Pular para o conteúdo principal

Curiosidades sobre a versão de Björk para Travessia e o especial de TV gravado no Rio em 96

Essa história ainda me encanta...

Arnaldo DeSouteiro é um produtor musical, arranjador, músico, jornalista, publicitário e educador brasileiro.

No dia 28/01/2023, das 13h às 17h, o Sesc São Paulo apresentará uma homenagem aos 80 Anos de Eumir Deodato no Centro de Pesquisa e Formação, com entrada gratuita.

Arnaldo irá oferecer um workshop sobre o incrível trabalho do artista brasileiro. Ele pediu que a produção do espaço imprima algumas cópias do manuscrito original de "Isobel", com o arranjo completo do sucesso de Björk. A intenção é distribuir durante o evento caso alguém tenha interesse.

Saiba mais clicando AQUI.

Relíquias:

Nas redes sociais, @arnaldodesouteiro, compartilhou fotos de alguns dos tesouros de seu acervo pessoal:

- Cópia promocional antecipada do que veio a ser o álbum "Post":

- Fita com títulos provisórios das faixas do disco:

- Manuscrito original do arranjo de Eumir Deodato para "Isobel", clássico de 1995.


Além disso, ele contou histórias importantes que nos ajudam a finalmente entender melhor os bastidores da gravação da versão de Björk para "Travessia" do Milton Nascimento, que infelizmente nunca foi lançada oficialmente. Segundo matérias da época, como a da Folha, a faixa foi planejada para a coletânea Red Hot + Rio.

O relato também traz detalhes da origem das filmagens do famoso show da "Post Tour" no Rio de Janeiro. Ambos os registros foram disponibilizados na internet em baixa qualidade há alguns anos:

"Tive o prazer de trabalhar com Björk em alguns projetos. Fiz o roteiro para o primeiro show dela no Brasil, em Outubro de 1996, no Free Jazz Festival. Eu e a empresária Federica Boccardo estávamos há anos tentando fazer uma apresentação de Eumir Deodato no Rio de Janeiro. Até conseguimos um concerto em São Paulo, em 1993, com orquestra sinfônica, que foi sensacional, mas no Rio não rolava nada.

Quando a Federica, então assessora da Monique Gardenberg na Dueto Produções, que organizava o Free Jazz, me ligou confirmando a vinda da Björk para o festival, eu estava excursionando com Ithamara Koorax pelo Japão. Mas imediatamente vi ali a chance de levar Eumir para o Brasil, costurando a participação dele no show como convidado especial, já que ele estava trabalhando com a islandesa.

Björk adorou a ideia, e fiz o roteiro de modo a incluir Eumir regendo a seção de cordas. O show de estreia no Rio foi um mega sucesso, superlotado, com a plateia em delírio. A primeira vez na vida em que ela cantou com "cordas de verdade" (como ela dizia) no palco, e a partir de então ficou fascinada por shows com orquestra.

Convidei vários amigos para o show, inclusive Marcos Valle, que assistiu a apresentação ao meu lado. Quando Björk chamou Eumir ao palco, o genial maestro recebeu uma tremenda ovação que nem ele esperava. Na introdução das cordas em "Isobel", as pessoas urravam. Em "You've Been Flirting Again", o êxtase total".





"A "esticada" aconteceu na casa noturna Ritmo, em São Conrado. Filmamos tudo (show, ensaio, festa, entrevistas) para um especial de TV (do canal Multishow), mas não houve acordo financeiro, e nunca foi exibido. Hoje, me deparei com um post que me fez contar esta história. Quem sabe um dia não exibimos o concerto?".

Em 1998, Björk deu uma entrevista para O Globo com Milton Nascimento, que lamentou não ter assistido ao show dela no Free Jazz Festival, pois estava em turnê na Europa. Ela respondeu: "Ainda bem, eu estava tão doente naquela época. Me apresentei ardendo em febre e não gostei, tanto que cancelei os outros shows que faria no resto da América do Sul. Mas acabei indo para uma ilha (na região de Angra dos Reis) com meu filho, foi um paraíso". 

Eu conversei com Arnaldo no Instagram, que falou sobre o tempo que Björk passou em Angra:

"A ilha é da Irene Singery, que é amiga do Eumir. A Björk conheceu ela através da gente, daí a Irene a convidou. Essa ilha, inclusive, que fica em Angra, foi durante um tempo a Ilha de Caras, da revista. A Caras já teve várias ilhas, uma delas era essa (Ilha da Piedade). Eu não cheguei a ir pra lá nessa época, mas o que eu soube é que a Björk cancelou os shows, porque não queria sair da ilha.

Adorou tanto aquilo! E ela começou a chamar uns amigos, veio gente da Islândia pra ficar com ela lá. Depois desse show [no Rio], quando a gente foi lá pra Ritmo, que é uma boate com restaurante que tinha em São Conrado, ela estava ótima. Dançou a noite inteira, ficou feliz da vida".

Sobre a gravação do show no Rio, Arnaldo me disse que a filmagem disponível na internet, com um registro de um único ângulo do palco, não é a única fonte que existe da apresentação, mas apenas uma parte que alguém publicou. A cópia que ele tem até hoje é do show na edição final, com imagens de quatro câmeras diferentes, incluindo uma móvel.

"Trabalhamos por vários dias seguidos para a Björk aprovar o mais rápido possível. Quatro dias de trabalho pesado. Ela adorou, mas não houve um acordo financeiro com a produtora e a exibição foi desautorizada. Filmamos também cenas na casa noturna Ritmo, onde Björk comemorou com Eumir após o show".

😦

"Era para ser um especial lindo, né?", ele comentou comigo. Realmente! Seria muito bom algum dia poder assistir a esse espetáculo tão especial. Imagine só assistir a esse show completo e digitalizado, com tanta riqueza de detalhes! Um sonho!

Infelizmente, talvez não seja possível. Respondendo a um comentário em um post no Facebook, Arnaldo disse: "Foi um grande concerto, mas eu não possuo os direitos autorais. Eu era apenas o roteirista".

😭

Mas... temos uma surpresa! Ele compartilhou gentilmente conosco os registros inéditos de "You've Been Flirting Again" e "Isobel". Confira:


No YouTube, ele também contou uma outra curiosidade em um comentário de um vídeo: ""Travessia" estava no setlist original, mas no último minuto ela decidiu não cantar a música".


Travessia:

"Fiz a produção executiva da gravação de "Travessia" em Fevereiro de 1996, quando escolhi os músicos Jamil JoanesCarlos BalaNelson Angelo, o engenheiro Marcelo Saboia e o estúdio Impressão Digital.

Tive a honra de co-produzir a gravação de "Travessia" feita por Björk com Eumir Deodato, que me encarregou de escolher estúdio, músicos, engenheiros, etc. Ele viajou de Nova Iorque para o Rio em fevereiro de 1996, especialmente para a gravação.

Björk queria um arranjo totalmente acústico e que a base fosse gravada no Brasil! Marquei uma data no estúdio Impressão Digital (Barra da Tijuca, Rio de Janeiro), e convidei músicos como o baixista Jamil Joanes, o baterista Carlos Bala e o guitarrista/violonista Nelson Angelo, um dos integrantes do Clube da Esquina, e que tocou anos com Milton Nascimento e também com Elis Regina. Além de Marcelo Saboia como engenheiro de som. Eumir Deodato no piano acústico, obviamente.

Só que no dia da gravação, ao chegarmos no estúdio, o piano havia sido alugado para um show da Gal Costa no Canecão... O jeito foi usar um teclado, providenciado pela jornalista Claudia Cavallo (editora da revista Backstage naquela época), para que Eumir pudesse gravar a base junto com os outros músicos. Cortou um pouco a animação, mas no segundo take a base ficou pronta.

O engenheiro de som Toninho Barbosa, que eu havia levado para assistir a gravação e me assessorar, chorava de emoção. Depois, Eumir substituiu o teclado pelo piano em outro estúdio e adicionou as cordas em Londres, tendo Isobel Griffiths como arregimentadora. Eumir, assim como a maior parte do staff, queria que Björk gravasse a música com a letra em inglês de Gene Lees, mas ela preferiu cantar em português mesmo porque, mesmo sem entender o idioma, havia aprendido a música através da gravação original de Milton Nascimento".

Quando perguntei ao Arnaldo se os vocais de Björk em "Travessia" foram gravados no Brasil, ele respondeu que a intenção era gravar tudo no país, inclusive em um dueto com o Milton Nascimento, no Rio de Janeiro. "Mas Björk acabou gravando a parte vocal em Londres, onde também foi gravada a orquestra", explicou.

"Aliás, Luiz Bonfá também assistiu a gravação da base de "Travessia", porque estava gravando um outro disco produzido por mim (dele com a Ithamara Koorax) naquele mesmo estúdio. E o Bonfá e o Eumir eram muito amigos. Mil histórias!", finalizou.

Postagens mais visitadas deste blog

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Debut, o primeiro álbum da carreira solo de Björk, completa 30 anos

Há 30 anos , era lançado "Debut", o primeiro álbum da carreira solo de Björk : "Esse disco tem memórias e melodias da minha infância e adolescência. No minuto em que decidi seguir sozinha, tive problemas com a autoindulgência disso. Era a história da garota que deixou a Islândia, que queria lançar sua própria música para o resto do mundo. Comecei a escrever como uma estrutura livre na natureza, por conta própria, na introversão". Foi assim que a islandesa refletiu sobre "Debut" em 2022, durante entrevista ao podcast Sonic Symbolism: "Eu só poderia fazer isso com algum tipo de senso de humor, transformando-o em algo como uma história de mitologia. O álbum tem melodias e coisas que eu escrevi durante anos, então trouxe muitas memórias desse período. Eu funcionava muito pelo impulso e instinto". Foto: Jean-Baptiste Mondino. Para Björk, as palavras que descrevem "Debut" são: Tímido, iniciante, o mensageiro, humildade, prata, mohair (ou ango

Björk e a paixão pelo canto de Elis Regina: "Ela cobre todo um espectro de emoções"

"É difícil explicar. Existem várias outras cantoras, como Ella Fitzgerald , Billie Holiday , Edith Piaf , mas há alguma coisa em Elis Regina com a qual eu me identifico. Então escrevi uma canção, Isobel , sobre ela. Na verdade, é mais uma fantasia, porque sei pouco a respeito dela".  Quando perguntada se já viu algum vídeo com imagens de Elis, Björk respondeu:  "Somente um. É um concerto gravado no Brasil, em um circo, com uma grande orquestra. Apesar de não conhecê-la, trabalhei com ( Eumir ) Deodato e ele me contou várias histórias sobre ela. Acho que tem algo a ver com a energia com a qual ela canta. Ela também tem uma claridade no tom da voz, que é cheia de espírito.  O que eu gosto em Elis é que ela cobre todo um espectro de emoções. Em um momento, ela está muito feliz, parece estar no céu. Em outro, pode estar muito triste e se transforma em uma suicida".  A entrevista foi publicada na Folha de São Paulo , em setembro de 1996. Na ocasião, Björk divulgava o

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Relembre todas as passagens de Björk por terras brasileiras! Preparamos uma matéria detalhada e cheia de curiosidades: Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96) , como parte do Free Jazz Festival . Fotos:  André Gardenberg, Folhapres