Pular para o conteúdo principal

O que vem depois de um grande desgosto?


O que vem depois de um grande desgosto? 

Em nova entrevista ao "The New York Times", Björk explica que seu álbum "Utopia" é "uma carta de amor ao entusiasmo e ao otimismo". Em um bate-papo com um repórter, que aconteceu em seu apartamento no Brooklyn, ela revela que após escolher esse título para o novo trabalho e também durante a produção, leu extensivamente sobre o assunto em estudos acadêmicos e em histórias que aconteceram ao longo dos séculos, desde fábulas antigas até a ficção científica de Octavia E. Butler. 

"A utopia passou por tudo, desde mosteiros até ilhas feministas, socialismo e "Peach Blossom Spring", disse ela, se referindo a um conto de uma comunidade isolada, que foi escrita no século V na China. 

A artista tem estado ocupada. Recentemente, ela viajou com os últimos shows de sua turnê, enquanto a "Björk Digital", uma exposição itinerante de seus vídeos, incluindo os em realidade virtual, e seus aplicativos, que será expandida com as músicas de "Utopia", ganha mais datas pelo mundo. 

Outros detalhes do projeto: 

"Eu tentei tirar todos os lados possíveis das flautas, mudando-as de formas diferentes. Às vezes, usei 12 flautas, enquanto outras, apenas 6. Haviam vários tipos delas. Em algumas canções ou foram usadas com muitos efeitos ou realmente limpas".

Nós ficamos entre algumas igrejas em Reykjavik, tentando conseguir o som certo. Além disso, gravei muitas flautas na minha cabana perto de um lago, tentando criar este mundo onde você tem pessoas passando pela sua sala de estar, tocando flautas, cantando e fazendo batidas".

- Em "Blissing Me", ela canta sobre "dois nerds de música obsessivos" que se apaixonam ao "enviar arquivos em MP3 um para o outro". 

- Em "Courtship", ela canta por cima de acordes construídos a partir de flautas.

Ainda há um ressentimento persistente e tristeza em músicas como a desafiante "Sue Me" e também em "Tabula Rasa". "Losss" tem uma melodia submetida a uma batida frenética.

Mas Björk queria que o álbum fosse como um olhar para o futuro...

"Vulnicura" foi o fim de um capítulo, e esse é o início de um novo".

O álbum é finalizado com "Future Forever", onde a voz de Björk parece flutuar em meio ao silêncio. Ela invoca uma visão matriarcal benigna no trecho:

"Imagine um futuro e entre nele. Sinta essa incrível criatividade, mergulhe. Seu passado é um loop, desligue-o".

A islandesa mais uma vez descreveu um ambiente de trabalho muito feliz durante a criação de "Utopia" citando a conexão com Arca: "Ele sabia o meu catálogo de canções inteiro melhor do que eu".

(...) Nós sentimos que poderíamos escrever 50 álbuns, porque era tão divertido. No começo, ficamos realmente surpresos porque a diferença entre as nossas gerações é muito grande, mas depois descobrimos que, filosoficamente, compartilhamos muitas coisas. E tem esse elemento otimista de celebração em nossas músicas que realmente gostamos. (...) Ele me mostrou novamente um lado de mim que eu provavelmente teria ignorado. Nós enviamos várias ideias um ao outro. Era como jogar com alguém. Eu expliquei para ele: "Se nós vamos nos unir como músicos, vamos tentar não fazer a coisa da estrutura de música normal, mas sim nos encontrarmos de forma muito mais instrumental. Vamos nos dar liberdade".

(...) Você passa por diferentes períodos durante a vida. Seria realmente bom se pudéssemos descobrir uma receita que funcionasse ao longo de nossa vida inteira. Mas, felizmente, ou infelizmente, dependendo de como você olha, a maioria das coisas não duram muito, e aí é preciso repensar, seja em algo prático, emocional, espiritual ou qualquer nível que tenha que ser.

Você deve sonhar. Você tem que dizer: "Oh, eu quero isso...", e, no início, pode parecer algo muito utópico, mas se metade se tornar real, já será muito bom. Mas é necessário inventar, tipo: "ok, o que eu quero fazer depois?".

Segundo o jornalista, essa entrevista foi feita em uma tarde de verão, que quando terminou, de repente escureceu e houve um estrondo de um trovão, e assim uma forte chuva começou. Björk teria sorrido ao ouvi-lo, dizendo: "Toda a tensão se quebrou".

Postagens mais visitadas deste blog

Björk volta ao Brasil para show no Primavera Sound

Por essa a gente não esperava... Após 15 anos, Björk volta ao Brasil para show no festival Primavera Sound . A apresentação acontece no dia 5 de novembro , em São Paulo ! Atenção: Os ingressos estão à venda ( e já acabando ) em: https://www.eventim.com.br/primaverasoundsp Estamos esperando por esse momento desde 2007 ! Björk se apresentará no Brasil com a turnê Orkestral . No repertório, estão canções de várias fases da carreira. Durante a série de lives na Islândia, a artista revisitou muitas músicas em diferentes performances. No concerto de 2022, algumas delas devem aparecer no setlist. Conheça as histórias das faixas clicando   AQUI . Na estrada, Björk estará ao lado do condutor Bjarni Frímann Bjarnason .  "Para mim, o show "Orkestral" é como um dia de feriado. Eu apenas chego com um vestido nas costas e apareço, canto e vou para casa. Torna-se mais sobre mim, a cantora. Eu trabalho com as orquestras locais de cada lugar, então sou mais como uma convidada ou uma vi

Björk aparece no primeiro trailer de The Northman

Remember for whom you shed your last teardrop... Björk aparece no 1º trailer de The Northman . O nome da artista também está em destaque no pôster do filme, que tem estreia marcada para Abril de 2022 .  Após a veiculação do teaser , ela foi um dos assuntos mais comentados no Twitter :  No filme, Björk é Seeress , uma bruxa eslava. Na mitologia nórdica/paganismo germânico, essa figura é uma espécie de vidente que pode prever eventos futuros. Também é vista como "uma enviada", "profetisa", "portadora do cajado", "mulher sábia" e "feiticeira", ocupando uma posição de autoridade. Frequentemente, é chamada de sacerdotisa tanto em fontes antigas como na erudição moderna no conceito europeu de "bruxas". Na cultura popular, é mencionada em diferentes contextos.  The Northman tem direção de Robert Eggers . O roteiro foi escrito em parceria com Sjón . A obra é descrita como uma "saga de vingança viking ", na qual um príncip

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Em novembro de 2022, ela volta ao nosso país no festival Primavera Sound . Relembre todas as passagens da islandesa por terras brasileiras, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalment

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

A magia do show de Björk no Royal Opera House com a Vespertine Tour

Em 16 de Dezembro de 2001 , Björk se apresentava com a Vespertine Tour no Royal Opera House , em Londres.  A gravação se tornou um dos melhores registros dela nos palcos. Essencial para todos que desejam assistir a um concerto da artista. O DVD está entre os favoritos dos fãs. Antes do lançamento, foi exibido como um especial de TV na BBC .  Björk nunca se contenta em simplesmente recriar o que foi feito em estúdio. Todos os elementos são ampliados. Ela parecia estar super confiante e presente, deixando seu público "hipnotizado". A dedicação dela está em cada aspecto. O clima é bastante intimista, com um som incrível e delicado, representando muito bem o universo de Vespertine , junto de Il Novecento Orchestra , Simon Lee , Matmos , Zeena Parkins e o incrível Greenland Choir .  Com ingressos esgotados, o show foi um dos três últimos da turnê. Bachelorette e Play Dead também fizeram parte do setlist daquela noite, mas foram cortadas da edição final. A direção do DVD lanç