Pular para o conteúdo principal

Leitura Recomendada: Jantando na casa de Björk

Foto: Divulgação (2014)

Em agosto de 2012, a cantora convidou o escritor Oliver Sacks e seu namorado Bill Hayes para jantar em sua casa, em Reykjavik. O relato a seguir está incluso no livro "Insomniac City", que o companheiro do autor e neurologista escreveu sobre ele. Oliver morreu em 2015. 

"Ela já o conhecia há alguns anos, quando foi convidada para participar de um documentário da BBC sobre música, mas nunca tinham passado um tempo juntos até se tornarem amigos. Na verdade, pouco sabíamos de seu trabalho até a viagem. Eu comprei uma coleção de seus videoclipes em DVD e organizamos um curso intensivo sobre sua carreira. Ele sentado na beira da cama, a poucos centímetros da tela da TV, assistiu imóvel, fascinado, principalmente, pelas imagens, durante aqueles 90 minutos, profundamente impressionado com seu talento e criatividade.

Já na estrada que nos conduzia ao estacionamento da casa dela na Islândia, eu a vi da janela da cozinha. Parecia estar no meio de um trabalho, concentrada. A residência tinha alguns simples arbustos como cerca. No jardim da frente havia uma mesa e algumas cadeiras para crianças. O cenário era como um encontro para o chá. Nos dirigimos até a porta da frente. Me lembro até da maneira como ele fez para saudá-la. Fomos levados até a sala, e ela nos apresentou a dois amigos: James, o inglês, e Marguerite, o islandês, que tinham o mesmo cabelo vermelho brilhante. Ela estava com o cabelo penteado para cima e preso com grampos azuis, usava uma túnica simples, composta de diversas cores e desenhos diferentes, talvez tivesse sido obra sua; uma calça branca e sapatos de salto alto. Seu rosto estava lindo e sem maquiagem.

Eu entrei na cozinha, onde ela preparava tudo. O papel de parede era uma colagem de fotos de tranças bem ornamentadas em diferentes mulheres. Foi tudo muito relaxante e despretensioso, uma ótima anfitriã, que nos fez sentir confortáveis, nos alimentando como se fosse nossa mãe. Sobre a mesa, em pratos pequenos, quase imediatamente trouxe uma panela fumegante com truta grelhada, salada e batatas cozidas. Conversamos por algum tempo sentados naquelas cadeiras esculpidas em troncos de árvores. A toalha de mesa tinha sido bordada com desenhos de conchas. Do lado de fora da janela, notei o Farol. Björk disse que em sua cozinha havia um diário com registros sobre o aumento e a queda da corrente da água, de modo que ela sabia quanto tempo ele ficaria longe da maré. Também nos contou que tinha feito uma pesquisa para saber se poderia comprá-lo, mas a coisa não foi pra frente e ela entendeu que um farol deve pertencer a todos.

Depois que comemos, ela nos levou até a mesa, passando por uma pequena porta na escada em espiral. E claro que não era um lugar comum, mas sim feito de pedras basalto! Sem mencionar o impressionante corrimão que parecia ter sido feito de ossos de baleia. Ela nos mostrou a lâmpada, que estava pendurada acima de nós, e 'jogou' a luz na escada, e depois subimos até um quarto e lá nos mostrou dois instrumentos musicais: uma celesta e algo que parecia um cravo. Ambos modificados de alguma forma, com a ajuda de instruções de um programa para computador. Oliver ficou eufórico perguntando como ela tinha feito aquilo. Foi então que percebi o quanto suas mentes eram parecidas.

Björk nos serviu uma torta, que ela fez com plantas de seu próprio jardim. Ela disse que tinha a preparado com sua filha na noite anterior. Apontou para um espaço vazio na tigela, e confessou: "Por eu ser a cozinheira, tive que comer primeiro". Cada pedaço era guarnecido com abundância de creme de leite fresco e chá. A louça era com o tema de "Alice No País das Maravilhas". Os copos estavam cortados e nossa anfitriã explicou o motivo rindo como uma criança: "Estas são xícaras para destros". Quando olhamos para o relógio já era 3:30 da madrugada. Oliver assinou uma cópia de seu livro Hallucinations e a presenteou com uma dedicatória".


Postagens mais visitadas deste blog

Björk e Milton Nascimento - A Travessia para um grande encontro

Poucas horas antes do show no Metropolitan, no Rio de Janeiro, em 20 de agosto de 1998 (saiba mais AQUI), Björk conversou com a imprensa brasileira, e esteve junto de Milton Nascimento. Ela foi uma das atrações principais do festival Close-Up Planet:


Ao jornal Extra, ela contou que é fã não só de Elis, mas também do Sepultura. Falando de Milton Nascimento, revelou: "Cheguei no sábado (acompanhada de uma amiga de infância) e fiquei bêbada com algumas pessoas ouvindo as músicas dele". Segundo a publicação, a cantora teria cogitado a ideia de ir a apresentação "Tambores de Minas" da lenda brasileira, no Canecão. Ela admitiu que do line-up do festival, só conhecia mesmo as atrações internacionais: "Tenho que dizer que sou ignorante em relação à música brasileira, e isso me envergonha". Também deixou claro que, como de costume, não incluiria nada do Sugarcubes no setlist: "São meus amigos, crescemos juntos. Não posso tocar uma música da banda sem eles&qu…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades!

Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta Bizz, edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o Sugarcubes.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil, com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.





Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser mui…

Christina Aguilera é uma grande fã de Björk

Christina Aguilera falou sobre admiração por Björk, em nova entrevista para o Apple Music
"É muito além do tempo. Ela é o motivo pelo qual não consegui continuar sendo a artista que eu era no meu primeiro álbum. É alguém que me inspirou a sempre querer me desafiar, tem tanta arte envolvida em seu trabalho. Isso mostra que existem milhares de formas de explorarmos nosso visual, a estética, voz, o timbre. 
Björk consegue gritar em um disco de forma tão incrível e angelical, tudo ao mesmo tempo em que suspira nas canções e ahhh... Isso mexeu comigo, pois quando surgi (na indústria musical), pensei tipo: "Sim, consigo cantar uma grande balada, posso fazer isso durante um dia inteiro. É maravilhoso que eu consiga e tudo mais, mas essa é só uma pequena parte daquilo que gosto de fazer". 
Amo estar no palco e criar mundos para as pessoas entrarem e explorarem, usando a imaginação e escapando de suas próprias realidades, com visuais e elementos que permitam isso. Adoro esse proc…

A paixão de Björk por Kate Bush

"Eu gostaria de ouvi-la sem parar. Era muito divertido acompanhar sua música na Islândia. Eu acabei adquirindo os álbuns muitos anos depois que saíram, então eu não tinha qualquer contexto, eu estava simplesmente ouvindo-os no meu próprio contexto. E todas as minhas canções favoritas eram as “lado-B” do terceiro single, por exemplo.
E então eu vi alguns documentários sobre ela, era a primeira vez que eu via as coisas de um ponto de vista britânico e eles estavam falando: "Ela esteve no Top 3 das paradas musicais, e foi no Top of The Pops, e fez muito melhor do que o fracasso do álbum anterior”. E foi o oposto total para mim! É tão ridículo, esta narrativa de sucesso e fracasso. Como, se você faz algo surpreendente, a próxima coisa tem que ser horrível. É como o tempo ou algo assim. Dez anos mais tarde, alguém assiste na Islândia ou na China e é totalmente irrelevante.

Para mim, ela sempre representará a época de exploração da própria sexualidade,…

Há 40 anos, Björk lançava seu primeiro álbum!

Muitos creditam "Debut", principalmente pelo nome, como sendo o primeiro álbum de Björk, e de fato foi o primeiro e principal disco da islandesa a nível mundial, mas você sabia que 16 anos antes, em 18 de Dezembro de 1977, um álbum batizado com o nome da artista foi lançado apenas na Islândia quando ela tinha 12 anos?

Em 1976, Björk apareceu pela primeira vez na mídia em uma no rádio islandesa cantando o hit "I Love to Love" de Tina Charles.

Isso aconteceu através da escola de música que ela frequentava. A gravação chamou a atenção de uma gravadora local chamada Fálkinn, que também distribuía na Islândia os discos de artistas da EMI, Polygram e Island Records. Aliás, "Björk" é o lançamento mais famoso dessa gravadora que já não existe mais!

Após Björk assinar o contrato sob a supervisão de seus pais, as gravações aconteceram entre Agosto e Setembro de 1977 nos estúdios Hljóðriti, em Reykjavík.
O álbum tem 34:13 de duração e é composto por canções cantadas…