Pular para o conteúdo principal

Björk fala sobre a cultura do cancelamento

Björk disse ao The Atlantic que se preocupa que "as campanhas de nome e vergonha" nem sempre sirvam à cura e à compaixão. "Se você cancelar todos, isso não é uma solução. Especialmente com os homens mais jovens, eles precisam ter a oportunidade de evoluir, crescer e aprender".

Acontecimentos recentes a testaram nessa questão. Um de seus principais colaboradores em "Fossora" foi o duo indonésio Gabber Modus Operandi. Uma acusação de abuso sexual que surgiu online neste verão levou um dos integrantes, Ican Harem, a emitir um pedido público de desculpas e entrar em hiato.

A artista editou a voz de Harem da faixa-título de "Fossora" e removeu takes dele do vídeo planejado de "Atopos". Mas quando deu essa entrevista, ela ainda estava debatendo se também deveria apagar do álbum o criador de beats do duo, Kasimyn, que não foi acusado de nada. "Quero ter coragem para estar na zona cinzenta/turbulenta", ela disse ao jornalista. Uma semana depois do bate-papo, o vídeo de "Atopos" estreou, com takes e a voz apenas de Kasimyn.

Quando questionada pelo Frettabladid se sente uma mudança após o movimento Me Too e uma possível reação negativa no debate, Björk respondeu: "Estamos meio que cercados por pessoas que pensam como nós, o que às vezes é um pouco perigoso. Mas acho que isso ainda é um avanço. Depois do Me Too, tudo ficou muito preto e branco. As pessoas eram monstros ou anjos. A segunda onda foi mais para entrar nessa área cinzenta [do debate]".

Björk diz que discutiu com seus amigos como hoje, as questões do Me Too se tornaram algo calculista: "Se uma coisa do Me Too surgir no local de trabalho, é tipo: "Oh, tudo bem. O quão sério foi?" Umas quarenta coisas para se analisar e saber como agir. Nem sempre fazendo igual, nem sempre sendo apenas um chanceler ou um "não chanceler". Em vez disso, fica tudo apenas como uma questão de "contabilidade".

Acho importante que a gente se permita entrar nessa área cinzenta, porque não podemos colocar todos os homens que fizeram algo ruim em uma ilha e nunca mais falar com eles. É preciso haver perdão e é preciso haver uma diferença entre os crimes.

Mas com maior responsabilidade, estamos todos definindo isso juntos. Eu gostaria de poder ligar para a "polícia do Me Too" e que eles cuidassem de todas essas coisas. Mas esse luxo não está disponível. Nós mesmos temos que sentar, pegar uma xícara de café e resolver isso, caso a caso. E é assim que cresceremos juntos. Há uma reação quando o dinossauro balança a cauda. Mas, no geral, o navio está virando na direção certa".

O La Tercera perguntou a Björk como o feminismo atual permeou sua forma de ver o mundo, e ela respondeu:

"Eu acho que (o feminismo) é um trabalho em andamento, que ainda está crescendo, que está dando belos passos. As meninas nascidas hoje e suas filhas, viverão em um mundo melhor do que as meninas nascidas há 20 anos. Isso é lindo!

Com o movimento Me Too, muitos de nós começamos a questionar nosso comportamento, o que é ótimo. Mas cada incidente é diferente, nenhum de nós é juiz e cada um pode ter sua própria opinião sobre cada incidente que afeta as pessoas que trabalham com você ou que estão próximas a você. Sinto que é um movimento que ainda há muito trabalho a ser feito. Isso não é fácil, mas podemos fazer juntos".

Para Warp, Björk explicou: "Acho que globalmente, com a internet, estamos ganhando mais voz. E acredito que, por exemplo, o Me Too não teria acontecido dessa forma sem uma ferramenta como a Internet. E, claro, primeiro tudo era tipo: "Se algo aconteceu com você, diga". E então muitas pessoas foram canceladas, e talvez desse jeito fosse sem chance de mudança.

E depois uma segunda onda do Me Too aconteceu, um ou dois anos atrás. E acho que foi aí que as pessoas começaram a se aprofundar nessas áreas cinzentas. Não é realmente preto e branco, sabe? É muito mais matizado e muito mais complexo. Cada caso é diferente, não há dois casos iguais, embora existam certos padrões de comportamento.

Estamos todos criando nossos valores juntos, como se 7 bilhões de pessoas concordassem em modificar nossa concepção de tudo. Agora, se algo do Me Too acontecer, na família, no trabalho, entre amigos ou online, cada caso é um caso.

Tenha 20 detalhes e diga: "Sim, era desse jeito aqui, mas ali era diferente". Assim, a complexidade começou. Sempre dizemos: "não consigo lidar com a complexidade, isso é demais para mim", mas agora sinto que o Me Too se tornou algo como Atman. É quase como uma lista de muitas, muitas pequenas coisas e então devemos decidir: "Ok, conforto essa pessoa? Eu faço isso publicamente? Eu não torno isso público? Eu continuo falando com você? Você deve se desculpar?". 

Tudo isso tem muito mais camadas a se considerar, você sabe o que quero dizer? E na verdade eu acho que é uma coisa boa, porque é uma questão muito complexa e fingir que é simples banaliza, não é verdade. Então é claro que vai levar milhares de anos, ou o que for, mas todos nós vamos formalizar isso juntos e globalmente. E penso que é uma coisa boa que não se trate apenas de levar a julgamento ou não levar a julgamento, que haja mais, uma reflexão".

- Entrevistas para The Atlantic, Frettabladid, La Tercera e Warp, 2022.

Foto: Interview Magazine.

Postagens mais visitadas deste blog

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Debut, o primeiro álbum da carreira solo de Björk, completa 30 anos

Há 30 anos , era lançado "Debut", o primeiro álbum da carreira solo de Björk : "Esse disco tem memórias e melodias da minha infância e adolescência. No minuto em que decidi seguir sozinha, tive problemas com a autoindulgência disso. Era a história da garota que deixou a Islândia, que queria lançar sua própria música para o resto do mundo. Comecei a escrever como uma estrutura livre na natureza, por conta própria, na introversão". Foi assim que a islandesa refletiu sobre "Debut" em 2022, durante entrevista ao podcast Sonic Symbolism: "Eu só poderia fazer isso com algum tipo de senso de humor, transformando-o em algo como uma história de mitologia. O álbum tem melodias e coisas que eu escrevi durante anos, então trouxe muitas memórias desse período. Eu funcionava muito pelo impulso e instinto". Foto: Jean-Baptiste Mondino. Para Björk, as palavras que descrevem "Debut" são: Tímido, iniciante, o mensageiro, humildade, prata, mohair (ou ango

Björk e a paixão pelo canto de Elis Regina: "Ela cobre todo um espectro de emoções"

"É difícil explicar. Existem várias outras cantoras, como Ella Fitzgerald , Billie Holiday , Edith Piaf , mas há alguma coisa em Elis Regina com a qual eu me identifico. Então escrevi uma canção, Isobel , sobre ela. Na verdade, é mais uma fantasia, porque sei pouco a respeito dela".  Quando perguntada se já viu algum vídeo com imagens de Elis, Björk respondeu:  "Somente um. É um concerto gravado no Brasil, em um circo, com uma grande orquestra. Apesar de não conhecê-la, trabalhei com ( Eumir ) Deodato e ele me contou várias histórias sobre ela. Acho que tem algo a ver com a energia com a qual ela canta. Ela também tem uma claridade no tom da voz, que é cheia de espírito.  O que eu gosto em Elis é que ela cobre todo um espectro de emoções. Em um momento, ela está muito feliz, parece estar no céu. Em outro, pode estar muito triste e se transforma em uma suicida".  A entrevista foi publicada na Folha de São Paulo , em setembro de 1996. Na ocasião, Björk divulgava o

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Relembre todas as passagens de Björk por terras brasileiras! Preparamos uma matéria detalhada e cheia de curiosidades: Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96) , como parte do Free Jazz Festival . Fotos:  André Gardenberg, Folhapres