Pular para o conteúdo principal

Björk: uma "esquisita" gloriosa que me ensinou a ter orgulho de ser diferente


Mergulhei de cabeça na admiração por Homogenic e desde então, cada um de seus álbuns soou como um ponto de virada em minha vida.

Foto: Dominic Favre (2007)

Não fui uma criança esquisita em si, mas parecia esquisito. Quando era mais jovem, me destacar era algo que achava ótimo. Eu queria que as pessoas me vissem, mas, à medida que fui ficando mais velho isso mudou. Desejava desesperadamente ser como todo mundo.

Era um adolescente gay, confuso e não assumido, cujo jeito entregava que não poderia entrar em uma sala e sumir. Eu precisava de estranhos na minha vida, precisava saber que não era necessário parecer ou agir como todo mundo, que o que o tornava alguém diferente poderia ser "alquimizado" em uma força.

Para mim, Björk era como uma pessoa "esquisita" gloriosa. Uma alienígena, como foi rotulada pelo mainstream, que a recebeu em seu seio após Debut, em 1993. Suas excentricidades estavam embutidas em sua identidade pública: ela é islandesa, então falava com um "sotaque engraçado". Quando ganhava prêmios, não dizia coisas como: "Gostaria de agradecer a Deus e a minha gravadora". Seus videoclipes eram expressões oníricas de mundos que ninguém jamais havia imaginado; e sua voz cantada trazia diversas marcas próprias em meio ao lado dramático e gutural. Por volta da época do Post, em 1995, e de seu single de maior sucesso, It's Oh So Quiet, ela se tornou um alvo dos tabloides do Reino Unido, alimentados pelo infame evento em um aeroporto de Bangkok. 

Eu estava ciente de Post e Debut. Lembro-me de ficar fascinado pelo vídeo de Human Behavior, no qual Björk se apresentava como observadora de uma raça humana que não entendia totalmente ou não sabia como interagir. Mas foi só em Homogenic, de 1997, momento em que ela lutava contra as percepções convencionais, que mergulhei de cabeça em sua obra.

Fiquei imediatamente atraído pela imagem dela na capa do disco, uma princesa guerreira serena, mas pronta para a batalha. Nunca tinha comprado um álbum baseado apenas na capa, ou sem ouvir pelo menos dois ou três singles. Era uma coisa emocionante, como mergulhar em um universo governado pelo "estranha" mais habilidosa da música! O título do projeto também me fazia questionar: seria uma alusão à sexualidade? Uma nova forma de viver fora de determinados rótulos?

A onda de emoções de Homogenic me abriu um outro mundo. Enquanto isso, sua "paleta sonora" raivosa, com batidas vulcânicas misturada às cordas arrebatadoras (quase lindas demais para suportar), combinava com meu humor, que sempre oscilava. Para ser honesto, depois de anos obcecado com a fase "pós-imperial" de Michael Jackson, Björk também atendeu ao meu constante desejo adolescente de ser visto como alguém que poderia, na melhor das hipóteses, ser visto como legal.

Seu mundo criativo envolveu tantas mentes, incluindo Michel Gondry, Mark Bell, Stéphane Sednaoui, Alexander McQueen... Eu gastei muito dinheiro colecionando singles físicos, boxsets luxuosos, livros não oficiais, ingressos para shows, camisetas...

Minha obsessão era genuína e duradoura. A letra emocionante de Jóga, especificamente "estado de emergência", podia ser frequentemente encontrada rabiscada em meus cadernos, envelopes rasgados e nas bordas de jornais. Eu ansiava por estar com o coração partido como a protagonista de Unravel, ou tão caótico quanto o que quer que estivesse acontecendo em Pluto.

Björk se envolveu com a condição humana de maneiras abstratas e emocionantes, que pareciam canalizar as ideias preconcebidas das pessoas para algo poderoso. O fato de ela ter entregado tudo com uma voz que parecia, e ainda parece, enviada de outro planeta, apenas elevou aquela admiração.

Cada um de seus álbuns soou como um ponto crucial de mudança em minha vida. Vulnicura, por exemplo, chegou no mesmo dia de uma notícia devastadora para a minha família. A faixa Black Lake marcou uma tristeza inigualável, mas também foi uma espécie de cura. A dor de Björk refletia a minha. Os vários universos de cada disco anterior, com lugares de um conforto escapista, agora estavam bastante enraizados na realidade.

Ao final de Black Lake, tem uma dica sobre a chegada de algo novo: "Eu sou um foguete brilhante voltando para casa. Enquanto entro na atmosfera, queimo camada por camada". Ali está o poder de cura da transformação física e emocional, assim como Björk sempre me ensinou.

- Michael Cragg para o The Guardian, março de 2021. 

Postagens mais visitadas deste blog

Vestido de Cisne: o maior equívoco que as pessoas cometem sobre Björk

Foto: Divulgação "Estou acostumada a ser mal interpretada. Não é importante para mim ser entendida. Acho que é bastante arrogante esperar que as pessoas compreendam você.  Talvez, tenha um lado meu que meus amigos saibam que outros desconhecidos não veem, na verdade sou uma pessoa bastante sensata. (...)  Eu não posso acreditar que ainda estão falando sobre o vestido de cisne tantos anos depois! Acho esse sentido do vestido de Hollywood muito alienante! Obviamente, eu estava fazendo uma piada. Uma coisa que ninguém menciona é que eu tinha seis ovos comigo e os distribui ao redor do tapete vermelho. E todos os assistentes das estrelas ficavam tipo: "Desculpe, senhora, você deixou cair isso". Foi bem divertido! A coisa mais estranha é que todos realmente pensaram que eu estava tentando me encaixar, mas que de alguma forma eu tinha entendido isso errado. Parece que estou tentando me encaixar

Björk e Arca trocam cartas em nova edição da i-D Magazine

Para a edição em comemoração ao 40º aniversário da revista  iD , Björk e Arca compartilharam cartas profundamente pessoais, que escreveram uma para a outra. Nos relatos, elas falam sobre a natureza da família, seu relacionamento especial e em constante evolução; e a obra criada a partir disso.  As duas se conheceram em setembro de 2013, logo após o último show da turnê de Biophilia . Arca estava fazendo um DJset na festa nos bastidores. De cara, se deu muito bem com Björk e dançaram a noite toda. Com a amizade já fortalecida, a artista e produtora venezuelana foi convidada para colaborar no próximo álbum da islandesa, Vulnicura (2015). Juntas, elas também embarcaram na turnê do projeto, antes de se unirem novamente para criar o disco Utopia (2017). Em diversas entrevistas ao longo dos últimos 7 anos, Björk descreveu a parceria com Arca como o relacionamento musical mais forte que já teve.  Segundo Arca, Björk é uma pessoa “mergulhada em sua profundidade e multiplicidade. Simples, co

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet. Em outubro de 1996 , Björk finalmente desembarcou no Brasil, com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no R

Björk diz admirar a coragem de Lady Gaga como artista

"Definitivamente, gostei de algumas das roupas que a Lady Gaga está usando.   Eu a admiro por sua coragem, tudo estava ficando muito chato. Era como se todo mundo estivesse sendo conservador, e ninguém quisesse correr qualquer risco. Amo coisas teatrais, acredito que todos nós temos um lado teatral e um lado não tão teatral.  Quanto a música dela? Não é muito a minha praia. Tipo, não estou julgando. Algo muito bom sobre a música (em geral), é que a gente pode ter todos os tipos de canções para ouvir. Tem espaço para tudo. Já notei que mesmo que as coisas tenham mudado muito, sempre parece haver lugar para um monte de cantores homens, não vejo ninguém tratá-los como se o que fizessem fosse um duelo.  Ainda é como no tempo de " Christina Aguilera vs. Britney Spears ". Não quero ser colocada em uma posição na qual tenho que atacá-la. Achei muito injusto quando M.I.A e Joanna Newsom foram questionadas sobre Gaga e, por não gostarem de sua música, viraram imediatamente um

Björk e Milton Nascimento - A Travessia para um grande encontro

Foto: Horácio Brandão/Midiorama (1998) Poucas horas antes do show no  Metropolitan , no Rio de Janeiro, em 20 de agosto de 1998 (saiba mais AQUI ), Björk    conversou com a imprensa brasileira, e esteve junto de Milton Nascimento . Ela foi uma das atrações principais do festival Close-Up Planet : Fotos: Site Rock em Geral (1998) Ao jornal  Extra , ela contou que é fã não só de Elis, mas também do Sepultura . Falando de Milton Nascimento, revelou: "Cheguei no sábado (acompanhada de uma amiga de infância) e fiquei bêbada com algumas pessoas ouvindo as músicas dele". Segundo a publicação, a cantora teria cogitado a ideia de ir a apresentação "Tambores de Minas" da lenda brasileira, no Canecão . Ela admitiu que do line-up do festival, só conhecia mesmo as atrações internacionais: "Tenho que dizer que sou ignorante em relação à música brasileira, e isso me envergonha". Também deixou claro que, como de costume, não incluiria nada do Sugarcubes