Pular para o conteúdo principal

Novo álbum Ao Vivo?


O novo álbum de Björk foi lançado no último dia 24/11, mas a cantora já pensa em expandir o universo de sua Utopia. Em entrevista à rádio Beats 1, Björk revelou que tem pensado em um projeto de um álbum ao vivo baseado em flautas. 

"Eu quero dar uma pequena pausa e depois talvez na primavera eu volte com um novo ângulo do álbum com uma versão ao vivo. Acho que há algumas coisas que eu não explorei completamente, como mais materiais solos e outros tipos misteriosos de flautas. Vou ensaiar com as flautistas aqui na Islândia. Eu só quero que isso aconteça organicamente no início da primavera. Temos algumas canções de flauta adicionais e outros tipos de ângulos diferentes".

Não esquece do DVD, querida.



No último dia 28/11, Björk participou da série "In Sight Out" do Pitchfork, que se trata de reuniões e discussões sobre novas perspectivas sobre arte, música e cultura. Ela foi entrevistada durante 1hr30min por Amanda Petrusich, jornalista e também editora do livro em comemoração aos 20 anos de "Homogenic" de Emily Mackay, publicado em outubro. O evento foi lançado em forma de podcast e já está disponível na página do Pitchfork no Soundcloud.

Confira algumas curiosidades:

- Ela estava bem feliz, disse que tinha tomado um monte de café, e contou sobre o processo de concepção, composição e gravação do "Utopia". Também comparou este album com o anterior algumas vezes. Se vocês leram as últimas entrevistas, não foi nada muito diferente, e ela até comentou que não queria ficar se repetindo.

- Falou bastante sobre o 'arquétipo da cantora pop do último século', citando Maria Callas e Edith Piaf, cujas histórias mais expressivas para o público são as que se referem às situações trágicas e dramáticas. Neste momento, ela comentou que não deveria ser assim, visto que ambas viveram muito ricas e interessantes, e que ninguém resumia as histórias de homens famosos à tragédia (ninguém diz quantas mulheres partiram o coração de Picasso). Aí citou o Vulnicura, dizendo que ela quis incorporar esse personagem, e pedia ao público que a deixasse sair dele também, e continuar sua narrativa.

- Uma moça da plateia perguntou se ela tinha algum ritual para criar, e ela acabou falando mais da rotina do dia-a-dia. Contou sobre como as piscinas de cada cidade funcionam como centro de socialização na Islândia (pra trocar fofocas e tal) e como ela sempre faz alguma coisa esportiva (andar, nadar, correr, etc) mas que se entedia rápido e vai trocando de uma atividade para outra.

- Quando questionada sobre qual é a sua música favorita do álbum, Björk comentou sobre como a concepção do disco partiu da primeira música feita para o projeto (Arisen My Senses).

- Lhe perguntaram se ela é alguém que simplifica as coisas complexas da vida ou se complica as coisas simples. Ela disse que é um pouco de cada.

- Ela comentou que pensou em deixar apenas as músicas felizes no disco, que representariam o lugar perfeito ou utopia. Disse que 'tinha um monte de músicas pra escolher' e que várias ficaram de fora. Aí acabou optando por colocar várias músicas pesadas no final do disco, já que nenhum lugar é completamente perfeito.

- Falou que está planejando uma turnê, mas que não sabe ainda como vai usar as flautas no palco, e que como "Utopia" se refere a um lugar, ela planeja criar um "lugar" no palco, mas ainda não sabe como fará isso.

Colaboração: Marcio Alleoni.

- Ela disse que gosta de pensar no lançamento da primeira versão do disco como não sendo a única forma possível de ouvi-lo. 

- Ainda sobre a turnê, ela disse que provavelmente reduzirá a quantidade de flautas para que os shows não se tornem somente isso. Talvez ela foque em apresentações mais esporádicas, semelhante as que fez em "Vulnicura" ao invés de uma longa turnê mundial. Ela deseja continuar com a "Björk Digital" e os DJsets. Também está trabalhando para tentar fazer desses shows um ambiente rico, já que o título Utopia necessita disso.

- Em um outro trecho divertido da conversa, ela se referiu a si mesma como "definitivamente não celibatária" e comentou não estar triste quanto às questões relacionadas à postura adotada em "Vulnicura". Parece que nossa islandesa está bem feliz agora <3

- A verdadeira vitória deste novo disco está na questão do "namoro". Arca programou algumas canções em poucas horas no Brooklyn enquanto ela editava os arranjos de flautas.

- Ela ainda disse ter trabalhado muito nos arranjos de flauta, quando reunia as flautistas em sua casa na Islândia, enquanto ajustava suas ideias no programa Sibelius.

- Para que funcionasse como contraste com os arranjos leves que ela havia feito com Arca durante as primeiras composições para o disco, Björk encontrou muita inspiração no (ritmo/estilo) "techno-gay" italiano.


Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Uma conversa entre Rei Kawakubo e Björk

“Essa entrevista poderia ser chamada de Folclore do Futuro ou algo envolvendo a palavra "folclore"?”. Essa foi uma solicitação de Björk antes da Interview Magazine publicar em outubro de 2019 uma conversa por e-mail inédita entre ela e Rei Kawakubo, fundadora da marca Comme des Garçons e da Dover Street Market. Confira a tradução completa do bate-papo:
BJÖRK: Querida Rei, estou muito honrada por termos essa conversa! Você é uma das pessoas que eu mais admiro, estou emocionada que isso esteja acontecendo. Estava pensando onde os interesses de nós duas se sobrepõem e, por algum motivo, comecei a pensar nas raízes, no folclore, ou na falta dele. Você mencionou em uma entrevista de 1982, que queria se afastar das influências folclóricas da moda japonesa. Acho isso muito interessante. Sempre achei que as culturas japonesa e islandesa têm  coisas em comum que, quando o budismo e o cristianismo chegaram, foram feitas com menos violência do que em outros países, o que serviu de pont…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

Em 1997, Björk já pensava em trabalhar com a realidade virtual

Vulnicura VR é o primeiro álbum em realidade virtual da história. Nele, cada experiência musical faz parte de um todo maior; uma narrativa visual que une cada canção. No entanto, segundo a edição de setembro de 2019 da Crack Magazine, esta não foi a primeira tentativa de Björk em querer dar vida a um projeto com esse tipo de tecnologia. Nos anos 90, quando a ferramenta começava a ganhar visibilidade, a islandesa quis criar uma experiência semelhante para o álbum Homogenic. Na época, muitos estudiosos acreditavam que os VRs seriam a próxima grande mudança de paradigma da humanidade após a Internet. Mas ficou como promessa, já que além de cara, não estava desenvolvida o suficiente para materializar as ideias da cantora, não para o mundo que ela queria construir. A artista acredita que a realidade virtual ficou por muito tempo em segundo plano.
Só em 2013, os primeiros headseats especializados foram lançados. Então, Björk e seu diretor criativo (e braço direito) James Merry entraram em c…