Pular para o conteúdo principal

Björk escreve suas próprias regras


The Sydney Morning Herald é o principal jornal australiano publicado diariamente na cidade de Sydney, Austrália. É também o mais antigo e conta com outras publicações como "The Age" e "Spectrum", que em suas edições de novembro/2017 trazem uma nova entrevista de Björk.

Do conforto de seu lar na Islândia, Björk dá continuidade a maratona de divulgação do novo álbum "Utopia", que será lançado no próximo dia 24 de novembro. Vale lembrar que há alguns anos nossa islandesa tem adotado a posição de não dar muitas entrevistas (principalmente via vídeo), preferindo permanecer discreta ou se pronunciando para a imprensa via depoimentos por e-mail ou em redes sociais, então entendam que uma conversa com ela por telefone é uma raridade (e um privilégio). A artista falou sobre suas colaborações e alguns outros assuntos. Confira:

Convites: "Não quero me gabar, mas muitas pessoas querem trabalhar comigo. É que eu não digo sim a qualquer um". 

A turnê do álbum anterior: "Vulnicura" foi o álbum mais difícil que eu já fiz. Fizemos alguns shows em que a maioria das pessoas estavam soluçando na plateia. Então, de repente, nós da equipe íamos até os bastidores, bebíamos champanhe e olhávamos um para o outro tipo: "que porra foi essa que acabou de acontecer?".

Arca: "Eu o convidei para um dos meus shows e depois ele se ofereceu para fazer um DJset depois das minhas últimas apresentações em Londres (com "Biophilia" -aquela do DVD/filme-). Foi assim que tudo aconteceu. Nós somos de países e gerações diferentes, mas quando ele toca quase sempre as mesmas músicas que eu. Temos um gosto musical bem semelhante e essa conexão incrível. Parecia perfeito me reunir a alguém assim novamente". 

Existe algo sobre Björk que também chamou a atenção de muitos outros artistas, incluindo David Bowie e Iggy Pop, que assistiram a um show do Sugarcubes, em Nova York, em 1988. Em 1992, a artista percebeu que eles já tinham feito o suficiente e que desejava seguir sozinha: 

Debut: "Comecei a fazer minha própria música sozinha e foi até tarde. Não posso reclamar como as coisas acabaram para mim. Eu mantive todas aquelas ideias dentro de mim por muito tempo, que finalmente se concretizaram quando comecei uma carreira solo".

Composições: "Eu não escrevo rapidamente e trabalho melhor em ciclos, sabe? Uma parte de você muda sempre como a lua - no contexto, no emocional e artisticamente". 

Popularidade: "Tenho sido uma celebridade das principais listas e não me sinto realmente confortável nessa categoria", disse Björk se referindo principalmente aos tempos em que frequentava clubes em Londres nos anos 90. "O dia em que eu não puder caminhar em paz fazendo minhas compras será o dia em que minha arte e minha música sofrerão".

Björk escreve suas próprias regras e ninguém irá lhe dizer o que fazer. No ano passado, a famosa grife Gucci perguntou se poderia usar uma de suas músicas em um comercial de TV e ela disse que não: "Eu simplesmente não podia permitir isso. Eu sou uma velha punk e é uma coisa que eu nunca fiz. Eu falei que se eles quisessem colaborar, eu até estaria interessada. O que eu faço é como artesanato - escrevo minhas canções. O que (o diretor criativo da Gucci) Alessandro Michele faz é um ofício. Eles ficaram entusiasmados com a sugestão e o resultado é esse vestido ridiculamente incrível que eu uso em um videoclipe ("The Gate"). Eles criaram sete esboços em cores diferentes com vários tipos de desenhos e me enviaram embrulhados em um papel bonito, com caixas e fitas coloridas".

  
Björk foi até Milão e fez um DJset para toda sua equipe em uma festa da Gucci. Michele a convidou para o seu desfile, mas ela recusou: "Finalmente estar em uma posição em que eu posso controlar o que eu quero ou não é muito gratificante".

Críticas: Apesar de ter recebido algumas críticas negativas sobre sua exposição no MoMa (2015), Björk parece não ter se incomodado: "Foi uma honra ter sido reconhecida por uma instituição cultural como o MoMA". 

Trump: "Não me faça começar a falar sobre o Trump. Eu só posso dizer o que já foi dito antes. Eu tenho sido uma ativista sobre o meio ambiente na Islândia há décadas e sei que não é fácil fazer com que todos os países assinem o acordo (de Paris). Isso demorou 20 anos. Acho que o meu conselho para as pessoas é que devemos resolver as coisas, não podemos confiar nestes governantes - principalmente quando se trata de mudanças climáticas. Temos que apoiar o processo do "faça você mesmo" e criar soluções".

Tecnologia e assédio do público: "Os telefones (na plateia dos meus shows) me assustam. Se eu estiver em um jantar, em uma piscina ou em um parque de diversões com meu filho, sempre há pelo menos 20 pessoas com telefones ao meu redor e isso cria uma energia diferente. Irei cada vez mais até os extremos e parte disso é usar máscaras para me proteger. Eu posso ir até boates, assistir a shows de bandas e levar uma vida relativamente normal. Não sinto falta de nada ao usá-las. Eu fiz várias mudanças muito claras na minha vida, como quando me afastei de Londres para viver na Espanha, em 1996. Essa vida de estar sob os olhos do público não era para mim. Esse tipo de ritmo mata minha criatividade e não posso funcionar dessa maneira. Fazer o que as Kardashians fazem é um trabalho de tempo integral. Não estou julgando ninguém, mas é um trabalho e um estilo de vida que não gosto. Eu quero ser uma criador de música, não viver minha vida me comercializando".

Utopia: "Não se trata apenas de muito otimismo, pois também tem seus momentos sombrios. No processo de fazer este álbum, tentei encontrar o meu lugar através dos meus sonhos e como eu gostaria de viver minha vida. Tudo o que tem seu lado triste precisa de uma sombra ou algo mais leve. É importante não eliminá-la. É preciso que coexistam".

Com a ajuda de James Merry, Björk pesquisou bastante sobre a mitologia de lugares como a América do Sul, Ásia e África para encontrar a relevância que ela precisava sobre o uso de flautas em outras culturas, instrumento tradicionalmente usado por homens em várias tribos. A cantora se disse tomada por toda essa energia mística que uniu as mulheres:


"Através da nossa pesquisa, encontramos histórias semelhantes em que as mulheres roubavam as flautas dos homens, reuniam seus filhos e tocavam músicas em algum lugar afastado da violência e da destruição da guerra. Adorei saber como elas encontraram uma maneira de alcançar a paz, mesmo em um momento de destruição. Tocar flauta era seu refúgio e uma forma de tentar encontrar a utopia em algum lugar, e eu gosto totalmente do som disso". 

Postagens mais visitadas deste blog

Björk e a paixão pelo canto de Elis Regina: "Ela cobre todo um espectro de emoções"

"É difícil explicar. Existem várias outras cantoras, como Ella Fitzgerald , Billie Holiday , Edith Piaf , mas há alguma coisa em Elis Regina com a qual eu me identifico. Então escrevi uma canção, Isobel , sobre ela. Na verdade, é mais uma fantasia, porque sei pouco a respeito dela".  Quando perguntada se já viu algum vídeo com imagens de Elis, Björk respondeu:  "Somente um. É um concerto gravado no Brasil, em um circo, com uma grande orquestra. Apesar de não conhecê-la, trabalhei com ( Eumir ) Deodato e ele me contou várias histórias sobre ela. Acho que tem algo a ver com a energia com a qual ela canta. Ela também tem uma claridade no tom da voz, que é cheia de espírito.  O que eu gosto em Elis é que ela cobre todo um espectro de emoções. Em um momento, ela está muito feliz, parece estar no céu. Em outro, pode estar muito triste e se transforma em uma suicida".  A entrevista foi publicada na Folha de São Paulo , em setembro de 1996. Na ocasião, Björk divulgava o

Debut, o primeiro álbum da carreira solo de Björk, completa 30 anos

Há 30 anos , era lançado "Debut", o primeiro álbum da carreira solo de Björk : "Esse disco tem memórias e melodias da minha infância e adolescência. No minuto em que decidi seguir sozinha, tive problemas com a autoindulgência disso. Era a história da garota que deixou a Islândia, que queria lançar sua própria música para o resto do mundo. Comecei a escrever como uma estrutura livre na natureza, por conta própria, na introversão". Foi assim que a islandesa refletiu sobre "Debut" em 2022, durante entrevista ao podcast Sonic Symbolism: "Eu só poderia fazer isso com algum tipo de senso de humor, transformando-o em algo como uma história de mitologia. O álbum tem melodias e coisas que eu escrevi durante anos, então trouxe muitas memórias desse período. Eu funcionava muito pelo impulso e instinto". Foto: Jean-Baptiste Mondino. Para Björk, as palavras que descrevem "Debut" são: Tímido, iniciante, o mensageiro, humildade, prata, mohair (ou ango

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Relembre todas as passagens de Björk por terras brasileiras! Preparamos uma matéria detalhada e cheia de curiosidades: Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96) , como parte do Free Jazz Festival . Fotos:  André Gardenberg, Folhapres