Pular para o conteúdo principal

Há exatos 10 anos, Björk lançava "Volta"

Traduzido do artigo do fansite bjorkfr

Em 1° de maio de 2007, Björk lançava "Volta", seu 7° álbum solo de estúdio. O disco conta com 10 canções escritas e produzidas pela islandesa. Mark Bell, Timbaland e Anohni foram alguns de seus colaboradores. Levou dois anos para ficar pronto e foi gravado em Nova York, San Francisco, Reykjavik, Jamaica, Londres, Bélgica, Mali e em um barco entre Malta, a Gomera e a Tunísia. Em entrevistas da época sobre o título do projeto, a cantora declarou: "Pensei em chamá-lo de "Voodoo" ou "Voltage", mas ambas as palavras eram muito clichês. Eu gostei mais do som de "Volta". Apenas soa como energia. Estou sempre à procura de nomes que tenham isso. Normalmente, eles vem apenas, de um jornal ou algo assim. Eu vinha trabalhando no álbum há um ano e ainda não tinha nenhum nome. Eu sempre tentei escolher títulos do latim, mas aí pensei em "Volta". Não me lembro exatamente como isso surgiu, mas depois pesquisei e descobri que é o nome de um cientista na Itália que descobriu a bateria, e também de um rio na África, e um lago. Também existe uma dança que tem este nome. Tantas coisas que eu tinha como significado para esse título: dança, rio e bateria. Então pensei: ok, ele se encaixa".

Disponível em vinil, CD, streaming e download!

Conceito: "Eu só queria me divertir e fazer algo que é realmente enérgico e brincalhão. Trabalhei neste álbum impulsivamente. Eu não queria algo particularmente tão inteligente. Meus dois discos anteriores já tinham tido muito disso, e foram feitos no meu lar. Eu estava em casa, tinha o meu computador e a minha menina comigo. Quando comecei a trabalhar em "Volta", eu queria sair, ver o que mais estava acontecendo e provar novas experiências, tanto emocionais quanto musicais. É por isso que através deste álbum, tento explicar coisas que são muito básicas. Em certo sentido, "Wanderlust" é um manifesto, e reflete esta ideia de "vazamento", viver uma aventura, sem pensar muito".
 

Composição: "Nos últimos três meses de composição, o único quebra-cabeça que eu não tinha resolvido eram os ritmos. Eu experimentei bastante, mas acabei descartando muita coisa, e cada vez que se chegava em um material relevante, parecia algo pretensioso demais para este registro".

 

"Volta" é um filme de terror em quadrinhos: Eu sonho com o dia em que a natureza vai se revoltar! Penso muito sobre isso ao andar pelas ruas de Nova York vendo todos aqueles edifícios. É preciso que, finalmente, a gente admita que somos uma tribo que tem que viver com a natureza, esquecendo nossas reivindicações de civilização.



Visual: "Eu trabalhei com Bernard Wilhelm na concepção das roupas para a "Volta Tour", e nos reunimos várias vezes, e ele me mostrou este modelo e eu fiquei tipo: "Uau, nós temos que fazer isso. É absolutamente ridículo". O que eu estou usando [na capa] é de plástico. Ele nunca tinha feito isso antes, então encontrou algumas pessoas que pulverizam carros para a pintura. Foi uma viagem e tanto. Estou tão feliz que chegamos a exibi-lo no MoMA. Então pensamos qual tipo de fotógrafo seria bom em registrar algo assim. Nick Knight tornou tudo ainda mais poderoso. Para mim, era quase como duas pessoas no "Volta". Uma é o yang, o macho, e a outra, por Inez e Vinoodh [imagem abaixo], é a mulher, como o intestino da personagem, que é de um tipo de tribo inventada. A primeira coisa que eu sempre sei sobre os meus álbuns, são as cores, e isso chega muito cedo. É como resolver um mistério de um assassinato. Eu sabia que seria vermelho, azul e verde neon". 

DICA: Quer um poster gigante da capa do "Volta"? Baixe o arquivo e mande para a gráfica de sua preferência! Não esqueça de nos mostrar o resultado em nossa página oficial (;

Direção artística e design: M/M (Paris)
Escultura: Bernhard Willhelm
Fotografia: Nick Knight
Direção artística e de Fotografia: Inez+Vinoodh
  


MÚSICAS: Clique nos nomes das canções para assistir aos respectivos videoclipes ou performances!

Lançada como o primeiro single do álbum, "Earth Intruders": "Liricamente é provavelmente a música mais caótica que eu já escrevi, na questão de não fazer muito sentido. O objetivo é o caos. Eu não queria lógica".

"Wanderlust", lançada como o quarto single: "Este é o meu manifesto. Eu tinha escrito um diário inteiro com o que eu queria na canção, mas não deu muito certo. Então, Sjón me ajudou e voltou com algo totalmente diferente. Escolhi usar sua versão e a editei, incluindo minhas próprias 'linhas'. Demorou um pouco. É sobre esse espírito aventureiro no qual eu estava naquele momento. Mesmo agora, eu escreveria um outro tipo de hino".


"Dull Flame of Desire", quinto e último single de "Volta", e uma das duas parcerias com Anohni no álbum: "Nós já havíamos tentado cantar um monte de coisas. Éramos duas pessoas tentando não pisar nos dedos uma da outra. Houve um sentimento de fusão vocal tão forte, que em certas horas não sabíamos de quem era a voz de quem".


"Innocence", música que ganhou um vídeo colaborativo entre os fãs e foi o segundo single - A juventude desinibida fica ainda mais emocionante quando nos tornamos mais velhos. "Eu acho que é um aperto de mão, mas com medo. Quando se tem 19 anos, as coisas não entram facilmente na sua mente. Você é intocável. Mais tarde, fica como 'Uau, o que posso aprender com essa experiência?".

"I See Who You Are": Canção de ninar acolhedora, onde Björk fala suavemente com sua filha, imaginando toda a sua vida e além.

"Vertebrae By Vertebrae": Björk e seu talento como contadora de histórias!

"Pneumonia":  Björk compôs esta canção ao piano em uma única tomada, depois de assistir ao filme "O Labirinto do Fauno" e ter pneumonia por duas semanas.

"Hope": "Escrevo canções em um processo emocional. Obviamente, "Hope" trata-se de um tal evento traumático [uma grávida 'homem-bomba'], mas só achei muito engraçado cantar sobre isso em um ritmo".

"Declare Independence", lançada como o terceiro single: "Eu achei que até aqui as coisas no mundo ficariam bem, mas não é o caso. É hora de ir até o topo de uma montanha com uma bandeira e um trompete, e insistir pela justiça!".

Inspirada em suas próprias crianças, Björk compôs "My Juvenile", uma canção sobre um filho adolescente e a conversa que uma mãe tem com sua consciência. Mais uma incrível parceria com Anohni!

Capa do "Volta" na edição lançada na América Latina 

VOLTA TOUR: Björk veio ao Brasil em 2007 com a turnê do disco, assista ao show quase completo. A islandesa passou por Curitiba, São Paulo e Rio de Janeiro. "Voltaïc" foi lançado como registro oficial do show, e inclui um DVD com uma apresentação filmada em Paris, um CD Ao Vivo no Olympic Studios, e outro com remixes das canções do álbum, além dos videoclipes das canções que foram singles.

Postagens mais visitadas deste blog

Björk e Milton Nascimento - A Travessia para um grande encontro

Poucas horas antes do show no Metropolitan, no Rio de Janeiro, em 20 de agosto de 1998 (saiba mais AQUI), Björk conversou com a imprensa brasileira, e esteve junto de Milton Nascimento. Ela foi uma das atrações principais do festival Close-Up Planet:


Ao jornal Extra, ela contou que é fã não só de Elis, mas também do Sepultura. Falando de Milton Nascimento, revelou: "Cheguei no sábado (acompanhada de uma amiga de infância) e fiquei bêbada com algumas pessoas ouvindo as músicas dele". Segundo a publicação, a cantora teria cogitado a ideia de ir a apresentação "Tambores de Minas" da lenda brasileira, no Canecão. Ela admitiu que do line-up do festival, só conhecia mesmo as atrações internacionais: "Tenho que dizer que sou ignorante em relação à música brasileira, e isso me envergonha". Também deixou claro que, como de costume, não incluiria nada do Sugarcubes no setlist: "São meus amigos, crescemos juntos. Não posso tocar uma música da banda sem eles&qu…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades!

Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta Bizz, edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o Sugarcubes.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil, com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.





Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser mui…

Christina Aguilera é uma grande fã de Björk

Christina Aguilera falou sobre admiração por Björk, em nova entrevista para o Apple Music
"É muito além do tempo. Ela é o motivo pelo qual não consegui continuar sendo a artista que eu era no meu primeiro álbum. É alguém que me inspirou a sempre querer me desafiar, tem tanta arte envolvida em seu trabalho. Isso mostra que existem milhares de formas de explorarmos nosso visual, a estética, voz, o timbre. 
Björk consegue gritar em um disco de forma tão incrível e angelical, tudo ao mesmo tempo em que suspira nas canções e ahhh... Isso mexeu comigo, pois quando surgi (na indústria musical), pensei tipo: "Sim, consigo cantar uma grande balada, posso fazer isso durante um dia inteiro. É maravilhoso que eu consiga e tudo mais, mas essa é só uma pequena parte daquilo que gosto de fazer". 
Amo estar no palco e criar mundos para as pessoas entrarem e explorarem, usando a imaginação e escapando de suas próprias realidades, com visuais e elementos que permitam isso. Adoro esse proc…

A paixão de Björk por Kate Bush

"Eu gostaria de ouvi-la sem parar. Era muito divertido acompanhar sua música na Islândia. Eu acabei adquirindo os álbuns muitos anos depois que saíram, então eu não tinha qualquer contexto, eu estava simplesmente ouvindo-os no meu próprio contexto. E todas as minhas canções favoritas eram as “lado-B” do terceiro single, por exemplo.
E então eu vi alguns documentários sobre ela, era a primeira vez que eu via as coisas de um ponto de vista britânico e eles estavam falando: "Ela esteve no Top 3 das paradas musicais, e foi no Top of The Pops, e fez muito melhor do que o fracasso do álbum anterior”. E foi o oposto total para mim! É tão ridículo, esta narrativa de sucesso e fracasso. Como, se você faz algo surpreendente, a próxima coisa tem que ser horrível. É como o tempo ou algo assim. Dez anos mais tarde, alguém assiste na Islândia ou na China e é totalmente irrelevante.

Para mim, ela sempre representará a época de exploração da própria sexualidade,…

Há 40 anos, Björk lançava seu primeiro álbum!

Muitos creditam "Debut", principalmente pelo nome, como sendo o primeiro álbum de Björk, e de fato foi o primeiro e principal disco da islandesa a nível mundial, mas você sabia que 16 anos antes, em 18 de Dezembro de 1977, um álbum batizado com o nome da artista foi lançado apenas na Islândia quando ela tinha 12 anos?

Em 1976, Björk apareceu pela primeira vez na mídia em uma no rádio islandesa cantando o hit "I Love to Love" de Tina Charles.

Isso aconteceu através da escola de música que ela frequentava. A gravação chamou a atenção de uma gravadora local chamada Fálkinn, que também distribuía na Islândia os discos de artistas da EMI, Polygram e Island Records. Aliás, "Björk" é o lançamento mais famoso dessa gravadora que já não existe mais!

Após Björk assinar o contrato sob a supervisão de seus pais, as gravações aconteceram entre Agosto e Setembro de 1977 nos estúdios Hljóðriti, em Reykjavík.
O álbum tem 34:13 de duração e é composto por canções cantadas…