Pular para o conteúdo principal

Björk e as plataformas de Streaming


"Eu sempre acreditei na polaridade. Não temos que escolher a natureza ou o lado urbano, esse não é o ponto. A questão é, como podemos fazê-los coexistir? Eu penso o mesmo com relação aos homens e as mulheres, música pop e música "séria"... Por que escolher? Eliminar as coisas não é natural.

O mesmo acontece com isso (do Streaming). Os álbuns podem ser álbuns, mas as músicas podem existir por conta própria. Eu tenho feito playlists desde que eu era adolescente, para meus DJsets. É uma das minhas coisas favoritas na verdade - ser capaz de levar três minutos de uma música e três minutos de uma outra, completar os opostos e depois recolocá-las de volta. Músicos completamente diferentes. Se dissermos que não podemos fazer isso, estamos limitando os poderes da música. É uma das coisas mais poderosas que a música pode fazer.

Entretanto, eu vou te dizer, acho que as plataformas de streaming estão fazendo barulho. Acho que precisamos de mais equidade. Estou bem com isso - vendi CDs nos anos 90. Eu tenho uma casa. Mas e quanto aos jovens que ainda estão em seus 20 anos, eu vejo que isso afeta seriamente músicos incrivelmente talentosos, que poderiam se tornar realmente incríveis e se transformar em belos artistas, mas eles não conseguem fazer, porque tudo o que eles produzem, eles têm que ceder de graça".

- Então eles viajam mais.

"Exatamente! E isso os afasta de suas famílias. O streaming exagerou nisso. Jovens de 30 anos estão na estrada há 10 anos, sabe? Sem interrupções. Eu viajei muito, fazendo turnês por um ano, e depois ia para algum outro lugar por um ano e meio para escrever um álbum. Então, era possível estar com os membros da família. Agora não se tem isso. O streaming não é justo. Espero que isso mude. Talvez estejamos lentamente descobrindo uma maneira que vai ser uma solução, para que os músicos sejam pagos (corretamente) pelo o seu trabalho".

"Penso que a fantasia e a imaginação são tão válidas quanto a realidade. E eu acho que é talvez o que o "Utopia" está falando. É meio curioso como as duas coisas tentam coexistir. Quando você quer que essa fantasia se torne realidade, se a metade se concretizar, já está ótimo, sabe? Mas como se executa isso? Acho fascinante. É uma coisa linda!".

- Björk em entrevista para a "Fact Magazine", novembro de 2017.


Comente com outros fãs:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Museu da Imagem e do Som confirma a exposição "Björk Digital" em São Paulo

Inédita no Brasil, a exposição Björk Digital celebra o trabalho e o universo criativo da artista islandesa. Dividida em sessões compostas por experiências de realidade virtual e elementos audiovisuais imersivos, a mostra chega ao MIS em junho, depois de passar por cidades como Tóquio, Sidney e Londres.
Trazida em parceria com a produtora Dueto, a exposição é apresentada pelo Ministério da Cidadania e Vivara, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. O MIS é uma instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.

Detalhes sobre datas e ingressos ainda não foram revelados.

A informação já havia sido adiantada em julho do ano passado na coluna de Lauro Jardim no Globo. A Dueto, produtora de Monique Gardenberg, foi a responsável por dois dos três festivais que trouxeram nossa amada ao Brasil. Aliás, em 2007, quando esteve no país com o show Volta, a cantora também compareceu à pré-estreia do filme O Passado, do diretor Hector Babenco, como convidada de M…

Cineasta argentina Lucrecia Martel, dirigirá novo show de Björk

Cornucopia, o novo show de Björk, estreia em maio no The Shed, em Nova Iorque! Inclusive, esse lugar que receberá a mini residência promete ser um dos espaços culturais mais importantes da cidade, principalmente por ter a capacidade de se transformar fisicamente ao criar ambientes dinâmicos de acordo com as visões dos artistas que ali aparecem nos próximos anos. 
A temporada de oito concertos ganhou novos detalhes muito interessantes. A cineasta argentina Lucrecia Martel se juntou ao time de colaboradores da islandesa e dirigirá o espetáculo. 


Internacionalmente reconhecida como uma das mais importantes peças do cinema latino-americano, Martel obteve sucesso de crítica em seu trabalho, incluindo Zama, seu mais recente filme lançado em 2017. Entre suas obras, destacam-se também: La Ciénaga (2001), A Menina Santa (2004) e A Mulher sem Cabeça (2008). Confira mais detalhes clicando aqui
Lucrecia e a Rei Cine, produtora argentina que a representa, emitiram uma declaração à imprensa desta…

Edital do CCBB indica que a exposição Björk Digital virá ao Brasil

E não é que era verdade mesmo? Em julho, em sua coluna no O Globo, o jornalista Lauro Jardim comentou em primeira mão sobre as grandes chances da Björk Digital passar pelo Brasil. 
Na época, as negociações já estariam bem avançadas e na fase de captação de recursos. Ele citou a produtora Dueto, de Monique Gardenberg, como uma das interessadas em trazer a mostra ao país. Em 2007; a diretora, produtora cultural e cineasta brasileira convidou junto do diretor Hector Babenco a própria Björk para a pré-estreia do filme "O Passado", quando a cantora esteve no Brasil com a turnê do álbum Volta. As duas já se conheciam das outras passagens da artista por aqui, em 1996 e 1998 com os shows de Post e Homogenic. A Dueto Produções foi, inclusive, a responsável por dois dos três festivais que a trouxeram ao Brasil.
No entanto, na tarde de hoje (28/11), fomos surpreendidos com a possível indicação de que tudo realmente vai acontecer, mas com a ajuda também de outras pessoas! O projeto é c…