Pular para o conteúdo principal

Lidando com a atual situação do mundo


"Para mim, (o título) Utopia é uma declaração política. Eu tive o suficiente da civilização ocidental sentindo pena de si mesma, ficando paralisada e não agindo. A civilização ocidental acha que sua história é a única história do mundo. A auto-importância do Ocidente faz com que eles pensem que estão tendo este momento trágico, como o Titanic, onde eles querem que o resto do planeta prenda a respiração e sinta pena por eles enquanto eles afundam. Não podemos poupar tempo. Precisamos entrar em ação. Precisamos de energia verde. Precisamos reagir.

Nós não temos o luxo de entrar nisso de "pobre de mim, o mundo vai morrer", coisas de distopia. Eu acho que temos que nos levantar e agir. E acho que a indústria do entretenimento deve se sentir responsável, definitivamente. Talvez eu esteja sendo muito como uma mãe, mas 90% do material que vem do [entretenimento ocidental] normalizou a matança. Está certo se é uma estética de um artista singular que quer ser niilista ou distópico. Isso é uma coisa. Mas agora nossa sobrevivência da espécie humana está em jogo e não estou sendo dramática, infelizmente. Eu acho que precisamos entrar em ação e vir com soluções. E precisamos fazer isso agora.

Eu poderia chorar o dia todo com o fato de que a maioria das espécies animais estão desaparecendo e meus netos podem não ver muitas delas. Isso é trágico além das palavras.

Mas precisamos nos perguntar: como podemos fazer o melhor de onde estamos agora? Isso pode ser soluções de energia verde que funcionam.

Eu não sou megalomaníaca. Entendo que a utopia não é singular. Mas acho que tem que haver pessoas que façam algo. Vendo o que está acontecendo online, especialmente depois que Trump foi eleito e tudo isso do acordo sobre o Clima de Paris, temos a base, as pessoas. Não podemos confiar nos governos. E é aí que entra a música pop. Ela sempre foi a voz das pessoas. Então sim, é assim que eu me sinto sobre isso".

- Essa paralisia descrita por Björk, onde as pessoas estão tão sobrecarregadas com a negatividade que se sentem incapazes de agir é uma coisa realmente complicada de superar. Mas como ela se depara com tudo isso evitando esse ponto de paralisia?

"Eu vou passear na natureza. Do lado de fora da minha janela agora, há uma praia. Preciso dessa conexão com a natureza. Eu acho que há algo nas moléculas da natureza que trazem equilíbrio. Quando você se desloca, ela age. E você não deve fazer isso por conta própria. Não foi assim que a natureza nos criou. Você não deve entrar em um tanque de isolamento. [risos] Se você der uma caminhada de 30 minutos todos os dias por volta das árvores, ou perto de um rio, ou quaisquer elementos naturais que estejam por perto, é realmente como uma cura.

Quando eu morava em Londres, caminhava bastante pelos canais. Talvez não fosse como as terras altas da Islândia, mas os elementos da água e o fato de não serem linhas retas... acontecia algo mágico. A ciência está provando cada vez mais que a natureza harmoniza sua mente e seu corpo. As três coisas não estão separadas. Eu acho muitas vezes quando faço caminhadas, o que quer que esteja ocupando minha mente ou me cause frustração depois de 20 minutos, geralmente, quando eu estiver de volta em casa, terei um plano de como lidar com isso.

Eu acho que algo no nosso mecanismo de sobrevivência gosta de andar e encontrar um ritmo. 

Você já tentou kundalini yoga? Eu encontrei no YouTube. Tem muita respiração e se você tem ansiedade, a melhor cura para isso é a quantidade dos níveis de respiração. Se você acordar com ansiedade, basta encontrar uma aula kundalini de 40 minutos no YouTube e você ficará surpreso. A ansiedade desaparecerá. E às vezes antes de se deitar - se você está achando difícil dormir à noite, esse também é um truque muito bom".

- Björk em entrevista à "Fact Magazine", novembro de 2017.


Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Uma conversa entre Rei Kawakubo e Björk

“Essa entrevista poderia ser chamada de Folclore do Futuro ou algo envolvendo a palavra "folclore"?”. Essa foi uma solicitação de Björk antes da Interview Magazine publicar em outubro de 2019 uma conversa por e-mail inédita entre ela e Rei Kawakubo, fundadora da marca Comme des Garçons e da Dover Street Market. Confira a tradução completa do bate-papo:
BJÖRK: Querida Rei, estou muito honrada por termos essa conversa! Você é uma das pessoas que eu mais admiro, estou emocionada que isso esteja acontecendo. Estava pensando onde os interesses de nós duas se sobrepõem e, por algum motivo, comecei a pensar nas raízes, no folclore, ou na falta dele. Você mencionou em uma entrevista de 1982, que queria se afastar das influências folclóricas da moda japonesa. Acho isso muito interessante. Sempre achei que as culturas japonesa e islandesa têm  coisas em comum que, quando o budismo e o cristianismo chegaram, foram feitas com menos violência do que em outros países, o que serviu de pont…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

Em 1997, Björk já pensava em trabalhar com a realidade virtual

Vulnicura VR é o primeiro álbum em realidade virtual da história. Nele, cada experiência musical faz parte de um todo maior; uma narrativa visual que une cada canção. No entanto, segundo a edição de setembro de 2019 da Crack Magazine, esta não foi a primeira tentativa de Björk em querer dar vida a um projeto com esse tipo de tecnologia. Nos anos 90, quando a ferramenta começava a ganhar visibilidade, a islandesa quis criar uma experiência semelhante para o álbum Homogenic. Na época, muitos estudiosos acreditavam que os VRs seriam a próxima grande mudança de paradigma da humanidade após a Internet. Mas ficou como promessa, já que além de cara, não estava desenvolvida o suficiente para materializar as ideias da cantora, não para o mundo que ela queria construir. A artista acredita que a realidade virtual ficou por muito tempo em segundo plano.
Só em 2013, os primeiros headseats especializados foram lançados. Então, Björk e seu diretor criativo (e braço direito) James Merry entraram em c…