Pular para o conteúdo principal

Björk explica sua relação com Arca na criação das canções de seu novo álbum


Björk descreveu seu último álbum, "Vulnicura", como algo sobre muita tristeza, enquanto "The Gate" é um single mais leve.

"Você acabará por flutuar na superfície se tornando leve e macio. Esta música é uma documentação disso (...) É quase como uma coisa metafísica, onde a ferida do desgosto se restaura. Quando se está ao lado de pessoas que você ama, existe uma troca maior de energia".

Andrew Thomas Huang, diretor do novo videoclipe de Björk, que estreia amanhã no site do "NOWNESS", descreve o vestido da islandesa no clipe como um personagem em si, que configura grande parte do idioma visual do projeto. Segundo ele, é a partir daí que se recuperam as correntes e energias saudáveis ​​aprendendo a amar novamente.

Sobre como se sente com colaborações, a cantora declarou: "Eu sou apenas uma pessoa muito impulsiva. Realmente aguento com dificuldade. Meu relacionamento com Andy Huang é muito diferente do meu com James Merry. Parte disso é sobre deixar o ego de lado, algo que aprendi no meu passado em bandas. Se alguém quisesse fazer um cartaz para um livro de poesia, todos fariam isso juntos. Foi assim por 10 anos".

Mas para a artista também é importante passar um bom tempo sozinha: "Passei muito do meu tempo organizando as músicas e fazendo as melodias. É quando tiro um tempo para mim, algo que eu realmente não falo (tanto nas entrevistas)".

Quando Björk e Arca começaram a trabalhar juntos em "Vulnicura", a maior parte das músicas do álbum já estavam prontas. "Notget" foi a primeira que os dois escreveram e produziram em parceria. Depois de alguns shows emocionalmente pesados, segundo a artista, ela sentiu que eles tinham uma chance de fazerem alguns mais leves no futuro.

Arca tirou os "velhos lados instrumentais" de Björk, que ele havia escutado quando criança em suas canções e os dois usaram disso como "coordenadas" para as novas músicas, o que não significa que o novo álbum não tenha a visão da cantora.

"Eu obviamente vi nele um músico gigantesco. Senti que ele entrou no meu mundo com tanta elegância e dignidade, que eu queria que nos encontrássemos em uma base semelhante. Com certeza é o meu álbum, e ele faz os dele, mas, como músicos, decidimos entrar neste outro mundo, essa outra ilha. É um tipo de sobreposição de Arca e Björk".

A atmosfera do novo álbum é inteiramente sobre o ar, porque os dois decidiram incluir sintetizadores, e em alguns momentos as flautas soam sintetizadas.

Essa sobreposição é mais do que uma parceria musical, existe também uma conexão espiritual: "O lugar no qual mantemos nossa alegria é muito semelhante, e onde mantemos nosso lado mais escuro não é tão diferente".

- Entrevista ao "NOWNESS".

Ative as legendas e assista ao vídeo da entrevista completa:



Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Para a Folha de São Paulo, Björk fala sobre o envelhecimento de sua voz

Na próxima terça-feira, 18 de junho de 2019, a exposição Björk Digital chega a São Paulo no Museu da Imagem e do Som (adquira ingressos clicando AQUI). Boa parte das datas já estão, inclusive, esgotadas! Em processo de divulgação do projeto, a cantora islandesa concedeu uma entrevista exclusiva para a Folha,em uma conversa por telefone direto de sua casa na Islândia. A matéria é de Diogo Bercito. Confira:
Björk discutiu alguns tópicos, como o estado atual de seus vocais: Ela vem cantando com tons abaixo das versões de seus discos já há alguns anos: "Deixo que a minha voz envelheça". A artista ainda se mostrou tranquila sobre a passagem de tempo natural da vida, e criticou a discriminação que a maioria das mulheres sofrem dando como exemplo Frank Sinatra e Johnny Cash, que puderam envelhecer sem esse tipo de cobrança do público, que parecia considerar suas vozes ainda mais charmosas com o avanço da idade. Enquanto, Whitney Houston era ridicularizada por não conseguir mais ca…

5 motivos para não perder a exposição Björk Digital em São Paulo

Como já noticiamos aqui, a exposição Björk Digital virá ao Brasil em uma temporada de dois meses no Museu da Imagem do Som, em São Paulo. Entre 18* de junho e 18 de agosto, a mostra estará nas instalações do Espaço Redondo e do Espaço Expositivo do centro cultural, com uma série de atividades interativas que prometem captar a emoção do público, como já aconteceu com os mais de 400 mil visitantes nos últimos 3 anos, nos 12 países que receberam o projeto!
A abertura para o público geral será no dia 19/06*.
Você ainda está em dúvida se deve comparecer ou não? O Björk BR separou uma lista com 5 motivos para não perder a vinda do trabalho audiovisual da islandesa ao nosso país: Em outras palavras, o próprio conteúdo! 1. Sessão de cinema  Tão famosos quanto as canções de Björk são seus clipes lendários! A obra assinada por ela em colaboração com diretores renomados, conquistou muitas pessoas e revolucionou a música pop nos últimos 26 anos, e está na programação da exposição da cantora. Mas …

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre estas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.

1996 - Post Tour:
SETLIST: Army of Me/One Day/The Modern Things/Venus as a Boy/You've Been Flirting Again/Isobel/Possibly Maybe/I Go Humble/Big Time Sensuality/Hyperballad/Human Behaviour/The Anchor Song/I Miss You/Crying/Violently Happy/It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser mu…