Pular para o conteúdo principal

"Utopia" é o novo capítulo da trajetória de Björk


- Você mencionou que "Utopia" é um álbum que fala sobre a busca de novas realidades no meio dessa era Trump. Mais especificamente, que "quando ocorre uma tragédia, é preciso inventar um novo mundo". Você quer dizer uma realidade emocional, política ou ambas?

Acho que a música pop é boa para isso. É uma maneira de simplificar e, ao mesmo tempo, conectar o pessoal com o universal. Escrevi, por exemplo, uma música chamada "Declare Independence", que é ao mesmo tempo sobre encorajar pessoalmente alguém que está sendo oprimido em um relacionamento, mas também sobre encorajar civilizações a se rebelarem. Mas também acho que, para mim, a utopia também é ambiental. Desde que Trump renunciou ao Acordo de Mudança Climática de Paris, estamos em uma situação de emergência. Vamos ter que definir a nossa utopia e, em seguida, torná-la uma realidade, mas não é tudo, pois temos que iluminar a nossa imaginação e pensar sobre como fazer de imediato um mundo que funcione com energia renovável.

- Você foi muito clara ao definir o "Vulnicura", seu álbum anterior. Como o processo criativo de "Utopia" era diferente e, de forma mais ampla, como você incorporou suas experiências pessoais em sua arte?

"Vulnicura" foi muito difícil de escrever, mas fácil de mixar. "Utopia" foi o contrário, talvez porque o "Vulnicura" foi construído de uma forma diferente com arranjos de cordas e batidas. Para "Utopia" formei um grupo de 12 flautistas na Islândia, todas as mulheres, e durante um ano e meio nos reunimos na minha cabana e ensaiamos e gravamos. Eu escrevi e modifiquei os arranjos, e os moldei para ter 14 músicas com a maior variedade de timbres de flautas possível. Eu acho que depois de "Vulnicura", que tinha melodias que não se moviam muito, e que também estavam "presas no chão",  e tinham cordas e um ritmo muito pesado, fiquei muito animada para transformar este novo projeto em algo diferente e isso foi como fogos de artifício explodindo no céu. Havia muita estrutura e hierarquia em "Vulnicura", a voz como uma narrativa e o resto dos instrumentos ao seu serviço. Para o "Utopia", eu realmente queria me livrar de tudo isso e voltar com uma nova estrutura em que cada nota era igualmente importante. Voltando para a música em si.

- Na música "Blissing Me", do novo álbum, você canta sobre se apaixonar, esse momento em que se descobre alguém. Com o risco de ser simultaneamente muito óbvia e muito sentimental, o amor (entendido como o desejo de prolongar esse amor eternamente) é a maior utopia?

O amor é um mistério que todos experimentamos de diferentes maneiras. E é diferente toda vez, mas quando alguém está profundamente apaixonado, é como se escapasse da morte. Uma fusão com a eternidade.

- Em "The Gate" - talvez um dos momentos mais frágeis do álbum - você sintetizou os medos que o início de um novo relacionamento implica. De onde vem essa música, emocionalmente falando?

Eu sinto que para mim é a continuação de "Vulnicura". No lugar onde a ferida da ruptura é curada, no peito, como uma portão que cresceu através do qual você pode amar e ser amado. Então é quase como um exercício "Kundalini" em que as luzes se apagam e você é o único que pode reverter isso.

- O que você pode me falar sobre o processo de composição dos arranjos para este novo álbum? Por exemplo, a sequência de flautas para a música "Utopia".

Passei muito tempo experimentando os arranjos de flauta, e eu queria fazer algo como um cobertor peludo com "cor de pêssego" que fosse como uma textura irresistível e brilhante. Acho que eu ainda poderia passar mais 20 anos fazendo arranjos de flautas para torná-los perfeitos. Acredito que exista uma razão pela qual não havia músicas com 12 flautas e eu realmente gostei do enigma que significava mistura delas com o som de batidas e corais.

Revista "Cosas Lujo", novembro de 2017.

.:: Assista a um novo vídeo de uma entrevista de James Merry em sua casa, em que fala sobre a produção das máscaras de Björk:





Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Uma conversa entre Rei Kawakubo e Björk

“Essa entrevista poderia ser chamada de Folclore do Futuro ou algo envolvendo a palavra "folclore"?”. Essa foi uma solicitação de Björk antes da Interview Magazine publicar em outubro de 2019 uma conversa por e-mail inédita entre ela e Rei Kawakubo, fundadora da marca Comme des Garçons e da Dover Street Market. Confira a tradução completa do bate-papo:
BJÖRK: Querida Rei, estou muito honrada por termos essa conversa! Você é uma das pessoas que eu mais admiro, estou emocionada que isso esteja acontecendo. Estava pensando onde os interesses de nós duas se sobrepõem e, por algum motivo, comecei a pensar nas raízes, no folclore, ou na falta dele. Você mencionou em uma entrevista de 1982, que queria se afastar das influências folclóricas da moda japonesa. Acho isso muito interessante. Sempre achei que as culturas japonesa e islandesa têm  coisas em comum que, quando o budismo e o cristianismo chegaram, foram feitas com menos violência do que em outros países, o que serviu de pont…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

Em 1997, Björk já pensava em trabalhar com a realidade virtual

Vulnicura VR é o primeiro álbum em realidade virtual da história. Nele, cada experiência musical faz parte de um todo maior; uma narrativa visual que une cada canção. No entanto, segundo a edição de setembro de 2019 da Crack Magazine, esta não foi a primeira tentativa de Björk em querer dar vida a um projeto com esse tipo de tecnologia. Nos anos 90, quando a ferramenta começava a ganhar visibilidade, a islandesa quis criar uma experiência semelhante para o álbum Homogenic. Na época, muitos estudiosos acreditavam que os VRs seriam a próxima grande mudança de paradigma da humanidade após a Internet. Mas ficou como promessa, já que além de cara, não estava desenvolvida o suficiente para materializar as ideias da cantora, não para o mundo que ela queria construir. A artista acredita que a realidade virtual ficou por muito tempo em segundo plano.
Só em 2013, os primeiros headseats especializados foram lançados. Então, Björk e seu diretor criativo (e braço direito) James Merry entraram em c…