Pular para o conteúdo principal

A influência da flauta no canto de Björk


- É um exercício intelectual interessante pensar sobre o que se trata a utopia. Para você, qual é a "paisagem auditiva" da perfeição?

Eu sempre quis que este álbum fosse os dois lados da utopia: a fantasia perfeita, mas também a realidade. Durante as composições e a mixagem, fiquei realmente curiosa sobre o contraste entre os sonhos das pessoas e como elas fazem para torná-los realidade. Isso me deixa empolgada. Eu acho que este álbum também foi uma tentativa de definir isso: ter muito ficção científica, fantasia, reverberar em um bilhão de momentos - e então, um minuto depois, a realidade.

- Os homens arruinam a utopia?

Não, no final, homens e mulheres têm que negociar: as histórias sempre terminam em algum onde os sexos encontraram uma nova maneira de se comunicar. Mas eu acho que o início deste álbum e a ideia utópica são quase como um protesto radical do tipo: "Ok, eu vou com meus filhos e minhas flautas naquele canto por aí, e é aí que vou definir a minha utopia e, uma vez que a defini, podemos nos entender", sabe?

É realmente curioso fazer isso enquanto o Trump foi eleito, e temos todas essas questões no mundo, como por exemplo, o #MeToo. Eu acho que estamos realmente em um lugar onde precisamos redefinir os papéis que vamos desempenhar, não apenas para as mulheres, mas para os homens. Eu acho que eles também estão exaustos de seus próprios papéis.

- Seu álbum anterior, "Vulnicura", foi sobre o fim de um relacionamento longo em que você esteve, e você já mencionou que foi uma coisa muito dolorosa de se criar. Este novo álbum é uma continuação de sua própria jornada, um novo capítulo. Você está seguindo em frente, por falta de um clichê melhor.

Acho que a gravidade do último disco me deixou muito entusiasmada com tudo o que era leve, de modo que se tornou definitivamente uma das principais inspirações para o som deste álbum: comecei a escrever arranjos de flauta, e eu me juntei como 12 meninas na Islândia para tocar as flautas.

Eu estava cansada da importância excessiva da narração presente no último álbum, onde foi cheia de autopiedade e autoindulgência. Eu queria apenas ser livre e me tornar uma musicista novamente, e ter minha voz, ao invés de estar deitada no chão sofrendo, e sim com minhas melodias sendo como constelações nas nuvens.

- Você pensa sobre a questão da respiração como sua própria ferramenta de composição? Muitas pessoas aprendem o piano primeiro, ou talvez o violino. Quando uma flauta, um instrumento que é tão dependente da sua respiração, é o seu primeiro instrumento, eu me pergunto se isso influencia como você compõe música.

Definitivamente. Comecei a escrever melodias muito jovem. Eu morava nos subúrbios de Reykjavík e sempre caminhava muito. Eu penso que quando você anda e canta ao mesmo tempo, sem saber disso, você provavelmente está regulando sua respiração.

Eu penso que quando você anda e canta ao mesmo tempo, sem saber disso, você provavelmente está regulando sua respiração. E essa é a minha maneira preferida de cantar.

- Qual é a sua música favorita para cantar quando você está apenas andando pela cidade? Existe alguma que sempre vem na sua cabeça?

Bom, eu costumo tentar caminhar para algum lugar onde ninguém possa me ouvir: se uma pessoa caminha em minha direção, eu vou parar até que a pessoa se vá. É por isso que gosto de viver pelos oceanos, ou nos arredores das cidades onde eu tenho montanhas ou florestas, para que eu possa andar por aí.

Mas acho que na maioria das vezes quando estou cantando, é quando acabo de fazer as coisas. É mais como um yoga vocal, onde eu estou aquecendo minha voz: talvez na primeira meia hora eu nem vou cantar, e então eu começo com duas pequenas "anotações", e então, você sabe ... Você pode ouvir que em muitas das minhas músicas, tem o verso em que você está meio na letra, e então os coros onde a voz já está aquecida.

- Eu tenho que dizer, tem algo engraçado sobre Björk andando por aí e cantando para si mesma, e então ficando tão envergonhada ao ponto de parar quando alguém caminha ao seu lado. Quero dizer, você é a Björk. Você é muito boa em cantar!

Eu sei! Mas eu não sou a Björk para mim mesma. Ninguém é um ícone para si.

- Quero lhe perguntar sobre algo que você mencionou anteriormente. Definitivamente, estamos vivendo um momento em que há conversas muito mais públicas sobre o que é ser uma mulher caminhando pelo mundo, o que é viver com assédio sexual ou agressão sexual. Você fez uma publicação amplamente vista no Facebook recentemente, sobre alguém com quem você trabalhou no setor cinematográfico. Eu me pergunto como você está observando o desenrolar de tudo isso.

Então, quando eu tinha 33 anos, fui à Dinamarca e atuei pela primeira vez na minha vida em um filme. Não só eu estava indo para o país que costumava oprimir a Islândia por [centenas de anos], o que é um pouco irônico, mas também como musicista e uma mulher que nunca experimentou nenhum assédio. ... Como eu disse no meu post no Facebook, fui realmente abençoado: fui criada em um país que provavelmente é o mais próximo da igualdade entre os sexos do mundo - não é igual, mas é um dos mais próximos. E eu também vim do meio punk, onde havia grande importância em possuir seu trabalho, liberando sua própria música e não pertencendo a nenhuma empresa.


Mas eu não falei sobre o lado do assédio até agora, porque, como todas as mulheres que estão se manifestando agora, elas sabiam que se resistissem, simplesmente seriam ridicularizadas ou mencionadas como criadoras de problemas, como se não tivesse espaço para isso na esfera pública. Era apenas algo que as mulheres tinham que enfrentar e lidar, como parte da bagagem de ser uma mulher. O que é tão bonito sobre esse momento, agora, é que isso está mudando. É maravilhoso para mim ter uma filha jovem e me sentir confiante de que ela não vai ter que aceitar isso. Realmente parece que há uma grande mudança no ar. E é por isso que eu compartilhei minha história.

- Você acha que a utopia é possível? Quero dizer, você escolheu esse título porque você é inerentemente uma pessoa otimista? Ou é uma interpretação mais cínica, lançando-a como uma espécie de expectativa ingênua?

Eu acho que é tudo isso. Gosto da complexidade que o título "Utopia" traz. Tenho seis irmãos mais novos; Eu era a mais velha. E depois fui uma mãe solteira, muito cedo. Eu sempre tive muitas crianças ao meu redor, e quando você está criando crianças você precisa ter um plano espiritual com otimismo: tem que haver uma saída, ou uma maneira de crescer. Penso que com qualquer situação, especialmente as difíceis, você tem que ter imaginação para pensar na utopia.

Você deve pensar em uma alternativa para a situação em que você está. E às vezes é preciso muito esforço, mas você tem que acreditar no seu direito de fazer isso.

- Björk em entrevista para o NPR's Rachel Martin, novembro de 2017.


Saiba Mais:



Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Uma conversa entre Rei Kawakubo e Björk

“Essa entrevista poderia ser chamada de Folclore do Futuro ou algo envolvendo a palavra "folclore"?”. Essa foi uma solicitação de Björk antes da Interview Magazine publicar em outubro de 2019 uma conversa por e-mail inédita entre ela e Rei Kawakubo, fundadora da marca Comme des Garçons e da Dover Street Market. Confira a tradução completa do bate-papo:
BJÖRK: Querida Rei, estou muito honrada por termos essa conversa! Você é uma das pessoas que eu mais admiro, estou emocionada que isso esteja acontecendo. Estava pensando onde os interesses de nós duas se sobrepõem e, por algum motivo, comecei a pensar nas raízes, no folclore, ou na falta dele. Você mencionou em uma entrevista de 1982, que queria se afastar das influências folclóricas da moda japonesa. Acho isso muito interessante. Sempre achei que as culturas japonesa e islandesa têm  coisas em comum que, quando o budismo e o cristianismo chegaram, foram feitas com menos violência do que em outros países, o que serviu de pont…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

Em 1997, Björk já pensava em trabalhar com a realidade virtual

Vulnicura VR é o primeiro álbum em realidade virtual da história. Nele, cada experiência musical faz parte de um todo maior; uma narrativa visual que une cada canção. No entanto, segundo a edição de setembro de 2019 da Crack Magazine, esta não foi a primeira tentativa de Björk em querer dar vida a um projeto com esse tipo de tecnologia. Nos anos 90, quando a ferramenta começava a ganhar visibilidade, a islandesa quis criar uma experiência semelhante para o álbum Homogenic. Na época, muitos estudiosos acreditavam que os VRs seriam a próxima grande mudança de paradigma da humanidade após a Internet. Mas ficou como promessa, já que além de cara, não estava desenvolvida o suficiente para materializar as ideias da cantora, não para o mundo que ela queria construir. A artista acredita que a realidade virtual ficou por muito tempo em segundo plano.
Só em 2013, os primeiros headseats especializados foram lançados. Então, Björk e seu diretor criativo (e braço direito) James Merry entraram em c…