Pular para o conteúdo principal

Björk como inspiração feminista e a mídia carregada de estereótipos nas análises de Vulnicura


Depois de compartilhar uma prévia de um novo vídeo para "Notget", Björk continuou a divulgação de sua exposição, que essa semana chegou a Los Angeles, e comentou sobre o feminismo envolvendo o seu nome em entrevista ao NOISEY!


Na coletiva de imprensa realizada na última sexta-feira, nossa islandesa, que participou representada por um avatar, declarou: "De todas as coisas que já fiz, a exposição digital foi a mais espontânea. A questão das limitações é a parte que me deixa mais animada. Tudo ainda está em construção, é possível improvisar, é como o futuro, você não sabe o que vai acontecer, é como cavar um buraco com uma colher de chá".  

Ela comentou que seu próximo show (30/05) contará "apenas" com ela e uma orquestra de 32 músicos, sem elementos eletrônicos e visuais, e ela retornará em julho para o FYF Festival com Arca e uma orquestra de 15 músicos. Segundo Björk, essa outra ocasião será uma celebração ao ar livre, recheada de efeitos especiais e algumas outras surpresas. A Björk Digital pode ser considerada uma experiência destinada a forjar uma conexão íntima com os fãs da cantora, o que ela diz ter encontrado em seus últimos DJ-sets: "Eu realmente fui capaz de conhecer mais pessoas que ouvem a minha música".
 

Sobre seu próximo projeto, um novo álbum, a artista garante que "provavelmente ele não acontece parcialmente na terra". Enquanto isso, diz estar ouvindo bastante Kelela e o compositor Jürg Frey, e ocupada com as gravações, seus shows acústicos e os mais "festivos", além dos DJ-sets, tentando "manter o medo, ficar vulnerável, mas também animada".




Em recente entrevista ao NOISEY, Björk não poupou detalhes sobre suas preferências musicais na construção de seus discos: "Eu não sou a maior fã do piano. Acabo tendo instrumentos como órgão, celestes ou cravos em meus álbuns. Algo com maior mistério. Gosto de coisas ornamentadas, adoro bordados, sou apenas uma menina. Meus arranjos são bastante femininos.

Definitivamente, a melhor sensação é quando você escreveu uma canção que você acha que é boa. [Nós, músicos] somos juízes bem duros, escrevemos um monte de músicas que achamos que estão OK, mas quando compomos uma realmente boa é um sentimento especial. É como magia. É uma declaração filosófica e proativa: você não gosta da atual situação do mundo? Então que tal isso? Você vem com uma opção positiva ao invés de outra onde tudo vai pelo ralo.

Eu  amo ficar perdida na preparação de novos aplicativos, ou sentada com um monte de nerds bebendo café. Trabalho principalmente na minha casa na Islândia. Tenho um pequeno estúdio aqui em Nova York. Você não precisa de muito espaço para fazer música. Ocasionalmente quando se está gravando cordas, é necessário um estúdio extravagante, e eu não gosto de compor neles porque naquela hora você não fez nada e custou um bilhão de dólares. Também gosto de ter velas agradáveis ​​e minhas pequenas coisas por lá, fazer uma xícara de chá, contar piadas, cozinhar e comprar algumas bebidas. Definitivamente, a minha coisa menos favorita é o lado do dinheiro. Sou muito abençoada porque tenho alguém com quem trabalho desde os 16 anos. Às vezes ele é meu empresário, meu amigo e às vezes ele é a minha gravadora. Isso é muito especial".

Lidando com as músicas do "Vulnicura" mais de dois anos após seu lançamento e o foco da mídia com o tema do disco: "Estou muito feliz por ter feito isso de abril a julho de 2015, e depois ter começado a trabalhar em meu novo álbum. De certa forma, lançar o livro de partituras e fazer meus shows acústicos, sou eu ouvindo todas as novas feministas me pedindo para fazer todo tipo de material a favor do movimento, e eu pensei que, a melhor coisa seria dizer ao mundo que, eu realmente faço os meus próprios arranjos. Alguns dos meus parentes pensam que isso vem da magia, do céu ou algo assim. Eu me sentia bem (...), mas quando me apresentei no Royal Albert Hall, eu estava esperando que todos escrevessem sobre os meus arranjos e... não aconteceu nada. Obviamente, não estou tentando controlar ninguém, mas não houve menção a isso.


Os homens podem fazer um filme de ficção científica ou um álbum sobre a galáxia, e ninguém fica, "Por que você não está falando sobre sua namorada?". Foi uma escolha minha ser previsível no "Vulnicura": uma mulher sofrendo pelo o ex-namorado. Eu sabia que levaria algum tempo para falar sobre isso, e vai levar muito mais para sair desse assunto também. Uma vez que você joga esse jogo, só te querem nesse papel. Levei dois anos para escrevê-lo, então fiquei: "OK vamos lá. Vai demorar um pouco para desfazer tudo, mas vou mesmo assim".


Estou muito lisonjeada em ser citada em matérias de revistas e convidada para fazer parte de eventos [feministas], mas não quero passar disso e não acho que seja bom, porque às vezes é melhor fazer algo que vem do seu coração e isso vai mudar mais coisas. Nessa entrevista, todo mundo estava me dizendo que eu tive uma grande influência sobre as meninas mundo afora. Eu não tinha ideia disso, mas aí vi que todos esses sites começaram a comentar depois que eu falei: "Bom, talvez também tenhamos que nos culpar, talvez as pessoas não estão nos creditando como engenheiras e/ou produtoras porque elas nunca nos viram assim, só como um belo vestido". Você nunca vê Missy Elliott ao lado de uma mesa de mixagem, embora saibamos que ela é uma produtora. Eu não quero culpá-la por um segundo aqui, eu tenho culpa também... todas nós.
 

(...) Acho que a maior ajuda que posso oferecer é fazer as coisas. Quando as meninas me perguntam: "Você programou suas batidas?" E eu: "Sim, boa parte delas. Escrevi a linha do baixo em "Venus As A Boy". Então me respondem: "Realmente, foi muito importante para mim saber disso". Eu nunca pensei em mim como uma inspiração feminista, e nos últimos anos ousei fazer isso. Quando olho para trás quando e lembro quando eu tinha a idade delas, só o fato de que Kate Bush produziu seus álbuns me deu esperança. Não era que eu quisesse copiar sua música ou a de Joni Mitchell, era o fato de que elas realmente faziam, e que era possível. 


"Por isso fiz o livro e a turnê acústica, para que as pessoas apreciem o meu ofício. Seria ótimo se, da mesma forma que dissessem que alguém do Radiohead, ou que produz arranjos, escrevessem sobre o seu trabalho, e não sua vida amorosa".

Mas teria a islandesa se apaixonado de novo? Aos risos ela respondeu: "Sim, com certeza, mas talvez seja algo muito frágil para se falar".  E isso não é da nossa conta, queridos.


"Quando eu canto agora é realmente mais como uma intérprete, e menos sobre a minha vida. Essas músicas [do Vulnicura] tem pelo menos 5 anos, é muito tempo! É diferente apresentá-las agora. Ainda é doloroso porque algumas não são nem sobre mim, nem sobre minha experiência pessoal, mas sobre como o amor é difícil às vezes, para todos. Qualquer amor, não apenas esse amor entre um casal. Você nunca sabe qual será o seu humor quando for acordar pela manhã para fazer um show. Às vezes, essa música vai te foder e outro dia é só uma música, aí está a diversão".


Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Björk dá conselho para fãs em bate-papo no Instagram

Em turnê pela Europa, Björk respondeu perguntas dos fãs através dos Stories do Instagram. Ela também deu alguns conselhos para seus admiradores através do perfil da revista Dazed. O bate-papo aconteceu nesta terça-feira, 19 de novembro, dia da apresentação de Cornucopia na O2 Arena. Confira a tradução completa da conversa: 
- Estou em uma banda, mas às vezes sinto que estou arrastando os outros comigo. O que devo fazer?
Talvez isso seja justo o suficiente se não forem as músicas deles, sabe? Quando eu estava em bandas, sempre co-escrevíamos, e quando eu estava com vontade de compartilhar minhas próprias músicas, me afastava para criar. Trazê-la (pronta) para os ensaios não pareceria o certo a se fazer. Mas, novamente, a sinergia em um grupo de pessoas trabalhando juntas é um dos momentos mais nutritivos que existem, mas é um ato delicado de equilíbrio.
- Você acha que a indústria da música tem um futuro agora que ninguém mais compra música?
Sim, seria incrível se os sites de streaming f…

Exposição Björk Digital chega a Brasília em Dezembro

Depois de uma temporada de sucesso em São Paulo, a exposição Björk Digital passará por Brasília. A informação foi confirmada pela própria Björk, que contou a novidade empostnas redes sociais em agosto. A mostra fica em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil de 3 de Dezembro de 2019 a 9 de fevereiro de 2020. Os ingressos são gratuitos.
Na programação estão inclusos: 6 vídeos de Vulnicura, sendo 5 em realidade virtual (Stonemilker, Mouth Mantra, Quicksand, Family e Notget), e uma instalação especial (Black Lake), além da sessão de videoclipes de Björk, incluindo os do álbum Utopia, remasterizados em alta definição (exibidos em sala de cinema) e uma área dedicada ao projeto educativo de Biophilia. Confira mais detalhes AQUI.
A exposição é apresentada pelo Ministério da Cidadania e Secretaria Especial da Cultura, patrocinada pelo Banco do Brasil, realizada no CCBB Brasília pela Cinnamon Comunicação.
No ano que vem, chega ao CCBB do Rio de Janeiro e de Belo Horizonte, em março e junho d…

Com Cornucopia, Björk inicia apresentações em arenas na Europa

Björk tocando na O2 Arena é algo que poderia ter feito mais sentido nos anos 90, se o local já existisse. Foi naquela época que a artista islandesa fez álbuns que venderam milhões, e que sua voz surpreendente esteve em maior evidência na mídia. Hoje, isso é uma lembrança distante para ela, que optou por um trabalho ainda mais experimental, como em Utopia (2017).
No entanto, uma apresentação está marcada na O2 para o dia 19 de novembro. Será o maior show dela em Londres nesses 42 anos de carreira. "Obviamente, jurei na adolescência que nunca tocaria em uma arena na minha vida", ela contou ao jornal britânico Evening Standart UK. “Mas as dos Anos 80 são diferentes das arenas recém-construídas e, de certa forma, os teatros do Século XVIII tem tanta bagagem. Mas é claro que isso é um experimento, assim como tudo o que faço. Acho que não vale a pena fazer, a menos que seja algo que nunca fiz antes, né? Inicialmente, eu esperava que teatros tradicionais pudessem nos receber, mas …