Pular para o conteúdo principal

Uma conversa inspiradora entre Björk e Robin Wall Kimmerer

O novo episódio do podcast do Artforum, apresenta uma conversa especial entre Björk e a autora-cientista Robin Wall Kimmerer. O bate-papo inclui assuntos que vão desde como a linguagem nos conecta ao mundo natural; as consequências — pessoais e globais — de viver longe da natureza; e o que significa em nossa sociedade viver corretamente com a terra.

Confira a tradução completa:

Björk: Olá, Robin!

Robin Wall Kimmerer: Olá! Prazer em conhecê-la.

Björk: Oh, eu preciso te dizer que tenho gostado muito de seus livros. Na verdade, eu já ouvi duas vezes em audiolivro, com sua bela voz lendo-os. Muito obrigada.

Robin Wall Kimmerer: Fico feliz em saber que você ouviu. Sabe, foi muito divertido gravá-los.  Me disseram assim: "Bom, vamos conseguir uma narradora muito boa para seus livros", e eu pensei: "ah, eu quero fazer isso!". Quem mais poderia pronunciar as palavras Potawatomi e o latim botânico, entende?

Jennifer Krasinski: Bem-vindos ao "Artists on Writers | Writers on Artists", uma coprodução do Artforum e da Bookforum Magazines. A cada mês, esta série reúne profissionais dos campos da arte e da literatura para conversas de forma livre e intimista sobre os assuntos que desejam falar. Sou Jennifer Krasinski, diretora editorial digital da revista. E gostaria de dar as boas-vindas à conversa de hoje entre a artista-musicista Björk e a autora-cientista Robin Wall Kimmerer.

Durante a conversa, Björk e Robin abordam muitos assuntos maravilhosos. Quando Björk se apresentou pela primeira vez a todos nós durante a ligação, ela se descreveu como "uma nerd da natureza da Islândia". Mas isso, é claro, não é tudo o que ela é. Ela é uma cantora cuja voz é diferente de qualquer outra e uma compositora cuja música atravessou tantos gêneros que sua música se tornou essencialmente um gênero em si. Ela é a mais rara das criadoras, verdadeiramente multidisciplinar - desde escrever, arranjar e produzir seu extenso catálogo até suas colaborações com cientistas, cineastas, escritores, inventores, músicos e fabricantes de instrumentos. Björk redefiniu o que significa viver como artista. Seu disco mais recente, "Fossora", é o décimo da carreira e tem recebido grande aclamação desde seu lançamento em setembro passado.

Robin Wall Kimmerer é mãe, cientista, professora condecorada e membro inscrita da "Citizen Potawatomi Nation". Ela é a autora de "Braiding Sweetgrass: Indigenous Wisdom, Scientific Knowledge and the Teachings of Plants as well as Gathering Moss: A Natural and Cultural History of Mosses". Ela é uma professora ilustre de biologia ambiental, e fundadora e diretora do Center for Native Peoples and the Environment, cuja missão é criar programas que se baseiem na sabedoria do conhecimento indígena e científico para os objetivos compartilhados da sustentabilidade.

E apenas alguns dias antes de Robin e Björk se falarem, Robin foi nomeada ao MacArthur Fellow. Antes da conversa começar, Artforum e Bookforum gostariam de agradecer ao nosso patrocinador por este episódio, o The New York Historical Society, onde os visitantes podem experimentar histórias americanas não contadas por meio de exposições inovadoras, coleções excepcionais, filmes imersivos e conversas instigantes. Visite NY History.org para mais informações. E agora, por favor, aproveite a conversa entre Björk e Robin Wall Kimmerer.

Björk: Eu estava pensando se para quebrar o gelo, seria bom se eu simplesmente começasse a fazer as perguntas. Enviei um e-mail para você há algumas semanas. Isso soa como um bom começo?

RWK: Vamos fazer isso. Sim, vamos fazer isso. Ah, e acho que provavelmente fomos cortadas do mesmo tecido. Sou uma introvertida, então será bom ter uma conversa íntima para começar.

B: Sim, e provavelmente estamos mais acostumadas a ser entrevistados do que a ser as entrevistadoras. Então sim. Eu queria primeiro apontar que, provavelmente, temos uma característica semelhante: o lado acadêmico versus a natureza/o folclore, embora sejamos obviamente muito, muito, muito diferentes, eu e você. Estudei música por dez anos! Quando surgiram as telas de touchscreen, tentei fazer musicologia para crianças mais ligada às estruturas naturais. Mas, ao mesmo tempo, sempre escrevi todas as minhas melodias durante as minhas caminhadas, e propositalmente sem saber quais notas estaca cantando. Isso parece se alinhar bem com uma maravilhosa história que você contou, a de uma tribo que tinha os bolsos cheios de sementes, que depois se espalhavam organicamente pelas colinas. Você também mencionou no livro que quando Colombo e aqueles caras vieram, só porque a agricultura não era em linha reta, eles não achavam que era agricultura. Também estou curiosa, porque você mencionou como a ciência tem o hábito de desprezar a botânica. E sim, eu entendo muito bem o limite disso. E eu sinto que nós duas fizemos disso o trabalho de nossas vidas, para tentar de certa forma costurá-los.

RWK: Muito bem dito! Sim. Em ciências ecológicas, chamamos esse ponto de encontro entre comunidades, como o encontro entre uma floresta e um prado ou o encontro de um prado e um pântano. Um ecótono, sabe? É este lugar onde dois mundos diferentes se encontram. E, como botânica, adoro esses lugares porque são tão diversos. Têm elementos de cada um, mas também têm coisas que só moram ali. Estão cheios de pássaros, estão cheios de frutas. É tão produtivo. Então, essas fronteiras, como você diz, entre o mundo natural e o ambiente construído, entre a matéria e o espírito, acho que são realmente produtivas e, por muito tempo - talvez você também tenha se sentido assim, adoraria saber - que habitar essas áreas pode fazer você se sentir como se não pertencesse a nenhum dos lugares. Mas então você percebe que pertence sim! Como você disse, estava tentando costurá-los juntos. E essa é certamente a realidade para mim ao trabalhar na interseção do conhecimento indígena e do conhecimento científico ocidental também.

B: Sim, acho isso muito interessante. E você mencionou isso tantas vezes em seus livros. É muito, muito inspirador. Sim, na Islândia ainda estamos muito ligados à natureza, penso eu. Acho que somos totais animistas. Nos contam histórias sobre como cada rocha de lava e penhasco é um troll que endureceu ao sol. Como se fossem seres noturnos e não suportassem a luz do dia, pois se tornariam montanhas se não entrassem em suas cavernas ao nascer do sol. Isso ressoou muito para mim quando você falou sobre como em seu idioma original, você trata os substantivos de maneira diferente do inglês. Parece que há novamente uma conexão muito perfeita ali.

RWK: Sim. E eu amo o jeito que a linguagem nos lembra aquela animação do mundo vivo, que aquelas rochas de que você fala são seres vivos, com suas próprias histórias, sua própria história, seus próprios dons no mundo. E isso é algo que é tão precioso para mim sobre a língua Potawatomi. Tudo é um verbo. Não é apenas um estado da matéria. Sabe, poderia se criar novamente. Pode ser outra coisa. E me dói a maneira como o inglês é tão vinculado à natureza objetiva do mundo, como se o mundo fosse apenas coisas, em vez de toda essa linda comunidade de seres vivos. Eu poderia perguntar a você, nas línguas islandesas, existe essa animação embutida também?

B: Bom, o islandês tem origem germânica. Acho que tecnicamente, é chamado de "nórdico antigo". Portanto, não mudou por mil anos. Acho que infelizmente compartilhamos o problema do verbo com o inglês. Mas acho que uma coisa que temos é que a maioria dos nossos nomes, como nomes humanos, montanhas e tudo ao nosso redor ainda é a linguagem que entendemos. Então não mudou. Como se ainda pudéssemos ler livros que foram escritos há mil anos. É como o meu nome que é “bétula”, o nome do meu irmão cuja a tradução direta é “águia” e o da minha mãe que é “runa”. Como uma runa secreta, sabe? E assim por diante. E também as montanhas ao nosso redor, todas elas são chamadas de nomes que entendemos. Não temos monumentos como em Roma ou como as pirâmides do Egito. Mas nós temos montanhas, e cada uma delas tem uma história. Muitas vezes sobre a criação, sobre um troll que esteve naquela caverna. Neste sentido, ainda estamos muito conectados com a natureza.

RWK: Legal. E adoro quando os lugares, e especialmente os nomes dos lugares, evocam as histórias que eles carregam. Daí, nossa! Isso faz com que andemos pelo mundo de uma forma tão diferente, porque quando vemos aquela montanha ou aquele rio, nos lembramos da história daquele lugar, dos seres que estão ao redor, e de uma forma muito melhor do que quando a gente nomeia montanhas ou lugares depois dos colonizadores, certo? Tipo, dar o nome de alguém. O que isso significa? Isso não significa nada. Então, eu amo que essa tradição esteja muito viva para você.

B: Espero não ser muito egoísta se voltar ao seu livro. Eu sou como uma aluna muito gananciosa! Gosto muito de um capítulo sobre o meio ambiente, sobre o qual, claro, poderíamos conversar por um ano. Mas minha parte favorita é quando você fala sobre a solidão das espécies. Você também menciona os imigrantes indígenas. E também, você faz a pergunta: os imigrantes podem se tornar indígenas? E se sim, eles podem atingir o estado de reciprocidade? Eu apenas acho esse conceito tão bonito, como se fosse uma forma biológica, a solidão da espécie. Isso é um termo?

RWK: Sim, é um termo que - eu gostaria de ter na ponta dos dedos sobre quem o criou, mas acho que veio dos estudos de ecopsicologia e da ideia da solidão das espécies que esquecemos, ou mais sinceramente, fomos levados a esquecer aquela animação do mundo vivo. Faz parte dessa ideia de excepcionalidade humana, certo? Que os seres humanos são os únicos que importam, que estamos no topo de uma espécie de pirâmide fictícia da vida, e todo o resto está abaixo de nós. E quando criamos essa pirâmide fictícia de domínio sobre o mundo com os seres humanos sozinhos no topo, não temos a companhia ou o conselho ou apenas a diversão e a maravilha de outras espécies em nossas vidas. E, você sabe, em tantos lugares onde as pessoas estão cercadas pelo ambiente construído, tudo com o que eles interagem é feito por humanos.

E então eu acho que isso nos deixa solitários para nossos parentes, os pássaros e as plantas. E isso tem consequências reais. Você viu aquele estudo? Mee pergunto se você como musicista, realmente se conecta com isso que estou dizendo. Não muito tempo atrás, teve um estudo que supostamente provou que a felicidade dos seres humanos está relacionada com a quantidade de canto dos pássaros em suas vidas, que as pessoas que estão cercadas pelo canto dos pássaros são muito mais felizes do que as que não estão. Isso me fez rir! Pensar que alguém teve que fazer um estudo para demonstrar o que todos nós saberíamos intuitivamente. Mas acho que é um exemplo dos resultados da solidão da espécie, quando não temos a beleza, o som e as relações com outros seres ao nosso redor. Isso leva ao mesmo tipo de solidão que podemos sentir quando estamos distantes de nossa família humana.

B: Se bem me lembro, você também estava falando... e até deu um exemplo que achei muito bonito! Falando dessa espécie solitária, você comparou também com as plantas, não me lembro quais exatamente, mas você disse que elas precisam estar mais em harmonia com as outras para sobreviver .

RWK: Bem, sim, você fez uma excelente observação, é claro, porque nenhum de nós sobrevive sozinho. Estamos todos nessa teia de interações, certo? Acho que não deu pra escolher nenhuma planta. Não me lembro exatamente de quais você está falando, mas não importa, porque seria verdade para toda planta que precisa de seus polinizadores, que precisa de seus dispersores, que precisa dos fungos do solo que os alimentam e os conecta. Toda essa ideia de que qualquer um de nós é um indivíduo solo, simplesmente não é biologicamente verdadeira. Estamos conectados fisicamente a outros seres. E ainda assim, psicologicamente, socialmente, ecologicamente, negamos isso. Gostamos de pensar que estamos de alguma forma separados da natureza. E não é biologicamente verdadeiro, e também não o considero espiritualmente verdadeiro.

B: Sim. Como é com os imigrantes indígenas? Achei isso muito interessante, porque meio que egoisticamente tive uma luta quando minha segunda casa por muito tempo foi em uma cidade nos EUA. Um imigrante pode se tornar indígena se atingir um estado de reciprocidade? Acho que sempre pensei que é bastante complicado sobreviver nas cidades. Na verdade, percebi! Estou vivendo há três anos na pandemia na Islândia, e agora estou em Londres, e posso demorar cerca de uma semana aqui, mas depois começo a andar por toda parte, durante cinco horas apenas para ir até os meus compromissos. Faço isso apenas para ter a sensação de me sentir um pouco normal. E você também falou em seu livro sobre como quando você faz jardinagem, você obtém oxitocina apenas tocando a terra e o solo. Estou meio curiosa sobre como é sobreviver nas cidades, sobre como você lidou com isso. Me desculpe, mas isso aqui vai soar muito hippie... Às vezes, quando eu caminho por cinco horas na natureza ou algo assim, fico reenergizada; sentindo um zumbido nas pernas. Mas nas cidades, é como se não houvesse corrente subindo pelas pernas. E fico com as pernas bambas e meio cansadas. Isto faz algum sentido?

RWK: Faz muito sentido para mim. Sim, exatamente. Tudo o que você disse, eu concordo. É para poder ficar de pé uma semana inteira. Às vezes, me sinto louca depois de um dia na cidade. Eu me pergunto se é assim para você também. Quando estou na terra, na floresta, estou tão aberta e prestando atenção em tudo que está acontecendo ao meu redor, sabe? Quem está florescendo, o que o vento está fazendo, quem está cantando, quais insetos estão saindo. Me sinto com essa qualidade de atenção que é tão aberta. E então, quando vou para a cidade, não consigo desligá-la! Todo o barulho da cidade simplesmente me domina.

Mas quero voltar à sua pergunta, e ela está relacionada em como as pessoas imigrantes se tornam nativas de um lugar, certo? Porque acho que o cerne de algumas das crises que todos enfrentamos socialmente é que não temos a sensação de pertencer a um lugar. E havia, como falo no livro, um professor maravilhoso para mim, Henry Lickers, que era um professor Mohawk. E ele disse que seu pai sempre disse que os verdadeiros problemas que decorrem, digamos, de um modo geral, da cultura imigrante aqui na América do Norte é que os imigrantes ainda estão com os pés no barco, que não se comprometeram a viver neste nova terra. Eles têm uma espécie de "mentalidade de fronteira", algo do tipo: vamos apenas pegar o que queremos e seguir em frente, porque não é realmente a nossa casa. E o que acontece é que só quando começamos a nos sentir em casa, a sentir que vamos morar ali para sempre, que nossos descendentes vão morar ali, é que realmente começamos a cuidar daquele lugar e a deixar que aquele lugar cuide de nós também.

Porque quando nos sentimos profundamente em casa, não vamos destruir a nossa casa. Destruimos lugares transitórios. E então, de fato, muitas das histórias no meu livro, vem a partir dessa exploração de "o que é estar em casa?". Como podemos nos sentir em casa, em nossa tão transitória sociedade contemporânea e, portanto, ter uma relação correta com a terra? E a reciprocidade me parece fazer parte dessa equação. É como dizer: "Bom, esta terra está cuidando de mim, está me dando água, está me dando comida, está me dando ar. O que eu poderia devolver?". E acho que sabemos disso intuitivamente, certo? Quando nos sentimos estranhos em um lugar, não nos envolvemos.

Retribuímos à comunidade em que estamos e, portanto, nos sentimos em casa. Assim, acho que devemos ter a oportunidade de devolver à terra também, de dizer: "como eu poderia estar em equilíbrio com a terra? o que eu poderia devolver à terra?". E nesse dar e receber, começamos a nos sentir em casa. E para mim, é assim que os imigrantes se tornam, não quero dizer indígenas, mas "indígenas do lugar", ou melhor, para mim, a melhor linguagem é pegar um termo emprestado da botânica. É como as plantas de outros lugares que chegam a uma nova paisagem, que acabamos por chamá-las de naturalizadas. Elas não são nativas deste lugar, mas se integraram a este lugar. Elas se tornaram parte da comunidade, parte do ecossistema. Então é realmente um convite para se naturalizar para o lugar. Desculpe, essa foi uma maneira muito longa de dizer isso.

B: É lindo! Estou tão feliz que você mencionou isso de reciprocidade. Quando li seu livro, quase tive vontade de contar quantas vezes você disse isso e ritmá-la, porque é como um rap que percorre todo o seu livro. Eu acho que é como a sua "palavra tema". E é tão inspirador como você escreve sobre a gratidão dos povos indígenas, sabe? Como eles se sentem com relação as plantas e a complicada reciprocidade, tanto incondicional quanto não. Eu estava apenas pensando em como isso poderia se espelhar no meu trabalho, não de uma forma superficial, mas mais profunda. E eu sinto que nas colaborações na música isso é muito importante. Você pode ouvir isso na música, se os músicos estão se fundindo ou não. E às vezes você conhece pessoas, e nesse atrito, você ganha quase como um conhecimento clarividente sobre o que a outra pessoa precisa aprender para se transformar de uma forma verdadeiramente significativa e criativa. E nas poucas vezes que isso acontece, naquele momento, é como um espelho. Eles sabem a mesma coisa sobre você, eles obtêm o mesmo tipo de informação. E então uma transformação milagrosa acontece. Mas só funciona se for recíproco, igual e até mesmo de alguma forma. E sim, você fala tanto sobre como você tem que ter cuidado com o que você tira da natureza, e você tem que estar ciente de que é uma troca fértil, e que depois tente estar ciente disso. Com meus colegas músicos, é importante deixar um "bom carma de colaboração por aí". Isso faz sentido?

RWK: Björk, eu amei isso. Sim. Eu não tive essa experiência (como musicista), mas da maneira que você descreve, parece muito verdadeiro apenas nesse tipo de espírito dessa troca mútua para que ambos sejam melhores para a colaboração. E sim, acho que é isso que estou tentando dizer sobre o mundo vivo, como você faz em sua música, para ver o que acontece quando criamos, como você disse lindamente, aquele espelho entre criadores que permite que ambos aprendam. Isso é incrível. E ouvindo você falar sobre isso, me parece que essas ideias sobre reciprocidade e florescimento mútuo, sabe, é apenas senso comum. A gente sabe, a gente sente intuitivamente, quando isso está funcionando, quando há um equilíbrio, quando há a troca de energia. E sabemos como fazer, mas temos que nos encorajar de alguma forma a fazer, dar permissão um ao outro, talvez, para ter esse tipo de reciprocidade, uns com os outros, e com a terra também. Sabe, eu me preocupo que nossa cultura ocidental de hiperindividualismo nos isole desse tipo de magia de reciprocidade que você está descrevendo. E devo dizer também, você está totalmente certo sobre essa palavra ser repetida ao longo do livro, é como repetir um mantra. Cada história é destinada a ser um exemplo de reciprocidade em tantos reinos diferentes, na esperança de que os leitores pensem: "como eu poderia estar em reciprocidade, com todas as coisas que me foram dadas, o que eu poderia dar de volta?".

B: Você sente que a academia está mudando? Estou apenas sentindo o ambiente. E, na verdade, tive a sorte de fazer uma bela entrevista com Greta Thunberg há duas semanas sobre um livro no qual você também está, entre outros cem especialistas. E eu estou meio que querendo tanto, como todo mundo, ter esperança. Eu estava pensando... Você fala sobre as lentes da ciência, porque há uma lente sagrada na mitologia. Mas as lentes da ciência são sagradas o suficiente? E você sente que está mudando? Desde que você escreveu seu livro, sente que o mundo está se movendo um pouco?

RWK: Sim, eu sinto! Me parece que estamos em um momento realmente potencialmente transformador, onde é como se estivéssemos nos lembrando de como ser completos. Porque na lente materialista estritamente objetiva da ciência ocidental - o que não é apenas ciência, mas toda uma visão de mundo, de materialismo e pensamento sobre objetos divorciados do espírito e do sujeito... Me parece que as pessoas estão dizendo: "espere, por que temos que usar apenas uma dessas lentes? Não saberíamos melhor, não entenderíamos melhor, não nos relacionaríamos melhor uns com os outros, se usássemos todas as nossas formas de saber? Não apenas o intelecto e o tipo de ciência racional, mas se também envolvermos nossa inteligência emocional, nossas formas espirituais de conhecimento, se envolvermos as inteligências do mundo natural além da nossa, seríamos muito mais completos e ricos e capazes de conceber o mundo de maneira diferente". E eu acho que está acontecendo! Na minha experiência na universidade, está sendo conduzido principalmente pelos alunos. Você sabe, em qualquer instituição, suponho, as pessoas que são os organizadores, aqueles que detêm o poder e estabelecem a estrutura, muitas vezes tendem a confiar na estrutura que aprenderam quando eram jovens estudantes. E isso cria alguma inércia, certo? Então as coisas não mudam muito rápido. Mas me parece que os alunos estão realmente pressionando por essa totalidade, por pensar sobre o meio ambiente, não apenas de maneira biofísica, mas também de maneira biocultural. E tem um tremendo poder de transformação, eu acho. É um momento muito emocionante!

B: Sim! Eu estava lendo tantos artigos interessantes. Eu não sabia disso e também, obviamente, quero mudar, sabe, trabalhar localmente. E parece que na Islândia poderíamos realmente cultivar algas marinhas nos oceanos ao nosso redor. Isso poderia ser feito em uma escala enorme que poderia realmente afetar a acidez dos oceanos. Então, encontrei muitas coisas esperançosas nisso! Também gostei de como esse livro tem tantos capítulos. Assim, podemos ir diretamente para o que quer que seja de nosso interesse. Portanto, é muito fácil de usar, sabe? Então, parabéns por aquele livro. Acho que vai causar um grande impacto! 

RWK: E uma das coisas que eu gosto nele, é exatamente o que você está falando, é que é realmente diverso. Você sabe, existem abordagens de engenharia, abordagens econômicas, abordagens culturais, abordagens artísticas. E espero que seja inspirador para as pessoas dizerem: "há tantos caminhos para este trabalho urgente de justiça climática".

B: Acabei de terminar um álbum inteiro que me levou cinco anos, e é todo inspirado em cogumelos, e escrevi arranjos para seis clarinetes, que estou tentando fazê-los se moverem como micélio no chão. Então não consigo descrever a felicidade de quando ouvi você falar que tem uma certa palavra na sua língua, provavelmente vou estragar tudo agora, que é a força vital de um cogumelo. E se chama “Puhpowee”.

RWK: Sim!

B: Então não é o cogumelo em si, mas apenas a força que empurra um cogumelo até o solo, apenas essa energia tem sua própria palavra. Você tem que me contar um pouco mais sobre isso, Robin, por favor!

RWK: Essa palavra é tão esclarecedora, não é? É toda essa forma de ver o mundo, que você não apenas nomeia as coisas, mas também essas forças, essas forças da vida. E sim, é exatamente isso que significa. A força que faz com que os cogumelos se levantem do solo durante a noite. E eu estava tão apaixonada por essa palavra que comecei a perguntar aos professores de línguas: "Bom, existem palavras para outras forças?". E há. Tipo, o desabrochar das flores tem uma palavra própria, que não consigo lembrar no momento. E de sementes germinando e saindo de seus tegumentos, há uma palavra para isso também. E eu simplesmente amo isso. E para mim, isso é tão... biologicamente fisicamente, é fascinante pensar em como isso acontece, mas também parece uma energia muito sagrada de uma força vital. E eu estive realmente pensando em como traduzir isso em inglês, qual é o equivalente? Será que temos uma palavra para essa força vital em inglês? E me deparei, ou na verdade alguém compartilhou comigo, quando fiz esta pergunta: "quais são as palavras que temos para isso?". E aparentemente do latim há uma palavra, "viriditas", da força que causa o esverdeamento do mundo.

B: Nossa, vou anotar isso!

RWK: Sim! Também estou apaixonada por essa palavra, porque parece estar em harmonia com Puhpowee. E, na verdade, acho que foi cunhado pela pensadora e figura religiosa do século XIV, Hildegard de Bingen. Acho que essa palavra é atribuída a ela como essa força sagrada da vida que não apenas está presente no mundo dos vivos, mas também em nós, como esse tipo de força curadora e emergente da vida. Que coisa para comemorar e tentar entender, o que é essa força vital?

B: Eu meio que devo mencionar mais uma coisa, mas a última música do meu álbum é, na verdade, parcialmente inspirada no belo capítulo do seu livro quando você está se despedindo de sua filha para a escola e vai passear de canoa no lírio d'água. E então você ficou presa nos nenúfares, e disse que pôde ver todas as gerações através da clareza da água na lagoa.

RWK: Sim!

B: E eu tenho uma filha de vinte anos, e ela foi para a escola. E a última música do meu álbum... gostaria de te agradecer pela inspiração, Robin! Chama-se "Her Mother's House", e eu escrevi para ela. Às vezes, sou super desajeitada em dizer adeus a ela, e pegajosa, e no dia seguinte sou super graciosa e exagerada, sabe? E no dia seguinte sou desajeitada de novo. E eu meio que escrevi a música como uma piada sobre mim mesma, e então toquei a canção para ela, e ela acabou cantando comigo, escrevendo seus próprios versos e cantando comigo. Então estou muito feliz com isso. E suas filhas estão se interessando também? Elas gostam de plantas, Robin?

RWK: Eles gostam! E obrigada, Björk, por compartilhar essa história. Esse álbum já foi lançado ou poderemos ouvi-lo em breve? Mal posso esperar!

B: Sim, acabou de sair!

RWK: Oh, incrível! Vou procurar. Sim, minhas duas filhas são amantes de plantas de maneiras diferentes. Ambas têm jardins e ambas caminham pelo mundo com um olhar para a beleza do mundo botânico. E, sim, é maravilhoso! E eu as vejo, tenho sorte agora de ser avó, e vejo isso nos netos também! Meus netinhos que passam pelo quintal e dizem: "Ah, aí está a planta Band-Aid. Oh, ali está a planta das abelhas". Então, sou muito grata por eles também poderem ter essa alegria de se conectar com o mundo das plantas. Estou tão feliz que você se conectou com esse capítulo sobre dizer adeus às nossas filhas quando elas entram nesta próxima fase da vida. Sabe que eu quase não coloquei isso no livro! Eu pensei: "ah, não sei". Isso é tão profundamente pessoal. Eu sou provavelmente a única que pensou sobre isso dessa maneira. E tantas mães, e pais também, me disseram: "oh, obrigado, obrigado", eu sabia que não estava sozinha naquele momento de transição, certo? É muito difícil e muito bonito também.

B: Sim, e também porque você vira o capítulo, e fica tão bonito e otimista, com a forma como você descreve aquela imagem da claridade do lago e como você vê todas as gerações de nenúfares. Isso faz você realmente "diminuir o zoom" e entender tão lindamente que não é apenas sobre você, você precisa deixar ir. Mas também acho estranhamente feminista você ter mantido esse capítulo. Sabe, não vou citar os cem filmes e livros, mas para ser honesta, não acho que esse assunto em particular exista [com frequência] por aí! Me corrija se eu estiver errada.

RWK: Essa é uma perspectiva realmente interessante! Acho que você provavelmente está certa. Como você, eu não sei. Mas sim! Adorei que você e sua filha cantaram essa música juntas. Ela também é musicista?

B: Sim! Ela agora está naquela idade em que está experimentando um monte de coisas, o que é incrível, o que a gente deveria fazer. Tanto música quanto atuação e direção. Ela está meio que dividida agora que pode ir em várias direções.

RWK: Bom para ela! Posso te fazer uma pergunta?

B: Absolutamente.

RWK: E então eu vou deixar você ir. Quando começamos a conversar, eu fiquei muito interessada que você falou sobre as suas caminhadas e a terra. Que enquanto faz isso, você meio que ouve a música do lugar. E então, para ouvir sobre as suas novas músicas, que são inspiradas em cogumelos, te pergunto: Você poderia dizer mais sobre como o mundo natural se conecta com você em termos de som e música?

B: Sim, acho que à medida que envelheço e conheço mais músicos, eu meio que entendo que estou aprendendo que talvez isso não seja tão comum quanto eu pensava. Eu nem tenho certeza. Acho que pode ser uma coisa islandesa, mas tenho a sensação de que talvez em muitas áreas rurais, sabe, quando as pessoas caminham próximo da aldeia ou vão passear na floresta, acho que mesmo que as pessoas não falem sobre isso, provavelmente começam a cantarolar uma música. Eu acho que é uma coisa muito natural de se fazer. E a gente meio que tenta entender, sabe? Pensamos sobre o nosso dia e o que aconteceu conosco. Sabe, obviamente temos músicas com as aborígenes na Austrália, o que é obviamente épico.

Mas eu nem descobri isso até ser adulta. Quando criança, dos 8 aos 12 anos de idade, eu fazia uma caminhada de quarenta minutos até a escola, e nós havíamos nos mudado para um novo lugar. Eu acho que era apenas o meu jeito de lidar! Eu adorava, porque era bastante introvertida, então eu meio que andava por um tempo. E então, de repente, começava a cantarolar e algo saía dali. Geralmente fazemos isso. Sai primeiro a parte que não entendemos, como o comportamento humano ou coisas ilógicas. E então continuamos andando, rolando em círculos... Acho que é da natureza humana, a gente chega a algum tipo de conclusão, e isso acaba sendo o refrão. Na verdade, acho que isso é muito comum. Penso que é uma coisa realmente natural para todos nós fazermos.

E acho que há uma razão pela qual existe um verso, que é o enigma, e depois o refrão, onde o resolvemos. Mas talvez se eu pudesse responder à sua pergunta de outro ponto de vista, que é mais abstrato ou meio espacial, o que eu definitivamente experimentei... Eu estava amando tanto estar dois ou três anos em Islândia [no lockdown], e não fico tanto em casa desde os dezesseis anos, e cada célula do meu corpo estava adorando isso. E foi até interessante voltar aqui [em Londres] viajando. E eu acho que quando vemos esse tipo de "filme da natureza" de perto, como os de David Attenborough, e vemos todos os pássaros do paraíso cantando e que todos eles são territoriais, os pássaros de que você falou antes, aqueles que fazem as pessoas felizes... A necessidade de cantar aparece antes mesmo de começarmos a falar, e é territorial!

Soa muito, muito estranho, mas é uma coisa muito natural. Todo mundo na música está fazendo isso, como os rappers, a ópera. Por exemplo, as primeiras casas de ópera na Itália eram minúsculas. Quando entrei ali, entendi que podia reivindicar todo o espaço e olhar cada pessoa nos olhos enquanto canto. E, na verdade, achei muito interessante!

Quando estou fora por dois ou três anos, que penso no que faço espacialmente. Espero que isso não soe muito abstrato. O que acontece é que tento absorver todas as coisas que estão em um raio de cinco metros ao meu redor e meio que as absorvo. Isso não faz sentido, mas fico exausta, tipo: "Pare de absorver esses prédios dentro de você. Pare com isso!". Então eu acho que não há certo ou errado, Robin. Não estou dizendo que uma coisa em si é certa, e não estou tentando ser um "fascista espacial", rural ou algo assim, como se as pessoas tivessem que ser como eu ou estariam erradas. De jeito nenhum! Porque eu conheço muitos músicos que foram criados em cidades e fazem beats de techno. E essa é absolutamente a maneira deles de serem territoriais e compartilhar em algo concreto aquilo que são por dentro. Mas sim, desculpe. Isso faz sentido?

RWK: Sim. Eu sinto que minha cabeça está explodindo com essa ideia! Isso é tão interessante. Não necessariamente reivindicar espaço, mas preencher o espaço ao seu redor com música, e isso me parece tão ressonante com a forma como outros animais usam seus sons exatamente dessa maneira. Por que seríamos diferentes? Eu amo isso. Tão interessante. Obrigada. Obrigada por essa percepção. Isso virá comigo quando eu estiver andando na floresta agora e pensando sobre isso, a territorialidade da música. Muito legal. Obrigada.

B: Muito obrigada pela bela pergunta, e espero que a resposta não tenha sido muito pretensiosa, mas é meio difícil de explicar. Mas é realmente muito, muito natural.

RWK: Sim, sim.

B: Foi maravilhoso falar com você!

RWK: Foi ótimo falar com você também!

B: Eu estava um pouco nervosa!

RWK: Eu também. Eu também! Afinal, estou falando com Björk.

B: Normalmente não sou eu quem faz as perguntas, então fiquei um pouco nervosa, mas espero não estar muito estressada ou algo assim. Mas obrigada por uma conversa linda, linda, linda. Eu mal posso esperar, eu vou me acalmar com todas as suas respostas!

RWK: Bom, obrigada pela oportunidade de visitar esses assuntos, e espero que nossos caminhos se cruzem um dia enquanto caminhamos pela floresta.

B: Sim, absolutamente! Vamos fazer um dueto de música Puhpowee.

RWK: Oh, meu Deus! Muito obrigada.

B: Obrigada. Tchau!

Foto: Divulgação.

Postagens mais visitadas deste blog

Björk e a paixão pelo canto de Elis Regina: "Ela cobre todo um espectro de emoções"

"É difícil explicar. Existem várias outras cantoras, como Ella Fitzgerald , Billie Holiday , Edith Piaf , mas há alguma coisa em Elis Regina com a qual eu me identifico. Então escrevi uma canção, Isobel , sobre ela. Na verdade, é mais uma fantasia, porque sei pouco a respeito dela".  Quando perguntada se já viu algum vídeo com imagens de Elis, Björk respondeu:  "Somente um. É um concerto gravado no Brasil, em um circo, com uma grande orquestra. Apesar de não conhecê-la, trabalhei com ( Eumir ) Deodato e ele me contou várias histórias sobre ela. Acho que tem algo a ver com a energia com a qual ela canta. Ela também tem uma claridade no tom da voz, que é cheia de espírito.  O que eu gosto em Elis é que ela cobre todo um espectro de emoções. Em um momento, ela está muito feliz, parece estar no céu. Em outro, pode estar muito triste e se transforma em uma suicida".  A entrevista foi publicada na Folha de São Paulo , em setembro de 1996. Na ocasião, Björk divulgava o

Debut, o primeiro álbum da carreira solo de Björk, completa 30 anos

Há 30 anos , era lançado "Debut", o primeiro álbum da carreira solo de Björk : "Esse disco tem memórias e melodias da minha infância e adolescência. No minuto em que decidi seguir sozinha, tive problemas com a autoindulgência disso. Era a história da garota que deixou a Islândia, que queria lançar sua própria música para o resto do mundo. Comecei a escrever como uma estrutura livre na natureza, por conta própria, na introversão". Foi assim que a islandesa refletiu sobre "Debut" em 2022, durante entrevista ao podcast Sonic Symbolism: "Eu só poderia fazer isso com algum tipo de senso de humor, transformando-o em algo como uma história de mitologia. O álbum tem melodias e coisas que eu escrevi durante anos, então trouxe muitas memórias desse período. Eu funcionava muito pelo impulso e instinto". Foto: Jean-Baptiste Mondino. Para Björk, as palavras que descrevem "Debut" são: Tímido, iniciante, o mensageiro, humildade, prata, mohair (ou ango

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Relembre todas as passagens de Björk por terras brasileiras! Preparamos uma matéria detalhada e cheia de curiosidades: Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96) , como parte do Free Jazz Festival . Fotos:  André Gardenberg, Folhapres