Pular para o conteúdo principal

Björk revela títulos de algumas das canções de seu novo álbum


Em junho, antes de realizar um DJset em Barcelona, e apenas alguns dias após uma aparição surpresa tocando em uma afterparty de Rupaul’s Drag Race, Björk concedeu uma entrevista à Dazed & Confused Magazine: "Nós estávamos tentando fazer daquilo algo casual, para que as pessoas não ficassem olhando como se eu estivesse em um pedestal".

Selim Bulut, o jornalista responsável pela matéria publicada nesta quinta-feira (03/08), ouviu uma versão não finalizada do novo álbum da cantora, que até então a artista só tinha tocado para o seu círculo de amigos, que segundo ela é de três ou quatro pessoas, e o classificou como mais leve que o ar analisando da seguinte forma: Explorando o conceito de utopia, foi um processo de composição que coincidiu com alguns dos maiores tumultos políticos da história recente. Num pano de fundo da crescente xenofobia e da ameaçadora catástrofe climática, o álbum pergunta se o paraíso é possível. O que não significa que será exatamente sobre política, pois Björk ainda hesita em se descrever como uma artista extremamente comprometida com o assunto, mas ela retratou uma visão otimista do futuro apontando para um caminho que coloca o amor no centro de tudo como resistência.


O novo trabalho da islandesa ainda não tem um nome definido, mas já está em pré-venda, e outras informações adicionais foram divulgadas:

Será um "um disco de namoro": "Eu acho que o novo álbum é sobre um amor que é ainda maior (...) Talvez seja por isso que se tornou um tema utópico - você vai sobreviver não só ao meu drama pessoal, mas também ao tipo de situação em que o mundo se encontra atualmente, então é necessário criarmos um novo plano (...) Se não tivermos sonhos, não vamos mudar nunca. Especialmente agora, quando isso se tornou um tipo de emergência".


  

INSTRUMENTOS E DIREÇÃO MUSICAL: 

Todos sabem que Björk é conhecida por inovar ao adotar "ambientes" específicos em cada um de seus álbuns, por isso estamos curiosos sobre como será desta vez. A artista novamente esteve muito envolvida na produção das letras, e segundo informações da nova entrevista, Arca a encorajou a continuar com a direção adotada no instrumental de "Batabid" (canção presente como B-Side no single de "Pagan Poetry") e "Ambergris March (da trilha sonora de Drawing Restraint 9).

"Nossa relação foi algo que cresceu naturalmente. Uma conversa musical que ultrapassou as gerações e o Atlântico. Ele me aconselhou a fazer isso com essas faixas de anos atrás, mas não completamente".
Ao mesmo tempo, Björk o incentivou a cantar em seus próprios álbuns, apresentando até seu próprio treinador vocal. O resultado foi o disco lançado por Arca este ano: "Ela me deu conselhos para tudo, desde performances ao vivo, arranjos, e respiração", contou o produtor.
 

A amizade entre os dois também reuniu um grupo de DJs e produtores do mundo todo, muitos da comunidade LGBT. A cantora relembrou o famoso DJset (2015) realizado na Tri Angle Records: "Aquela noite foi ótima!". Parece ter sido algo catártico e uma experiência de cura, ir a festas para superar o fim de um relacionamento, embora ela rapidamente argumentou: "Quero dizer, obviamente eu fiz isso, mas também sou uma pessoa muito sensível. Tenho sido mãe solteira desde os meus 20 anos (...) Eu acho que quando saí da bolha em que me encontrava, senti que tinha ganhado alguns pontos. De alguma forma, a vida estava tomando conta de mim. Todas essas pessoas de outra geração vieram até mim, como algum tipo de bênção, algo definitivamente inesperado, foi quando me senti parte de algo novamente. Tive muita sorte! Me senti muito lisonjeada ao ouvir me dizerem que os salvei com minha música quando tinham 11 anos de idade. Eles conhecem todas as sementes que foram plantadas".

 
O jornalista ainda disse que o álbum é como "um ritmo esmagador do som de uma britadeira", mas apesar disso, também possui um "sentimento geral com certa leveza, e uma inabalável energia positiva", em contraste com o drama que ouvimos em "Vulnicura".
"É natural para mim, talvez mais subconscientemente do que conscientemente, que, seja lá o que eu criar em um álbum, eu faça o oposto no próximo. (...) O "Homogenic" foi algo bastante grande, cheio de batidas, saí em turnê para um trilhão de shows em todo o mundo, foi o mais rock'n'roll que fiz, e depois fui para casa e aí veio "Vespertine", bastante delicado. Eu acho que o mesmo aconteceu agora. "Vulnicura" era o centro de algo muito pessoal. Eu precisava encontrar um novo manifesto".


A cantora optou por deixar de lado as cordas e focar em arranjos que foram substituídos por instrumentos de sopro, especialmente a flauta. As canções são pontuadas pelo canto de pássaros e outros sons da natureza gravados com Arca, muitos registrados durante uma viagem dos dois ao Caribe. Alguns foram sampleados de um dos discos favoritos de Björk: "Hekura" de Nestor Figueras e David Toop, figuras conhecidas no ramo da música ambiente, que gravaram cerimônias xamânicas na Venezuela.


TÍTULOS DE ALGUMAS DAS NOVAS MÚSICAS:

Os primeiros nomes de algumas das novas canções foram revelados!

"The Gate" - descrita como uma canção de amor: "Eu falo em "amor", mas de uma maneira mais transcendente. É sobre redescobri-lo, mas de uma maneira espiritual, por falta de uma palavra melhor", disse Björk. O videoclipe foi dirigido por Andrew Thomas Huang, com a cantora vestindo uma roupa feita por Alexandro Michele (Gucci) e máscara de James Merry.

Em matéria de amor, Björk diz que as letras do álbum não devem ser interpretadas como 100% autobiográficas. Uma canção chamada "Features Creatures", descreve a sensação de ver alguém com a mesma barba, e o mesmo sotaque de um bom amante. Estaria a islandesa falando de alguém específico? Ela respondeu timidamente: "Sim. Eu até pensei o que dizer sobre isso. Este álbum será como uma ruptura do anterior, e agora todo mundo vai ficar me perguntando: "Você está comprometida?". Acho melhor defini-lo como meu "álbum Tinder". Vamos deixá-lo assim".

Canção ainda sem título - Segundo o jornalista, é sobre descobrir um paraíso pessoal enquanto se constrói outro para o planeta.
 
"Loss" - Produzida por Eric Burton (Rabit): "Esta música que fizemos é puro sentimento. É a minha primeira produção fora do meu trabalho e é importante saber que significa alguma coisa. Ideias e pensamentos têm asas. Nós conversamos sobre isso durante o processo, como a força de vontade é a maior de todas, e a nossa capacidade de escolher. Acho que o mundo precisa se lembrar disso, neste momento. Isso é o que essa canção é para mim, porque é necessário", explicou o próprio.

"Allow" - co-escrita com Arca, ainda não é seguro dizer se realmente fará parte do álbum, mas é uma das canções mais diretas que ela já tocou até agora: "Nós temos viajado bastante de férias, apenas nós dois, nadando no oceano por semanas. Fomos ao Caribe e no 9° dia, essa música nasceu".

"Meus discos favoritos são "Hejira" e "Don Juan’s Reckless Daughter", onde Joni Mitchell trabalhou com Jaco Pastorius, e você pode sentir que eles estavam em sintonia. É a sinergia de quando duas pessoas perdem o próprio ego".

RuPaul's Drag Race

Em entrevistas anteriores, Björk explicou seu amor pelo programa de TV, assisti-lo se tornou um costume entre ela e sua filha. A última temporada terminou uma semana antes desta entrevista, a cantora foi questionada sobre quem queria que vencesse: "Eu ia ficar em apuros se eu dissesse quem eu quero que ganhe", ela ri, cobrindo a boca com a mão. "Eu continuo esquecendo que as pessoas sabem quem eu sou, e que se eu disser algo, a internet ficaria louca, por isso manterei o segredo".

UTOPIA: 

"Eu comprei uma casa na Islândia perto de um lago, há uns três anos. Realmente gosto dessas situações ao ar livre como dançar às três da manhã, se perder lá fora, mas também voltar para a minha cabana no lago no dia seguinte e tocar flauta. Para mim, isso é utopia. No amor, no campo, na natureza, com o lago e o céu. Isso é o suficiente. Você não precisa de qualquer outra coisa".

Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Uma conversa entre Rei Kawakubo e Björk

“Essa entrevista poderia ser chamada de Folclore do Futuro ou algo envolvendo a palavra "folclore"?”. Essa foi uma solicitação de Björk antes da Interview Magazine publicar em outubro de 2019 uma conversa por e-mail inédita entre ela e Rei Kawakubo, fundadora da marca Comme des Garçons e da Dover Street Market. Confira a tradução completa do bate-papo:
BJÖRK: Querida Rei, estou muito honrada por termos essa conversa! Você é uma das pessoas que eu mais admiro, estou emocionada que isso esteja acontecendo. Estava pensando onde os interesses de nós duas se sobrepõem e, por algum motivo, comecei a pensar nas raízes, no folclore, ou na falta dele. Você mencionou em uma entrevista de 1982, que queria se afastar das influências folclóricas da moda japonesa. Acho isso muito interessante. Sempre achei que as culturas japonesa e islandesa têm  coisas em comum que, quando o budismo e o cristianismo chegaram, foram feitas com menos violência do que em outros países, o que serviu de pont…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

Em 1997, Björk já pensava em trabalhar com a realidade virtual

Vulnicura VR é o primeiro álbum em realidade virtual da história. Nele, cada experiência musical faz parte de um todo maior; uma narrativa visual que une cada canção. No entanto, segundo a edição de setembro de 2019 da Crack Magazine, esta não foi a primeira tentativa de Björk em querer dar vida a um projeto com esse tipo de tecnologia. Nos anos 90, quando a ferramenta começava a ganhar visibilidade, a islandesa quis criar uma experiência semelhante para o álbum Homogenic. Na época, muitos estudiosos acreditavam que os VRs seriam a próxima grande mudança de paradigma da humanidade após a Internet. Mas ficou como promessa, já que além de cara, não estava desenvolvida o suficiente para materializar as ideias da cantora, não para o mundo que ela queria construir. A artista acredita que a realidade virtual ficou por muito tempo em segundo plano.
Só em 2013, os primeiros headseats especializados foram lançados. Então, Björk e seu diretor criativo (e braço direito) James Merry entraram em c…