Pular para o conteúdo principal

Os pássaros da Utopia de Björk


Você tem falado sobre a conversa que você teve com Arca sobre as diferentes gerações de vocês dois. Houve algum momento em que ele te inspirou a buscar algo novo ou redescobrir um material antigo?

Talvez o mais surpreendente foi quando ele trouxe canções antigas minhas, instrumentais dos meus trabalhos que eram os favoritos dele, e nós usamos isso meio que como um ponto de partida. Canções como "Ambergris March". (...) E eu encontrei uma B-Side minha antiga, "Batabid", que também usei como referência.

Em certo momento, eu editei uma antiga mixtape dele  e escrevi quatro arranjos de harpa e depois enviei para ele. Naquele momento eu não estava ciente disso, mas eu acho que, provavelmente, acabei escolhendo alguns de seus momentos mais comemorativos e ampliando-os em uma canção sobre um beijo. Então é sobre como se "fogos de artifício" explodissem dentro da boca de pessoas que estavam se beijando pela primeira vez. A magia de quando duas bocas se "conhecem". Essa canção se chama "Arisen My Senses".

"Hejira" e "Don Juan's Reckless Daughter" de Joni Mitchell são inspirações para você. Foi também quando ela começou a se distanciar da órbita da música pop, folk, etc, mergulhando em outros universos musicais. Seria o "Utopia" o início de uma viagem parecida?

Possivelmente depois da jornada narrada em "Vulnicura", em que meus arranjos de cordas e a colaboração com Alejandro (Arca) foram como um pano de fundo para aquela saga de um coração partido, nós procuramos fazer com que dessa vez fosse sobre a música em si. E foi assim em "Arisen My Senses" e "Claimstaker", por exemplo, uma recusa em manter uma narrativa singular, mas sim várias vozes todas iguais.  Alguns tipos de músicos presentes em "Utopia", onde nenhuma parte é mais importante do que a outra. 

Eu sinto que provavelmente a minha música sempre está se movendo dentro e fora da "órbita pop", nunca se estabeleceu inteiramente nisso, talvez não seja uma coisa nova. Eu realmente amo ouvir música pop. Não tem nada melhor do que uma pura e apaixonante canção de R&B em uma sexta-feira à noite. É a perfeição!

O canto dos pássaros e flautas em "Utopia" me fez pensar sobre Olivier Messiaen. Ele via os pássaros como "Deuses da Música". Como o som deles te inspira?

Obrigada! Enquanto eu componho para os meus álbuns, é como se eu resolvesse o mistério de um assassinato tentando entender o tema. Já este disco é como se fosse um lugar. "Biophilia" foi como uma viagem em uma escola de música e "Vulnicura" foi o processo de cura de uma ferida. E neste, é o jeito mais forte, sonoramente, de fazer com que alguém tenha a sensação de que, chegou a um lugar e que está ouvindo pássaros cantando.

Eu sinto que o título ("Utopia") também tem isso na questão do sonho, mas também em experiências passadas, e eu gosto disso. (...) Mas como eu já disse antes, nunca houve tanta urgência em definir nossa utopia, um manifesto. É a nossa única esperança nestes tempos de crise. Nós temos que insistir no futuro que queremos! 

Então tem alguns pássaros no álbum que eu nunca tinha ouvido, e até parece um som techno. tem também alguns pássaros islandeses, corvos e uma ave chamada "mobelha-grande", que vivem do lado de fora da minha cabana. Eu queria que, de alguma forma, esses pássaros representassem tudo isso, às vezes como o desejo de algo inalcançável e outras como a afirmação de que você tem o que quer. E acho que é um tipo de polarização. A luz e as sombras da Utopia. 

Mas eu estou fugindo do assunto. Depois de sair com as garotas flautistas, eu montei uma seção de flautas de 12 peças na Islândia, e nós nos encontramos na minha cabana todas as sextas-feiras por alguns meses para ensaiar e gravar. Nós também cozinhávamos e conversávamos, criaturas tão diferentes, inclusive na idade, e por isso foi tão nutritivo. E o clima era de todo o tipo. Às vezes com Nevasca e outras vezes maravilhoso com pássaros cantando ao redor de nós. Então parecia que tudo pertencia àquele lugar". 

Uncut Magazine.
Novembro de 2017.
Entrevista por Stephen Troussé.

Assista ao videoclipe de "Blissing Me" dirigido por Tim Walker e Emma Dalzell:


Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Uma conversa entre Rei Kawakubo e Björk

“Essa entrevista poderia ser chamada de Folclore do Futuro ou algo envolvendo a palavra "folclore"?”. Essa foi uma solicitação de Björk antes da Interview Magazine publicar em outubro de 2019 uma conversa por e-mail inédita entre ela e Rei Kawakubo, fundadora da marca Comme des Garçons e da Dover Street Market. Confira a tradução completa do bate-papo:
BJÖRK: Querida Rei, estou muito honrada por termos essa conversa! Você é uma das pessoas que eu mais admiro, estou emocionada que isso esteja acontecendo. Estava pensando onde os interesses de nós duas se sobrepõem e, por algum motivo, comecei a pensar nas raízes, no folclore, ou na falta dele. Você mencionou em uma entrevista de 1982, que queria se afastar das influências folclóricas da moda japonesa. Acho isso muito interessante. Sempre achei que as culturas japonesa e islandesa têm  coisas em comum que, quando o budismo e o cristianismo chegaram, foram feitas com menos violência do que em outros países, o que serviu de pont…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

Em 1997, Björk já pensava em trabalhar com a realidade virtual

Vulnicura VR é o primeiro álbum em realidade virtual da história. Nele, cada experiência musical faz parte de um todo maior; uma narrativa visual que une cada canção. No entanto, segundo a edição de setembro de 2019 da Crack Magazine, esta não foi a primeira tentativa de Björk em querer dar vida a um projeto com esse tipo de tecnologia. Nos anos 90, quando a ferramenta começava a ganhar visibilidade, a islandesa quis criar uma experiência semelhante para o álbum Homogenic. Na época, muitos estudiosos acreditavam que os VRs seriam a próxima grande mudança de paradigma da humanidade após a Internet. Mas ficou como promessa, já que além de cara, não estava desenvolvida o suficiente para materializar as ideias da cantora, não para o mundo que ela queria construir. A artista acredita que a realidade virtual ficou por muito tempo em segundo plano.
Só em 2013, os primeiros headseats especializados foram lançados. Então, Björk e seu diretor criativo (e braço direito) James Merry entraram em c…