Pular para o conteúdo principal

Leitura Recomendada: Jantando na casa de Björk

 
Em agosto de 2012, Björk convidou Oliver Sacks e seu parceiro Bill Hayes para jantar em sua casa, em Reykjavik. O relato a seguir está incluso no livro que o companheiro do escritor e neurologista, que morreu vítima de câncer em 2015, irá lançar sobre seu relacionamento com o autor de "Musicophilia", livro que inspirou parcialmente a cantora no álbum "Biophilia": 

"Ela já o conhecia há alguns anos, quando foi convidada para participar de um documentário da BBC sobre música, mas nunca tinham passado um tempo juntos até se tornarem amigos. Na verdade, pouco sabíamos de seu trabalho até a viagem. Eu comprei uma coleção de seus videoclipes em DVD e organizamos um curso intensivo sobre sua carreira. Ele sentado na beira da cama, a poucos centímetros da tela da TV, assistiu imóvel, fascinado, principalmente, pelas imagens, durante aqueles 90 minutos, profundamente impressionado com seu talento e criatividade.

Já na estrada que nos conduzia ao estacionamento da casa dela na Islândia, eu a vi da janela da cozinha. Parecia estar no meio de um trabalho, concentrada. A residência tinha alguns simples arbustos como cerca. No jardim da frente havia uma mesa e algumas cadeiras para crianças. O cenário era como um encontro para o chá. Fomos até à porta da frente. Lembro-me até da maneira como ele fez para saudá-la. Fomos levados até a sala, e ela nos apresentou a dois amigos: James, o inglês, e Marguerite, o islandês, que tinham o mesmo cabelo vermelho brilhante. Ela estava com o cabelo penteado para cima e preso com um grampo com asas azuis, usava uma túnica simples, composta de diversas cores e desenhos diferentes, talvez tivesse sido obra sua, uma calça branca e sapatos de salto alto. Seu rosto estava lindo e sem maquiagem.

Eu entrei na cozinha, onde ela preparava tudo. O papel de parede era uma colagem de fotos de tranças bem ornamentadas em diferentes mulheres. Foi tudo muito relaxante e despretensioso, uma ótima anfitriã, que nos fez sentir confortáveis, nos alimentando como se fosse nossa mãe. Sobre a mesa, em pratos pequenos, quase imediatamente trouxe uma panela fumegante com truta grelhada, salada e batatas cozidas. Conversamos por algum tempo sentados naquelas cadeiras esculpidas em troncos de árvores. A toalha de mesa tinha sido bordada com desenhos de conchas. Do lado de fora da janela, notei o Farol. Björk disse que em sua cozinha havia um diário com registros sobre o aumento e a queda da corrente da água, de modo que ela sabia quanto tempo ele ficaria longe da maré. Também nos contou que tinha feito uma pesquisa sobre se poderia comprá-lo, mas a coisa não foi pra frente e ela entendeu que um farol deve pertencer a todos.

Depois que comemos, ela nos levou até sua mesa, passando por uma pequena porta na escada em espiral. E claro que não era um lugar comum, mas sim feito de pedras basalto! Sem mencionar o impressionante corrimão feito de ossos de baleia. Ela nos mostrou a lâmpada que estava pendurada acima de nós e 'jogou' a luz na escada, e depois subimos até um quarto e lá nos mostrou dois instrumentos musicais: uma celesta e algo que parecia um cravo. Ambos modificados de alguma forma, com a ajuda de instruções de um programa para computador. Oliver ficou eufórico perguntando como ela tinha feito aquilo. Foi então que percebi o quanto suas mentes eram parecidas.

Björk nos serviu uma torta de groselhas, reunida a partir de plantas de seu próprio jardim. Ela disse que tinha preparado-a com sua filha na noite anterior. Apontou para um espaço vazio na tigela, e confessou: "Por eu ser a cozinheira, tive que comer primeiro. Cada pedaço era guarnecido com abundância de creme de leite fresco e chá. A louça era com o tema de "Alice No País das Maravilhas". Os copos estavam cortados e nossa anfitriã explicou o motivo rindo como uma criança: "Estas são xícaras para destros". Quando olhamos para o relógio já era 3:30. Oliver assinou uma cópia de seu livro "Illusions" e a presenteou com uma dedicatória". 

Comente com outros fãs:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Museu da Imagem e do Som confirma a exposição "Björk Digital" em São Paulo

Inédita no Brasil, a exposição Björk Digital celebra o trabalho e o universo criativo da artista islandesa. Dividida em sessões compostas por experiências de realidade virtual e elementos audiovisuais imersivos, a mostra chega ao MIS em junho, depois de passar por cidades como Tóquio, Sidney e Londres.
Trazida em parceria com a produtora Dueto, a exposição é apresentada pelo Ministério da Cidadania e Vivara, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. O MIS é uma instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.

Detalhes sobre datas e ingressos ainda não foram revelados.

A informação já havia sido adiantada em julho do ano passado na coluna de Lauro Jardim no Globo. A Dueto, produtora de Monique Gardenberg, foi a responsável por dois dos três festivais que trouxeram nossa amada ao Brasil. Aliás, em 2007, quando esteve no país com o show Volta, a cantora também compareceu à pré-estreia do filme O Passado, do diretor Hector Babenco, como convidada de M…

Cineasta argentina Lucrecia Martel, dirigirá novo show de Björk

Cornucopia, o novo show de Björk, estreia em maio no The Shed, em Nova Iorque! Inclusive, esse lugar que receberá a mini residência promete ser um dos espaços culturais mais importantes da cidade, principalmente por ter a capacidade de se transformar fisicamente ao criar ambientes dinâmicos de acordo com as visões dos artistas que ali aparecem nos próximos anos. 
A temporada de oito concertos ganhou novos detalhes muito interessantes. A cineasta argentina Lucrecia Martel se juntou ao time de colaboradores da islandesa e dirigirá o espetáculo. 


Internacionalmente reconhecida como uma das mais importantes peças do cinema latino-americano, Martel obteve sucesso de crítica em seu trabalho, incluindo Zama, seu mais recente filme lançado em 2017. Entre suas obras, destacam-se também: La Ciénaga (2001), A Menina Santa (2004) e A Mulher sem Cabeça (2008). Confira mais detalhes clicando aqui
Lucrecia e a Rei Cine, produtora argentina que a representa, emitiram uma declaração à imprensa desta…

Edital do CCBB indica que a exposição Björk Digital virá ao Brasil

E não é que era verdade mesmo? Em julho, em sua coluna no O Globo, o jornalista Lauro Jardim comentou em primeira mão sobre as grandes chances da Björk Digital passar pelo Brasil. 
Na época, as negociações já estariam bem avançadas e na fase de captação de recursos. Ele citou a produtora Dueto, de Monique Gardenberg, como uma das interessadas em trazer a mostra ao país. Em 2007; a diretora, produtora cultural e cineasta brasileira convidou junto do diretor Hector Babenco a própria Björk para a pré-estreia do filme "O Passado", quando a cantora esteve no Brasil com a turnê do álbum Volta. As duas já se conheciam das outras passagens da artista por aqui, em 1996 e 1998 com os shows de Post e Homogenic. A Dueto Produções foi, inclusive, a responsável por dois dos três festivais que a trouxeram ao Brasil.
No entanto, na tarde de hoje (28/11), fomos surpreendidos com a possível indicação de que tudo realmente vai acontecer, mas com a ajuda também de outras pessoas! O projeto é c…