Pular para o conteúdo principal

Alô, colecionadores! Livro em homenagem aos 20 anos de Homogenic será lançado em Outubro


Em entrevista ao site IcelandMusicExport, a jornalista, escritora e editora freelancer  Emily Mackay falou sobre o livro que escreveu em homenagem ao "Homogenic", o  álbum icônico de Björk que completará 20 anos em Setembro! Segundo a autora, uma de suas lembranças favoritas, foi ser conduzida pela islandesa por Reykjavík em seu próprio Landrover.

Confira alguns trechos do livro:

Nos últimos anos, a arte de Björk tornou-se cada vez mais respeitada e ambiciosa. Com o lançamento de seu álbum/aplicativo "Biophilia" (2011) e uma enorme retrospectiva no Museu de Arte Moderna de Nova York, que coincidiu com o lançamento de seu mais recente álbum, "Vulnicura" (2015), seu status de autora artpop foi garantido. O álbum que fez tudo isso possível, porém, foi "Homogenic" de 1997, uma virada na carreira da artista e ainda uma de suas melhores conquistas musicais. Produzido sob grande tensão, ele se move muito além da fúria estilística de "Debut" (1993) e do futuro urbano apresentado em "Post", para algo mais escuro, forte e bravo, cheio de asserções dramáticas de independência, batidas afiadas, gaguejantes, e explosões barulhentas. Foi este álbum que criou, como muito bem afirmou Alexander McQueen, uma nova Björk, que nunca mais deixaria de caçar.

A entrevista:

IMX: O que fez você decidir escrever um livro sobre "Homogenic"? 
Emily: Publicar algo na série de livros 33⅓ é um sonho para a maioria dos escritores de música, que querem falar sobre seus álbuns favoritos, apresentando teorias e entregando suas obsessões com o disco. A minha escolha sempre seria fazer algo da Björk, embora eu até pudesse produzir sobre outro álbum, talvez o "Biophilia", que foi tão ambicioso, ou "Medúlla", que é tão rico e subestimado, mas não tive como não escolher o "Homogenic", é o meu álbum favorito, que nunca ficará datado. Ele nunca está esgotado para mim.

IMX: Você teve alguma ajuda direta da grande mulher? 

Emily: Não desta vez, embora eu já a tenha entrevistado antes. Björk não está interessada na nostalgia no melhor dos tempos, e ela esteve muito ocupada com a exposição de realidade virtual "Björk Digital" e a turnê, isso sem mencionar o trabalho que ela vem desenvolvendo em seu novo álbum. Entretanto, andei entrevistando muitas das outras pessoas envolvidas, do estúdio Whis Markus Dravs, ao velho amigo e ocasionalmente co-escritor Sjón até seus designers, Paul White e Alastair Beattie. Se tudo sair como o planejado, eu a entrevistarei sobre o novo álbum quando for lançado, e eu vou ter que resistir a pedir perguntas homogênicas...

IMX: O que este álbum significa para você?

Emily: Eu cresci ouvindo a música de Björk. Eu tinha 12 anos quando o "Debut" saiu e, ela era uma grande sensação na época em que apareceu em revistas adolescentes. No momento em que o "Homogenic" foi lançado, eu tinha 16 anos, e acho que nunca mais me conectei tanto a um disco! Cresci no norte da Escócia, mas nesse tempo a minha família se mudou, e eu era um peixe fora d'água, assim como Björk em Londres, muitas vezes ridicularizada devido a minha origem, e por isso me identifiquei muito fortemente com a autoafirmação implacável apresentada naquelas canções, exigindo ser levada a sério. "Homogenic" também possui uma melodia poderosa e graciosa... o melhor de todos os mundos.

IMX: O que os leitores podem esperar em aprender com o livro? 

Emily: Aprenderão sobre o contexto dramático da criação do álbum, no auge da fama dos tabloides que perseguiam Björk. "Homogenic" começou pouco antes do que aconteceu com aquele fã. Depois de detalhar o contexto, outras questões sobre a construção do disco são aprofundadas.

IMX: Quanto tempo você levou para escrever este livro? 
Emily: Um ano e meio. Passou tanto incrivelmente rápido, quanto de forma devagar e agonizante.
IMX: Você pretende lançar mais algum livro sobre a música de Björk?
Emily: Este foi o meu primeiro livro, mas espero muito que não seja o meu último. Nada definitivo ou confirmado, mas posso sentir que definitivamente fui mordida por essa vontade.

O livro será lançado em Outubro e está em pré-venda. Garanta já a sua cópia!

Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Björk dá conselho para fãs em bate-papo no Instagram

Em turnê pela Europa, Björk respondeu perguntas dos fãs através dos Stories do Instagram. Ela também deu alguns conselhos para seus admiradores através do perfil da revista Dazed. O bate-papo aconteceu nesta terça-feira, 19 de novembro, dia da apresentação de Cornucopia na O2 Arena. Confira a tradução completa da conversa: 
- Estou em uma banda, mas às vezes sinto que estou arrastando os outros comigo. O que devo fazer?
Talvez isso seja justo o suficiente se não forem as músicas deles, sabe? Quando eu estava em bandas, sempre co-escrevíamos, e quando eu estava com vontade de compartilhar minhas próprias músicas, me afastava para criar. Trazê-la (pronta) para os ensaios não pareceria o certo a se fazer. Mas, novamente, a sinergia em um grupo de pessoas trabalhando juntas é um dos momentos mais nutritivos que existem, mas é um ato delicado de equilíbrio.
- Você acha que a indústria da música tem um futuro agora que ninguém mais compra música?
Sim, seria incrível se os sites de streaming f…

Exposição Björk Digital chega a Brasília em Dezembro

Depois de uma temporada de sucesso em São Paulo, a exposição Björk Digital passará por Brasília. A informação foi confirmada pela própria Björk, que contou a novidade empostnas redes sociais em agosto. A mostra fica em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil de 3 de Dezembro de 2019 a 9 de fevereiro de 2020. Os ingressos são gratuitos.
Na programação estão inclusos: 6 vídeos de Vulnicura, sendo 5 em realidade virtual (Stonemilker, Mouth Mantra, Quicksand, Family e Notget), e uma instalação especial (Black Lake), além da sessão de videoclipes de Björk, incluindo os do álbum Utopia, remasterizados em alta definição (exibidos em sala de cinema) e uma área dedicada ao projeto educativo de Biophilia. Confira mais detalhes AQUI.
A exposição é apresentada pelo Ministério da Cidadania e Secretaria Especial da Cultura, patrocinada pelo Banco do Brasil, realizada no CCBB Brasília pela Cinnamon Comunicação.
No ano que vem, chega ao CCBB do Rio de Janeiro e de Belo Horizonte, em março e junho d…

Com Cornucopia, Björk inicia apresentações em arenas na Europa

Björk tocando na O2 Arena é algo que poderia ter feito mais sentido nos anos 90, se o local já existisse. Foi naquela época que a artista islandesa fez álbuns que venderam milhões, e que sua voz surpreendente esteve em maior evidência na mídia. Hoje, isso é uma lembrança distante para ela, que optou por um trabalho ainda mais experimental, como em Utopia (2017).
No entanto, uma apresentação está marcada na O2 para o dia 19 de novembro. Será o maior show dela em Londres nesses 42 anos de carreira. "Obviamente, jurei na adolescência que nunca tocaria em uma arena na minha vida", ela contou ao jornal britânico Evening Standart UK. “Mas as dos Anos 80 são diferentes das arenas recém-construídas e, de certa forma, os teatros do Século XVIII tem tanta bagagem. Mas é claro que isso é um experimento, assim como tudo o que faço. Acho que não vale a pena fazer, a menos que seja algo que nunca fiz antes, né? Inicialmente, eu esperava que teatros tradicionais pudessem nos receber, mas …