Pular para o conteúdo principal

As conexões da Islândia com a arte de Björk

"Quando abro o link no zoom, o nome «Bear/Ursa» aparece na tela preta. A câmera está desligada, não sei quem está por trás disso. "Saudação", responde a voz misteriosa, segue-se um silêncio. Para quebrar o gelo, pergunto como está o tempo, e ela responde: "Aqui em Reykjavík a luz está chegando, todos os dias o sol nasce dez minutos mais cedo". Então reconheço a voz, aquele som que lembra flautas cheias de vapor, madrepérola, lava solidificante, aurora boreal.

É Björk, a etérea e multifacetada musicista da Islândia. Habituada aos espaços pneumáticos da sua ilha, ela sente prazer nas pausas, adora calibrar sólidos e vazios. Enquanto fala, ela que teve uma banda punk quando menina e se dividia entre shows e trabalho em uma fábrica de peixes, é delicada como um floco de neve. "It's Oh So Quiet", ela cantou em 95 em um dos sucessos que a fizeram explodir em todo o mundo. "Sempre fui atraída por atividades lentas, mesmo sendo uma pessoa muito 'física'", diz ela.

Há quem sempre a tenha definido como "eclética", porque é impossível concentrar numa só palavra os gêneros que incorpora no seu grande géiser artístico, entre trip hop alternativo, pop e sons new wave com inflexões nórdicas, jazz e techno dance. Talento extraordinário – ela escreveu seu primeiro álbum aos 11 anos -, multi-instrumentista refinada (toca gaita, piano, flauta, oboé, flautim) e foi atriz (com prêmio de Cannes para "Dancer in the Dark"), Björk estará de volta aos palcos em 2023, com um gigantesco espetáculo cinematográfico. Em abril será uma das atrações no Coachella para um maxi-concerto que celebrará 30 anos de carreira em versão orquestral, e a partir de setembro iniciará a "Cornucopia Tour", que também chegará à Itália com duas datas, em Milão (12/9) e Bolonha (23/9).

- Ela nasceu e cresceu na Islândia, entre desertos de lava e montanhas de arco-íris. Quantas inspirações vêm da natureza não domada pelo homem?

"Nesta ilha, a gente pode treinar o deslumbramento todos os dias, dar um passeio na praia, ter o olhar perdido na aurora boreal ou nos vapores da água quente. Qualquer som pode virar música, basta saber ouvir. Mas já vi sítios igualmente selvagens na Itália. Voltei três vezes a Lampedusa, lá eu me sinto na Islândia". 

- Sua turnê começará em setembro. Como será?

"Acho que é o trabalho mais envolvente que já fiz, certamente o mais complexo, com sete flautistas, clarinetistas, percussionistas, um coro e muitos telões. Vai ser uma espécie de grande teatro digital. Começamos em 2019, aí chegou a Covid. Mas de certa forma foi bom parar, porque fiz um novo disco, por isso agora no palco vão estar "Utopia" e "Fossora", o meu novo álbum".

- Fossora significa "aquela que cava": um retorno à terra.  

"É um "álbum de fungos", uma reflexão sobre as raízes e o meio ambiente. Representa o momento em que as ações ideais devem ser vividas. "Utopia", o álbum anterior, é um lugar nas nuvens, o sonho de um futuro a ser imaginado, contém contradições, questionamentos. "Fossora" tem a mesma alma, mas com os pés na terra".

- Mas também é comovente, desata os nós do coração. Tem duas canções dedicadas à sua mãe, falecida em 2018. 

"Quando crianças estamos convencidos de que as pessoas que amamos podem viver 500 anos, depois descobrimos que não é assim. "Sorrowful Soil" expressa a tristeza implacável, o momento em que pensamos: "Este é o último capítulo da vida dessa pessoa, chegamos lá". Sentimos essa melancolia". 

- E depois há o épico "Ancestress", escrito logo após a morte dela.

"Quando minha mãe morreu, eu escrevi páginas e páginas, depois trabalhei na edição para ter certeza de que tinha chegado à essência [daquelas palavras]. Agora entendo que essa canção também fala de mim e do meu irmão, retrata as sensações nos corredores do hospital, as emoções atormentadas. Ninguém nos ensina a lidar com um pai que está doente, é um papel em que de repente nos encontramos e que temos que improvisar, passar por todo o processo. Essa faixa conta o que significa testemunhar o sofrimento de uma pessoa que amo".

- Em "Fossora", há uma sensação de separação, perda e renascimento nas canções.  

"Na realidade, "o álbum da dor" foi "Vulnicura". Todos nós somos feitos assim, quando algo traumático nos acontece temos que fechar um capítulo, e então dizemos "Ok, vamos começar de novo".

- Você cresceu em um bairro hippie com uma mãe ativista. Que relação tinha com ela?

"Quando ela se divorciou do meu pai, eu tinha um ano de idade. Nos mudamos para fora de Reykjavík, para um subúrbio boêmio onde viviam artistas, pessoas que não se encaixavam nas regras, pessoas com pouco dinheiro. Morávamos em uma casinha. Se chovia muito, tínhamos que levantar à noite para esvaziar o balde cheio d'água, mas quando crianças parecia emocionante, era uma época muito feliz.

A natureza do relacionamento entre pais e filhos é interessante: a percepção muda com o tempo. Não lembro qual o poeta que disse isso, mas uma vez quando questionado se uma de suas obras havia sido escrita para sua mãe, respondeu: "Nada do que escrevo é sobre ela e tudo que escrevo é sobre ela". Agora que estou mais velha, entendo que ela rompeu com o patriarcado e se mudou para lá porque, embora fôssemos pobres, éramos livres".

- Então ela era forte, mas também criativa, imaginativa.

"Ela havia encontrado um trabalho muito "físico" na frente de casa, onde aprendeu a ser carpinteira. Então ela construiu nossas camas e outras coisas. Depois fez a ligação da energia, costurou nossas roupas e cozinhou. No meu tempo de criança na Islândia comíamos mal, muito salgado, com muitos molhos e conservas, o que é normal para uma população que vive há mil anos no frio. Em vez disso, ela era tipo: "Ok, sem açúcar, apenas comida fresca". Vegetais, alimentos naturais. Na época me rebelei contra os princípios dela, mas hoje sou muito grata a ela por minha relação equilibrada com o que como".

- Desde tenra idade, você estava cercada por música.

"O mais musical de todos paradoxalmente era o meu padrasto: à noite, ele se sentava comigo e aprendíamos novas canções. Minha mãe se dedicava à filosofia e à espiritualidade, ela se interessava mais pelo meio ambiente. Na nossa casa cada pessoa era importante, não havia hierarquias, as crianças eram tão relevantes quanto os adultos e os "grandes" tinham vinte e poucos anos. Meu padrasto é apenas 17 anos mais velho que eu".

- Há outra mulher, que você já definiu antes como modelo, sua avó paterna.

"Depois que meus pais se separaram, passei os fins de semana com ela e em determinada época, ela foi para a escola de arte e começou a pintar. Fui modelo dela, tem muitos quadros que me retratam nessa idade. Ela era calma, sólida e forte. Foi a primeira mulher, na verdade uma das primeiras pessoas na Islândia, a ter uma carteira de motorista na década de 1940!

Ela era muito independente. Muitas vezes ficávamos juntas por duas horas em silêncio total. Eu adorava isso. Existia ali uma presença real e era algo muito vibrante, mesmo que não se dissesse uma única palavra. Era tridimensional. Quando comecei a escrever música, percebi que eu sou a continuidade dela, criando coisas que de alguma forma ela também faria".

- Anos atrás, falando em sexualidade fluida, você declarou que escolher entre um homem e uma mulher seria como "escolher entre bolo e sorvete". O que você acha disso hoje?

"Acho que foram os anos 90, mas é uma frase tirada de contexto. Era um discurso muito mais longo. Ainda acredito que somos todos bissexuais em graus variados, cerca de 1%, cerca de 50% ou 100%, mas nunca compararia gênero com comida, isso seria desrespeitoso.

Havia muitos repórteres homens na época, que queriam me pintar como uma "elfo excêntrica". Eles colocavam palavras na minha boca que eu não disse. Infelizmente, não havia muitas jornalistas mulheres. Desculpe, estou dizendo coisas que não interessam a você".

É interessante saber como ela via os jornalistas e como se sentiu quando ficou famosa:

"A boa notícia é que agora as coisas mudaram muito! É um mundo totalmente diferente, não comparável [ao da época]. Felizmente, muito mais mulheres escrevem artigos e há mais musicistas". 

- Em seus vídeos, você usa roupas extraordinárias, quase teatrais. O que é moda para você?

"É uma forma de expressão, de arte, não é só glamour. Não vou a desfiles nem inaugurações. Gosto de colaborações, de sentar e pensar com Alessandro Michele, Pierpaolo Piccioli. Antes era com Alexander McQueen.

Trabalhamos de igual para igual! Acho importante entrar no ofício da música, compartilhar palavras e acordes. Com Pierpaolo, falei muito sobre minha mãe para o vídeo de "Ancestress", contei a ele quem ela era. Gosto de explorar lugares profundos e sou grata por poder fazer isso com esses imensos talentos".

- Entrevista para Francesca Delogu, publicada na Vanity Fair, em março de 2023.
Foto: Vidar Logi.


Postagens mais visitadas deste blog

Björk e a paixão pelo canto de Elis Regina: "Ela cobre todo um espectro de emoções"

"É difícil explicar. Existem várias outras cantoras, como Ella Fitzgerald , Billie Holiday , Edith Piaf , mas há alguma coisa em Elis Regina com a qual eu me identifico. Então escrevi uma canção, Isobel , sobre ela. Na verdade, é mais uma fantasia, porque sei pouco a respeito dela".  Quando perguntada se já viu algum vídeo com imagens de Elis, Björk respondeu:  "Somente um. É um concerto gravado no Brasil, em um circo, com uma grande orquestra. Apesar de não conhecê-la, trabalhei com ( Eumir ) Deodato e ele me contou várias histórias sobre ela. Acho que tem algo a ver com a energia com a qual ela canta. Ela também tem uma claridade no tom da voz, que é cheia de espírito.  O que eu gosto em Elis é que ela cobre todo um espectro de emoções. Em um momento, ela está muito feliz, parece estar no céu. Em outro, pode estar muito triste e se transforma em uma suicida".  A entrevista foi publicada na Folha de São Paulo , em setembro de 1996. Na ocasião, Björk divulgava o

Debut, o primeiro álbum da carreira solo de Björk, completa 30 anos

Há 30 anos , era lançado "Debut", o primeiro álbum da carreira solo de Björk : "Esse disco tem memórias e melodias da minha infância e adolescência. No minuto em que decidi seguir sozinha, tive problemas com a autoindulgência disso. Era a história da garota que deixou a Islândia, que queria lançar sua própria música para o resto do mundo. Comecei a escrever como uma estrutura livre na natureza, por conta própria, na introversão". Foi assim que a islandesa refletiu sobre "Debut" em 2022, durante entrevista ao podcast Sonic Symbolism: "Eu só poderia fazer isso com algum tipo de senso de humor, transformando-o em algo como uma história de mitologia. O álbum tem melodias e coisas que eu escrevi durante anos, então trouxe muitas memórias desse período. Eu funcionava muito pelo impulso e instinto". Foto: Jean-Baptiste Mondino. Para Björk, as palavras que descrevem "Debut" são: Tímido, iniciante, o mensageiro, humildade, prata, mohair (ou ango

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Relembre todas as passagens de Björk por terras brasileiras! Preparamos uma matéria detalhada e cheia de curiosidades: Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96) , como parte do Free Jazz Festival . Fotos:  André Gardenberg, Folhapres