Pular para o conteúdo principal

A parceria de Björk e a Orquestra Pasdeloup nos shows em Paris

- Devido às duas apresentações acústicas de Björk no La Seine Musicale, gostaríamos de saber mais sobre a Pasdeloup. Como foi composta para essa versão do show "Orkestral"?

Marianne Rivière: São mais de 30 instrumentos de cordas, exclusivamente violinos, violas, violoncelos e baixos. É toda a originalidade de Björk junto a grande tradição da obra "Divertimento" de Bartok, peças de Britten e Tchaikovsky.

- A Orquestra Pasdeloup está acostumada a tocar grandes repertórios clássicos, acompanhamentos de solistas líricos ou variados, peças para balé, musicais e em muitos outros números. Como foi a relação com o maestro Bjarni Frímann Bjarnason? Para você, foi um desafio em particular, ter que se adaptar tão rapidamente?

Arnaud Nuvolone: ​​Nosso trabalho com Bjarni Frímann Bjarnason ocorreu em um clima de confiança mútua e trocas artísticas. Trabalho facilitado pela qualidade das partituras e composições, e pela flexibilidade musical da Orquestra Pasdeloup.

Benoît Marin: O sucesso do projeto está em grande parte no profissionalismo do maestro que sabe transmitir suas instruções de forma eficaz. A partitura, composta com inegável maestria, é escrita exclusivamente para um grande conjunto de cordas, o que só pode nos deliciar!

Marianne Rivière: Com as nossas madeiras, metais e percussão, estávamos preparados para este desafio, o resultado é magnífico. Nossos solistas e o maestro Bjarni Frímann Bjarnason trabalharam maravilhosamente bem com essa composição original de Björk. Entre a doçura encantadora aos sons mais intensos, fomos todos imediatamente arrebatados por essa atmosfera única.

- Como foi a colaboração com Björk? É a primeira vez que você colabora com uma artista que está no cruzamento entre o pop e a música clássica?

Marianne Rivière: A colaboração foi bastante natural, a orquestra sempre esteve na encruzilhada da excelência e da novidade, de "Carmen" com Bizet em 1875 a Björk e Barry White.

Benoît Marin: Faz parte da nossa missão atender solicitações de todos os repertórios, com eventos de estilos semelhantes no passado.

- Com quais outros artistas você já colaborou?

Arnaud Nuvolone: ​​​​Na minha vida de músico, tive a chance de trabalhar no estúdio e/ou no palco com grandes artistas como Joni Mitchell, Eurythmics, Sammy Davis Jr, Lisa Ekdahl e no mundo do jazz: Jacques Loussier. Participei de muitas sessões de gravação para grandes artistas franceses (pop e de vários estilos), e música para trilhas de cinema com Michel Legrand, Georges Delerue, Alexandre Desplats e Gabriel Yared.

Marianne Rivière: A Orquestra Pasdeloup compartilha o palco ao vivo de onde quer que venha o convite, seja qual for, desde que sua profundidade musical nos emocione e, portanto, atraia o público conosco.

- No ano passado, a Pasdeloup celebrou seu 160º aniversário e tocou com muita frequência na Philharmonie de Paris e no La Seine Musicale. O programa de 2022-2023 é rico e muito variado. Entre outras coisas, inclui muitos musicais e trilhas sonoras de filmes.

Marianne Rivière: Paralelamente à música contemporânea e às obras-primas da herança clássica, muitas vezes apresentamos comédias musicais e música de filmes. Isso vai tanto de "L'homme du Large" (redescoberto pela Pasdeloup) quanto a "The Sound of Music", "My fair Lady" ou até mesmo "The Umbrellas of Cherbourg" de Michel Legrand com Nathalie Dessay.

- Em 1996, Björk cantou "It's Oh So Quiet" no programa de TV Taratata com a grande orquestra de Michel Legrand. Foi uma ocasião que nos marcou. Na sua opinião, é possível fazer conexões entre o repertório de Björk e a composição da música cinematográfica?

Benoît Marin: Claro que encontramos todos os ingredientes que os compositores de cinema gostam de usar: ritmo, repetição de fórmulas, camadas sonoras, mas nas canções dela com grande originalidade no uso do "Portamento" e um tipo de ritmo muito inventivo. As composições dela trazem uma personalidade única.

Arnaud Nuvolone: ​​​​Os arranjos de Björk não fazem concessões que facilitam. Da minha parte, encontrei certas analogias na proposta musical com títulos do álbum "Travelogue" de Joni Mitchell.

- Vocês podem nos contar mais sobre como foi interpretar o repertório de Björk? Vocês tem um ou mais títulos que gostam de tocar?

Arnaud Nuvolone: ​​O repertório de Björk é inusitado e nos leva por caminhos raramente percorridos, entre sonhos, fantasmagorias, lendas nórdicas, pop exigente. Mas a produção e interpretação não oferecem surpresas para músicos clássicos de mente aberta. Sempre me divirto muito interpretando "Bachelorette", uma faixa que já ouvi dezenas de vezes!

Benoît Marin: As músicas de Björk foram uma descoberta para mim.

Marianne Rivière: Como sempre, com uma profunda compreensão da intenção e sensibilidade da autora, compositora e intérprete. Cada faixa tem sua personalidade, sua história, suas emoções compartilhadas nas quais mergulhamos. É isso que cria o poder musical que Björk incorpora.

- A Orquestra Pasdeloup parece ter muito em seu coração o propósito de dar visibilidade para as artistas mulheres. Seja através da escolha de obras de compositoras ou da igualdade na presença delas no palco como musicistas e maestrinas. Vocês acham que isso pode ter motivado na escolha de Björk e sua equipe? Este é um tema que foi discutido?

Benoît Marin: Esse projeto está perfeitamente alinhado com a linha de programação da orquestra, e podemos supor que a escolha de Björk partiu, sobretudo, na competência de uma orquestra parisiense que mostrou saber abordar todos os repertórios e se adaptar a todas as situações.

Marianne Rivière: Sou presidente da Orquestra Pasdeloup há mais de 20 anos e, entre as mulheres muitas vezes negligenciadas pela crítica musical estreita, sabemos e experimentamos que o sublime não tem gênero. Nosso encontro com Björk imediatamente instalou a realização artística muito além de qualquer outra consideração. Quando a arte conta por si só, naturalmente as artistas mulheres se encontram lá.

- Obrigado por todas as suas respostas ricas e detalhadas. Desejamos a vocês um maravilhoso segundo concerto com Björk e Bjarni Frímann Bjarnason na sexta-feira à noite, e estamos ansiosos para conferir sua interpretação!

- Arnaud Nuvolone (violino solo), Benoît Marin (violista solista) e Marianne Rivière (violinista e presidente da Orquestra Pasdeloup) em entrevista ao site bjork.fr, junho de 2022.

Fotos: Santiago Felipe.


Postagens mais visitadas deste blog

Björk volta ao Brasil para show no Primavera Sound

Por essa a gente não esperava... Após 15 anos, Björk volta ao Brasil para show no festival Primavera Sound . A apresentação acontece no dia 5 de novembro , em São Paulo ! Atenção: Os ingressos estão à venda ( e já acabando ) em: https://www.eventim.com.br/primaverasoundsp Estamos esperando por esse momento desde 2007 ! Björk se apresentará no Brasil com a turnê Orkestral . No repertório, estão canções de várias fases da carreira. Durante a série de lives na Islândia, a artista revisitou muitas músicas em diferentes performances. No concerto de 2022, algumas delas devem aparecer no setlist. Conheça as histórias das faixas clicando   AQUI . Na estrada, Björk estará ao lado do condutor Bjarni Frímann Bjarnason .  "Para mim, o show "Orkestral" é como um dia de feriado. Eu apenas chego com um vestido nas costas e apareço, canto e vou para casa. Torna-se mais sobre mim, a cantora. Eu trabalho com as orquestras locais de cada lugar, então sou mais como uma convidada ou uma vi

25 anos de Post - Conheça curiosidades sobre o álbum icônico de Björk

13 de junho de 1995: Há exatos 25 anos , era lançado Post , um dos trabalhos mais marcantes da carreira de Björk. Em comemoração a essa data especial, preparamos uma super matéria honrando a importância desse disco repleto de clássicos.  Para começar, conheça a história do álbum no documentário  dividido em dois episódios  na Websérie Björk . Os vídeos incluem imagens de bastidores, shows e diversas entrevistas detalhando a produção de Post e os acontecimentos daquela era. Tudo legendado em português !     Além disso, separamos vários depoimentos sobre as inspirações por trás das canções e videoclipes do álbum:  1. Army of Me: "Algumas das minhas melodias são muito difíceis para que outras pessoas possam cantar, mesmo que não envolvam técnicas específicas. Essa talvez é a única das minhas músicas que escapa desse 'padrão'. Me lembro de que, quando a escrevi, tentei ter um certo distanciamento. Meu irmão mais novo est

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Em novembro de 2022, ela volta ao nosso país no festival Primavera Sound . Relembre todas as passagens da islandesa por terras brasileiras, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalment

Björk está no elenco de 'The Northman’, filme de Robert Eggers

Em outubro de 2019 , o site IndieWire garantiu que Björk estava em negociações avançadas para participar de uma nova produção do diretor Robert Eggers , responsável pelos filmes "A Bruxa" (2015) e "O Farol" (2019).  O longa, intitulado de The Northman , foi descrito como uma "saga de vingança viking", na qual um príncipe nórdico (Alexander Skarsgård) procura por justiça após seu pai ser assassinado. A história é ambientada na Islândia , na virada do Século X.  Foto: Santiago Felipe. O roteiro de Eggers foi escrito em parceria com Sjón , um grande amigo e colaborador da islandesa ( Isobel , Jóga , Bachelorette , Selmasongs , Oceania , Wanderlust , The Comet Song , Cosmogony , Virus , Solstice ). Nicole Kidman , Alexander Skarsgård , Anya Taylor-Joy , Bill Skarsgård , Kate Dickie , Ralph Ineson , Claes Bang , Ethan Hawke  e Willem Dafoe também fazem parte do elenco.  A trilha sonora é de Robin Carolan e Vessel .  Foto: Reprodução.  O Belfast Telegraph ,

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí