Pular para o conteúdo principal

"Também gosto do clichê de "utopia", uma palavra incrivelmente desgastada"


- No vídeo para o single "The Gate" você usa uma vulva no peito, uma vagina aberta que dá origem a um organismo luminoso. O que isso significa?

Trata-se de um músculo emocional que tenho que "treinar". O álbum é uma espécie de exercício de yoga para mim. Não é coincidência que a imagem do coração partido tenha sido assombrada pela poesia há tanto tempo. É uma imagem física: seu peito implode. Depois de dois anos ou mais, surge um vazio e você precisa restaurá-lo. "The Gate" é sobre poder fazer uma escolha neste momento: treiná-lo ou deixar seu coração despedaçado, talvez pelo resto de sua vida. Se você diz: eu quero luz na minha vida, quero que minha ferida se torne um "portão", se você pode fazer isso, você pode ter 50% de luz e 50% de escuridão. Mas se você se concentrar na escuridão, ela logo assumirá a totalidade. Isso soa como um biscoito da sorte!

- Isso serve de porta de entrada para outra pergunta, pois também descreve sua parceria artística com o Arca, que parece ser muito mais que um produtor em "Utopia". Os ouvintes imediatamente reconhecem as composições de vocês, mesmo que não se mantenham uma só, mantêm um certo apego. Seria um tipo de modelo de relacionamento?

Sim, isso me deixa tão feliz! No início, ele era mais  como um produtor de aluguel, "uma arma contratada". Alejandro tem 28 anos, estamos em diferentes pontos de nossas vidas, tenho 51 anos de idade, mas, apesar da diferença, temos uma boa relação musical.

- Em "Blissing Me" você também canta sobre esse relacionamento. Fala-se de "dois nerds de música obsessivos": você e Arca também estão no mesmo nível hierárquico?

Eu não acredito que a hierarquia traz coisas muito positivas. Vivemos no pós-patriarcado há muito tempo, o matriarcado virá com força total ainda neste século. Não me interpretem mal, Alejandro e eu adoramos os homens, essa energia é excelente. Mas colocamos a emoção primeiro. Eu também vejo isso com meus filhos: ontem mesmo eu escutei minha filha de 15 anos falando que das crianças da escola, os meninos são os mais emocionais! Esta é a utopia para vocês homens, que agora podem ter alma e vulnerabilidade.

- Não é possível isso na arte? Muitos artistas pensam que não estão em sintonia com as convenções sociais.

Muitos artistas homens vivem em hierarquias íngremes quando alcançam um certo status. Neste mundo, existe todo um sistema em torno deles. E não gosto disso e não acredito nisso. Talvez porque sou mulher. Talvez porque eu aprendi uma lição importante no início, aprendi a saber, como é doloroso colocar alguém em um pedestal. Eu tinha apenas 11 anos quando meu primeiro álbum foi lançado na Islândia. Eu imediatamente me tornei uma celebridade. Não consegui pegar um ônibus sem as crianças sussurrando: "Oh, essa é a menina da TV! Oh, ela está na última fila, porque ela acha que ela é especial".

Então eu comecei a sair dali. Mas aí eles começaram a dizer: "Oh, ela está na frente, porque ela acha que ela é mais importante". Meu forte desejo de ser alguém real e fazer coisas normais vem daquele momento. Isso também com as pessoas que me rodeiam.

- O termo "Utopia" também é uma reminiscência de ideologias devastadoras que queriam romper com a história e deixar o desastre para trás, "Tabula Rasa" é uma das suas novas músicas. Como foi lidar com isso?

Tenho um estranho senso de humor e gosto disso. Também gosto do clichê de "utopia", uma palavra incrivelmente desgastada. Eu me divirto. Presumo que o humor é geralmente subavaliado no meu trabalho. Você sabe, trazer esperança para o mundo hoje em dia é meio bobo, claro. Mas essa sou eu! "Vulnicura" emitiu uma energia muito negativa. É por isso que eu tive que manter a luz em "Utopia" para que minha família e eu possamos sair dessa situação. Isso é deliberadamente um pouco ridículo.

- Você disse que "Utopia" é o seu "álbum Tinder". Ao falar sobre o conceito dessa palavra, pensei no romance de Thomas More, de 1516. Onde há uma ilha com monogamia.

A dificuldade é descobrir quem você quer viver no mundo monogâmico, certo? Não é apenas sobre isso ... no entanto, algumas músicas também estão "namorando" outras canções escritas para alguém muito específico. Mas é também sobre um nível metafísico. O álbum é o início de uma nova fase de vida destinada a se abrir novamente.

Eu acredito em monogamia, então não é fácil para mim. Não estou aberta, e isso é um grande problema para mim! É por isso que escrevo essas músicas.

- As máscaras são parte da sua imagem atual. Por um lado, como um escudo protetor, por outro lado, expressam emoções que são difíceis de descrever. O que é mais importante para você, a proteção ou reforçar um sentimento?

Eu penso que ambas as coisas. As máscaras mantém a minha privacidade, permitindo maior expressão na comunicação com estranhos. Em Reykjavik eu nunca faço isso, eu conheço todos ali. Mas pessoas como eu também querem sair para jantar com suas crianças sem ter que se preocupar com outros retirando seus telefones do bolso e tirando fotos. Eu posso ser muito rigorosa. Quando eu vou a shows, eu uso uma máscara fina de tecido transparente, então minha expressão facial fica pouco visível. Isso me protege. Eu posso ficar bêbada e ainda falar com meus fãs.

- As máscaras lhe salvam da imposição de ter que ser você mesmo?

É um alívio tirar uma pausa para mim mesma. Eu observo isso em shows ao ar livre. É aí que os rituais pagãos se sobressaem, penso eu. As pessoas lá estão procurando se divertir. Se eu usasse uma máscara andando pela cidade, me chamariam de narcisista. Mas em um festival ao ar livre, ser teatral, de repente não é mais extravagante, e sim libertador.

- Se comunicar com os outros não é o mais fácil quando todos estão lá se balançando e se divertindo com seus fones de ouvido. O que você acha disso?

Então, eu escutei muita música sozinha, sempre. Quando adolescente, me sentava à frente da mesa e ouvia um álbum do início ao fim. Não tolerava interrupções. Minha hora favorita para isso era depois da escola, antes que os outros chegassem em casa. Entre às 17 e 19hrs eu ficava sozinha e ouvia um ou dois álbuns. E esse era o momento mais valioso do dia para mim. Portanto, estou totalmente a favor dos fones de ouvido!

- Me referia ao uso de fones de ouvido em lugares públicos, não na sala de estar. Estaríamos nos reunindo e interagindo muito pouco?

Ah, tem muitos shows onde as pessoas se reúnem para isso. No entanto, já se torna um problema para os músicos, porque se apresentar é a única maneira de ganhar dinheiro. Eles não podem descansar, especialmente os jovens. Eles não têm tempo para suas músicas e álbuns, eles estão constantemente em turnê. Estão longe de familiares e amigos, isso é uma merda! Então, eles ficam em constante colapso do outro lado do mundo. Isso se resolve apenas se os artistas ganham mais dinheiro com streaming. Quero dizer, estou bem, minha geração está bem, nós compramos casas - não tenho que ganhar mais dinheiro para viver. Mas e os músicos com 20 anos de idade? Se não pudermos lidar com esse problema do streaming, eles não conseguirão superar isso.

- Björk em entrevista para o SPIEGEL ONLINE, novembro de 2017.

Postagens mais visitadas deste blog

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Debut, o primeiro álbum da carreira solo de Björk, completa 30 anos

Há 30 anos , era lançado "Debut", o primeiro álbum da carreira solo de Björk : "Esse disco tem memórias e melodias da minha infância e adolescência. No minuto em que decidi seguir sozinha, tive problemas com a autoindulgência disso. Era a história da garota que deixou a Islândia, que queria lançar sua própria música para o resto do mundo. Comecei a escrever como uma estrutura livre na natureza, por conta própria, na introversão". Foi assim que a islandesa refletiu sobre "Debut" em 2022, durante entrevista ao podcast Sonic Symbolism: "Eu só poderia fazer isso com algum tipo de senso de humor, transformando-o em algo como uma história de mitologia. O álbum tem melodias e coisas que eu escrevi durante anos, então trouxe muitas memórias desse período. Eu funcionava muito pelo impulso e instinto". Foto: Jean-Baptiste Mondino. Para Björk, as palavras que descrevem "Debut" são: Tímido, iniciante, o mensageiro, humildade, prata, mohair (ou ango

Björk e a paixão pelo canto de Elis Regina: "Ela cobre todo um espectro de emoções"

"É difícil explicar. Existem várias outras cantoras, como Ella Fitzgerald , Billie Holiday , Edith Piaf , mas há alguma coisa em Elis Regina com a qual eu me identifico. Então escrevi uma canção, Isobel , sobre ela. Na verdade, é mais uma fantasia, porque sei pouco a respeito dela".  Quando perguntada se já viu algum vídeo com imagens de Elis, Björk respondeu:  "Somente um. É um concerto gravado no Brasil, em um circo, com uma grande orquestra. Apesar de não conhecê-la, trabalhei com ( Eumir ) Deodato e ele me contou várias histórias sobre ela. Acho que tem algo a ver com a energia com a qual ela canta. Ela também tem uma claridade no tom da voz, que é cheia de espírito.  O que eu gosto em Elis é que ela cobre todo um espectro de emoções. Em um momento, ela está muito feliz, parece estar no céu. Em outro, pode estar muito triste e se transforma em uma suicida".  A entrevista foi publicada na Folha de São Paulo , em setembro de 1996. Na ocasião, Björk divulgava o

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Relembre todas as passagens de Björk por terras brasileiras! Preparamos uma matéria detalhada e cheia de curiosidades: Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96) , como parte do Free Jazz Festival . Fotos:  André Gardenberg, Folhapres