Pular para o conteúdo principal

Novas entrevistas de Björk para a rádio BBC


Em duas novas conversas direto de sua casa na Islândia, Björk participou de programas da rádio BBC.

"Late Junction" de Nick Luscombe:

"Penso que simplesmente precisamos estar abertos e nos adaptar às mudanças, e permitir coisas novas, objetos estranhos, em nossas vidas. E digo isso em todos os níveis, incluindo, obviamente, sexo, acima de tudo".

Sem revelar nenhuma novidade, a cantora falou sobre seu novo álbum "Utopia", a colaboração com Arca e o lado "dark" presente entre o otimismo das canções do disco, e aproveitou a oportunidade para que tocassem as músicas que ela tem ouvido ultimamente, e que serviram de influência para o seu trabalho. Uma lista bem interessante, incluindo serpentwithfeet, que ela disse estar muito ansiosa para o lançamento do próximo trabalho.

Quando questionada se ainda escuta canções de seus conterrâneos, respondeu que, recentemente, havia assistido a um novo programa de TV local, onde artistas se apresentavam basicamente com música pop com alguns elementos envolvendo um coral, como se isso, de alguma forma, estivesse no DNA das pessoas de lá, já que a Islândia foi uma colônia por longos anos e não tinham dinheiro para comprar instrumentos musicais.

A artista ainda relatou suas perspectivas sobre a atual situação do mundo.

Já para o programa de Mary Anne Hobbs, Björk falou sobre sua infância, amor, criatividade, a luta pelo meio ambiente e sobre querer ser uma baterista na adolescência: 

"Eu sou obcecada por ritmos (...) mas ao começar o tipo de trabalho que eu faço, foi necessário incluir vozes".

A paixão pelo trabalho de produtores como Arca e Rabbit, além da admiração pelo naturalista David Attenborough foram outros assuntos abordados. Nossa amada também comentou sobre o famoso vídeo em que aparece aos 8 anos de idade em um Programa de TV islandês:

"Eu acho que uma coisa interessante sobre a Islândia, é que lá todos são estrelas. Basicamente, só existe uma escola para crianças, e acho que foi meio que por isso que acabei aparecendo naquela ocasião na TV. E ainda é assim até hoje. As pessoas acabam em bandas punks ou algo assim".

Outro trecho interessante foi o que falou sobre o processo de composição dos seus discos: Enquanto está divulgando um projeto novo, já está pensando no próximo e que isso a confunde ao ponto de ter que parar por um momento para tentar entender a situação. Björk disse que só se deu conta da "ilha do coração partido" (como ela mesma definiu) de "Vulnicura" em Outubro de 2013, quando várias das músicas já haviam sido escritas da forma como viemos a conhecer na ordem do álbum.

Comente com outros fãs em
nosso Twitter, Facebook e no Grupo.

Postagens mais visitadas deste blog

Björk dá conselho para fãs em bate-papo no Instagram

Em turnê pela Europa, Björk respondeu perguntas dos fãs através dos Stories do Instagram. Ela também deu alguns conselhos para seus admiradores através do perfil da revista Dazed. O bate-papo aconteceu nesta terça-feira, 19 de novembro, dia da apresentação de Cornucopia na O2 Arena. Confira a tradução completa da conversa: 
- Estou em uma banda, mas às vezes sinto que estou arrastando os outros comigo. O que devo fazer?
Talvez isso seja justo o suficiente se não forem as músicas deles, sabe? Quando eu estava em bandas, sempre co-escrevíamos, e quando eu estava com vontade de compartilhar minhas próprias músicas, me afastava para criar. Trazê-la (pronta) para os ensaios não pareceria o certo a se fazer. Mas, novamente, a sinergia em um grupo de pessoas trabalhando juntas é um dos momentos mais nutritivos que existem, mas é um ato delicado de equilíbrio.
- Você acha que a indústria da música tem um futuro agora que ninguém mais compra música?
Sim, seria incrível se os sites de streaming f…

Exposição Björk Digital chega a Brasília em Dezembro

Depois de uma temporada de sucesso em São Paulo, a exposição Björk Digital passará por Brasília. A informação foi confirmada pela própria Björk, que contou a novidade empostnas redes sociais em agosto. A mostra fica em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil de 3 de Dezembro de 2019 a 9 de fevereiro de 2020. Os ingressos são gratuitos.
Na programação estão inclusos: 6 vídeos de Vulnicura, sendo 5 em realidade virtual (Stonemilker, Mouth Mantra, Quicksand, Family e Notget), e uma instalação especial (Black Lake), além da sessão de videoclipes de Björk, incluindo os do álbum Utopia, remasterizados em alta definição (exibidos em sala de cinema) e uma área dedicada ao projeto educativo de Biophilia. Confira mais detalhes AQUI.
A exposição é apresentada pelo Ministério da Cidadania e Secretaria Especial da Cultura, patrocinada pelo Banco do Brasil, realizada no CCBB Brasília pela Cinnamon Comunicação.
No ano que vem, chega ao CCBB do Rio de Janeiro e de Belo Horizonte, em março e junho d…

Com Cornucopia, Björk inicia apresentações em arenas na Europa

Björk tocando na O2 Arena é algo que poderia ter feito mais sentido nos anos 90, se o local já existisse. Foi naquela época que a artista islandesa fez álbuns que venderam milhões, e que sua voz surpreendente esteve em maior evidência na mídia. Hoje, isso é uma lembrança distante para ela, que optou por um trabalho ainda mais experimental, como em Utopia (2017).
No entanto, uma apresentação está marcada na O2 para o dia 19 de novembro. Será o maior show dela em Londres nesses 42 anos de carreira. "Obviamente, jurei na adolescência que nunca tocaria em uma arena na minha vida", ela contou ao jornal britânico Evening Standart UK. “Mas as dos Anos 80 são diferentes das arenas recém-construídas e, de certa forma, os teatros do Século XVIII tem tanta bagagem. Mas é claro que isso é um experimento, assim como tudo o que faço. Acho que não vale a pena fazer, a menos que seja algo que nunca fiz antes, né? Inicialmente, eu esperava que teatros tradicionais pudessem nos receber, mas …