Pular para o conteúdo principal

Saiba a história da imagem da capa do "Utopia"


Em entrevista para o site Creative Review, Björk e Jesse Kanda falaram sobre o processo criativo da capa do "Utopia":

- A relação da capa com as músicas do álbum:

Björk: "Eu e James Merry começamos a falar sobre isso há um ano ou mais e eu comentei sobre como se tratava de um pouco de ficção científica, como chegar a uma ilha depois de algum tipo de apocalipse para começar de novo. Também tendo algum tipo de mutação, como pássaros que se tornam flautas que se tornam sintetizadores que se tornam humanos. Eu queria que tivesse essa cor meio "pêssego" e de alguma forma tentei capturar aquela magia do nascer e do pôr do sol".

Jesse Kanda: "Para mim, era sobre a criação de um retrato que encapsulasse o que senti que o álbum representa. Eu absorvi a música, mas tão influente foi a nossa amizade. Nós somos os melhores amigos (Arca, James Merry, Björk e eu). Digeri toda essa experiência. Estou especialmente orgulhoso em ver todos esses diferentes elementos equilibrados e vivos na imagem final. Eu sinto algo diferente toda vez que olho para ela.

James Merry fez a máscara que ela usou na capa e Hungry a maquiagem. Björk e Raphael Salley cuidaram do cabelo. Também tirei fotos de insetos e cadáveres de ratos (essa parte é o vestido dela). Então eu coloquei todas essas fotos juntas, entrei em pânico por alguns dias e juntei tudo, pintei, etc. Então, é um tipo de colagem.

- Como vocês obtiveram os conceitos iniciais para a imagem final? A ideia original passou por muitas alterações?

Björk: "Acho que primeiro foi a conversa entre mim e James Merry na qual eu disse que queria revelar meu rosto, mas com esse tipo de orquídea ou com formas florais. James, no espaço de alguns dias, foi e comprou silicone e, num quarto de hotel, começou a procurar tutoriais no YouTube sobre como fazer moldes e peças com esse material! 

A forma do cabelo era algo que eu desejava, um pouco como minhas tranças que uso desde que eu era adolescente. Jesse tratou a foto digitalmente. Eu senti que precisava de algo no pescoço e ele sugeriu um pássaro recém-nascido para fortalecer o ângulo de fertilidade da personagem matriarca, e James sugeriu aqueles buracos no pescoço para incentivar o tema do "ar" que acompanha o álbum inteiro. Eu queria ter uma flauta na capa, mas Jesse a alterou dramaticamente e a reposicionou.

Eu, Jesse, James e Alejandro passamos muito tempo juntos nos últimos anos na Islândia, e eu sinto que essa imagem e nosso trabalho colaborativo cresceram verdadeiramente a partir disso. Tem um núcleo de uma verdadeira amizade e, para ser honesta, às vezes, é difícil saber onde uma ideia começa e quando outra acaba".

Jesse: "Björk é apenas um ser humano muito bonito que eu fico feliz em chamar de amiga. E, como em todas as minhas amizades, há uma dinâmica de respeito mútuo, amor, cuidado ... compartilhando dor e alegria! Conforto para sermos nós mesmos e é simplesmente divertido estar um ao lado do outro. Fazer coisas juntos é um bônus incrível".

Björk: "Eu acho que principalmente estou emocionada de conhecê-lo. Sua integridade e auto-suficiência é incrivelmente inspiradora. Emocionalmente tão exuberante e vibrante. Foi um privilégio testemunhar ele crescer!".

Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Björk dá conselho para fãs em bate-papo no Instagram

Em turnê pela Europa, Björk respondeu perguntas dos fãs através dos Stories do Instagram. Ela também deu alguns conselhos para seus admiradores através do perfil da revista Dazed. O bate-papo aconteceu nesta terça-feira, 19 de novembro, dia da apresentação de Cornucopia na O2 Arena. Confira a tradução completa da conversa: 
- Estou em uma banda, mas às vezes sinto que estou arrastando os outros comigo. O que devo fazer?
Talvez isso seja justo o suficiente se não forem as músicas deles, sabe? Quando eu estava em bandas, sempre co-escrevíamos, e quando eu estava com vontade de compartilhar minhas próprias músicas, me afastava para criar. Trazê-la (pronta) para os ensaios não pareceria o certo a se fazer. Mas, novamente, a sinergia em um grupo de pessoas trabalhando juntas é um dos momentos mais nutritivos que existem, mas é um ato delicado de equilíbrio.
- Você acha que a indústria da música tem um futuro agora que ninguém mais compra música?
Sim, seria incrível se os sites de streaming f…

Exposição Björk Digital chega a Brasília em Dezembro

Depois de uma temporada de sucesso em São Paulo, a exposição Björk Digital passará por Brasília. A informação foi confirmada pela própria Björk, que contou a novidade empostnas redes sociais em agosto. A mostra fica em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil de 3 de Dezembro de 2019 a 9 de fevereiro de 2020. Os ingressos são gratuitos.
Na programação estão inclusos: 6 vídeos de Vulnicura, sendo 5 em realidade virtual (Stonemilker, Mouth Mantra, Quicksand, Family e Notget), e uma instalação especial (Black Lake), além da sessão de videoclipes de Björk, incluindo os do álbum Utopia, remasterizados em alta definição (exibidos em sala de cinema) e uma área dedicada ao projeto educativo de Biophilia. Confira mais detalhes AQUI.
A exposição é apresentada pelo Ministério da Cidadania e Secretaria Especial da Cultura, patrocinada pelo Banco do Brasil, realizada no CCBB Brasília pela Cinnamon Comunicação.
No ano que vem, chega ao CCBB do Rio de Janeiro e de Belo Horizonte, em março e junho d…

Com Cornucopia, Björk inicia apresentações em arenas na Europa

Björk tocando na O2 Arena é algo que poderia ter feito mais sentido nos anos 90, se o local já existisse. Foi naquela época que a artista islandesa fez álbuns que venderam milhões, e que sua voz surpreendente esteve em maior evidência na mídia. Hoje, isso é uma lembrança distante para ela, que optou por um trabalho ainda mais experimental, como em Utopia (2017).
No entanto, uma apresentação está marcada na O2 para o dia 19 de novembro. Será o maior show dela em Londres nesses 42 anos de carreira. "Obviamente, jurei na adolescência que nunca tocaria em uma arena na minha vida", ela contou ao jornal britânico Evening Standart UK. “Mas as dos Anos 80 são diferentes das arenas recém-construídas e, de certa forma, os teatros do Século XVIII tem tanta bagagem. Mas é claro que isso é um experimento, assim como tudo o que faço. Acho que não vale a pena fazer, a menos que seja algo que nunca fiz antes, né? Inicialmente, eu esperava que teatros tradicionais pudessem nos receber, mas …