Pular para o conteúdo principal

Björk na conferência de imprensa de sua exposição na Polônia


Na manhã de hoje, durante a conferência de imprensa da "Björk Digital" na Polônia, Björk mais uma vez deu uma entrevista ao vivo via vídeo usando seu avatar do VR de "Family". Confira o que a artista disse:

"Quando percebo que um amigo tem algum potencial, também vejo que isso reflete em mim", possivelmente se referindo ao Arca.

Quando questionada sobre o quanto seus personagens são parte de sua personalidade, ela respondeu: "Na verdade, não sei. Eu uso "roupas teatrais", mas que também são reais, assim como eu, embora sejam uma espécie de fantasia. Estes dois mundos estão entrelaçados".

E é claro, também falou sobre o novo álbum, "Utopia", que segundo a "Discs-Japan" e a "Suruga-Ya", sites de duas lojas japonesas de vendas de discos, tem lançamento marcado para o dia 24 de novembro, o que não está confirmado: "A mixagem levou meses para ficar pronta. Eu tenho que trabalhar duro o tempo todo. Isso não é devido à minha teimosia ou egoísmo, é que tenho que trabalhar nas minhas músicas por um longo tempo. O que vocês veem com os VRs do "Vulnicura" são registros em vídeo de músicas que doem no meu peito, que machucam a minha família. Estou no processo de tratar esta ferida".

De acordo com Björk, fazer o "Vulnicura" foi doloroso, mas ainda assim um trabalho fácil de mixar, enquanto "Utopia" foi totalmente o contrário. Ela classifica o processo de composição do novo álbum como algo muito divertido, e o descreveu como "fofo", "aéreo" e "cheio de luz".

Baseada em pesquisas que fez com James Merry, Björk disse que algumas mitologias antigas em que mulheres levavam suas crianças e flautas para ilhas desertas, lugares onde não havia violência, serviram de inspiração para compor o tema do álbum, o que teria formado uma espécie de balança entre luz e escuridão, feminino e masculino, além da "Kundalini Yoga", que Björk diz praticar há mais de 10 anos, e que também foi uma forte influência para o projeto visual de "Vulnicura" e "The Gate".

A islandesa ainda revelou que seu próximo videoclipe será bem diferente do de "The Gate", e que "Utopia" não é apenas um álbum cercado de otimismo, pois também tem seu lado voltado para a "escuridão". Diversos arranjos diferentes de flautas foram preparados para as músicas deste projeto, no entanto, vários não foram usados.



Saiba mais:
- Confirmados os primeiros shows após o lançamento do novo single. A cantora deve cantar novas músicas durante as apresentações.
- Atualização do catálogo de Björk no Spotify para o Brasil.
- Björk na capa da versão especial da "W Magazine" para colecionadores. 


Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

5 motivos para não perder a exposição Björk Digital em São Paulo

Como já noticiamos aqui, a exposição Björk Digital virá ao Brasil em uma temporada de dois meses no Museu da Imagem do Som, em São Paulo. Entre 18* de junho e 18 de agosto, a mostra estará nas instalações do Espaço Redondo e do Espaço Expositivo do centro cultural, com uma série de atividades interativas que prometem captar a emoção do público, como já aconteceu com os mais de 400 mil visitantes nos últimos 3 anos, nos 12 países que receberam o projeto!
A abertura para o público geral será no dia 19/06*.
Você ainda está em dúvida se deve comparecer ou não? O Björk BR separou uma lista com 5 motivos para não perder a vinda do trabalho audiovisual da islandesa ao nosso país: Em outras palavras, o próprio conteúdo! 1. Sessão de cinema  Tão famosos quanto as canções de Björk são seus clipes lendários! A obra assinada por ela em colaboração com diretores renomados, conquistou muitas pessoas e revolucionou a música pop nos últimos 26 anos, e está na programação da exposição da cantora. Mas …

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre estas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.

1996 - Post Tour:
SETLIST: Army of Me/One Day/The Modern Things/Venus as a Boy/You've Been Flirting Again/Isobel/Possibly Maybe/I Go Humble/Big Time Sensuality/Hyperballad/Human Behaviour/The Anchor Song/I Miss You/Crying/Violently Happy/It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser mu…

Em novas entrevistas, Björk fala sobre vontade de vir ao Brasil

Hoje, acontece a estreia da exposição Björk Digital em São Paulo, que inclui o novo videoclipe Tabula Rasa! E nossa islandesa aproveitou a ocasião para conceder novas entrevistas ao Brasil.
Em conversa por telefone e via e-mail com o jornal O Estado de São Pauloe o UOL, ela declarou: "Amo montanhas e escaladas, mas mando mensagens via celular para os meus amigos. Adoro praia, mas assisto à Netflix. Minha vida é 50% natureza e 50% tecnologia. Não prefiro uma coisa a outra".
Sobre a escolha dos trabalhos que compõem a mostra, ela diz que faz as coisas por instinto: "Porém, depois os motivos se tornam mais óbvios", afirma. "Vulnicura é um álbum emocionalmente alienante, isolador. É como quando algo terrível acontece com a gente e ligamos para um amigo para contar um segredo. Esse disco é uma ópera do coração partido de uma pessoa só. É muito difícil explorar a emoção dele. Nunca cantei nada desse disco em programas de TV por causa disso. Mas quando uma pessoa co…