Pular para o conteúdo principal

Alô, colecionadores! Livro em homenagem aos 20 anos de Homogenic será lançado em Outubro


Em entrevista ao site IcelandMusicExport, a jornalista, escritora e editora freelancer  Emily Mackay falou sobre o livro que escreveu em homenagem ao "Homogenic", o  álbum icônico de Björk que completará 20 anos em Setembro! Segundo a autora, uma de suas lembranças favoritas, foi ser conduzida pela islandesa por Reykjavík em seu próprio Landrover.

Confira alguns trechos do livro:

Nos últimos anos, a arte de Björk tornou-se cada vez mais respeitada e ambiciosa. Com o lançamento de seu álbum/aplicativo "Biophilia" (2011) e uma enorme retrospectiva no Museu de Arte Moderna de Nova York, que coincidiu com o lançamento de seu mais recente álbum, "Vulnicura" (2015), seu status de autora artpop foi garantido. O álbum que fez tudo isso possível, porém, foi "Homogenic" de 1997, uma virada na carreira da artista e ainda uma de suas melhores conquistas musicais. Produzido sob grande tensão, ele se move muito além da fúria estilística de "Debut" (1993) e do futuro urbano apresentado em "Post", para algo mais escuro, forte e bravo, cheio de asserções dramáticas de independência, batidas afiadas, gaguejantes, e explosões barulhentas. Foi este álbum que criou, como muito bem afirmou Alexander McQueen, uma nova Björk, que nunca mais deixaria de caçar.

A entrevista:

IMX: O que fez você decidir escrever um livro sobre "Homogenic"? 
Emily: Publicar algo na série de livros 33⅓ é um sonho para a maioria dos escritores de música, que querem falar sobre seus álbuns favoritos, apresentando teorias e entregando suas obsessões com o disco. A minha escolha sempre seria fazer algo da Björk, embora eu até pudesse produzir sobre outro álbum, talvez o "Biophilia", que foi tão ambicioso, ou "Medúlla", que é tão rico e subestimado, mas não tive como não escolher o "Homogenic", é o meu álbum favorito, que nunca ficará datado. Ele nunca está esgotado para mim.

IMX: Você teve alguma ajuda direta da grande mulher? 

Emily: Não desta vez, embora eu já a tenha entrevistado antes. Björk não está interessada na nostalgia no melhor dos tempos, e ela esteve muito ocupada com a exposição de realidade virtual "Björk Digital" e a turnê, isso sem mencionar o trabalho que ela vem desenvolvendo em seu novo álbum. Entretanto, andei entrevistando muitas das outras pessoas envolvidas, do estúdio Whis Markus Dravs, ao velho amigo e ocasionalmente co-escritor Sjón até seus designers, Paul White e Alastair Beattie. Se tudo sair como o planejado, eu a entrevistarei sobre o novo álbum quando for lançado, e eu vou ter que resistir a pedir perguntas homogênicas...

IMX: O que este álbum significa para você?

Emily: Eu cresci ouvindo a música de Björk. Eu tinha 12 anos quando o "Debut" saiu e, ela era uma grande sensação na época em que apareceu em revistas adolescentes. No momento em que o "Homogenic" foi lançado, eu tinha 16 anos, e acho que nunca mais me conectei tanto a um disco! Cresci no norte da Escócia, mas nesse tempo a minha família se mudou, e eu era um peixe fora d'água, assim como Björk em Londres, muitas vezes ridicularizada devido a minha origem, e por isso me identifiquei muito fortemente com a autoafirmação implacável apresentada naquelas canções, exigindo ser levada a sério. "Homogenic" também possui uma melodia poderosa e graciosa... o melhor de todos os mundos.

IMX: O que os leitores podem esperar em aprender com o livro? 

Emily: Aprenderão sobre o contexto dramático da criação do álbum, no auge da fama dos tabloides que perseguiam Björk. "Homogenic" começou pouco antes do que aconteceu com aquele fã. Depois de detalhar o contexto, outras questões sobre a construção do disco são aprofundadas.

IMX: Quanto tempo você levou para escrever este livro? 
Emily: Um ano e meio. Passou tanto incrivelmente rápido, quanto de forma devagar e agonizante.
IMX: Você pretende lançar mais algum livro sobre a música de Björk?
Emily: Este foi o meu primeiro livro, mas espero muito que não seja o meu último. Nada definitivo ou confirmado, mas posso sentir que definitivamente fui mordida por essa vontade.

O livro será lançado em Outubro e está em pré-venda. Garanta já a sua cópia!

Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Björk diz não se considerar empoderada e fala sobre preços altos de seus shows

Em entrevista por telefone ao El Universal, Björk diz ter se esforçado para manter suas vontades, e que com muito esforço e sacrifício conseguiu fazer o que desejava na vida. Ela ainda explicou que permanece uma mulher pura e livre em tudo que faz, e fala com orgulho sobre nunca ter se deixado manipular ou se comprometer por nada ou alguém. 
Ter voz: “A palavra "Empoderada" é interessante. Não trabalho afirmando que sou isso. Posso até dizer que não me sinto como uma mulher assim, mas agradeço muito que você pense dessa forma (sobre o meu trabalho). Nunca me senti obrigada pelos negócios ou a música, ou seja, leva muito tempo se a gente tem a intenção de manter nossa dignidade. Às vezes, o que acontece é que acabamos tendo que dizer sim e nos tornarmos uma máquina no capitalismo. Vendo dessa maneira, foi até fácil para mim, porque sempre pude dizer não. Eu poderia ser pura, mas acredito que tinha que trabalhar duro e estar nessa posição de uma mulher empoderada. Houve sacrif…

Björk lança videoclipe de " Losss" e fala do longo processo criativo de "Cornucopia"

Desde as primeiras ideias até a primeira apresentação no The Shed, em Nova York, até que ponto a experiência criativa de Cornucopia tem sido satisfatória? 
Tem sido extremamente satisfatória! Há alguns anos, tentei descrever para os meus amigos colaboradores o que pretendia com esse show de "teatro digital". Já estávamos entusiasmados com o som de 15 alto-falantes na tecnologia 360º, que dá a impressão de que está voando entre o público. Cornucopia é como uma continuação de Vulnicura. Nós tivemos que programar um software específico de masterização que não existia para podermos trabalhar com isso. Eu estava animada para dar o próximo passo e tornar o ambiente virtual ainda mais “real”, colocando-o em torno da plateia em um ambiente como esse. 
Depois de tantos anos de carreira, você ainda se sente nervosa antes de uma apresentação? 
Eu ainda sinto que depois de cada show, nunca mais poderei fazer isso de novo. De alguma forma, na psicologia do intérprete tem que ser assim por…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…