Pular para o conteúdo principal

Björk lançará livro de partituras em Junho


Em seu Facebook, Björk anunciou que lançará um livro com 34 partituras para piano, órgão, cravo e Celeste. Será a primeira publicação oficial desse tipo da cantora, e estará disponível na passagem da exposição "Björk Digital" em Los Angeles (19/05), e para o público em geral a partir de 5 de junho. Você já pode encomendá-la aqui.

"No Outono de 2009, decidi decifrar e reavaliar o que a educação musical significava na minha vida. A musicóloga frustrada em mim foi em frente e criou o "Biophilia", projeto educacional que está presente em todo o mundo e agora é parte permanente do currículo de escolas na Escandinávia. Eu também me questionei sobre como me sentia sobre a documentação musical. Quando os CDs foram lentamente se tornando obsoletos, fiquei curiosa sobre a diferença entre a notação digital e a notação clássica, e entusiasmada em usar as oportunidades e ver como seria compartilhar música nesses novos tempos. Qual é a diferença entre o karaokê e os recitais líricos do século XIX? Será que podemos nos encontrar ao redor de fogueiras e cantar techno music? (Bom, os islandeses obviamente já fazem isso). Talvez eu tivesse que compartilhar estas notações digitais, para que as pessoas pudessem conectá-las aos seus sintetizadores ou fazerem versões no cravo, usando batidas eletrônicas e desfrutando em suas salas e espero que cantando com suas famílias.

100 anos atrás, muito do acervo musical foi compartilhado através de partituras. Se
rá que isso ainda se aplica aos dias de hoje? E de que forma? A partir destas questões, comecei a trabalhar com Jónas Sen reunindo meu material de cordas, coro e arranjos vocais feitos ao longo dos anos, e organizando para serem usados nos instrumentos: órgão, piano, cravo e celesta. Convidei meus colaboradores de longa data M/M (Paris) para o projeto, para projetarem um livro para as notas da mesma forma que fariam com letras. Isso, é claro, era meio impossível tecnicamente, mas agora acreditamos que encontramos um programa, em que de alguma forma todos podem projetar suas próprias notas alinhando-as graciosamente a sua música. E por último, mas não menos importante: Com uma leve postura feminista, eu decidi colocar em evidência alguns dos meus meus arranjos ao longo dos anos, pois ainda sinto que a maioria das pessoas não estão cientes de que os criei majoritariamente, fazendo shows onde os transformamos em cordas para enfatizar esta parte do meu trabalho. Até agora, já tocamos no Royal Albert Hall (Londres), Harpa Hall (Reykjavík), Auditório Nacional (Cidade do México) e me apresentarei em Los Angeles no dia 30 de maio*. Espero que gostem!!!". 

*A cantora irá apresentar versões das músicas do livro com uma orquestra de 32 músicos de cordas, segundo o site oficial da pré-venda na One Little Indian Records, onde Jónas Sen ainda disse: "Tudo começou com a minha primeira turnê com Björk entre 2007-2008, onde toquei vários instrumentos de teclado diferentes na banda. A ideia aqui era criar versões instrumentais que pudessem facilmente ser reproduzidas em diferentes instrumentos de teclado, mas mantendo o caráter de cada canção. Existem três níveis para estes arranjos. Em um nós simplesmente transcrevemos as músicas originais para o teclado. No outro elas soam diferentes, mas convincentes para o instrumento em questão. No terceiro nível, criamos variações e são radicalmente distintas, quase como novas composições".

"O projeto por M / M (Paris) vai além do que os programas padrões podem alcançar. Para garantir uma aparência consistente em formas, cores e espaçamento, o software teve um complemento. Esse design original estreou no aplicativo do "Biophilia", e pôde ser traduzido para o layout do livro impresso", disse o outro colaborador Werner Wolff.


"34 Scores for Piano, Organ, Harpshicord and Celeste" inclui:

The Anchor Song – Debut
Venus As A Boy – Debut
Cover Me – Post
Isobel – Post
Bachelorette – Homogenic
Immature – Homogenic
Joga – Homogenic
Notget – Vulnicura
Unravel – Homogenic
I’ve Seen It All – Selmasongs
New World – Selmasongs
Aurora – Vespertine
Mother Heroic – B-Side de ‘Hidden Place’ (Vespertine)
Pagan Poetry – Vespertine
Sun In My Mouth – Vespertine
Desired Constellation – Medúlla
Oceania – Medúlla
Pleasure Is All Mine – Medúlla
Where Is The Line – Medúlla
Gratitude – Drawing Restraint 9 OST
Declare Independence – Volta
The Dull Flame Of Desire – Volta
My Juvenile – Volta
Pneumonia – Volta
Vertebrae by Vertebrae – Volta
Atom Dance – Vulnicura
Black Lake – Vulnicura
Stonemilker – Vulnicura

Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Uma conversa entre Rei Kawakubo e Björk

“Essa entrevista poderia ser chamada de Folclore do Futuro ou algo envolvendo a palavra "folclore"?”. Essa foi uma solicitação de Björk antes da Interview Magazine publicar em outubro de 2019 uma conversa por e-mail inédita entre ela e Rei Kawakubo, fundadora da marca Comme des Garçons e da Dover Street Market. Confira a tradução completa do bate-papo:
BJÖRK: Querida Rei, estou muito honrada por termos essa conversa! Você é uma das pessoas que eu mais admiro, estou emocionada que isso esteja acontecendo. Estava pensando onde os interesses de nós duas se sobrepõem e, por algum motivo, comecei a pensar nas raízes, no folclore, ou na falta dele. Você mencionou em uma entrevista de 1982, que queria se afastar das influências folclóricas da moda japonesa. Acho isso muito interessante. Sempre achei que as culturas japonesa e islandesa têm  coisas em comum que, quando o budismo e o cristianismo chegaram, foram feitas com menos violência do que em outros países, o que serviu de pont…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

Em 1997, Björk já pensava em trabalhar com a realidade virtual

Vulnicura VR é o primeiro álbum em realidade virtual da história. Nele, cada experiência musical faz parte de um todo maior; uma narrativa visual que une cada canção. No entanto, segundo a edição de setembro de 2019 da Crack Magazine, esta não foi a primeira tentativa de Björk em querer dar vida a um projeto com esse tipo de tecnologia. Nos anos 90, quando a ferramenta começava a ganhar visibilidade, a islandesa quis criar uma experiência semelhante para o álbum Homogenic. Na época, muitos estudiosos acreditavam que os VRs seriam a próxima grande mudança de paradigma da humanidade após a Internet. Mas ficou como promessa, já que além de cara, não estava desenvolvida o suficiente para materializar as ideias da cantora, não para o mundo que ela queria construir. A artista acredita que a realidade virtual ficou por muito tempo em segundo plano.
Só em 2013, os primeiros headseats especializados foram lançados. Então, Björk e seu diretor criativo (e braço direito) James Merry entraram em c…