Pular para o conteúdo principal

Björk acredita que "Fossora" é o início de um novo capítulo

"Fossora" é uma reflexão sobre o amor, a vida e o desapego.

Confira a tradução da entrevista de Björk para Elle:

Para Björk, um ponto positivo da pandemia foi que finalmente deu a ela a chance de estabelecer um ritmo em sua vida pessoal. "Fez por mim o que fez por muitos músicos, pois tive que ir contra a corrente e ficar em casa por dois anos sem ir ao aeroporto uma única vez", disse ela. "Viajar e fazer turnês pode ser glamouroso, mas também pode tirar as nossas raízes". Abraçar o tempo de inatividade fez com que a cantora e compositora de 56 anos se sentisse uma adolescente novamente. "Eu saí com o mesmo grupo de pessoas – 10 dos meus amigos de infância moram a uma curta distância – e alguns de nós jantávamos e depois acabávamos dançando no chão da minha sala. Todo mundo estaria em casa à meia-noite", acrescentou ela com uma risada.

Quando não estava dançando ao som de músicas pop ("Às vezes, você só quer uma música da Beyoncé na sexta à noite"), Björk caminhava pela praia do lado de fora de sua casa no oeste de Reykjavik ou caminhava pelas montanhas da Islândia. "Também tem um café local e uma piscina bem perto que sempre vou. É uma pequena vila linda", ela me disse de sua casa no mês passado. "Se eu quisesse, poderia ver um amigo às quatro horas e depois decidir jantar com minha irmã à noite", disse ela. Esse retorno ao lar, de certa forma, levou à gravação de "Fossora" - o título de seu primeiro álbum em cinco anos e 10º no geral. "É uma palavra que eu meio que inventei – há uma versão masculina [latina] dela – mas "Fossora" significa "ela que cava", explica a cantora. "O novo álbum é a minha maneira de descrever apenas estar em casa e viver no meu pequeno buraco, estar perto dos amigos e familiares e criar raízes".

A verdade é que Björk sempre foi uma pessoa caseira de coração. "Quando eu era adolescente, todos ao meu redor estavam empolgados em viajar pelo mundo e em ficar famosos", disse ela. Mas a mente da cantora estava em uma faixa diferente. "Eu não queria me mudar para o exterior, mas fui eu que acabei vivendo internacionalmente e tendo esse tipo de estilo de vida", disse ela. Quando sua banda de rock alternativo, The Sugarcubes, se separou em 1992, Björk deixou a Islândia para seguir carreira solo em Londres, mas ela acreditava que voltaria em breve. "Inicialmente pensei que voltaria à Islândia dentro de três anos", disse ela. "Mesmo quando eu morava em Londres e depois em Nova York, ainda passava 60% do meu tempo na Islândia, então, na verdade, eu passava a maior parte do ano na Islândia, mesmo quando não morava aqui".

No outono de 2021, Björk começou a fazer shows na Islândia depois que as restrições começaram a diminuir. "Isso foi muito especial porque eu não tocava ao vivo há dois anos. Eu podia sentir a energia de como o público estava absorvendo a música: era como se fosse a primeira vez [deles] em um show. Todos eles tinham "ouvidos virgens" novamente". Este ano, a vida da artista voltou ao habitual. Na primavera, ela até apareceu no filme "The Northman" ao lado de Nicole Kidman e Alexander Skarsgård, e durante o verão, teve datas de turnê pela Europa. Em novembro, embarcará em apresentações na América do Sul.

Os arranjos de sopro pesados ​​no novo álbum de Björk nascem de um sexteto de clarone, e também há algumas "ondas sonoras subterrâneas de cogumelo" mixadas em meio a tudo isso, como ouvimos em "Fungal City". Musicalmente, é muito mais orgânico do que as paisagens sonoras sonhadoras e arejadas que ela está acostumada. "É o oposto sonoro de "Utopia" [o álbum que ela lançou em 2017] que era composto de sons etéreos e agudos, mas "Fossora" tem muito mais baixo – é terreno e forte, é mais como um soco no estômago". Ela chama isso de música folk do Século XXI, e muitas das canções são assim por natureza: "Fagurt Er I Fjördum" é um poema islandês da pescadora do Século XVII Látra-Björg. "Se você ouvir músicas folclóricas de todo o mundo, perceberá que realmente têm letras e melodias muito complexas, e sinto que estou continuando essa tradição".

Mas isso não significa que não haja momentos pop, ela acrescenta: "Algumas músicas vão fazer você se levantar e dançar, enquanto outras vão fazer você se sentar e contemplar a vida". "Freefall", por exemplo, é uma canção de amor pungente, com letras como: "Se nos agarrarmos ao que costumávamos ser, isso vai queimar a nossa alma. Vamos nos machucar a menos que haja confiança absoluta, então nos tornaremos um".

O álbum é composto de muitos tipos de estado de espírito, e expande a gama estilística de Björk. "Acho que todos os meus álbuns são emocionalmente diversos. Como musicista, não posso controlar como o mundo me percebe, mas me lembro de tempos nos anos 90, quando as pessoas pensavam que tudo que eu fazia era cantar músicas sobre boates. Então, quando ouviram "Post", ficaram surpresos. Aquele álbum tem batidas pop, mas também tem nuances experimentais e introspectivos, como na canção "Cover Me". Eu sempre lutei muito para ser uma artista mulher que pudesse fazer uma música triste, uma música bem-humorada, uma música sexy, uma música mandona, uma música vulnerável – e mostrar que eu poderia acessar tudo isso".

Duas músicas do álbum são sobre a morte de sua mãe, que faleceu em 2018 após uma longa doença. ""Sorrowful Soil" foi escrita antes de minha mãe morrer. Foi na época em que meu irmão e eu percebemos que aquele era o começo do último capítulo da vida dela. A música tem um tom triste e é típico do que as pessoas sentem antes de uma mãe doente falecer – todo aquele começo da última parte de sua vida".

"Ancestress", por outro lado, celebra a vida de sua mãe: "É um clima diferente. Realmente, é a minha maneira excêntrica de fazer um epitáfio ou um elogio. Normalmente, os epitáfios são de natureza patriarcal, pois apenas listam os fatos sobre uma pessoa: "ela era mãe, marceneira ou tinha tal e tal diploma universitário". Em vez disso, Björk queria elaborar as partes emocionais da vida de sua mãe e apresentar a música de uma forma matriarcal, que englobasse a essência de quem ela era. Ela sentiu que ter seu filho Sindri cantando nos backing vocals para a música do funeral de sua mãe era apropriado. "Minha mãe tinha apenas 40 anos quando ele nasceu. Eles tinham uma relação muito próxima e especial".

Foto: Divulgação.

Temas maternos tocaram Björk de várias maneiras. "Her Mother's House" diz respeito à própria filha dela, Ísadora, deixando o ninho. "É também sobre eu tentar ser graciosa sobre isso", disse ela com divertimento.

No verão passado, a jovem estreou como modelo na campanha de joias da marca italiana Miu Miu: 


Ísadòra colaborou com sua mãe tanto na escrita quanto nos vocais da música: "Eu tenho um senso de humor muito estranho que as pessoas, às vezes, não entendem, mas é uma música engraçada sobre eu ser uma espécie de pêndulo que ou se agarra demais ou solta demais".

Todo mundo tem períodos em suas vidas que precisam ser "arejados", disse Björk: "Não acho que seja coincidência que novos álbuns, filmes e livros sejam lançados a cada três ou cinco anos. É só quando você olha para trás e pensa: "Oh meu Deus, esse foi o fim daquela parte da vida em que eu tive que começar do zero". Não somos todos artistas, mas acho que temos temas em comum pelos quais passamos. Temos uma espécie de acerto de contas onde pensamos sobre o que queremos manter e o que queremos deixar para trás. Eu tento documentar isso na minha música".

Björk acredita que "Fossora" é o início simbólico de um novo capítulo. O conselho dela para ouvir o álbum pela primeira vez? "Eu adoraria se as pessoas pudessem colocá-lo para tocar bem alto na primeira vez, pelo menos. Desta forma, poderiam se apoderar dessa sensação calorosa de estar [enterrados] em um buraco no chão e realmente vivendo dentro dele".

- Wendy Kaur para Elle, setembro de 2022.

Foto: Vidar Logi.

Postagens mais visitadas deste blog

Björk e a paixão pelo canto de Elis Regina: "Ela cobre todo um espectro de emoções"

"É difícil explicar. Existem várias outras cantoras, como Ella Fitzgerald , Billie Holiday , Edith Piaf , mas há alguma coisa em Elis Regina com a qual eu me identifico. Então escrevi uma canção, Isobel , sobre ela. Na verdade, é mais uma fantasia, porque sei pouco a respeito dela".  Quando perguntada se já viu algum vídeo com imagens de Elis, Björk respondeu:  "Somente um. É um concerto gravado no Brasil, em um circo, com uma grande orquestra. Apesar de não conhecê-la, trabalhei com ( Eumir ) Deodato e ele me contou várias histórias sobre ela. Acho que tem algo a ver com a energia com a qual ela canta. Ela também tem uma claridade no tom da voz, que é cheia de espírito.  O que eu gosto em Elis é que ela cobre todo um espectro de emoções. Em um momento, ela está muito feliz, parece estar no céu. Em outro, pode estar muito triste e se transforma em uma suicida".  A entrevista foi publicada na Folha de São Paulo , em setembro de 1996. Na ocasião, Björk divulgava o

Debut, o primeiro álbum da carreira solo de Björk, completa 30 anos

Há 30 anos , era lançado "Debut", o primeiro álbum da carreira solo de Björk : "Esse disco tem memórias e melodias da minha infância e adolescência. No minuto em que decidi seguir sozinha, tive problemas com a autoindulgência disso. Era a história da garota que deixou a Islândia, que queria lançar sua própria música para o resto do mundo. Comecei a escrever como uma estrutura livre na natureza, por conta própria, na introversão". Foi assim que a islandesa refletiu sobre "Debut" em 2022, durante entrevista ao podcast Sonic Symbolism: "Eu só poderia fazer isso com algum tipo de senso de humor, transformando-o em algo como uma história de mitologia. O álbum tem melodias e coisas que eu escrevi durante anos, então trouxe muitas memórias desse período. Eu funcionava muito pelo impulso e instinto". Foto: Jean-Baptiste Mondino. Para Björk, as palavras que descrevem "Debut" são: Tímido, iniciante, o mensageiro, humildade, prata, mohair (ou ango

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Relembre todas as passagens de Björk por terras brasileiras! Preparamos uma matéria detalhada e cheia de curiosidades: Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96) , como parte do Free Jazz Festival . Fotos:  André Gardenberg, Folhapres