Pular para o conteúdo principal

Björk: "Trabalhar o tempo todo em seu próprio material pode ser claustrofóbico"

 
Na estreia da Björk Digital em Barcelona, exposição que ficará disponível por lá até 24 de Setembro, Björk aproveitou para fazer parte de uma coletiva de imprensa de 30 minutos para mil convidados, em uma conversa com Brandon Stosuy, editor-chefe da The Creative Independent, na qual ao invés de detalhar ainda mais o processo criativo dos vídeos em realidade virtual, falou sobre o DJ-set de 4 horas que faria em seguida para os três mil fãs que adquiriram os ingressos, o qual ela admitiu que, não usa ferramentas sofisticadas para executá-lo, mas sim o Garage Band, um simples aplicativo que está disponível para todos. A confissão provocou risos na plateia!

Sobre a experiência, a artista declarou: "Eu não pretendo ser a melhor DJ, só quero compartilhar minha paixão pela música em todo o mundo. Eu amo pop, ouço tanto Rihanna quanto Chaka Khan, para mim, são a mesma coisa. Estamos em contato com músicas de diversos tipos e o que parece mais natural é abraçar esse ecletismo (...) Queremos fazer coisas que as pessoas possam se divertir". A cantora ainda disse que seus sets são uma verdadeira junção de toda a música que existe no planeta e baseados em desfrutar de uma viagem, que não gosta que se pareçam com a atmosfera de uma boate, pois ela não é uma DJ com boa técnica, e que já percebeu que as duas primeiras horas são muito tranquilas e peculiares, e que por isso tem selecionado para os últimos 30 minutos, conforme lhe foi indicado, muitas canções dançantes. A islandesa também falou sobre como tocar o trabalho dos outros pode ser libertador: "Trabalhar o tempo todo em seu próprio material pode ser claustrofóbico".

Machismo na música eletrônica: "As mulheres produzem música eletrônica. Algumas pessoas não percebem que eu mesma faço meus próprios arranjos, isso me parece sexismo", e em seguida foi aplaudida por todos ali presentes.

Rock: "Minha música não é baseada em três acordes e rock'n'roll, é mais linear e mais fácil de tocar em um teclado do que em uma guitarra".

Novo álbum: "Eu faria uns 50 álbuns antes de morrer", disse ela ao se lamentar por provavelmente não poder fazer isso. "Eu gosto de tantas coisas, e faria muitas delas". Por agora, ela sabe o que fazer nos próximos meses: um novo disco que já está trabalhando com o Arca. O novo material será muito diferente, porque é hora de "deixar o drama para trás", segundo ela mesma. Björk não especificou quando será lançado, mas garante que irá começar a finalizá-lo no outono.


Ah, amiguinhos! antes que esqueçamos, aqui está o link para download com parte do áudio do show mais recente da Vulnicura Tour, o qual nossa amada disse ter sido o último focado no álbum. Devido à escassez de vídeos, vamos deixar esta informação por aqui mesmo! Nossos eternos agradecimentos ao blog 'gudmundsdottirbjork'.

Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Para a Folha de São Paulo, Björk fala sobre o envelhecimento de sua voz

Na próxima terça-feira, 18 de junho de 2019, a exposição Björk Digital chega a São Paulo no Museu da Imagem e do Som (adquira ingressos clicando AQUI). Boa parte das datas já estão, inclusive, esgotadas! Em processo de divulgação do projeto, a cantora islandesa concedeu uma entrevista exclusiva para a Folha,em uma conversa por telefone direto de sua casa na Islândia. A matéria é de Diogo Bercito. Confira:
Björk discutiu alguns tópicos, como o estado atual de seus vocais: Ela vem cantando com tons abaixo das versões de seus discos já há alguns anos: "Deixo que a minha voz envelheça". A artista ainda se mostrou tranquila sobre a passagem de tempo natural da vida, e criticou a discriminação que a maioria das mulheres sofrem dando como exemplo Frank Sinatra e Johnny Cash, que puderam envelhecer sem esse tipo de cobrança do público, que parecia considerar suas vozes ainda mais charmosas com o avanço da idade. Enquanto, Whitney Houston era ridicularizada por não conseguir mais ca…

5 motivos para não perder a exposição Björk Digital em São Paulo

Como já noticiamos aqui, a exposição Björk Digital virá ao Brasil em uma temporada de dois meses no Museu da Imagem do Som, em São Paulo. Entre 18* de junho e 18 de agosto, a mostra estará nas instalações do Espaço Redondo e do Espaço Expositivo do centro cultural, com uma série de atividades interativas que prometem captar a emoção do público, como já aconteceu com os mais de 400 mil visitantes nos últimos 3 anos, nos 12 países que receberam o projeto!
A abertura para o público geral será no dia 19/06*.
Você ainda está em dúvida se deve comparecer ou não? O Björk BR separou uma lista com 5 motivos para não perder a vinda do trabalho audiovisual da islandesa ao nosso país: Em outras palavras, o próprio conteúdo! 1. Sessão de cinema  Tão famosos quanto as canções de Björk são seus clipes lendários! A obra assinada por ela em colaboração com diretores renomados, conquistou muitas pessoas e revolucionou a música pop nos últimos 26 anos, e está na programação da exposição da cantora. Mas …

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre estas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.

1996 - Post Tour:
SETLIST: Army of Me/One Day/The Modern Things/Venus as a Boy/You've Been Flirting Again/Isobel/Possibly Maybe/I Go Humble/Big Time Sensuality/Hyperballad/Human Behaviour/The Anchor Song/I Miss You/Crying/Violently Happy/It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser mu…