Pular para o conteúdo principal

Alô, colecionadores! Livro em homenagem aos 20 anos de Homogenic será lançado em Outubro


Em entrevista ao site IcelandMusicExport, a jornalista, escritora e editora freelancer Emily Mackay falou sobre o livro que escreveu em homenagem ao "Homogenic", o  álbum icônico de Björk que completará 20 anos em Setembro! Segundo a autora, uma de suas lembranças favoritas, foi ser conduzida pela islandesa por Reykjavík em seu próprio Landrover.

Confira alguns trechos do livro:

Nos últimos anos, a arte de Björk tornou-se cada vez mais respeitada e ambiciosa. Com o lançamento de seu álbum/aplicativo "Biophilia" (2011) e uma enorme retrospectiva no Museu de Arte Moderna de Nova York, que coincidiu com o lançamento de seu mais recente álbum, "Vulnicura" (2015), seu status de autora artpop foi garantido. O álbum que fez tudo isso possível, porém, foi "Homogenic" de 1997, uma virada na carreira da artista e ainda uma de suas melhores conquistas musicais. Produzido sob grande tensão, ele se move muito além da fúria estilística de "Debut" (1993) e do futuro urbano apresentado em "Post", para algo mais escuro, forte e bravo, cheio de asserções dramáticas de independência, batidas afiadas, gaguejantes, e explosões barulhentas. Foi este álbum que criou, como muito bem afirmou Alexander McQueen, uma nova Björk, que nunca mais deixaria de caçar.

A entrevista:

IMX: O que fez você decidir escrever um livro sobre "Homogenic"? 
Emily: Publicar algo na série de livros 33⅓ é um sonho para a maioria dos escritores de música, que querem falar sobre seus álbuns favoritos, apresentando teorias e entregando suas obsessões com o disco. A minha escolha sempre seria fazer algo da Björk, embora eu até pudesse produzir sobre outro álbum, talvez o "Biophilia", que foi tão ambicioso, ou "Medúlla", que é tão rico e subestimado, mas não tive como não escolher o "Homogenic", é o meu álbum favorito, que nunca ficará datado. Ele nunca está esgotado para mim.

IMX: Você teve alguma ajuda direta da grande mulher? 
Emily: Não desta vez, embora eu já a tenha entrevistado antes. Björk não está interessada na nostalgia no melhor dos tempos, e ela esteve muito ocupada com a exposição de realidade virtual "Björk Digital" e a turnê, isso sem mencionar o trabalho que ela vem desenvolvendo em seu novo álbum. Entretanto, andei entrevistando muitas das outras pessoas envolvidas, do estúdio Whis Markus Dravs, ao velho amigo e ocasionalmente co-escritor Sjón até seus designers, Paul White e Alastair Beattie. Se tudo sair como o planejado, eu a entrevistarei sobre o novo álbum quando for lançado, e eu vou ter que resistir a pedir perguntas homogênicas...

IMX: O que este álbum significa para você?
Emily: Eu cresci ouvindo a música de Björk. Eu tinha 12 anos quando o "Debut" saiu e, ela era uma grande sensação na época em que apareceu em revistas adolescentes. No momento em que o "Homogenic" foi lançado, eu tinha 16 anos, e acho que nunca mais me conectei tanto a um disco! Cresci no norte da Escócia, mas nesse tempo a minha família se mudou, e eu era um peixe fora d'água, assim como Björk em Londres, muitas vezes ridicularizada devido a minha origem, e por isso me identifiquei muito fortemente com a autoafirmação implacável apresentada naquelas canções, exigindo ser levada a sério. "Homogenic" também possui uma melodia poderosa e graciosa... o melhor de todos os mundos.

IMX: O que os leitores podem esperar em aprender com o livro? 
Emily: Aprenderão sobre o contexto dramático da criação do álbum, no auge da fama dos tabloides que perseguiam Björk. "Homogenic" começou pouco antes do que aconteceu com aquele fã. Depois de detalhar o contexto, outras questões sobre a construção do disco são aprofundadas.

IMX: Quanto tempo você levou para escrever este livro? 
Emily: Um ano e meio. Passou tanto incrivelmente rápido, quanto de forma devagar e agonizante.
IMX: Você pretende lançar mais algum livro sobre a música de Björk?
Emily: Este foi o meu primeiro livro, mas espero muito que não seja o meu último. Nada definitivo ou confirmado, mas posso sentir que definitivamente fui mordida por essa vontade.

O livro será lançado em Outubro e está em pré-venda. Garanta já a sua cópia!

Comente com outros fãs:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Museu da Imagem e do Som confirma a exposição "Björk Digital" em São Paulo

Inédita no Brasil, a exposição Björk Digital celebra o trabalho e o universo criativo da artista islandesa. Dividida em sessões compostas por experiências de realidade virtual e elementos audiovisuais imersivos, a mostra chega ao MIS em junho, depois de passar por cidades como Tóquio, Sidney e Londres.
Trazida em parceria com a produtora Dueto, a exposição é apresentada pelo Ministério da Cidadania e Vivara, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. O MIS é uma instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.

Detalhes sobre datas e ingressos ainda não foram revelados.

A informação já havia sido adiantada em julho do ano passado na coluna de Lauro Jardim no Globo. A Dueto, produtora de Monique Gardenberg, foi a responsável por dois dos três festivais que trouxeram nossa amada ao Brasil. Aliás, em 2007, quando esteve no país com o show Volta, a cantora também compareceu à pré-estreia do filme O Passado, do diretor Hector Babenco, como convidada de M…

Cineasta argentina Lucrecia Martel, dirigirá novo show de Björk

Cornucopia, o novo show de Björk, estreia em maio no The Shed, em Nova Iorque! Inclusive, esse lugar que receberá a mini residência promete ser um dos espaços culturais mais importantes da cidade, principalmente por ter a capacidade de se transformar fisicamente ao criar ambientes dinâmicos de acordo com as visões dos artistas que ali aparecem nos próximos anos. 
A temporada de oito concertos ganhou novos detalhes muito interessantes. A cineasta argentina Lucrecia Martel se juntou ao time de colaboradores da islandesa e dirigirá o espetáculo. 


Internacionalmente reconhecida como uma das mais importantes peças do cinema latino-americano, Martel obteve sucesso de crítica em seu trabalho, incluindo Zama, seu mais recente filme lançado em 2017. Entre suas obras, destacam-se também: La Ciénaga (2001), A Menina Santa (2004) e A Mulher sem Cabeça (2008). Confira mais detalhes clicando aqui
Lucrecia e a Rei Cine, produtora argentina que a representa, emitiram uma declaração à imprensa desta…

Edital do CCBB indica que a exposição Björk Digital virá ao Brasil

E não é que era verdade mesmo? Em julho, em sua coluna no O Globo, o jornalista Lauro Jardim comentou em primeira mão sobre as grandes chances da Björk Digital passar pelo Brasil. 
Na época, as negociações já estariam bem avançadas e na fase de captação de recursos. Ele citou a produtora Dueto, de Monique Gardenberg, como uma das interessadas em trazer a mostra ao país. Em 2007; a diretora, produtora cultural e cineasta brasileira convidou junto do diretor Hector Babenco a própria Björk para a pré-estreia do filme "O Passado", quando a cantora esteve no Brasil com a turnê do álbum Volta. As duas já se conheciam das outras passagens da artista por aqui, em 1996 e 1998 com os shows de Post e Homogenic. A Dueto Produções foi, inclusive, a responsável por dois dos três festivais que a trouxeram ao Brasil.
No entanto, na tarde de hoje (28/11), fomos surpreendidos com a possível indicação de que tudo realmente vai acontecer, mas com a ajuda também de outras pessoas! O projeto é c…