a artista. Eles lançaram três discos e estiveram em atividade até 1992. Em 2006, a banda se reuniu pela última vez para uma apresentação, em Reykjavík . Os integrantes já tinham formado projetos de música punk ao lado de Björk. Inicialmente, eles desenvolveram o selo Smekkleysa ( Bad Taste ), com o lançamento de uma série de projetos musicais e literários. Na intenção de conseguir dinheiro para a criação dessas obras, os membros perceberam que precisavam de uma ferramenta que chamasse a atenção do grande público. A partir disso, tiveram a ideia de formar uma banda: "A gente se divertia! A música era algo secundário, então não tínhamos essa grande ambição musical de ser algo brilhante. Tivemos a chance de viajar o mundo e ver como outras bandas funcionavam, o que me ensinou muito. A fama não estava nos nossos planos, mas ao mesm

A história de Gling-Gló, o álbum de jazz de Björk

Várias canções em islandês de nossa amada estão creditadas nas plataformas digitais como Björk Guðmundsdóttir . Um desses projetos é o disco Gling-Gló em parceria com o Tríó Guðmundur Ingólfsson . O álbum é recheado de covers de músicas de jazz tradicionais, clássicos interpretados originalmente em inglês. Lançado em outubro de 1990, ultrapassou a marca de 300 mil cópias . É o disco de Björk mais vendido na Islândia (sim, superando todos os do Sugarcubes e da carreira solo). Foi comercializado em CD, vinil e fita cassete. Até 2011, ainda estava entre os 30 mais populares no país. Uma performance especial desse projeto já havia acontecido alguns meses antes sob encomenda da rádio pública de Reykjavík. A apresentação foi muito elogiada. Registros em áudio da ocasião estão disponíveis na internet. Alguns outros shows e aparições na TV foram realizados na região. Sempre ocupada, Björk logo partiu para outros projetos. "Eu simplesmente não entendo (o sucesso desse disco). Na época,

A paixão de Björk por Kate Bush

Foto: Divulgação "Eu gostaria de ouvi-la sem parar. Era muito divertido acompanhar sua música na Islândia. Eu acabei adquirindo os álbuns muitos anos depois que saíram, então eu não tinha qualquer contexto, eu estava simplesmente ouvindo-os no meu próprio contexto. E todas as minhas canções favoritas eram as “lado-B” do terceiro single , por exemplo. E então eu vi alguns documentários sobre ela, era a primeira vez que eu via as coisas de um ponto de vista britânico e eles estavam falando: "Ela esteve no Top 3 das paradas musicais, e foi no Top of The Pops , e fez muito melhor do que o fracasso do álbum anterior”. E foi o oposto total para mim! É tão ridículo, esta narrativa de sucesso e fracasso. Como, se você faz algo surpreendente, a próxima coisa tem que ser horrível. É como o tempo ou algo assim. Dez anos mais tarde, alguém assiste na Islândia ou na China e é totalmente irrelevante. Para mim, ela sempre representará a época de exploração da

Lido Pimienta lança versão de Declare Independence

Lido Pimienta é uma artista colombo-canadense. Nascida em Barranquilla (Colômbia), atualmente mora em Toronto. Celebrando o Mês do Orgulho LGBTQIA+ , ela produziu uma nova versão para Declare Independence , faixa do Volta , disco que Björk lançou em 2007. O cover é parte do projeto "Claim Your Space" do Spotify Singles . "Cantei a letra maravilhosa em inglês e acrescentei novas palavras em espanhol, que refletem a atual situação na Colômbia, um sentimento geral em defesa da liberdade dos povos colonizados, do rio ao mar", disse em post nas redes sociais. Em comunicado para a imprensa, explicou: "Escolhi essa música principalmente por causa da letra: "Agite a sua bandeira, levante-a, mais alto" e "não deixe que façam isso com você". Eu ouvi essa música ao vivo e adorei como todos os imigrantes na plateia estavam agitando suas bandeiras. O sentimento de ORGULHO que então todos nós sentimos. Eu queria trazer isso com esta versão, honrando

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet. Em outubro de 1996 , Björk finalmente desembarcou no Brasil, com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no R