Pular para o conteúdo principal

Björk na conferência de imprensa de sua exposição na Polônia


Na manhã de hoje, durante a conferência de imprensa da "Björk Digital" na Polônia, Björk mais uma vez deu uma entrevista ao vivo via vídeo usando seu avatar do VR de "Family". Confira o que a artista disse:

"Quando percebo que um amigo tem algum potencial, também vejo que isso reflete em mim", possivelmente se referindo ao Arca.

Quando questionada sobre o quanto seus personagens são parte de sua personalidade, ela respondeu: "Na verdade, não sei. Eu uso "roupas teatrais", mas que também são reais, assim como eu, embora sejam uma espécie de fantasia. Estes dois mundos estão entrelaçados".

E é claro, também falou sobre o novo álbum, "Utopia", que segundo a "Discs-Japan" e a "Suruga-Ya", sites de duas lojas japonesas de vendas de discos, tem lançamento marcado para o dia 24 de novembro, o que não está confirmado: "A mixagem levou meses para ficar pronta. Eu tenho que trabalhar duro o tempo todo. Isso não é devido à minha teimosia ou egoísmo, é que tenho que trabalhar nas minhas músicas por um longo tempo. O que vocês veem com os VRs do "Vulnicura" são registros em vídeo de músicas que doem no meu peito, que machucam a minha família. Estou no processo de tratar esta ferida".

De acordo com Björk, fazer o "Vulnicura" foi doloroso, mas ainda assim um trabalho fácil de mixar, enquanto "Utopia" foi totalmente o contrário. Ela classifica o processo de composição do novo álbum como algo muito divertido, e o descreveu como "fofo", "aéreo" e "cheio de luz".

Baseada em pesquisas que fez com James Merry, Björk disse que algumas mitologias antigas em que mulheres levavam suas crianças e flautas para ilhas desertas, lugares onde não havia violência, serviram de inspiração para compor o tema do álbum, o que teria formado uma espécie de balança entre luz e escuridão, feminino e masculino, além da "Kundalini Yoga", que Björk diz praticar há mais de 10 anos, e que também foi uma forte influência para o projeto visual de "Vulnicura" e "The Gate".

A islandesa ainda revelou que seu próximo videoclipe será bem diferente do de "The Gate", e que "Utopia" não é apenas um álbum cercado de otimismo, pois também tem seu lado voltado para a "escuridão". Diversos arranjos diferentes de flautas foram preparados para as músicas deste projeto, no entanto, vários não foram usados.



Saiba mais:
- Confirmados os primeiros shows após o lançamento do novo single. A cantora deve cantar novas músicas durante as apresentações.
- Atualização do catálogo de Björk no Spotify para o Brasil.
- Björk na capa da versão especial da "W Magazine" para colecionadores. 


Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição Björk Digital em cartaz no Rio de Janeiro

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

Björk já quase saiu em turnê com o Radiohead

Em 1998, Björk e o Radiohead estavam fazendo shows pelo mundo divulgando Homogenic e Ok Computer, respectivamente. Hoje, ambos os álbuns são clássicos na discografia desses artistas. Em abril daquele mesmo ano, eles iriam unir forças no palco em quatro apresentações em arenas na América do Norte. Os ingressos já tinham sido colocados à venda, inclusive, com uma data marcada no lendário Radio City Music Hall, em Nova York. 
Mas dois meses antes da primeira performance, a participação da islandesa na turnê do grupo foi cancelada. Em comunicado veiculado na revista NME, com o posicionamento dela e da banda, o motivo foi revelado: "Os cenários dos shows de cada um deles são mais do que elaborados, com muitas configurações técnicas no som. Isso exigiria que o público esperasse bastante tempo entre os sets", explicou a assessoria.



Ainda de acordo com a nota, a demora seria de aproximadamente uma hora, algo que tanto o Radiohead quanto a Björk achavam inaceitável para seus fãs. Um…