Pular para o conteúdo principal

Björk explica sua relação com Arca na criação das canções de seu novo álbum


Björk descreveu seu último álbum, "Vulnicura", como algo sobre muita tristeza, enquanto "The Gate" é um single mais leve.

"Você acabará por flutuar na superfície se tornando leve e macio. Esta música é uma documentação disso (...) É quase como uma coisa metafísica, onde a ferida do desgosto se restaura. Quando se está ao lado de pessoas que você ama, existe uma troca maior de energia".

Andrew Thomas Huang, diretor do novo videoclipe de Björk, que estreia amanhã no site do "NOWNESS", descreve o vestido da islandesa no clipe como um personagem em si, que configura grande parte do idioma visual do projeto. Segundo ele, é a partir daí que se recuperam as correntes e energias saudáveis ​​aprendendo a amar novamente.

Sobre como se sente com colaborações, a cantora declarou: "Eu sou apenas uma pessoa muito impulsiva. Realmente aguento com dificuldade. Meu relacionamento com Andy Huang é muito diferente do meu com James Merry. Parte disso é sobre deixar o ego de lado, algo que aprendi no meu passado em bandas. Se alguém quisesse fazer um cartaz para um livro de poesia, todos fariam isso juntos. Foi assim por 10 anos".

Mas para a artista também é importante passar um bom tempo sozinha: "Passei muito do meu tempo organizando as músicas e fazendo as melodias. É quando tiro um tempo para mim, algo que eu realmente não falo (tanto nas entrevistas)".

Quando Björk e Arca começaram a trabalhar juntos em "Vulnicura", a maior parte das músicas do álbum já estavam prontas. "Notget" foi a primeira que os dois escreveram e produziram em parceria. Depois de alguns shows emocionalmente pesados, segundo a artista, ela sentiu que eles tinham uma chance de fazerem alguns mais leves no futuro.

Arca tirou os "velhos lados instrumentais" de Björk, que ele havia escutado quando criança em suas canções e os dois usaram disso como "coordenadas" para as novas músicas, o que não significa que o novo álbum não tenha a visão da cantora.

"Eu obviamente vi nele um músico gigantesco. Senti que ele entrou no meu mundo com tanta elegância e dignidade, que eu queria que nos encontrássemos em uma base semelhante. Com certeza é o meu álbum, e ele faz os dele, mas, como músicos, decidimos entrar neste outro mundo, essa outra ilha. É um tipo de sobreposição de Arca e Björk".

A atmosfera do novo álbum é inteiramente sobre o ar, porque os dois decidiram incluir sintetizadores, e em alguns momentos as flautas soam sintetizadas.

Essa sobreposição é mais do que uma parceria musical, existe também uma conexão espiritual: "O lugar no qual mantemos nossa alegria é muito semelhante, e onde mantemos nosso lado mais escuro não é tão diferente".

- Entrevista ao "NOWNESS".

Ative as legendas e assista ao vídeo da entrevista completa:



Comente com outros fãs:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Museu da Imagem e do Som confirma a exposição "Björk Digital" em São Paulo

Inédita no Brasil, a exposição Björk Digital celebra o trabalho e o universo criativo da artista islandesa. Dividida em sessões compostas por experiências de realidade virtual e elementos audiovisuais imersivos, a mostra chega ao MIS em junho, depois de passar por cidades como Tóquio, Sidney e Londres.
Trazida em parceria com a produtora Dueto, a exposição é apresentada pelo Ministério da Cidadania e Vivara, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. O MIS é uma instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.

Detalhes sobre datas e ingressos ainda não foram revelados.

A informação já havia sido adiantada em julho do ano passado na coluna de Lauro Jardim no Globo. A Dueto, produtora de Monique Gardenberg, foi a responsável por dois dos três festivais que trouxeram nossa amada ao Brasil. Aliás, em 2007, quando esteve no país com o show Volta, a cantora também compareceu à pré-estreia do filme O Passado, do diretor Hector Babenco, como convidada de M…

Cineasta argentina Lucrecia Martel, dirigirá novo show de Björk

Cornucopia, o novo show de Björk, estreia em maio no The Shed, em Nova Iorque! Inclusive, esse lugar que receberá a mini residência promete ser um dos espaços culturais mais importantes da cidade, principalmente por ter a capacidade de se transformar fisicamente ao criar ambientes dinâmicos de acordo com as visões dos artistas que ali aparecem nos próximos anos. 
A temporada de oito concertos ganhou novos detalhes muito interessantes. A cineasta argentina Lucrecia Martel se juntou ao time de colaboradores da islandesa e dirigirá o espetáculo. 


Internacionalmente reconhecida como uma das mais importantes peças do cinema latino-americano, Martel obteve sucesso de crítica em seu trabalho, incluindo Zama, seu mais recente filme lançado em 2017. Entre suas obras, destacam-se também: La Ciénaga (2001), A Menina Santa (2004) e A Mulher sem Cabeça (2008). Confira mais detalhes clicando aqui
Lucrecia e a Rei Cine, produtora argentina que a representa, emitiram uma declaração à imprensa desta…

Edital do CCBB indica que a exposição Björk Digital virá ao Brasil

E não é que era verdade mesmo? Em julho, em sua coluna no O Globo, o jornalista Lauro Jardim comentou em primeira mão sobre as grandes chances da Björk Digital passar pelo Brasil. 
Na época, as negociações já estariam bem avançadas e na fase de captação de recursos. Ele citou a produtora Dueto, de Monique Gardenberg, como uma das interessadas em trazer a mostra ao país. Em 2007; a diretora, produtora cultural e cineasta brasileira convidou junto do diretor Hector Babenco a própria Björk para a pré-estreia do filme "O Passado", quando a cantora esteve no Brasil com a turnê do álbum Volta. As duas já se conheciam das outras passagens da artista por aqui, em 1996 e 1998 com os shows de Post e Homogenic. A Dueto Produções foi, inclusive, a responsável por dois dos três festivais que a trouxeram ao Brasil.
No entanto, na tarde de hoje (28/11), fomos surpreendidos com a possível indicação de que tudo realmente vai acontecer, mas com a ajuda também de outras pessoas! O projeto é c…