Pular para o conteúdo principal

Emocionante: Björk responde à perguntas interessantes em novo trecho de entrevista


Se você tivesse a oportunidade, o que perguntaria a Björk? Para a edição de Outono de 2017 da Dazed & Confused Magazine, artistas como Arca, Michel Gondry, Eileen Myles, Hans-Ulrich Obrist e Haxan Cloak, alguns que até já colaboraram com a islandesa ao longo dos anos, fizeram uma série de questionamentos:

HAXAN CLOAK

Haxan Cloak: Como você define relevância em relação à música? 'Ficar relevante' é uma frase frequentemente usada ao discutir artistas que tiveram carreiras longas. A relevância parece ser um termo tão subjetivo, então eu me pergunto qual música você consideraria "relevante" e como você vê sua própria música dentro disso?

Björk: Essa é uma boa pergunta. Eu acho que uma resposta sincera e simples sobre isso é que sou atraída a fazer coisas que eu sinto que são eternas. Às vezes surgem coisas novas e eu sinto que as reconheço de alguma forma, como se fosse a música que sempre quis ouvir, mas que eu só estava esperando que alguém fizesse. Ou talvez sempre existiu e alguém simplesmente teve que recriar, mas talvez seja uma questão de gosto também, sabe? Para ser menos profunda! Eu sinto que com um monte de coisas que surgiram no início dos anos 2000, encontrei uma maior dificuldade em me relacionar com aquelas novidades. E depois, nos últimos cinco anos, houve montanhas e montanhas de coisas novas que eu absolutamente adorei! Sinto que essa geração foi ainda mais ao núcleo e conseguiu manter os melhores fragmentos do que a minha geração fez, e depois adicionou alguns outros elementos.


JENNY HVAL

Jenny Hval: Qual é a conexão entre a música e a magia? (Esta questão é parcialmente inspirada na série de quadrinhos Promethea de Alan Moore).

Björk: Eu não li esse livro, mas parece incrível! Obviamente, eu pretendo ligar as duas coisas sempre que possível e ter os melhores resultados. Procuro encontrar a música certa para tocar na minha casa, no meu carro ou o que for no meu cotidiano para curtir e elevar o momento, sem que seja algo agressivo ou passivo. Eu diria que faço essa pesquisa sem parar! Se acontece durante um show, uma dança em uma boate ou preparando canções para as pessoas, faço o meu melhor para fundir as duas coisas.
 

SERPENTWITHFEET

Serpentwithfeet: Seu trabalho tem sido uma bússola implacável para mim ao longo dos anos. Para ser bem honesto, suas palavras deram uma base a muitos de nós. "Unravel", "Hyperballad" e "Lionsong" são apenas alguns monumentos de Björk na minha vida. Mas, obviamente, você nos ensinou muitas lições com todas as suas músicas. Há dias em que se tornar transparente é algo exaustivo?

Björk: Muito obrigada do fundo do meu coração! Isso significa muito para mim! E, absolutamente, tento sem parar encontrar o equilíbrio, mas não é algo que não é para ser fácil para todos nós? Não são as escolhas que fazemos que nos tornam quem somos? Eu provavelmente ainda a farei até no meu último dia de vida. Esse dia começará comigo tentando decidir se quero um cappuccino duplo pela manhã e conquistar o mundo, ou abraçar com calma o yoga introvertido...


MITSKI

Mitski: Quanta confiança você coloca em seu público e o quanto eles importam para você durante as suas apresentações ao vivo? Às vezes, quando eu toco e é óbvio que a plateia só está lá para se divertir, sinto que existe uma parede entre mim e eles, e acabo tendo crises existenciais sobre isso. Eu sei que muito disso tem a ver com o ego, mas quando você pegou um avião para ir até lá e não tem dormido bem há dias, e então faz um show onde nada parece se conectar, é fácil imaginar o que e para quem exatamente você está se apresentando.

Björk: Hmm... Eu acho que é por isso que sempre pedi para tocar cedo! Muitas das minhas músicas são lentas, então, mesmo quando estou sendo a headliner de um festival, pergunto se posso me apresentar ao anoitecer. Eu verifico a que horas o sol vai se por e tento começar meu set ao anoitecer, então começa a ficar escuro até a metade do show, então você pode terminá-lo com as faixas mais agitadas. As primeiras músicas podem ser embaraçosamente lentas, mas isso faz com que fiquem aqueles que conseguem encará-las e que querem concentrar-se em permanecer até o final, e os outros vão embora. Portanto, eu entendo você! O que é mais irritante para nós músicos são os telefones - pessoas que ficam mandando mensagens ou tirando fotos. Isso meio que quebra a magia!

MICHEL GONDRY 

Michel Gondry: Alfred Hitchcock não é meu diretor favorito, mas ele fez muitos filmes. Existem duas fotos muito famosas dele: uma na qual ele está empilhando todos os roteiros de seus filmes como uma torre e outra em que ele alinhou todas os rolos de filme no chão. Existe uma Björk agora, mas tiveram muitas Björks no passado. Você as vê empilhadas, como a primeira foto, ou alinhadas, como na segunda? Em outras palavras, a versão alinhada ilustra mais claramente a noção de tempo e a torre é mais como estar dentro de um tronco de uma árvore ou em camadas de sujeira na floresta. Existe apenas uma Björk que cresceu?

Björk: Ha, essa é uma pergunta incrível! Eu acho que nos vejo um pouco como um planeta com nossas vidas orbitando em torno de nós como a lua, e o truque é de alguma forma livrar-se de bagagens desnecessárias. Se não pudermos processar coisas, a nossa lua vai para a órbita e implodiremos, e se ficamos tão neuróticos ou envolvidos na loucura, nossa lua deixa sua órbita no espaço. Isso faz sentido? Então, isso significa que eu não estaria de volta a nenhum desses 'catálogos' antigos, hahaha. Também explica por que a minha exposição digital se adequa melhor ao meu personagem do que as retrospectivas gigantes.

HANS-ULRICH OBRIST

Hans-Ulrich Obrist: Qual é o seu projeto não realizado? Qual é o seu sonho?

Björk: Eu tenho muitas coisas que eu gostaria de fazer. Droga, acho que já engoli que não farei tudo antes de eu morrer, então tenho tentado ver o que é prioridade para mim. Quero escrever o maior número de canções diferentes, verdadeiras e comemorativas
que eu puder, e não apenas deixá-las deitadas dentro de mim, sem verem a luz do dia. Porque este universo é realmente um espetáculo magnífico, e precisa ser espelhado.

ARCA

Arca: Uma das coisas mais inspiradoras que já presenciei foi ver a maneira com a qual você lida com a vida, como sua atitude em relação a nutrir e solucionar o que, parece ser algo sem saída terminar como uma matéria-prima. Inúmeras vezes eu vi você transformar as coisas olhando além do óbvio com mente aberta, criando uma maneira de harmonizar situações de uma maneira mais divertida. Encontrar uma maneira de fazer tudo funcionar junto significa acreditar em considerar todas as possibilidades e depois escolher. Você se importaria em tentar explicar o que essa atitude significa para você como artista e como ser humano?

Björk: Obrigada! Esse é um dos elogios mais exuberantes que já recebi, especialmente de alguém como você! É que às vezes as coisas parecem bastante caóticas, então não sinto que estou fazendo um trabalho muito bom. Mas acho que a vida é caótica em sua natureza e é preciso cooperar com esse caos. Não se pode retirar, isolar e criar uma vida disciplinada e forçada fora disso. Você e eu falamos muito sobre como o elemento feminino em nós foi subestimado e desprezado, mas queremos atualizar isso! E nos orgulhamos de ser as rainhas de conectar todos os pontos e criar um fluxo entre as coisas. Deve haver equilíbrio entre tantos elementos quanto o possível, para que nossos mundos pessoais funcionem com aquele grande exterior.

EILEEN MYLES

Eileen Myles: Você tem alguma visão de você como uma artista realmente antiga? O que você vai estar fazendo?

Björk: Na verdade, eu sempre tive uma melhor noção do que eu faria depois do que o agora. Eu adoraria apenas escrever músicas, sair com meus familiares e amigos na natureza, cozinhar, caminhar e dançar. Eu gostaria de uma vida mais simples do que agora, então meio que estou fazendo meu dever de casa, experimentando o máximo para que eu possa ter esses momentos mais calmos depois, e escrever sobre isso.
 

O novo álbum de Björk será lançado ainda em 2017. Fique ligado!

Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Uma conversa entre Rei Kawakubo e Björk

“Essa entrevista poderia ser chamada de Folclore do Futuro ou algo envolvendo a palavra "folclore"?”. Essa foi uma solicitação de Björk antes da Interview Magazine publicar em outubro de 2019 uma conversa por e-mail inédita entre ela e Rei Kawakubo, fundadora da marca Comme des Garçons e da Dover Street Market. Confira a tradução completa do bate-papo:
BJÖRK: Querida Rei, estou muito honrada por termos essa conversa! Você é uma das pessoas que eu mais admiro, estou emocionada que isso esteja acontecendo. Estava pensando onde os interesses de nós duas se sobrepõem e, por algum motivo, comecei a pensar nas raízes, no folclore, ou na falta dele. Você mencionou em uma entrevista de 1982, que queria se afastar das influências folclóricas da moda japonesa. Acho isso muito interessante. Sempre achei que as culturas japonesa e islandesa têm  coisas em comum que, quando o budismo e o cristianismo chegaram, foram feitas com menos violência do que em outros países, o que serviu de pont…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

Em 1997, Björk já pensava em trabalhar com a realidade virtual

Vulnicura VR é o primeiro álbum em realidade virtual da história. Nele, cada experiência musical faz parte de um todo maior; uma narrativa visual que une cada canção. No entanto, segundo a edição de setembro de 2019 da Crack Magazine, esta não foi a primeira tentativa de Björk em querer dar vida a um projeto com esse tipo de tecnologia. Nos anos 90, quando a ferramenta começava a ganhar visibilidade, a islandesa quis criar uma experiência semelhante para o álbum Homogenic. Na época, muitos estudiosos acreditavam que os VRs seriam a próxima grande mudança de paradigma da humanidade após a Internet. Mas ficou como promessa, já que além de cara, não estava desenvolvida o suficiente para materializar as ideias da cantora, não para o mundo que ela queria construir. A artista acredita que a realidade virtual ficou por muito tempo em segundo plano.
Só em 2013, os primeiros headseats especializados foram lançados. Então, Björk e seu diretor criativo (e braço direito) James Merry entraram em c…