Pular para o conteúdo principal

Björk: "Trabalhar o tempo todo em seu próprio material pode ser claustrofóbico"

 
Na estreia da Björk Digital em Barcelona, exposição que ficará disponível por lá até 24 de Setembro, Björk aproveitou para fazer parte de uma coletiva de imprensa de 30 minutos para mil convidados, em uma conversa com Brandon Stosuy, editor-chefe da The Creative Independent, na qual ao invés de detalhar ainda mais o processo criativo dos vídeos em realidade virtual, falou sobre o DJ-set de 4 horas que faria em seguida para os três mil fãs que adquiriram os ingressos, o qual ela admitiu que, não usa ferramentas sofisticadas para executá-lo, mas sim o Garage Band, um simples aplicativo que está disponível para todos. A confissão provocou risos na plateia!

Sobre a experiência, a artista declarou: "Eu não pretendo ser a melhor DJ, só quero compartilhar minha paixão pela música em todo o mundo. Eu amo pop, ouço tanto Rihanna quanto Chaka Khan, para mim, são a mesma coisa. Estamos em contato com músicas de diversos tipos e o que parece mais natural é abraçar esse ecletismo (...) Queremos fazer coisas que as pessoas possam se divertir". A cantora ainda disse que seus sets são uma verdadeira junção de toda a música que existe no planeta e baseados em desfrutar de uma viagem, que não gosta que se pareçam com a atmosfera de uma boate, pois ela não é uma DJ com boa técnica, e que já percebeu que as duas primeiras horas são muito tranquilas e peculiares, e que por isso tem selecionado para os últimos 30 minutos, conforme lhe foi indicado, muitas canções dançantes. A islandesa também falou sobre como tocar o trabalho dos outros pode ser libertador: "Trabalhar o tempo todo em seu próprio material pode ser claustrofóbico".

Machismo na música eletrônica: "As mulheres produzem música eletrônica. Algumas pessoas não percebem que eu mesma faço meus próprios arranjos, isso me parece sexismo", e em seguida foi aplaudida por todos ali presentes.

Rock: "Minha música não é baseada em três acordes e rock'n'roll, é mais linear e mais fácil de tocar em um teclado do que em uma guitarra".

Novo álbum: "Eu faria uns 50 álbuns antes de morrer", disse ela ao se lamentar por provavelmente não poder fazer isso. "Eu gosto de tantas coisas, e faria muitas delas". Por agora, ela sabe o que fazer nos próximos meses: um novo disco que já está trabalhando com o Arca. O novo material será muito diferente, porque é hora de "deixar o drama para trás", segundo ela mesma. Björk não especificou quando será lançado, mas garante que irá começar a finalizá-lo no outono.


Ah, amiguinhos! antes que esqueçamos, aqui está o link para download com parte do áudio do show mais recente da Vulnicura Tour, o qual nossa amada disse ter sido o último focado no álbum. Devido à escassez de vídeos, vamos deixar esta informação por aqui mesmo! Nossos eternos agradecimentos ao blog 'gudmundsdottirbjork'.

Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Uma conversa entre Rei Kawakubo e Björk

“Essa entrevista poderia ser chamada de Folclore do Futuro ou algo envolvendo a palavra "folclore"?”. Essa foi uma solicitação de Björk antes da Interview Magazine publicar em outubro de 2019 uma conversa por e-mail inédita entre ela e Rei Kawakubo, fundadora da marca Comme des Garçons e da Dover Street Market. Confira a tradução completa do bate-papo:
BJÖRK: Querida Rei, estou muito honrada por termos essa conversa! Você é uma das pessoas que eu mais admiro, estou emocionada que isso esteja acontecendo. Estava pensando onde os interesses de nós duas se sobrepõem e, por algum motivo, comecei a pensar nas raízes, no folclore, ou na falta dele. Você mencionou em uma entrevista de 1982, que queria se afastar das influências folclóricas da moda japonesa. Acho isso muito interessante. Sempre achei que as culturas japonesa e islandesa têm  coisas em comum que, quando o budismo e o cristianismo chegaram, foram feitas com menos violência do que em outros países, o que serviu de pont…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

Em 1997, Björk já pensava em trabalhar com a realidade virtual

Vulnicura VR é o primeiro álbum em realidade virtual da história. Nele, cada experiência musical faz parte de um todo maior; uma narrativa visual que une cada canção. No entanto, segundo a edição de setembro de 2019 da Crack Magazine, esta não foi a primeira tentativa de Björk em querer dar vida a um projeto com esse tipo de tecnologia. Nos anos 90, quando a ferramenta começava a ganhar visibilidade, a islandesa quis criar uma experiência semelhante para o álbum Homogenic. Na época, muitos estudiosos acreditavam que os VRs seriam a próxima grande mudança de paradigma da humanidade após a Internet. Mas ficou como promessa, já que além de cara, não estava desenvolvida o suficiente para materializar as ideias da cantora, não para o mundo que ela queria construir. A artista acredita que a realidade virtual ficou por muito tempo em segundo plano.
Só em 2013, os primeiros headseats especializados foram lançados. Então, Björk e seu diretor criativo (e braço direito) James Merry entraram em c…