Pular para o conteúdo principal

10 curiosidades sobre Björk


Dez coisas que aprendemos sobre Björk em sua entrevista para Lauren Laverne na Rádio BBC.

1 - Ela já pensou em ser uma apresentadora de um programa de rádio:

Björk está na indústria da música durante a maior parte de sua vida. Seu primeiro lançamento oficial, um álbum auto-intitulado que consiste em uma mistura de covers traduzidos para o islandês e algumas músicas originais, foi lançado em 1977, quando ela tinha apenas 12 anos de idade. Sendo assim, Lauren perguntou se Björk considerou outras carreiras. Aparentemente, ela teria gostado de ser uma apresentadora de rádio, como Lauren.

"Eu queria ter um programa de rádio onde eu diria às pessoas sobre músicas que elas não ouviram", disse ela. Na falta disso, ela comenta que gostaria de ter sido professora de música ou praticamente qualquer coisa, desde que envolvesse música.

2 - Ela pensa bastante sobre os títulos de seus álbuns:

Ela geralmente pensa nos títulos de seus álbuns enquanto os grava e, pouco tempo antes do seu lançamento, passa por um processo de ter "cerca de mil ideias em um momento que seu cérebro parece que vai implodir e fazer fumaça quando o título definitivo está por vir".

Quanto a escolher "Utopia" como o nome de seu novo álbum, ela sente que "foi bom que isso fosse um clichê" porque sua música "é estranha o bastante como isso", e que o álbum permite que as pessoas pensem: "Eu deveria estar ouvindo algo que eu não ouvi antes, então está certo". 

Ela também acredita que o otimismo deste título se reflete na música presente no álbum, mas que ela não é ingênua, pois sabe que se queremos experimentar alegria em nossas vidas, então devemos criá-la nós mesmos. "Temos que trazer a iniciativa. Não podemos esperar que venha de outro lugar".

3 - Ela adora colaborar com outros músicos:

Björk acredita que colaborar com as pessoas certas pode dar uma confiança que não necessariamente existe quando se está trabalhando sozinho. A música de "Utopia" veio de uma "brincadeira musical" que ela compartilhou com Arca e que eles "encorajaram um ao outro para que tomassem as decisões mais valentes".

4 - Ela não é muito sentimental sobre as maneiras de se consumir música:

"Nós temos que lembrar que coisas como pubs onde aconteciam shows, CDs, ou essas maneiras de como se consumia música, não é uma norma. Isso foi apenas uma sugestão". Ela acredita que o mais importante é nos perguntarmos como gostaríamos de ouvir nossos artistas favoritos. "Bom, eu adoraria ficar ao lado deles enquanto cantassem para mim no meu ouvido. Ou nadar e ao sair da água, me deparar com um coral".

5 - Ela gosta que seus colaboradores sejam creditados com os títulos de trabalho adequados:

"Eu e James Merry trabalhamos juntos há oito anos, e ele mora na Islândia, e seu "título de trabalho" continua mudando. Agora nós decidimos que ele será chamado de Co-Diretor Visual Criativo, e somos só nós dois".

6 - Ela é uma grande defensora da ideia de natureza e tecnologia trabalhando em harmonia:

Ela acha que o tipo de utopia em que todos gostaríamos de viver é uma em que estaríamos "na natureza, mas com muitas ferramentas que limpariam os oceanos e a toxicidade do ar". Também lembrou que isso é algo sobre o qual ela vem falando há vinte anos.

7 - Ela ama a Rihanna:

"Eu amo a Rihanna. Ela é a melhor!".

8 - Björk acha que não há tempo suficiente para fazer tudo o que ela quer fazer:

"Eu acho que isso é algo negativo. Queria que tivesse cinco versões minhas para fazer as coisas que eu quero fazer. É que eu acabo ficando sem energia para fazer todas as coisas que desejo. Ela ainda disse que fica impaciente demais para executar uma ideia porque sua cabeça já está de olho na próxima.

9 - Ela tenta não ouvir sua própria música:

Por tocar, na maioria das vezes, com músicos diferentes em suas turnês, Björk acaba verificando seu material antigo com certa frequência para ver quais músicas se encaixam com um novo projeto.

"Eu já as escutei tantas vezes. Tento ouvir o mínimo possível, porque, obviamente, o processo de mixagem quase faz entorpecer".

10 - Ela se mostra otimista sobre o futuro:

Ela observa as coisas acontecendo ao redor dela e isso lhe dá esperança, como uma adolescente que acabou de inventar uma maneira engenhosa de limpar o oceano. "Não será um mundo do século 19 ou do século 20. Será um mundo novo com menos animais, mas definitivamente com um caminho a se seguir".


Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Björk dá conselho para fãs em bate-papo no Instagram

Em turnê pela Europa, Björk respondeu perguntas dos fãs através dos Stories do Instagram. Ela também deu alguns conselhos para seus admiradores através do perfil da revista Dazed. O bate-papo aconteceu nesta terça-feira, 19 de novembro, dia da apresentação de Cornucopia na O2 Arena. Confira a tradução completa da conversa: 
- Estou em uma banda, mas às vezes sinto que estou arrastando os outros comigo. O que devo fazer?
Talvez isso seja justo o suficiente se não forem as músicas deles, sabe? Quando eu estava em bandas, sempre co-escrevíamos, e quando eu estava com vontade de compartilhar minhas próprias músicas, me afastava para criar. Trazê-la (pronta) para os ensaios não pareceria o certo a se fazer. Mas, novamente, a sinergia em um grupo de pessoas trabalhando juntas é um dos momentos mais nutritivos que existem, mas é um ato delicado de equilíbrio.
- Você acha que a indústria da música tem um futuro agora que ninguém mais compra música?
Sim, seria incrível se os sites de streaming f…

Exposição Björk Digital chega a Brasília em Dezembro

Depois de uma temporada de sucesso em São Paulo, a exposição Björk Digital passará por Brasília. A informação foi confirmada pela própria Björk, que contou a novidade empostnas redes sociais em agosto. A mostra fica em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil de 3 de Dezembro de 2019 a 9 de fevereiro de 2020. Os ingressos são gratuitos.
Na programação estão inclusos: 6 vídeos de Vulnicura, sendo 5 em realidade virtual (Stonemilker, Mouth Mantra, Quicksand, Family e Notget), e uma instalação especial (Black Lake), além da sessão de videoclipes de Björk, incluindo os do álbum Utopia, remasterizados em alta definição (exibidos em sala de cinema) e uma área dedicada ao projeto educativo de Biophilia. Confira mais detalhes AQUI.
A exposição é apresentada pelo Ministério da Cidadania e Secretaria Especial da Cultura, patrocinada pelo Banco do Brasil, realizada no CCBB Brasília pela Cinnamon Comunicação.
No ano que vem, chega ao CCBB do Rio de Janeiro e de Belo Horizonte, em março e junho d…

Com Cornucopia, Björk inicia apresentações em arenas na Europa

Björk tocando na O2 Arena é algo que poderia ter feito mais sentido nos anos 90, se o local já existisse. Foi naquela época que a artista islandesa fez álbuns que venderam milhões, e que sua voz surpreendente esteve em maior evidência na mídia. Hoje, isso é uma lembrança distante para ela, que optou por um trabalho ainda mais experimental, como em Utopia (2017).
No entanto, uma apresentação está marcada na O2 para o dia 19 de novembro. Será o maior show dela em Londres nesses 42 anos de carreira. "Obviamente, jurei na adolescência que nunca tocaria em uma arena na minha vida", ela contou ao jornal britânico Evening Standart UK. “Mas as dos Anos 80 são diferentes das arenas recém-construídas e, de certa forma, os teatros do Século XVIII tem tanta bagagem. Mas é claro que isso é um experimento, assim como tudo o que faço. Acho que não vale a pena fazer, a menos que seja algo que nunca fiz antes, né? Inicialmente, eu esperava que teatros tradicionais pudessem nos receber, mas …