Pular para o conteúdo principal

Nas nuvens da Utopia de Björk


- Os últimos shows da turnê de "Vulnicura" que aconteceram na Geórgia: "Foi fantástico. Eu acho que agora é um dos meus lugares favoritos. É tão estranho estar em um país com uma cultura européia tão forte e não saber nada sobre isso".

- A profunda admiração de Björk por Arca gradualmente se transformou em uma amizade duradour: "Nós realmente somos conectados. (No início) costumávamos enviar e-mails un para o outro constantemente com links de canções de nossas coleções. Passamos o tempo todo com nossos amigos James Merry e Jesse Kanda, saindo de férias juntos, nos divertindo bastante e conversando sobre muita música".

- Consequentemente, "Utopia" celebra precisamente os elementos que a impulsionam até a luz com amizade, amor e esperança: "São os opostos polares de "Vulnicura", emocionalmente e musicalmente. Eu tinha feito as músicas mais tristes da minha vida, e eu senti que, como artistas, poderíamos fazer muito mais. Se tornou quase como uma brincadeira fazer o contrário".

- O início de "Arisen My Senses" sampleado do trabalho do Arca: "Sem saber disso, provavelmente eu estava tirando um elemento de seu personagem musical. O lado mais feliz, com um elemento euforico e talvez mais extremo e feliz do que o meu, e assim os juntei. Era uma espécie de nova coordenada, o oposto de "Vulnicura". Para mim, esse foi o ponto de partida".

- "Losss": "Essa música precisava ser sobre a mesma dor presente em "Vulnicura", mas um pouco menor, pois não é tão pessoal (quanto aquele disco), mas é preciso ter o mesmo tipo de sentimento".

- Donald Trump fora do Acordo Climático de Paris e o machismo na indústria musical: "Foi estranho que isso acontecesse enquanto eu estava fazendo esse álbum, porque ele é baseado mais na minha vida pessoal. Fiquei com o coração partido".

- Nas nuvens: Em "Vulnicura", Björk escolheu usar arranjos de cordas, como ela explica, "é fácil fazê-los parecer muito tristes". No entanto, as flautas dominam "Utopia", fazendo deste um álbum tão arejado como você pode imaginar: ""Vulnicura" era muito pesado, e as melodias tristes, então não se moviam muito do chão. Em "Utopia", as flautas são provavelmente os instrumentos musicais mais leves, pois seus sons são macios, como o vento, e fluem. Você sente que tem vento soprando sobre você. É para limpar o ar após o drama de "Vulnicura". Respirar".

- Sem paraíso: Na verdade, o conceito do álbum "Utopia" de Björk não se trata de escapar de uma situação ruim fechando a porta: "Se fossem apenas músicas felizes, eu teria chamado o álbum de "Paradise" ou algo assim. Sim, há momentos neste disco que são muito eufóricos e felizes, mas também conflitos como os de todos os filmes e histórias de ficção científica que os humanos criaram sobre um determinado lugar perfeito".

- Seguir em frente não significa esquecer; se você acabar com o seu passado, como pode aprender com seus erros e se curar?: "Quando se passa por um grande desgosto - ou qualquer perda -  ficamos cheios de auto-piedade. Achamos que somos os únicos que já experimentaram tal dor, e então, uma vez que superamos, percebemos que todo mundo perde algo. De certa forma, esta sou eu superando minha auto-piedade e continuando com a minha vida. Eu acho que nunca fui tão honesta e "nua" sobre o fato de que para mim era difícil superar o desgosto. Tive que usar da minha vontade, e ser intencional sobre seguir a luz. Não vai acontecer por si só. É preciso decidirmos que iremos superar isso".

Sobre mudanças na política, Björk é otimista. Ela cita as mudanças urbanas feitas em Londres, quando há algumas décadas a poluição do ar das fábricas foi tão intrusiva que bloqueou o céu; ou aquelas realizadas em Paris, no momento em que a cidade desmantelou suas galerias subterrâneas para instalar um sistema adequado de esgoto: "Quando as autoridades perceberam que as mudanças sistemáticas poderiam melhorar a vida de todos, decidiram que os benefícios a longo prazo superavam os custos; sua visão utópica lhes deu um plano".

Ao longo de nosso tempo juntos, me parece que nunca há nada bobo ou simplificado demais no que Björk diz. Seus pensamentos são difíceis de acompanhar, mas eles têm a sabedoria de uma mulher que viveu. Ela é intencional com suas palavras, e ainda mais com sua música. Nada é deixado ao acaso - mas, ao mesmo tempo, deixa espaço suficiente para o humor e até auto-depreciação. Afinal, é preciso se divertir também. O que ela faz é puramente para si mesma - nada mais, e nada menos.

Terminamos com uma fala contagiosa e otimista. Björk quer deixar claro que, embora a mudança sistemática venha da política, todos podemos fazer escolhas conscientes quando se trata de mudanças sociais. E se parece sombrio ouvir que as energias eólica e solar podem ser abraçadas em breve pelos governos de direita devido aos seus benefícios além do não impacto ambiental, pelo menos isso já é uma mudança para melhor.

"Quando falo sobre utopia, é mais sobre a necessidade humana de tentar reescrever a receita. E não se trata apenas de definir o que desejamos, mas também tornar parte disso realidade. Porque mesmo que apenas a metade aconteça, já será muito bom".

- Entrevista de Björk ao Reykjavík Grapevine, Dezembro de 2017.

Postagens mais visitadas deste blog

A história do vestido de cisne da Björk

20 anos! Em 25 de março de 2001 , Björk esteve no Shrine Auditorium , em Los Angeles, para a 73º edição do Oscar . Na ocasião, ela concorria ao prêmio de "Melhor Canção Original" por I've Seen It All , do filme Dancer in the Dark , lançado no ano anterior.  No tapete vermelho e durante a performance incrível da faixa, a islandesa apareceu com seu famoso "vestido de cisne". Questionada sobre o autor da peça, uma criação do  fashion   designer macedônio  Marjan Pejoski , disse: "Meu amigo fez para mim".    Mais tarde, ela repetiu o look na capa de Vespertine . Variações também foram usadas muitas vezes na turnê do disco, bem como em uma apresentação no Top of the Pops .  "Estou acostumada a ser mal interpretada. Não é importante para mim ser entendida. Acho que é bastante arrogante esperar que as pessoas nos compreendam. Talvez, tenha um lado meu que meus amigos saibam que outros desconhecidos não veem, na verdade sou uma pessoa bastante sensata. 

Björk diz admirar a coragem de Lady Gaga como artista

"Definitivamente, gostei de algumas das roupas que a Lady Gaga está usando.   Eu a admiro por sua coragem, tudo estava ficando muito chato. Era como se todo mundo estivesse sendo conservador, e ninguém quisesse correr qualquer risco. Amo coisas teatrais, acredito que todos nós temos um lado teatral e um lado não tão teatral.  Quanto a música dela? Não é muito a minha praia. Tipo, não estou julgando. Algo muito bom sobre a música (em geral), é que a gente pode ter todos os tipos de canções para ouvir. Tem espaço para tudo. Já notei que mesmo que as coisas tenham mudado muito, sempre parece haver lugar para um monte de cantores homens, não vejo ninguém tratá-los como se o que fizessem fosse um duelo.  Ainda é como no tempo de " Christina Aguilera vs. Britney Spears ". Não quero ser colocada em uma posição na qual tenho que atacá-la. Achei muito injusto quando M.I.A e Joanna Newsom foram questionadas sobre Gaga e, por não gostarem de sua música, viraram imediatamente um

Lido Pimienta lança versão de Declare Independence

Lido Pimienta é uma artista colombo-canadense. Nascida em Barranquilla (Colômbia), atualmente mora em Toronto. Celebrando o Mês do Orgulho LGBTQIA+ , ela produziu uma nova versão para Declare Independence , faixa do Volta , disco que Björk lançou em 2007. O cover é parte do projeto "Claim Your Space" do Spotify Singles . "Cantei a letra maravilhosa em inglês e acrescentei novas palavras em espanhol, que refletem a atual situação na Colômbia, um sentimento geral em defesa da liberdade dos povos colonizados, do rio ao mar", disse em post nas redes sociais. Em comunicado para a imprensa, explicou: "Escolhi essa música principalmente por causa da letra: "Agite a sua bandeira, levante-a, mais alto" e "não deixe que façam isso com você". Eu ouvi essa música ao vivo e adorei como todos os imigrantes na plateia estavam agitando suas bandeiras. O sentimento de ORGULHO que então todos nós sentimos. Eu queria trazer isso com esta versão, honrando

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet. Em outubro de 1996 , Björk finalmente desembarcou no Brasil, com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no R

The Dull Flame of Desire é um dos tesouros escondidos na discografia de Björk

The Dull Flame of Desire é um dos tesouros escondidos na discografia de Björk . A canção é um dueto com ANOHNI , e foi lançada como parte do álbum Volta . A letra é a tradução em inglês de um poema do Século XIX, de Fyodor Tyutchev , que também aparece em uma das cenas do filme Stalker (1979). "Antes, eu não tinha ela em mente para essa faixa. Nós cantávamos juntas (por diversão), já tinha muito tempo. Eu até achava que fazíamos isso timidamente, de um jeito meio sussurrado e doce, talvez com medo de pisarmos nos calcanhares uma da outra.  Certo dia, mostrei a ela uma melodia que criei no meio da noite, em cima de uma obra desse escritor, uma ideia que guardei no meu diário por uns 8 anos. Eu estava esperando o momento certo.  Tudo se encaixou perfeitamente, com essa sensação de uma fusão vocal. Até brincamos que aquela era a hora de finalmente interpretamos a música como duas divas. Nós podíamos fazer aquilo, pois eram as palavras de uma terceira pessoa. Não era o meu mundo, n