Pular para o conteúdo principal

Björk e as plataformas de Streaming


"Eu sempre acreditei na polaridade. Não temos que escolher a natureza ou o lado urbano, esse não é o ponto. A questão é, como podemos fazê-los coexistir? Eu penso o mesmo com relação aos homens e as mulheres, música pop e música "séria"... Por que escolher? Eliminar as coisas não é natural.

O mesmo acontece com isso (do Streaming). Os álbuns podem ser álbuns, mas as músicas podem existir por conta própria. Eu tenho feito playlists desde que eu era adolescente, para meus DJsets. É uma das minhas coisas favoritas na verdade - ser capaz de levar três minutos de uma música e três minutos de uma outra, completar os opostos e depois recolocá-las de volta. Músicos completamente diferentes. Se dissermos que não podemos fazer isso, estamos limitando os poderes da música. É uma das coisas mais poderosas que a música pode fazer.

Entretanto, eu vou te dizer, acho que as plataformas de streaming estão fazendo barulho. Acho que precisamos de mais equidade. Estou bem com isso - vendi CDs nos anos 90. Eu tenho uma casa. Mas e quanto aos jovens que ainda estão em seus 20 anos, eu vejo que isso afeta seriamente músicos incrivelmente talentosos, que poderiam se tornar realmente incríveis e se transformar em belos artistas, mas eles não conseguem fazer, porque tudo o que eles produzem, eles têm que ceder de graça".

- Então eles viajam mais.

"Exatamente! E isso os afasta de suas famílias. O streaming exagerou nisso. Jovens de 30 anos estão na estrada há 10 anos, sabe? Sem interrupções. Eu viajei muito, fazendo turnês por um ano, e depois ia para algum outro lugar por um ano e meio para escrever um álbum. Então, era possível estar com os membros da família. Agora não se tem isso. O streaming não é justo. Espero que isso mude. Talvez estejamos lentamente descobrindo uma maneira que vai ser uma solução, para que os músicos sejam pagos (corretamente) pelo o seu trabalho".

"Penso que a fantasia e a imaginação são tão válidas quanto a realidade. E eu acho que é talvez o que o "Utopia" está falando. É meio curioso como as duas coisas tentam coexistir. Quando você quer que essa fantasia se torne realidade, se a metade se concretizar, já está ótimo, sabe? Mas como se executa isso? Acho fascinante. É uma coisa linda!".

- Björk em entrevista para a "Fact Magazine", novembro de 2017.


Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição Björk Digital em cartaz no Rio de Janeiro

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

Björk já quase saiu em turnê com o Radiohead

Em 1998, Björk e o Radiohead estavam fazendo shows pelo mundo divulgando Homogenic e Ok Computer, respectivamente. Hoje, ambos os álbuns são clássicos na discografia desses artistas. Em abril daquele mesmo ano, eles iriam unir forças no palco em quatro apresentações em arenas na América do Norte. Os ingressos já tinham sido colocados à venda, inclusive, com uma data marcada no lendário Radio City Music Hall, em Nova York. 
Mas dois meses antes da primeira performance, a participação da islandesa na turnê do grupo foi cancelada. Em comunicado veiculado na revista NME, com o posicionamento dela e da banda, o motivo foi revelado: "Os cenários dos shows de cada um deles são mais do que elaborados, com muitas configurações técnicas no som. Isso exigiria que o público esperasse bastante tempo entre os sets", explicou a assessoria.



Ainda de acordo com a nota, a demora seria de aproximadamente uma hora, algo que tanto o Radiohead quanto a Björk achavam inaceitável para seus fãs. Um…