Pular para o conteúdo principal

Encontrando Björk no Festival Internacional de Cinema em Reykjavík


Em reportagem especial para o site da Paste Magazine, o repórter Mark Rabinowitz relatou sua ida a Islândia para mais uma edição do Reykjavík International Film Festival, que aconteceu entre 28/09 e 08/10, e contou um pouco sobre seu encontro com Björk:

"Um dos benefícios de fazer parte do júri de um festival (além de poder visitar vários lugares), é o de estar entre os convidados, os cineastas e talvez um ou outro artista local conhecido, e foi assim que eu acabei em um jantar com Björk. Claro, qualquer pessoa que saiba o quanto a Islândia é pequena, espera dar de cara com ela em um pub da esquina, passeando com seu cachorro ou em uma piscina (os islandeses adoram mergulhar), e um colega meu, que já foi ao RIFF oito vezes, já até a tinha conhecido! Ela nos contou histórias sobre como foi mixar as canções de seu novo álbum, e depois nos levou para uma pequena festa de abertura de um festival local de artes.  

Ela disse ter trabalhado com duas engenheiras de som, sendo uma do Egito - o que é algo bastante raro na indústria da música, e revelou que elas se deixaram levar e acabaram fazendo 35 versões de cada música (até chegarem nas versões finais). Será lançado no mês que vem.

Foi a partir desse momento que eu percebi que na Islândia praticamente não existe essa "cultura da celebridade". Björk estava lá normalmente e ninguém se importou. Suas amigas nos disseram oi e ela nos apresentou, mas ela era simplesmente mais uma de nós, não uma vencedora do prêmio de Melhor atriz no Festival de Cannes. E isso prova que os islandeses não dão atenção a coisas que não são importantes, como o culto à celebridades. Eles gostam dela porque gostam dela (ou não), mas não tem nada a ver com ser famoso. Isso da fama também se estende ao ramo da política, como quando também conhecemos o presidente da Islândia em uma recepção em sua casa. Ele é um grande contador de histórias e, aparentemente, tem seu número disponível na lista telefônica".

Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição Björk Digital em cartaz no Rio de Janeiro

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

Björk já quase saiu em turnê com o Radiohead

Em 1998, Björk e o Radiohead estavam fazendo shows pelo mundo divulgando Homogenic e Ok Computer, respectivamente. Hoje, ambos os álbuns são clássicos na discografia desses artistas. Em abril daquele mesmo ano, eles iriam unir forças no palco em quatro apresentações em arenas na América do Norte. Os ingressos já tinham sido colocados à venda, inclusive, com uma data marcada no lendário Radio City Music Hall, em Nova York. 
Mas dois meses antes da primeira performance, a participação da islandesa na turnê do grupo foi cancelada. Em comunicado veiculado na revista NME, com o posicionamento dela e da banda, o motivo foi revelado: "Os cenários dos shows de cada um deles são mais do que elaborados, com muitas configurações técnicas no som. Isso exigiria que o público esperasse bastante tempo entre os sets", explicou a assessoria.



Ainda de acordo com a nota, a demora seria de aproximadamente uma hora, algo que tanto o Radiohead quanto a Björk achavam inaceitável para seus fãs. Um…