Pular para o conteúdo principal

A colaboração de Heba Kadry e Björk na mixagem e masterização do álbum Fossora

- "Fossora" tem uma faixa dinâmica muito ampla, quer a gente ouça como um todo ou em uma única música. Os arranjos são diversos, então acho que a masterização foi difícil.

Desta vez, eu fui uma mixer e uma engenheiro de masterização, mas com base em minhas discussões com Björk sobre a mixagem e o trabalho que estava fazendo, tive uma ideia clara de que tipo de som queria criar na masterização final. Em outras palavras, eu estava mixando com a sensação de uma engenheira de masterização.

- Em que tipo de ambiente você mixou?

Nos estágios iniciais da mixagem na Islândia no ano passado, usei os alto-falantes amplificados Kii Three da KII AUDIO. Estávamos trabalhando fora do estúdio, priorizando Björk [em suas caminhadas], então precisávamos de uma maneira de melhorar o campo sonoro. Foi aí que o design DSP do Kii Three entrou em ação. Quase elimina os problemas de acústica, preservando o padrão das saídas de som. E ainda assim mantendo um orçamento baixo. É uma tecnologia muito sofisticada e acho que é o futuro do design de alto-falantes. Depois disso, finalmente terminei no meu estúdio no Brooklyn. Os alto-falantes do monitor são ATC SCM150A Pro e os fones de ouvido são HEDDPhone e SONY MDR-7520.

- Nos conte sobre seu sistema de masterização.

Eu uso o Sequoia 15 da MAGIX. Ao usá-lo para reprodução e pré-ajuste dos masters, ele também serve como um gravador para passar pelo processamento de hardware. Eu uso plugins no Sequoia para consertar e resolver problemas, e gosto especialmente do EQUIlibrium da DMG AUDIO. A resposta do analisador de frequência é a mais rápida que já usei. Também adoro Limitless, um limitador do mesmo fabricante. O número de parâmetros é grande e a versatilidade do controle de liberação é especialmente útil. Com um álbum como o "Fossora", que tem arranjos densos e muita velocidade, você precisa de uma ferramenta como o Limitless, que pode lidar com uma variedade de situações. Eu também gosto do comp TOKYO DAWN LABS, TDR Kotelnikov GE. Possui um controle de fator de crista para RMS, reminiscente do GML 2030. Em uma música chamada "Freefall" com uma ampla faixa dinâmica, isso foi muito útil. Também gosto de usar plug-ins como o PLUGIN ALLIANCE Black Box Analog Design HG-2MS e o PULSAR MODULAR P42 Clima, porque quando dois mundos se fundem, algo mágico acontece.

- Você passou a criar sons externos depois de processá-los com plug-ins?

Sim. D/A'ed em um LYNX STUDIO TECHNOLOGY Aurora(n) em uma mesa personalizada da NORTHWARD ACOUSTICS. DANGEROUS MUSIC Master (unidade de E/S) e Liaison (patch bay), SONTEC MES-432C/6 (EQ), DANGEROUS MUSIC Dangerous Compressor, PRISM SOUND Maselec MLA-2 (Comp), RUPERT NEVE DESIGNS Portico II... Eu tive um Master Processador Buss (compressor/gerador de imagem estéreo), um OE Duo (EQ) para a mesa de masterização... NEUMANN modificado pela SQUAREWAVE INDUSTRIES, um EQ Massive Passive Stereo Tube EQ MANLEY e um monte de GYRAF AUDIO. Eu tenho Gyratec 23-S (EQ), G14-S (EQ), G24 (Comp), Gyratec XXI (Clipper) e sou uma grande fã.

Neste momento, me sinto atraída por equipamentos únicos como o Gyratec XXI. Produz uma saturação maravilhosamente selvagem. Isso me faz repensar a maneira como fazemos engenharia de som. Também confio no HG-2 da BLACK BOX ANALOG DESIGN, no HS-66 da TRIAD e no 111C da WESTERN ELECTRIC. Na última década, os gostos das pessoas em masterização mudaram. No passado, eu usava equipamentos que fossem fiéis ao som original e tivessem uma qualidade de som transparente, mas nos últimos anos, talvez devido à evolução dos sistemas DAW, há uma demanda por uma masterização mais colorida e criativa. Para "Fossora", os momentos épicos de gabber em erupção vulcânica em canções como "Atopos", "Trölla-Gabba" e "Fossora" precisavam ser enérgicos e loucos em todos os lugares certos. É por isso que não hesitei em aplicar saturação e empurrar a corrente.

- Por outro lado, há canções com uma imagem sonora cinematográfica profunda, como "Victimhood".

Demos vida a essa música executando um processamento harmônico tanto no plug-ins da masterização e mixagem quanto no ambiente externo. Músicas como "Sorrowful Soil", "Ancestress" e "Freefall" precisavam de um som mais limpo e leve. O coro de "Sorrowful Soil" foi gravado em Háteigskirkja, e as cordas de "Freefall" em Víðistaðakirkja, que são igrejas islandesas. Era importante para mim manter o som limpo, transparente e fiel.

- Em que tipo de conversor de som o sinal processado externamente entrou no Sequoia?

No Lavry Engineering AD122-96 MKIII, que foi usado para A/D. Falando no Sequoia, meu recurso favorito é o editor de objetos. Os plug-ins podem ser inseridos nos chamados eventos de áudio, e algum tipo de edição pode ser aplicada, de modo que o grau de liberdade é muito maior do que o do processamento faixa a faixa. Com isso, você pode usar muitos efeitos e salvar muitos arquivos de forma instantânea. Você pode facilmente "empurrar e puxar efeitos" contra a master. Por exemplo, uma grande quantidade de saturação em um momento grande e explosivo. A correção pontual também é possível e o processamento, como a aplicação de um de-esser com configurações diferentes para cada sibilância, é concluído rapidamente. É um software capaz de responder com precisão a qualquer problema.

- Você fez masters separadas para "Fossora" em CD e streaming?

Não, não há diferença entre os dois. "Fossora" também está disponível em vinil, masterizado e editado pelo engenheiro do Brooklyn, Josh Bonati. Eu amo sua abordagem criativa ao "cortar" as faixas em vinil. Não tenha medo de experimentar coisas diferentes e obter resultados que superem suas expectativas. Aprendi muito trabalhando com ele!

- Você costuma trabalhar na masterização e edição de discos analógicos, certo?

Sim. A masterização para analógico é muito diferente da masterização para CD ou streaming. Não comprime muito, reduz os agudos e oferece mais controle sobre os graves. Um master excessivamente limitado soará bastante monótono no analógico, portanto, manter os picos abertos permitirá uma música mais ampla de ajuste na máquina de corte em vinil e uma forma melhor.

- O que foi definido como premissa de áudio para o master de "Fossora"?

Dependendo da música, ficava entre -8 e -4dB. Não forcei muito a compressão total durante a mixagem. Às vezes, sinto necessidade de aprofundar ou distorcer a compressão, mas é caso a caso.

Tudo depende do arranjo e da mixagem. Eu tive pré-masters para um projeto diferente do de Björk que eram tão limitados que quase não havia espaço livre, mas o som era muito bom. Isso porque o arranjo era sólido e a mixagem bem equilibrada. Por outro lado, pré-masters ruins costumam aparecer; portanto, se a mixagem estiver pronta para isso, então podemos conversar. Pessoalmente, prefiro o pré-master porque tem uma faixa dinâmica mais ampla, mas às vezes o equilíbrio entra em colapso no momento em que o mixer remove a compressão total, então nesses casos eu reconstruo tudo na masterização.

Mas também acho que se as pessoas ao meu redor já estão felizes com o resultado da mixagem, não preciso retrabalhá-la na masterização. Por fim, a coisa mais importante entre o mixer e o engenheiro de masterização é a "discussão". É por isso que é desejável construir um relacionamento de longo prazo entre os dois. Como engenheira de masterização, a gente sabe exatamente que material estamos recebendo e sabemos o que os mixers e artistas desejam. Esse é o melhor projeto. O engenheiro de masterização se sente parte da equipe, não apenas uma pessoa sem nome que apenas torna o material mais alto.

- Concordo com essa ideia. Mixers e artistas ficariam mais felizes se a mixagem acabasse sendo melhor do que pretendiam na masterização.

Minha abordagem é sempre respeitar a visão do artista e não atrapalhar. Björk é ao mesmo tempo artista e produtora, e sua visão é nítida, mas ela deixa espaço para criatividade e colaboração. É inacreditável, considerando o quão grande ela é como artista. Björk está sempre presente. Ela nos dá todo o significado por trás das letras e arranjos, o significado por trás da escolha de palavras e sons, que tipo de tom e sentimento estamos procurando, e assim por diante. Ela me fornece muitas informações excelentes para que eu possa encontrar as ferramentas para criar uma paisagem sonora rica e vívida que seja o "nome de Björk". É como decidir quais pincéis usar ou quais tintas combinar.

- O estilo da Björk é tratar os engenheiros com sinceridade e entusiasmo.

Acho que Björk é a primeira artista que tem um vocabulário tão bom para a construção do som. Isso me inspira imensamente e me permite fazer meu trabalho mais criativo. Se a minha criação de som é um reflexo direto do que os artistas e mixers procuram, quero que exceda as suas expectativas. Quando isso acontece, a gente semte que concluiu o trabalho do dia. Essa é a minha masterização!

___ Entrevista ao Sound & Recording, novembro de 2022.

Fotos: Divulgação/Reprodução/Heba.


Postagens mais visitadas deste blog

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Debut, o primeiro álbum da carreira solo de Björk, completa 30 anos

Há 30 anos , era lançado "Debut", o primeiro álbum da carreira solo de Björk : "Esse disco tem memórias e melodias da minha infância e adolescência. No minuto em que decidi seguir sozinha, tive problemas com a autoindulgência disso. Era a história da garota que deixou a Islândia, que queria lançar sua própria música para o resto do mundo. Comecei a escrever como uma estrutura livre na natureza, por conta própria, na introversão". Foi assim que a islandesa refletiu sobre "Debut" em 2022, durante entrevista ao podcast Sonic Symbolism: "Eu só poderia fazer isso com algum tipo de senso de humor, transformando-o em algo como uma história de mitologia. O álbum tem melodias e coisas que eu escrevi durante anos, então trouxe muitas memórias desse período. Eu funcionava muito pelo impulso e instinto". Foto: Jean-Baptiste Mondino. Para Björk, as palavras que descrevem "Debut" são: Tímido, iniciante, o mensageiro, humildade, prata, mohair (ou ango

Björk e a paixão pelo canto de Elis Regina: "Ela cobre todo um espectro de emoções"

"É difícil explicar. Existem várias outras cantoras, como Ella Fitzgerald , Billie Holiday , Edith Piaf , mas há alguma coisa em Elis Regina com a qual eu me identifico. Então escrevi uma canção, Isobel , sobre ela. Na verdade, é mais uma fantasia, porque sei pouco a respeito dela".  Quando perguntada se já viu algum vídeo com imagens de Elis, Björk respondeu:  "Somente um. É um concerto gravado no Brasil, em um circo, com uma grande orquestra. Apesar de não conhecê-la, trabalhei com ( Eumir ) Deodato e ele me contou várias histórias sobre ela. Acho que tem algo a ver com a energia com a qual ela canta. Ela também tem uma claridade no tom da voz, que é cheia de espírito.  O que eu gosto em Elis é que ela cobre todo um espectro de emoções. Em um momento, ela está muito feliz, parece estar no céu. Em outro, pode estar muito triste e se transforma em uma suicida".  A entrevista foi publicada na Folha de São Paulo , em setembro de 1996. Na ocasião, Björk divulgava o

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Relembre todas as passagens de Björk por terras brasileiras! Preparamos uma matéria detalhada e cheia de curiosidades: Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96) , como parte do Free Jazz Festival . Fotos:  André Gardenberg, Folhapres