Pular para o conteúdo principal

"Também gosto do clichê de "utopia", uma palavra incrivelmente desgastada"


- No vídeo para o single "The Gate" você usa uma vulva no peito, uma vagina aberta que dá origem a um organismo luminoso. O que isso significa?

Trata-se de um músculo emocional que tenho que "treinar". O álbum é uma espécie de exercício de yoga para mim. Não é coincidência que a imagem do coração partido tenha sido assombrada pela poesia há tanto tempo. É uma imagem física: seu peito implode. Depois de dois anos ou mais, surge um vazio e você precisa restaurá-lo. "The Gate" é sobre poder fazer uma escolha neste momento: treiná-lo ou deixar seu coração despedaçado, talvez pelo resto de sua vida. Se você diz: eu quero luz na minha vida, quero que minha ferida se torne um "portão", se você pode fazer isso, você pode ter 50% de luz e 50% de escuridão. Mas se você se concentrar na escuridão, ela logo assumirá a totalidade. Isso soa como um biscoito da sorte!

- Isso serve de porta de entrada para outra pergunta, pois também descreve sua parceria artística com o Arca, que parece ser muito mais que um produtor em "Utopia". Os ouvintes imediatamente reconhecem as composições de vocês, mesmo que não se mantenham uma só, mantêm um certo apego. Seria um tipo de modelo de relacionamento?

Sim, isso me deixa tão feliz! No início, ele era mais  como um produtor de aluguel, "uma arma contratada". Alejandro tem 28 anos, estamos em diferentes pontos de nossas vidas, tenho 51 anos de idade, mas, apesar da diferença, temos uma boa relação musical.

- Em "Blissing Me" você também canta sobre esse relacionamento. Fala-se de "dois nerds de música obsessivos": você e Arca também estão no mesmo nível hierárquico?

Eu não acredito que a hierarquia traz coisas muito positivas. Vivemos no pós-patriarcado há muito tempo, o matriarcado virá com força total ainda neste século. Não me interpretem mal, Alejandro e eu adoramos os homens, essa energia é excelente. Mas colocamos a emoção primeiro. Eu também vejo isso com meus filhos: ontem mesmo eu escutei minha filha de 15 anos falando que das crianças da escola, os meninos são os mais emocionais! Esta é a utopia para vocês homens, que agora podem ter alma e vulnerabilidade.

- Não é possível isso na arte? Muitos artistas pensam que não estão em sintonia com as convenções sociais.

Muitos artistas homens vivem em hierarquias íngremes quando alcançam um certo status. Neste mundo, existe todo um sistema em torno deles. E não gosto disso e não acredito nisso. Talvez porque sou mulher. Talvez porque eu aprendi uma lição importante no início, aprendi a saber, como é doloroso colocar alguém em um pedestal. Eu tinha apenas 11 anos quando meu primeiro álbum foi lançado na Islândia. Eu imediatamente me tornei uma celebridade. Não consegui pegar um ônibus sem as crianças sussurrando: "Oh, essa é a menina da TV! Oh, ela está na última fila, porque ela acha que ela é especial".

Então eu comecei a sair dali. Mas aí eles começaram a dizer: "Oh, ela está na frente, porque ela acha que ela é mais importante". Meu forte desejo de ser alguém real e fazer coisas normais vem daquele momento. Isso também com as pessoas que me rodeiam.

- O termo "Utopia" também é uma reminiscência de ideologias devastadoras que queriam romper com a história e deixar o desastre para trás, "Tabula Rasa" é uma das suas novas músicas. Como foi lidar com isso?

Tenho um estranho senso de humor e gosto disso. Também gosto do clichê de "utopia", uma palavra incrivelmente desgastada. Eu me divirto. Presumo que o humor é geralmente subavaliado no meu trabalho. Você sabe, trazer esperança para o mundo hoje em dia é meio bobo, claro. Mas essa sou eu! "Vulnicura" emitiu uma energia muito negativa. É por isso que eu tive que manter a luz em "Utopia" para que minha família e eu possamos sair dessa situação. Isso é deliberadamente um pouco ridículo.

- Você disse que "Utopia" é o seu "álbum Tinder". Ao falar sobre o conceito dessa palavra, pensei no romance de Thomas More, de 1516. Onde há uma ilha com monogamia.

A dificuldade é descobrir quem você quer viver no mundo monogâmico, certo? Não é apenas sobre isso ... no entanto, algumas músicas também estão "namorando" outras canções escritas para alguém muito específico. Mas é também sobre um nível metafísico. O álbum é o início de uma nova fase de vida destinada a se abrir novamente.

Eu acredito em monogamia, então não é fácil para mim. Não estou aberta, e isso é um grande problema para mim! É por isso que escrevo essas músicas.

- As máscaras são parte da sua imagem atual. Por um lado, como um escudo protetor, por outro lado, expressam emoções que são difíceis de descrever. O que é mais importante para você, a proteção ou reforçar um sentimento?

Eu penso que ambas as coisas. As máscaras mantém a minha privacidade, permitindo maior expressão na comunicação com estranhos. Em Reykjavik eu nunca faço isso, eu conheço todos ali. Mas pessoas como eu também querem sair para jantar com suas crianças sem ter que se preocupar com outros retirando seus telefones do bolso e tirando fotos. Eu posso ser muito rigorosa. Quando eu vou a shows, eu uso uma máscara fina de tecido transparente, então minha expressão facial fica pouco visível. Isso me protege. Eu posso ficar bêbada e ainda falar com meus fãs.

- As máscaras lhe salvam da imposição de ter que ser você mesmo?

É um alívio tirar uma pausa para mim mesma. Eu observo isso em shows ao ar livre. É aí que os rituais pagãos se sobressaem, penso eu. As pessoas lá estão procurando se divertir. Se eu usasse uma máscara andando pela cidade, me chamariam de narcisista. Mas em um festival ao ar livre, ser teatral, de repente não é mais extravagante, e sim libertador.

- Se comunicar com os outros não é o mais fácil quando todos estão lá se balançando e se divertindo com seus fones de ouvido. O que você acha disso?

Então, eu escutei muita música sozinha, sempre. Quando adolescente, me sentava à frente da mesa e ouvia um álbum do início ao fim. Não tolerava interrupções. Minha hora favorita para isso era depois da escola, antes que os outros chegassem em casa. Entre às 17 e 19hrs eu ficava sozinha e ouvia um ou dois álbuns. E esse era o momento mais valioso do dia para mim. Portanto, estou totalmente a favor dos fones de ouvido!

- Me referia ao uso de fones de ouvido em lugares públicos, não na sala de estar. Estaríamos nos reunindo e interagindo muito pouco?

Ah, tem muitos shows onde as pessoas se reúnem para isso. No entanto, já se torna um problema para os músicos, porque se apresentar é a única maneira de ganhar dinheiro. Eles não podem descansar, especialmente os jovens. Eles não têm tempo para suas músicas e álbuns, eles estão constantemente em turnê. Estão longe de familiares e amigos, isso é uma merda! Então, eles ficam em constante colapso do outro lado do mundo. Isso se resolve apenas se os artistas ganham mais dinheiro com streaming. Quero dizer, estou bem, minha geração está bem, nós compramos casas - não tenho que ganhar mais dinheiro para viver. Mas e os músicos com 20 anos de idade? Se não pudermos lidar com esse problema do streaming, eles não conseguirão superar isso.

- Björk em entrevista para o SPIEGEL ONLINE, novembro de 2017.

Postagens mais visitadas deste blog

Relato: "O dia em que conheci Björk pessoalmente em São Paulo"

"O Dia das Crianças do ano de 1996, foi uma data inesquecível! Eu estava trabalhando pelas ruas de São Paulo e passando em frente ao Maksoud Plaza, tive a ideia de perguntar pelos convidados do Free Jazz Festival. Estávamos na semana das apresentações e para a minha surpresa, descobri a informação que eu queria, nossa amiguinha "islandeusa" se hospedaria lá. Todo envergonhado, perguntei do pessoal do hotel como eu poderia entrar em contato com os organizadores do evento, e me aconselharam subir até o segundo andar, lá existia uma sala chamada "Primavera", e uma coletiva de imprensa iria acontecer no dia do show. Encontrei sem querer, uma fada madrinha chamada Ana Paula. A mulher mais bonita que eu já vi na vida, e um fotógrafo que eu não me lembro bem o nome. A moça era encarregada de toda a organização do festival e eu disse que gostaria muito de participar da coletiva, e que tinha dois desenhos para entregar para Björk. Falei sobre o meu amor pela artista, …

Björk e Milton Nascimento - A Travessia para um grande encontro

Poucas horas antes do show no Metropolitan, no Rio de Janeiro, em 20 de agosto de 1998 (saiba mais AQUI), Björk conversou com a imprensa brasileira, e esteve junto de Milton Nascimento. Ela foi uma das atrações principais do festival Close-Up Planet:


Ao jornal Extra, ela contou que é fã não só de Elis, mas também do Sepultura. Falando de Milton Nascimento, revelou: "Cheguei no sábado (acompanhada de uma amiga de infância) e fiquei bêbada com algumas pessoas ouvindo as músicas dele". Segundo a publicação, a cantora teria cogitado a ideia de ir a apresentação "Tambores de Minas" da lenda brasileira, no Canecão. Ela admitiu que do line-up do festival, só conhecia mesmo as atrações internacionais: "Tenho que dizer que sou ignorante em relação à música brasileira, e isso me envergonha". Também deixou claro que, como de costume, não incluiria nada do Sugarcubes no setlist: "São meus amigos, crescemos juntos. Não posso tocar uma música da banda sem eles&qu…

Relembre perguntas de Kylie Minogue para Björk em chat realizado com fãs, em 2003

Em 2003, o site do SHOWStudio organizou um chat com Björk. Eles separaram perguntas de fãs e também de alguns artistas, incluindo a maravilhosa Kylie Minogue
K: Meu empresário se lembra de ter conversado contigo nos bastidores de uma premiação, sobre os méritos e as dificuldades de se comprar uma ilha particular. Você ainda tem o desejo de encontrar esse refúgio? Quais os motivos? É para escapar da sensação de opressão que a atenção do público e da mídia podem trazer, ou você acha que ainda pensaria nisso mesmo que não fosse conhecida?
B: Acredito que romantizei isso desde que era criança. Eu quase comprei uma certa vez, mas quando essa história se tornou pública, voltei atrás. Então, pode ser que esteja ligado à ideia de fuga. Quando estou fazendo muita música e cantando bastante, não penso muito em ilhas. Comecei a perceber que talvez não precise literalmente ter uma, é mais um estado de espírito mesmo. Mas, ainda sonho em consegui-la. Talvez quando esti…

A paixão de Björk por Kate Bush

"Eu gostaria de ouvi-la sem parar. Era muito divertido acompanhar sua música na Islândia. Eu acabei adquirindo os álbuns muitos anos depois que saíram, então eu não tinha qualquer contexto, eu estava simplesmente ouvindo-os no meu próprio contexto. E todas as minhas canções favoritas eram as “lado-B” do terceiro single, por exemplo.
E então eu vi alguns documentários sobre ela, era a primeira vez que eu via as coisas de um ponto de vista britânico e eles estavam falando: "Ela esteve no Top 3 das paradas musicais, e foi no Top of The Pops, e fez muito melhor do que o fracasso do álbum anterior”. E foi o oposto total para mim! É tão ridículo, esta narrativa de sucesso e fracasso. Como, se você faz algo surpreendente, a próxima coisa tem que ser horrível. É como o tempo ou algo assim. Dez anos mais tarde, alguém assiste na Islândia ou na China e é totalmente irrelevante.

Para mim, ela sempre representará a época de exploração da própria sexualidade,…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades!

Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta Bizz, edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o Sugarcubes.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil, com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.





Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser mui…