Pular para o conteúdo principal

Saiba a história da imagem da capa do "Utopia"


Em entrevista para o site Creative Review, Björk e Jesse Kanda falaram sobre o processo criativo da capa do "Utopia":

- A relação da capa com as músicas do álbum:

Björk: "Eu e James Merry começamos a falar sobre isso há um ano ou mais e eu comentei sobre como se tratava de um pouco de ficção científica, como chegar a uma ilha depois de algum tipo de apocalipse para começar de novo. Também tendo algum tipo de mutação, como pássaros que se tornam flautas que se tornam sintetizadores que se tornam humanos. Eu queria que tivesse essa cor meio "pêssego" e de alguma forma tentei capturar aquela magia do nascer e do pôr do sol".

Jesse Kanda: "Para mim, era sobre a criação de um retrato que encapsulasse o que senti que o álbum representa. Eu absorvi a música, mas tão influente foi a nossa amizade. Nós somos os melhores amigos (Arca, James Merry, Björk e eu). Digeri toda essa experiência. Estou especialmente orgulhoso em ver todos esses diferentes elementos equilibrados e vivos na imagem final. Eu sinto algo diferente toda vez que olho para ela.

James Merry fez a máscara que ela usou na capa e Hungry a maquiagem. Björk e Raphael Salley cuidaram do cabelo. Também tirei fotos de insetos e cadáveres de ratos (essa parte é o vestido dela). Então eu coloquei todas essas fotos juntas, entrei em pânico por alguns dias e juntei tudo, pintei, etc. Então, é um tipo de colagem.

- Como vocês obtiveram os conceitos iniciais para a imagem final? A ideia original passou por muitas alterações?

Björk: "Acho que primeiro foi a conversa entre mim e James Merry na qual eu disse que queria revelar meu rosto, mas com esse tipo de orquídea ou com formas florais. James, no espaço de alguns dias, foi e comprou silicone e, num quarto de hotel, começou a procurar tutoriais no YouTube sobre como fazer moldes e peças com esse material! 

A forma do cabelo era algo que eu desejava, um pouco como minhas tranças que uso desde que eu era adolescente. Jesse tratou a foto digitalmente. Eu senti que precisava de algo no pescoço e ele sugeriu um pássaro recém-nascido para fortalecer o ângulo de fertilidade da personagem matriarca, e James sugeriu aqueles buracos no pescoço para incentivar o tema do "ar" que acompanha o álbum inteiro. Eu queria ter uma flauta na capa, mas Jesse a alterou dramaticamente e a reposicionou.

Eu, Jesse, James e Alejandro passamos muito tempo juntos nos últimos anos na Islândia, e eu sinto que essa imagem e nosso trabalho colaborativo cresceram verdadeiramente a partir disso. Tem um núcleo de uma verdadeira amizade e, para ser honesta, às vezes, é difícil saber onde uma ideia começa e quando outra acaba".

Jesse: "Björk é apenas um ser humano muito bonito que eu fico feliz em chamar de amiga. E, como em todas as minhas amizades, há uma dinâmica de respeito mútuo, amor, cuidado ... compartilhando dor e alegria! Conforto para sermos nós mesmos e é simplesmente divertido estar um ao lado do outro. Fazer coisas juntos é um bônus incrível".

Björk: "Eu acho que principalmente estou emocionada de conhecê-lo. Sua integridade e auto-suficiência é incrivelmente inspiradora. Emocionalmente tão exuberante e vibrante. Foi um privilégio testemunhar ele crescer!".

Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Uma conversa entre Rei Kawakubo e Björk

“Essa entrevista poderia ser chamada de Folclore do Futuro ou algo envolvendo a palavra "folclore"?”. Essa foi uma solicitação de Björk antes da Interview Magazine publicar em outubro de 2019 uma conversa por e-mail inédita entre ela e Rei Kawakubo, fundadora da marca Comme des Garçons e da Dover Street Market. Confira a tradução completa do bate-papo:
BJÖRK: Querida Rei, estou muito honrada por termos essa conversa! Você é uma das pessoas que eu mais admiro, estou emocionada que isso esteja acontecendo. Estava pensando onde os interesses de nós duas se sobrepõem e, por algum motivo, comecei a pensar nas raízes, no folclore, ou na falta dele. Você mencionou em uma entrevista de 1982, que queria se afastar das influências folclóricas da moda japonesa. Acho isso muito interessante. Sempre achei que as culturas japonesa e islandesa têm  coisas em comum que, quando o budismo e o cristianismo chegaram, foram feitas com menos violência do que em outros países, o que serviu de pont…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

Em 1997, Björk já pensava em trabalhar com a realidade virtual

Vulnicura VR é o primeiro álbum em realidade virtual da história. Nele, cada experiência musical faz parte de um todo maior; uma narrativa visual que une cada canção. No entanto, segundo a edição de setembro de 2019 da Crack Magazine, esta não foi a primeira tentativa de Björk em querer dar vida a um projeto com esse tipo de tecnologia. Nos anos 90, quando a ferramenta começava a ganhar visibilidade, a islandesa quis criar uma experiência semelhante para o álbum Homogenic. Na época, muitos estudiosos acreditavam que os VRs seriam a próxima grande mudança de paradigma da humanidade após a Internet. Mas ficou como promessa, já que além de cara, não estava desenvolvida o suficiente para materializar as ideias da cantora, não para o mundo que ela queria construir. A artista acredita que a realidade virtual ficou por muito tempo em segundo plano.
Só em 2013, os primeiros headseats especializados foram lançados. Então, Björk e seu diretor criativo (e braço direito) James Merry entraram em c…