Pular para o conteúdo principal

10 curiosidades sobre Björk


Dez coisas que aprendemos sobre Björk em sua entrevista para Lauren Laverne na Rádio BBC.

1 - Ela já pensou em ser uma apresentadora de um programa de rádio:

Björk está na indústria da música durante a maior parte de sua vida. Seu primeiro lançamento oficial, um álbum auto-intitulado que consiste em uma mistura de covers traduzidos para o islandês e algumas músicas originais, foi lançado em 1977, quando ela tinha apenas 12 anos de idade. Sendo assim, Lauren perguntou se Björk considerou outras carreiras. Aparentemente, ela teria gostado de ser uma apresentadora de rádio, como Lauren.

"Eu queria ter um programa de rádio onde eu diria às pessoas sobre músicas que elas não ouviram", disse ela. Na falta disso, ela comenta que gostaria de ter sido professora de música ou praticamente qualquer coisa, desde que envolvesse música.

2 - Ela pensa bastante sobre os títulos de seus álbuns:

Ela geralmente pensa nos títulos de seus álbuns enquanto os grava e, pouco tempo antes do seu lançamento, passa por um processo de ter "cerca de mil ideias em um momento que seu cérebro parece que vai implodir e fazer fumaça quando o título definitivo está por vir".

Quanto a escolher "Utopia" como o nome de seu novo álbum, ela sente que "foi bom que isso fosse um clichê" porque sua música "é estranha o bastante como isso", e que o álbum permite que as pessoas pensem: "Eu deveria estar ouvindo algo que eu não ouvi antes, então está certo". 

Ela também acredita que o otimismo deste título se reflete na música presente no álbum, mas que ela não é ingênua, pois sabe que se queremos experimentar alegria em nossas vidas, então devemos criá-la nós mesmos. "Temos que trazer a iniciativa. Não podemos esperar que venha de outro lugar".

3 - Ela adora colaborar com outros músicos:

Björk acredita que colaborar com as pessoas certas pode dar uma confiança que não necessariamente existe quando se está trabalhando sozinho. A música de "Utopia" veio de uma "brincadeira musical" que ela compartilhou com Arca e que eles "encorajaram um ao outro para que tomassem as decisões mais valentes".

4 - Ela não é muito sentimental sobre as maneiras de se consumir música:

"Nós temos que lembrar que coisas como pubs onde aconteciam shows, CDs, ou essas maneiras de como se consumia música, não é uma norma. Isso foi apenas uma sugestão". Ela acredita que o mais importante é nos perguntarmos como gostaríamos de ouvir nossos artistas favoritos. "Bom, eu adoraria ficar ao lado deles enquanto cantassem para mim no meu ouvido. Ou nadar e ao sair da água, me deparar com um coral".

5 - Ela gosta que seus colaboradores sejam creditados com os títulos de trabalho adequados:

"Eu e James Merry trabalhamos juntos há oito anos, e ele mora na Islândia, e seu "título de trabalho" continua mudando. Agora nós decidimos que ele será chamado de Co-Diretor Visual Criativo, e somos só nós dois".

6 - Ela é uma grande defensora da ideia de natureza e tecnologia trabalhando em harmonia:

Ela acha que o tipo de utopia em que todos gostaríamos de viver é uma em que estaríamos "na natureza, mas com muitas ferramentas que limpariam os oceanos e a toxicidade do ar". Também lembrou que isso é algo sobre o qual ela vem falando há vinte anos.

7 - Ela ama a Rihanna:

"Eu amo a Rihanna. Ela é a melhor!".

8 - Björk acha que não há tempo suficiente para fazer tudo o que ela quer fazer:

"Eu acho que isso é algo negativo. Queria que tivesse cinco versões minhas para fazer as coisas que eu quero fazer. É que eu acabo ficando sem energia para fazer todas as coisas que desejo. Ela ainda disse que fica impaciente demais para executar uma ideia porque sua cabeça já está de olho na próxima.

9 - Ela tenta não ouvir sua própria música:

Por tocar, na maioria das vezes, com músicos diferentes em suas turnês, Björk acaba verificando seu material antigo com certa frequência para ver quais músicas se encaixam com um novo projeto.

"Eu já as escutei tantas vezes. Tento ouvir o mínimo possível, porque, obviamente, o processo de mixagem quase faz entorpecer".

10 - Ela se mostra otimista sobre o futuro:

Ela observa as coisas acontecendo ao redor dela e isso lhe dá esperança, como uma adolescente que acabou de inventar uma maneira engenhosa de limpar o oceano. "Não será um mundo do século 19 ou do século 20. Será um mundo novo com menos animais, mas definitivamente com um caminho a se seguir".


Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Uma conversa entre Rei Kawakubo e Björk

“Essa entrevista poderia ser chamada de Folclore do Futuro ou algo envolvendo a palavra "folclore"?”. Essa foi uma solicitação de Björk antes da Interview Magazine publicar em outubro de 2019 uma conversa por e-mail inédita entre ela e Rei Kawakubo, fundadora da marca Comme des Garçons e da Dover Street Market. Confira a tradução completa do bate-papo:
BJÖRK: Querida Rei, estou muito honrada por termos essa conversa! Você é uma das pessoas que eu mais admiro, estou emocionada que isso esteja acontecendo. Estava pensando onde os interesses de nós duas se sobrepõem e, por algum motivo, comecei a pensar nas raízes, no folclore, ou na falta dele. Você mencionou em uma entrevista de 1982, que queria se afastar das influências folclóricas da moda japonesa. Acho isso muito interessante. Sempre achei que as culturas japonesa e islandesa têm  coisas em comum que, quando o budismo e o cristianismo chegaram, foram feitas com menos violência do que em outros países, o que serviu de pont…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

Em 1997, Björk já pensava em trabalhar com a realidade virtual

Vulnicura VR é o primeiro álbum em realidade virtual da história. Nele, cada experiência musical faz parte de um todo maior; uma narrativa visual que une cada canção. No entanto, segundo a edição de setembro de 2019 da Crack Magazine, esta não foi a primeira tentativa de Björk em querer dar vida a um projeto com esse tipo de tecnologia. Nos anos 90, quando a ferramenta começava a ganhar visibilidade, a islandesa quis criar uma experiência semelhante para o álbum Homogenic. Na época, muitos estudiosos acreditavam que os VRs seriam a próxima grande mudança de paradigma da humanidade após a Internet. Mas ficou como promessa, já que além de cara, não estava desenvolvida o suficiente para materializar as ideias da cantora, não para o mundo que ela queria construir. A artista acredita que a realidade virtual ficou por muito tempo em segundo plano.
Só em 2013, os primeiros headseats especializados foram lançados. Então, Björk e seu diretor criativo (e braço direito) James Merry entraram em c…