Pular para o conteúdo principal

Versão brasileira do musical "Dançando no Escuro" estreia em Outubro no Rio


Quer chorar? A montagem brasileira do musical “Dançando no Escuro”, versão teatral do filme de Lars von Trier, estreia no dia 19 de outubro no Sesc Ginástico, no Rio. A adaptação ao palco, do nova-iorquino Patrick Ellsworth, ganhou tradução de Elidia Novaes, direção de Dani Barros (atriz de “Estamira, Beira do Mundo”) e direção musical de Marcelo Alonso Neves.

É Juliane Bodin quem interpreta a protagonista (papel de Björk no cinema), mulher com uma doença degenerativa que a leva à cegueira.

A iluminação da peça acompanha o drama da personagem: vai escurecendo à medida que ela perde a visão. A encenação também joga com o som, em momentos audíveis e silenciosos (alguns com audiodescrição).

A temporada no Rio vai até 19 de novembro.
| Via Folha de São Paulo.

Enquanto isso, o filme será exibido em Campinas em 21/09. Saiba mais informações clicando AQUI. Tem que ter coragem, viu? É de cortar o coração, migos.


Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Kórsafn: Björk compõe trilha sonora para hotel

Björk anunciou a realização de um novo projeto: Kórsafn (Arquivos de Coral). Em parceria com a Microsoft e o hotel Sister City, de Nova York, a artista abriu seus arquivos para mostrar alguns dos arranjos de corais que criou ao longo da carreira. 
Música ambiente - Funciona da seguinte forma: As pessoas que entrarem no hotel, ouvirão trechos de várias dessas composições da cantora. Algumas delas são gravações do Hamrahlid Choir, um aclamado coral islandês de 50 pessoas, que é considerado um tesouro nacional e no passado já teve a própria Björk como integrante. Aliás, eles saíram em turnê com ela em 2019, em Cornucopia.

A tecnologia usada permitirá que novas combinações sejam criadas todos os dias. Em constante evolução, a captação será alimentada também por uma câmera na torre do Sister City, na intenção de identificar os sons de tudo aquilo que estiver acima do hotel, em cada estação do ano e em eventos climáticos, com uma riqueza muito grande de detalhes. Por exemplo: Reagindo a cada…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

10 curiosidades sobre Björk

Dez coisas que aprendemos sobre Björk em sua entrevista para Lauren Laverne na Rádio BBC.
1 - Ela já pensou em ser uma apresentadora de um programa de rádio:
Björk está na indústria da música durante a maior parte de sua vida. Seu primeiro lançamento oficial, um álbum auto-intitulado que consiste em uma mistura de covers traduzidos para o islandês e algumas músicas originais, foi lançado em 1977, quando ela tinha apenas 12 anos de idade. Sendo assim, Lauren perguntou se Björk considerou outras carreiras. Aparentemente, ela teria gostado de ser uma apresentadora de rádio, como Lauren.
"Eu queria ter um programa de rádio onde eu diria às pessoas sobre músicas que elas não ouviram", disse ela. Na falta disso, ela comenta que gostaria de ter sido professora de música ou praticamente qualquer coisa, desde que envolvesse música.
2 - Ela pensa bastante sobre os títulos de seus álbuns:
Ela geralmente pensa nos títulos de seus álbuns enquanto os grava e, pouco tempo antes do seu lança…