Pular para o conteúdo principal

Björk e o poder da música


- Björk, o que significa ser corajosa com a música?

Eu acho que você sabe quando está jogando com segurança, quando está estagnando e quando está crescendo. Provavelmente é uma coisa constante para todos nós - e um equilíbrio complicado. Obviamente, é importante não ultrapassar isso ou você se arrisca a ignorar momentos férteis, mas eu tento aprender pelo menos uma coisa em cada álbum, chegar em outros termos de software ou crescer em meus arranjos, ou provavelmente tentar escrever melodias cada vez mais difíceis para eu cantar. Eu me tornei minha própria professora. 

- Isso é o mesmo que significa ser corajosa no geral?

Eu acho que isso é mais como um instante. E, então, ser um pouco imprudente, obviamente pode ser o motivo da sua queda. Eu definitivamente fui culpada por muitas vezes ... Mas vale a pena. Eu descobri logo que sou o tipo de pessoa que experimenta e comete erros, mas tudo valeu a pena. Então, dessa forma, acho que ser uma pessoa corajosa também nos deixa vulneráveis. 

- As pessoas tendem a esquecer que a vulnerabilidade existe quando se trata de celebridades por algum motivo - ainda é assustador para você falar sobre questões como sobre estar apaixonada?

Para ser honesta, acho um pouco cansativo ... Mas também sinto que, se eu quiser melhorar, por exemplo, a situação da igualdade entre os sexos, então eu preciso fazer um esforço também.

Com a minha geração, era importante na década de noventa que as mulheres saíssem e fizessem coisas e parassem de reclamar - mas isso era apenas porque a geração da minha mãe já vinha fazendo muita coisa antes e eu estava gostando dos frutos disso.

- Sua mãe também era uma ativista, certo?

Meu pai também! Ele era um líder sindicalista aqui na Islândia por várias décadas e agora faz parte de um grupo radical que está escrevendo uma nova constituição para a Islândia. Penso que durante muito tempo eu provavelmente respondi isso, senti que era óbvio demais. Mas então, nos últimos 20 anos, eu me assegurei em gastar uma grande parte do meu tempo protegendo a natureza na Islândia. Penso que a qualquer momento a sociedade passará por transformação, há conversas sobre o fim do mundo, como quando Londres era negra com carvão, e ninguém poderia imaginar um futuro sem ela. Quando descobriram o sistema de esgoto em Paris, era o mesmo. Então, nós temos que imaginar um futuro onde nós limparemos os oceanos... Se milhões podem trocar do iPhone 6 ao 7 no espaço de semanas, então podemos fazer isso também.

- O que fez você percebe sua própria responsabilidade nesse movimento?

Eu acho que é um sentimento interessante quando você envelhece e percebe que não há "eles", que não há governo ou idosos, não há ninguém que você possa apontar e culpar. Você realmente se tornou essa pessoa e não faz nada para mudar. 

Não acho que seja uma coincidência que as pessoas da minha idade muitas vezes se manifestem sobre as responsabilidades sociais. Nos últimos 10 anos, também senti que é importante para as jovens que eu fale. E entendo isso. Mesmo assim, o que estou dizendo agora pode dar uma merda ... Estou preparando o solo para minha filha.

- Por isso, é importante que você fale de maneira literal e não apenas através da sua música?

Essa é uma pergunta muito boa, e eu poderia responder de sete maneiras diferentes ... Eu poderia facilmente dizer que não é importante! Outra resposta poderia ser que, como uma artista, eu entendo e aprecio o poder da dinâmica e da surpresa.

- O que você quer dizer?

Se você sempre se expressa da mesma forma que toda a sua vida, pode perder seu potencial. Sempre gostei de cantar calmamente e, em voz alta, aproveito essa sensação. Eu gosto de cornucopia em filmes, música, comida, sexo, tudo ... Então, talvez o feminismo às vezes seja algo meio escondido, como "o prazer é todo meu", a generosa qualidade de abnegação das mães ... Mas, de repente, eu escrevo uma discussão contundente sobre #MeToo no Facebook apenas para contabilizar? Como uma música com um coral romântico e logo depois uma melodia punk.

- Você alguma vez já se preocupou em não ser ouvida nesses casos?

No geral, como artista, sinto que sou ouvida. Eu gosto de ser entendida e também não compreendida. Estou disposta a viver com isso. Acho que a natureza da música que estou fazendo não é necessariamente inclusão totalitária absoluta. Por outro lado, senti que quando me manifestei sobre o assédio no projeto #MeToo fui ridicularizada de forma instantânea, especialmente quando falei sobre parte disso há 17 anos. As mulheres estão condicionadas a sentir que não são dignas de ser levadas a sério. Finalmente, agora há uma mudança dramática no ar!

- Você disse uma vez: "Se o que for que eu diga ajuda as mulheres, eu vou dizer isso". Você ainda acredita nisso?

Eu acho que há um tempo e um lugar para tudo porque vivemos um momento diferente agora. Eu sinto que a próxima tarefa vai ser sobre os homens e como vamos criar um espaço para que eles possam expressar os seus sentimentos. Eles receberam mensagens muito complexas: que não podem ser emocionais e, de repente, foram confrontados por não serem assim. Nós, mulheres, definimos um "idioma" por décadas para nos expressar, e os homens estão muito atrasados ​a respeito disso.

- Você acha que é papel dos artistas defender esses tipos de movimentos?

Eu não acredito em hierarquias - acho que vamos fazer tudo isso juntos. Este é o momento da globalização, o século XXI não precisa de líderes. Eu acho que todos devem seguir sua própria missão. Alguns são mais poéticos, alguns mais diretos. A diversidade é tudo. 

As políticas pessoais são complexas e nunca simplistas, e se expressar sozinho pode ser um grande ato de rebelião, uma força radical mesmo que não inclui políticas enunciadas. 

- A Bravura em sua música:

Bom, por exemplo, fiz um pequeno experimento de falsete em "Utopia"; mais músicas do que o habitual agora são cantadas assim, o que é meio divertido! Era quase como uma continuidade de "Cocoon", uma antiga música minha, onde eu estava tentando como cantora ficar debaixo da pele e quebrar a barreira entre o cantor e o ouvinte. Descobri que o contraste sonoro desse álbum, o ponto em que a fantasia e o encontro real são extremos. Acho que é sobre isso o título "Utopia". Gosto que a palavra tenha bagagem. É sobre sua fantasia, mas também sobre como você mistura a realidade, e como você faz isso é realmente descritivo do tipo de pessoa que você é.

- Você parece constantemente movida por essas dicotomias - fantasia e realidade, luz e escuridão ... Em Vulnicura, você cantou: "Quando estou quebrada, estou inteira, e quando estou cheia, estou quebrada".

Eu acho que esse tipo de senso de humor sobre mim mesma, sou eu provavelmente me auto-depreciando mais frequentemente do que as pessoas pensam. 

Às vezes eu acho que é meio superestimado o momento quando as pessoas estão passando por períodos felizes em suas vidas, quando se dizem "inteiras". Acredito que, às vezes, quando as pessoas estão passando pelas situações mais difíceis, elas são realmente um pouco "inteiras".

- Você espera que sua música ajude as pessoas através dessas experiências?

Não posso realmente apontar para isso. Eu sei que toda música tem esse potencial, mas é importante que o músico apenas deixe a música ser escrita. Só tem que ser o que é. Não pode ser muito planejada à frente; às vezes é só depois que fica claro o que é. Mas antes ou durante o processo de escrita ... É um mistério.

- Björk em entrevista ao "The Talks", novembro de 2017.


Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Uma conversa entre Rei Kawakubo e Björk

“Essa entrevista poderia ser chamada de Folclore do Futuro ou algo envolvendo a palavra "folclore"?”. Essa foi uma solicitação de Björk antes da Interview Magazine publicar em outubro de 2019 uma conversa por e-mail inédita entre ela e Rei Kawakubo, fundadora da marca Comme des Garçons e da Dover Street Market. Confira a tradução completa do bate-papo:
BJÖRK: Querida Rei, estou muito honrada por termos essa conversa! Você é uma das pessoas que eu mais admiro, estou emocionada que isso esteja acontecendo. Estava pensando onde os interesses de nós duas se sobrepõem e, por algum motivo, comecei a pensar nas raízes, no folclore, ou na falta dele. Você mencionou em uma entrevista de 1982, que queria se afastar das influências folclóricas da moda japonesa. Acho isso muito interessante. Sempre achei que as culturas japonesa e islandesa têm  coisas em comum que, quando o budismo e o cristianismo chegaram, foram feitas com menos violência do que em outros países, o que serviu de pont…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

Em 1997, Björk já pensava em trabalhar com a realidade virtual

Vulnicura VR é o primeiro álbum em realidade virtual da história. Nele, cada experiência musical faz parte de um todo maior; uma narrativa visual que une cada canção. No entanto, segundo a edição de setembro de 2019 da Crack Magazine, esta não foi a primeira tentativa de Björk em querer dar vida a um projeto com esse tipo de tecnologia. Nos anos 90, quando a ferramenta começava a ganhar visibilidade, a islandesa quis criar uma experiência semelhante para o álbum Homogenic. Na época, muitos estudiosos acreditavam que os VRs seriam a próxima grande mudança de paradigma da humanidade após a Internet. Mas ficou como promessa, já que além de cara, não estava desenvolvida o suficiente para materializar as ideias da cantora, não para o mundo que ela queria construir. A artista acredita que a realidade virtual ficou por muito tempo em segundo plano.
Só em 2013, os primeiros headseats especializados foram lançados. Então, Björk e seu diretor criativo (e braço direito) James Merry entraram em c…