Pular para o conteúdo principal

Leitura Recomendada: Jantando na casa de Björk

Foto: Divulgação (2014)

Em agosto de 2012, a cantora convidou o escritor Oliver Sacks e seu namorado Bill Hayes para jantar em sua casa, em Reykjavik. O relato a seguir está incluso no livro "Insomniac City", que o companheiro do autor e neurologista escreveu sobre ele. Oliver morreu em 2015. 

"Ela já o conhecia há alguns anos, quando foi convidada para participar de um documentário da BBC sobre música, mas nunca tinham passado um tempo juntos até se tornarem amigos. Na verdade, pouco sabíamos de seu trabalho até a viagem. Eu comprei uma coleção de seus videoclipes em DVD e organizamos um curso intensivo sobre sua carreira. Ele sentado na beira da cama, a poucos centímetros da tela da TV, assistiu imóvel, fascinado, principalmente, pelas imagens, durante aqueles 90 minutos, profundamente impressionado com seu talento e criatividade.

Já na estrada que nos conduzia ao estacionamento da casa dela na Islândia, eu a vi da janela da cozinha. Parecia estar no meio de um trabalho, concentrada. A residência tinha alguns simples arbustos como cerca. No jardim da frente havia uma mesa e algumas cadeiras para crianças. O cenário era como um encontro para o chá. Nos dirigimos até a porta da frente. Me lembro até da maneira como ele fez para saudá-la. Fomos levados até a sala, e ela nos apresentou a dois amigos: James, o inglês, e Marguerite, o islandês, que tinham o mesmo cabelo vermelho brilhante. Ela estava com o cabelo penteado para cima e preso com grampos azuis, usava uma túnica simples, composta de diversas cores e desenhos diferentes, talvez tivesse sido obra sua; uma calça branca e sapatos de salto alto. Seu rosto estava lindo e sem maquiagem.

Eu entrei na cozinha, onde ela preparava tudo. O papel de parede era uma colagem de fotos de tranças bem ornamentadas em diferentes mulheres. Foi tudo muito relaxante e despretensioso, uma ótima anfitriã, que nos fez sentir confortáveis, nos alimentando como se fosse nossa mãe. Sobre a mesa, em pratos pequenos, quase imediatamente trouxe uma panela fumegante com truta grelhada, salada e batatas cozidas. Conversamos por algum tempo sentados naquelas cadeiras esculpidas em troncos de árvores. A toalha de mesa tinha sido bordada com desenhos de conchas. Do lado de fora da janela, notei o Farol. Björk disse que em sua cozinha havia um diário com registros sobre o aumento e a queda da corrente da água, de modo que ela sabia quanto tempo ele ficaria longe da maré. Também nos contou que tinha feito uma pesquisa para saber se poderia comprá-lo, mas a coisa não foi pra frente e ela entendeu que um farol deve pertencer a todos.

Depois que comemos, ela nos levou até a mesa, passando por uma pequena porta na escada em espiral. E claro que não era um lugar comum, mas sim feito de pedras basalto! Sem mencionar o impressionante corrimão que parecia ter sido feito de ossos de baleia. Ela nos mostrou a lâmpada, que estava pendurada acima de nós, e 'jogou' a luz na escada, e depois subimos até um quarto e lá nos mostrou dois instrumentos musicais: uma celesta e algo que parecia um cravo. Ambos modificados de alguma forma, com a ajuda de instruções de um programa para computador. Oliver ficou eufórico perguntando como ela tinha feito aquilo. Foi então que percebi o quanto suas mentes eram parecidas.

Björk nos serviu uma torta, que ela fez com plantas de seu próprio jardim. Ela disse que tinha a preparado com sua filha na noite anterior. Apontou para um espaço vazio na tigela, e confessou: "Por eu ser a cozinheira, tive que comer primeiro". Cada pedaço era guarnecido com abundância de creme de leite fresco e chá. A louça era com o tema de "Alice No País das Maravilhas". Os copos estavam cortados e nossa anfitriã explicou o motivo rindo como uma criança: "Estas são xícaras para destros". Quando olhamos para o relógio já era 3:30 da madrugada. Oliver assinou uma cópia de seu livro Hallucinations e a presenteou com uma dedicatória".


Postagens mais visitadas deste blog

Björk e Milton Nascimento - A Travessia para um grande encontro

Foto: Horácio Brandão/Midiorama (1998) Poucas horas antes do show no  Metropolitan , no Rio de Janeiro, em 20 de agosto de 1998 (saiba mais AQUI ), Björk    conversou com a imprensa brasileira, e esteve junto de Milton Nascimento . Ela foi uma das atrações principais do festival Close-Up Planet : Fotos: Site Rock em Geral (1998) Ao jornal  Extra , ela contou que é fã não só de Elis, mas também do Sepultura . Falando de Milton Nascimento, revelou: "Cheguei no sábado (acompanhada de uma amiga de infância) e fiquei bêbada com algumas pessoas ouvindo as músicas dele". Segundo a publicação, a cantora teria cogitado a ideia de ir a apresentação "Tambores de Minas" da lenda brasileira, no Canecão . Ela admitiu que do line-up do festival, só conhecia mesmo as atrações internacionais: "Tenho que dizer que sou ignorante em relação à música brasileira, e isso me envergonha". Também deixou claro que, como de costume, não incluiria nada do Sugarcubes

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet. Em outubro de 1996 , Björk finalmente desembarcou no Brasil, com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no R

Björk ganha sua própria estação musical na Sonos Radio HD

Björk agora é parte da curadoria da estação de canções da empresa  Sonos Radio HD . A intenção é oferecer acesso a algumas das inspirações e obsessões musicais dos artistas, incluindo comentários. O projeto ainda conta com D'Angelo , FKA Twigs e The Chemical Brothers no time de convidados do serviço online por assinatura.  Vivendo no "oceano" da música:  "Estou muito emocionada por ter tido um motivo para passar 21 anos colecionando música. Desde o meu primeiro laptop , já tinha o costume de comprar CDs, de encontrar estranhamente Fitas K7 e de garimpar vinis em lojas secretas nas minhas viagens. Sempre reunindo tudo na minha biblioteca pessoal, com lindos arquivos do formato WAV .  Era apenas uma questão de tempo para que então eu pudesse compartilhá-los de outra forma: através da nuvem e streaming . Grande parte do meu coração está nesse material. Tantas memórias inacreditáveis ​​com amigos e entes queridos! DJsets em barzinhos e todos os tipos de ocasiões poss

Em carta aberta no Facebook, Björk fala sobre assédio sexual

Björk publicou em seu Facebook, na tarde deste domingo, um texto em que revela que foi vítima de assédio sexual por um diretor dinamarquês . Confira a tradução do post na íntegra: "Me sinto inspirada por ver mulheres pelo mundo se pronunciando sobre esses casos (de abuso sexual) na internet. Isso me fez sentir vontade de contar minha experiência com um diretor dinamarquês.  Porque eu venho de um país onde a diferença entre os sexos é pequena, apesar de ainda existir, e no momento em que tenho certa força no mundo da música com uma independência, que foi duramente conquistada, sempre esteve extremamente claro para mim que quando eu entrasse na carreira de atriz, meu papel e humilhação como uma menor sexualmente assediada seria uma norma para um diretor cuja a equipe de dezenas de pessoas permitiu e o encorajou a fazer isso.  Eu estava ciente de que é algo universal, em que um diretor pode tocar e assediar suas atrizes à vontade e a indústria do cinema permite

Einar e o fim do Sugarcubes

Foto: Divulgação "Me lembro de ter passado horas conversando com o Einar sobre o fim do grupo. Ele achava que a banda tinha sido a coisa mais preciosa da nossa vida. Eu sugeri que ele seguisse em frente. Se nós o tivéssemos escutado, o Sugarcubes nunca teria se separado. Eu teria montado um pequeno palco em uma praia, e cantado os sucessos do disco feito na minha infância e algumas músicas dos Sugarcubes para um público usando chinelos e roupas de banho. Então nós estaríamos em turnê, antes de desaparecer novamente em nossa aposentadoria dourada. Einar queria uma vida tranquila, ser reconhecido como um grande artista. Ele não entendia que eu aspirava algo a mais". - Björk em entrevista ao Les Inrockuptibles , 1995.