Pular para o conteúdo principal

Gratidão, respeito e ternura


Há oito anos e meio, James Merry foi apresentado a Björk por um amigo em comum que sabia que ela estava procurando por um assistente para ajudá-la com o seu próximo projeto, "Biophilia". Na época, Merry a enviou um e-mail. O que resultou disso foi uma imediata troca de referências compartilhadas e eventualmente um convite de Björk para encontrá-la em Nova York. 

"Eu fui tomar café da manhã com ela em sua casa. Eu lembro que passamos o dia mostrando um ao outro vídeos no YouTube, conversando e comendo. Foi muito divertido, mas muito surreal. Voltei para a Inglaterra e cerca de uma semana depois o empresário dela me chamou e disse: "Ela acha que você é ótimo. Você gostaria de trabalhar com ela?". E eu disse que sim. Uma semana depois me mudei para Nova York". 

Para "Utopia", ele estudou as "referências muito precisas" dadas pela artista, que abrangem flores de ficção científica e interpretações culturais, que ele traduziu em uma série de máscaras de silicone muito bem ornamentadas.

"Não há planejamento (para a concepção das máscaras). Isso nunca funciona para mim. Todas são feitas à mão - eu nunca uso máquinas - então sempre tende a ser uma reação espontânea a um material com o qual estou trabalhando. E isso por horas e horas, dias e dias até começar a encontrar algo interessante. 

Na verdade, foi apenas quando fizemos o video de "The Gate", em colaboração com Gucci que fez o vestido, que eu tive que fazer esboços e protótipos.

Eu acho que se você vem com sua própria maneira idiossincrática de trabalhar com um material, não está preso à rotinas prescritas.

Tudo isso é sobre instinto e emoção, em vez de ser algo totalmente intelectual ou pensado. Com Björk, essa é a parte mais emocionante do projeto. Quando ela está lentamente construindo o próxima passo, talvez antes mesmo de gravar alguma música, tendo esses instintos realmente fortes e referências precisas - esteticamente, musicalmente e emocionalmente. Fico com os meus olhos e ouvidos treinados para ampliar as ideias que se encaixam nas dela. Curiosamente, do ponto de vista visual, às vezes você pode ver no final de um álbum ou turnê, que ela começará a usar algo que se sobrepõe com o próximo projeto.

As referências de "Utopia" têm cores muito claras e muitas coisas florais, muitas orquídeas; não flores bonitas, mais alienígenas, flores com aparência de ficção científica.

Gostei muito de fazer a peça que ela usou na capa da W Magazine, onde tentei distorcer sua boca em uma orquídea.

Nós filmamos um novo videoclipe e eu tive que fazer um monte de peças novas. Só estou aprendendo a torná-las mais refinadas, finas e fáceis de usar. Eu tive que fazê-las para 11 flautistas, bem como para Björk, então eu tive que transformá-las em diferentes cores e configurações".

A lição criativa mais importante que James Merry aprendeu com Björk:

"Acho que a maior lição é essa maneira muito respeitosa de tratar outras pessoas, lhes dando espaço para serem elas mesmas, mas ainda as alimentando e permitindo ser nutrida por elas. Com Björk aprendi muito sobre fazer as coisas com gratidão, com respeito e ternura".

- James Merry, Dazed Magazine; novembro de 2017.


Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Uma conversa entre Rei Kawakubo e Björk

“Essa entrevista poderia ser chamada de Folclore do Futuro ou algo envolvendo a palavra "folclore"?”. Essa foi uma solicitação de Björk antes da Interview Magazine publicar em outubro de 2019 uma conversa por e-mail inédita entre ela e Rei Kawakubo, fundadora da marca Comme des Garçons e da Dover Street Market. Confira a tradução completa do bate-papo:
BJÖRK: Querida Rei, estou muito honrada por termos essa conversa! Você é uma das pessoas que eu mais admiro, estou emocionada que isso esteja acontecendo. Estava pensando onde os interesses de nós duas se sobrepõem e, por algum motivo, comecei a pensar nas raízes, no folclore, ou na falta dele. Você mencionou em uma entrevista de 1982, que queria se afastar das influências folclóricas da moda japonesa. Acho isso muito interessante. Sempre achei que as culturas japonesa e islandesa têm  coisas em comum que, quando o budismo e o cristianismo chegaram, foram feitas com menos violência do que em outros países, o que serviu de pont…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

Em 1997, Björk já pensava em trabalhar com a realidade virtual

Vulnicura VR é o primeiro álbum em realidade virtual da história. Nele, cada experiência musical faz parte de um todo maior; uma narrativa visual que une cada canção. No entanto, segundo a edição de setembro de 2019 da Crack Magazine, esta não foi a primeira tentativa de Björk em querer dar vida a um projeto com esse tipo de tecnologia. Nos anos 90, quando a ferramenta começava a ganhar visibilidade, a islandesa quis criar uma experiência semelhante para o álbum Homogenic. Na época, muitos estudiosos acreditavam que os VRs seriam a próxima grande mudança de paradigma da humanidade após a Internet. Mas ficou como promessa, já que além de cara, não estava desenvolvida o suficiente para materializar as ideias da cantora, não para o mundo que ela queria construir. A artista acredita que a realidade virtual ficou por muito tempo em segundo plano.
Só em 2013, os primeiros headseats especializados foram lançados. Então, Björk e seu diretor criativo (e braço direito) James Merry entraram em c…