Pular para o conteúdo principal

Björk: uma "esquisita" gloriosa que me ensinou a ter orgulho de ser diferente


Mergulhei de cabeça na admiração por Homogenic e desde então, cada um de seus álbuns soou como um ponto de virada em minha vida.

Foto: Dominic Favre (2007)

Não fui uma criança esquisita em si, mas parecia esquisito. Quando era mais jovem, me destacar era algo que achava ótimo. Eu queria que as pessoas me vissem, mas, à medida que fui ficando mais velho isso mudou. Desejava desesperadamente ser como todo mundo.

Era um adolescente gay, confuso e não assumido, cujo jeito entregava que não poderia entrar em uma sala e sumir. Eu precisava de estranhos na minha vida, precisava saber que não era necessário parecer ou agir como todo mundo, que o que o tornava alguém diferente poderia ser "alquimizado" em uma força.

Para mim, Björk era como uma pessoa "esquisita" gloriosa. Uma alienígena, como foi rotulada pelo mainstream, que a recebeu em seu seio após Debut, em 1993. Suas excentricidades estavam embutidas em sua identidade pública: ela é islandesa, então falava com um "sotaque engraçado". Quando ganhava prêmios, não dizia coisas como: "Gostaria de agradecer a Deus e a minha gravadora". Seus videoclipes eram expressões oníricas de mundos que ninguém jamais havia imaginado; e sua voz cantada trazia diversas marcas próprias em meio ao lado dramático e gutural. Por volta da época do Post, em 1995, e de seu single de maior sucesso, It's Oh So Quiet, ela se tornou um alvo dos tabloides do Reino Unido, alimentados pelo infame evento em um aeroporto de Bangkok. 

Eu estava ciente de Post e Debut. Lembro-me de ficar fascinado pelo vídeo de Human Behavior, no qual Björk se apresentava como observadora de uma raça humana que não entendia totalmente ou não sabia como interagir. Mas foi só em Homogenic, de 1997, momento em que ela lutava contra as percepções convencionais, que mergulhei de cabeça em sua obra.

Fiquei imediatamente atraído pela imagem dela na capa do disco, uma princesa guerreira serena, mas pronta para a batalha. Nunca tinha comprado um álbum baseado apenas na capa, ou sem ouvir pelo menos dois ou três singles. Era uma coisa emocionante, como mergulhar em um universo governado pelo "estranha" mais habilidosa da música! O título do projeto também me fazia questionar: seria uma alusão à sexualidade? Uma nova forma de viver fora de determinados rótulos?

A onda de emoções de Homogenic me abriu um outro mundo. Enquanto isso, sua "paleta sonora" raivosa, com batidas vulcânicas misturada às cordas arrebatadoras (quase lindas demais para suportar), combinava com meu humor, que sempre oscilava. Para ser honesto, depois de anos obcecado com a fase "pós-imperial" de Michael Jackson, Björk também atendeu ao meu constante desejo adolescente de ser visto como alguém que poderia, na melhor das hipóteses, ser visto como legal.

Seu mundo criativo envolveu tantas mentes, incluindo Michel Gondry, Mark Bell, Stéphane Sednaoui, Alexander McQueen... Eu gastei muito dinheiro colecionando singles físicos, boxsets luxuosos, livros não oficiais, ingressos para shows, camisetas...

Minha obsessão era genuína e duradoura. A letra emocionante de Jóga, especificamente "estado de emergência", podia ser frequentemente encontrada rabiscada em meus cadernos, envelopes rasgados e nas bordas de jornais. Eu ansiava por estar com o coração partido como a protagonista de Unravel, ou tão caótico quanto o que quer que estivesse acontecendo em Pluto.

Björk se envolveu com a condição humana de maneiras abstratas e emocionantes, que pareciam canalizar as ideias preconcebidas das pessoas para algo poderoso. O fato de ela ter entregado tudo com uma voz que parecia, e ainda parece, enviada de outro planeta, apenas elevou aquela admiração.

Cada um de seus álbuns soou como um ponto crucial de mudança em minha vida. Vulnicura, por exemplo, chegou no mesmo dia de uma notícia devastadora para a minha família. A faixa Black Lake marcou uma tristeza inigualável, mas também foi uma espécie de cura. A dor de Björk refletia a minha. Os vários universos de cada disco anterior, com lugares de um conforto escapista, agora estavam bastante enraizados na realidade.

Ao final de Black Lake, tem uma dica sobre a chegada de algo novo: "Eu sou um foguete brilhante voltando para casa. Enquanto entro na atmosfera, queimo camada por camada". Ali está o poder de cura da transformação física e emocional, assim como Björk sempre me ensinou.

- Michael Cragg para o The Guardian, março de 2021. 

Postagens mais visitadas deste blog

Björk volta ao Brasil para show no Primavera Sound

Por essa a gente não esperava... Após 15 anos, Björk volta ao Brasil para show no festival Primavera Sound . A apresentação acontece no dia 5 de novembro , em São Paulo ! Atenção: Os ingressos estão à venda ( e já acabando ) em: https://www.eventim.com.br/primaverasoundsp Estamos esperando por esse momento desde 2007 ! Björk se apresentará no Brasil com a turnê Orkestral . No repertório, estão canções de várias fases da carreira. Durante a série de lives na Islândia, a artista revisitou muitas músicas em diferentes performances. No concerto de 2022, algumas delas devem aparecer no setlist. Conheça as histórias das faixas clicando   AQUI . Na estrada, Björk estará ao lado do condutor Bjarni Frímann Bjarnason .  "Para mim, o show "Orkestral" é como um dia de feriado. Eu apenas chego com um vestido nas costas e apareço, canto e vou para casa. Torna-se mais sobre mim, a cantora. Eu trabalho com as orquestras locais de cada lugar, então sou mais como uma convidada ou uma vi

A participação de Björk em The Northman

Que saudades de ver esse rostinho lindo!  Björk esteve na estreia de "The Northman", em Reykjavík.  Nas redes sociais, a artista escreveu: "Estou muito orgulhosa de fazer parte disso. Gostaria de agradecer a Robert Eggers , Sjón e Robin Carolan por convidarem Dóa (o nome artístico da filha dela, que é uma das atrizes da grande produção) e eu para essa aventura. Estou mais do que grata!!! E obrigada a James Merry por me apoiar e Alexander (Skarsgård) por ser um co-ator gracioso".  "Durante sua cena, eu podia ver que Björk tinha uma lua cheia gigantesca atrás dela, bem atrás de sua cabeça. Aquilo pareceu perfeito para aquela cena, seu personagem e como ela estava vestida. Foi absolutamente fascinante. Ela é tão incrível!". pic.twitter.com/e9dPgaf2Ec — Björk BR (@sitebjorkbrasil) April 20, 2022 "É bom finalmente ver as raízes de alguém tratadas com imaginação, inteligência e qualidade. Eu AMEI as passagens com Mjötviður Mær . A arqueologia moder

Ísadora Bjarkardóttir Barney fala sobre sua carreira como artista e o apoio da mãe Björk

Doa , também conhecida como d0lgur , é uma estudante, funcionária de uma loja de discos ( Smekkleysa ), cineasta, cantora e agora atriz. Em abril, estreia nas telonas no novo filme de Robert Eggers , The Northman . Ela interpreta Melkorka , uma garota irlandesa mantida em cativeiro em uma fazenda islandesa, que também gosta de cantar.  O nome de batismo da jovem de 19 anos, é Ísadora Bjarkardóttir Barney .  "Bjarkardóttir" reflete a tradição islandesa de usar nomes patronímicos ou matronímicos . Ou seja, o segundo nome de uma criança é baseado no primeiro nome de sua mãe ou pai. Assim, "Bjarkardóttir" significa o "dóttir" – filha – de "Bjarkar". Isto é, de Björk . E Barney vem do pai Matthew Barney, que nasceu nos Estados Unidos.  Na nova edição da revista THE FACE , a artista falou sobre sua carreira. Ela vive entre Reykjavík e Nova York , onde nasceu em outubro de 2002. Confira os trechos em que citou a mãe, a nossa Björk.  " Sjón e min

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Em novembro de 2022, ela volta ao nosso país no festival Primavera Sound . Relembre todas as passagens da islandesa por terras brasileiras, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalment

Björk está no elenco de 'The Northman’, filme de Robert Eggers

Em outubro de 2019 , o site IndieWire garantiu que Björk estava em negociações avançadas para participar de uma nova produção do diretor Robert Eggers , responsável pelos filmes "A Bruxa" (2015) e "O Farol" (2019).  O longa, intitulado de The Northman , foi descrito como uma "saga de vingança viking", na qual um príncipe nórdico (Alexander Skarsgård) procura por justiça após seu pai ser assassinado. A história é ambientada na Islândia , na virada do Século X.  Foto: Santiago Felipe. O roteiro de Eggers foi escrito em parceria com Sjón , um grande amigo e colaborador da islandesa ( Isobel , Jóga , Bachelorette , Selmasongs , Oceania , Wanderlust , The Comet Song , Cosmogony , Virus , Solstice ). Nicole Kidman , Alexander Skarsgård , Anya Taylor-Joy , Bill Skarsgård , Kate Dickie , Ralph Ineson , Claes Bang , Ethan Hawke  e Willem Dafoe também fazem parte do elenco.  A trilha sonora é de Robin Carolan e Vessel .  Foto: Reprodução.  O Belfast Telegraph ,