Pular para o conteúdo principal

O lugar em que se ambienta a Utopia de Björk


Não muito longe de Reykjavík, apenas 40 minutos de carro a oeste, fica o Parque Nacional Þingvellir. Nesta relativamente linda área islandesa, a casa de Björk Guðmundsdóttir traz sua Utopia em cinco janelas que vão do chão ao teto, e que também conta com um terraço de madeira. A cabana foi construída em 1965. A residência tem dois quartos, uma grande sala de estar e uma cozinha fofa. Nada de especial. Nada distrai da visão da paisagem. E nada sugere que uma das maiores artistas do nosso tempo vive ali. Talvez tenha que ser assim.

"O lugar não é o meu paraíso", descreve Björk. 

O lugar (físico) não é importante se você estiver procurando sua utopia. 

Na verdade, queríamos ligar para Björk. Mas alguns minutos antes de nossa conversa, ela cancelou, pois teve uma noite ruim e queria poupar sua voz. Disse que ficaria feliz em responder as perguntas por escrito. A decepção sobre isso mudou rapidamente quando percebemos que Björk responde as nossas perguntas de forma mais livre e precisa do que seria possível se oralmente.

- O "clube das sextas-feiras" formado por ela e pelas 12 flautistas irlandesas: "Foi um bom trabalho para ajustar tudo e mudar timbres para que tivéssemos um alcance de tons vocais mais amplo possível em todas as 13 músicas".

- O coral de "Body Memory": "Eu fiz parte desse coral quando era adolescente. Você pode ouvi-lo nesta canção juntamente com pássaros islandeses, outros sons da natureza, incluindo o vento. Deve ser visto como a utopia de um homem, como se ele já estivesse morando nela - e a música seria o seu hino nacional".

- O novo deve ser baseado em uma urgência: Björk teve longas conversa com Anohni, e segundo ela, ambas compartilham da visão de que a maneira como as pessoas lidam com o meio ambiente se reflete em como a sociedade trata as mulheres. Ela está convencida de que a utopia "é uma necessidade absoluta, especialmente no que diz respeito a questões ambientais, como inventar e usar tecnologias para purificar nossos oceanos, que estão cheios de plástico; Introduzir energia verde! De muitas maneiras, meu álbum é, por assim dizer, uma declaração não violenta e matriarcal. Porque a poluição é uma força dirigida contra todos nós.

(...) Eu sinto que um capítulo dramático terminou. Agora é a hora de abrir um novo. Quando alguém começa outra vez, uma espécie de manifesto é indispensável para formular uma utopia. Para mim, este é um lugar onde você pode ouvir uma música, cozinhar algo para um ente querido e transformar tudo negativo em algo positivo".

- O lado político de sua música: "Como uma artista de música pop, tenho a sensação de que políticas pessoais e políticas públicas muitas vezes coincidem. É por isso que a música pop é uma forma de arte tão emocionante para se expressar, pois simplifica de uma maneira boa e dá mais peso a algumas coisas. A vida cotidiana muitas vezes pode ser caótica e a clareza de uma música é tão útil!".

Ela nunca leu o relato possivelmente fictício de uma ilha criado pelo filósofo Thomas More, a quem devemos o conceito de utopia na sua forma atual. E sobre uma famosa fala do político e ex-chanceler da Alemanha, Helmut Schmidt - que recomendou que quem tem visões, deve "ir ao médico" - ela prefere não dizer nada. A política não é sua profissão e, em caso de se afirmar isso, apenas a política de seu corpo.

"O álbum "Utopia" foi escrito do ponto de vista de ter alcançado esse local desejado. Eu descrevo plantas, pássaros e outros sons que ninguém ouviu antes. Eu achei isso empolgante! A idéia é que o apocalipse já ocorreu. E cabe a nós transformar os restos em algo novo. Limpar. Mudar o curso. Deixar a natureza e a tecnologia trabalharem de mãos dadas".

Entrevista de Björk ao site musikexpress, Dezembro de 2017.

Saiba mais:

- Sorteio de álbum autografado.
- Deckdisc não lançará "Utopia" no Brasil.
- Fotos do DJset em Miami.
- Encontro com Rabit no DJset.
- Tradução do Podcast para a Pitchfork.



Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Uma conversa entre Rei Kawakubo e Björk

“Essa entrevista poderia ser chamada de Folclore do Futuro ou algo envolvendo a palavra "folclore"?”. Essa foi uma solicitação de Björk antes da Interview Magazine publicar em outubro de 2019 uma conversa por e-mail inédita entre ela e Rei Kawakubo, fundadora da marca Comme des Garçons e da Dover Street Market. Confira a tradução completa do bate-papo:
BJÖRK: Querida Rei, estou muito honrada por termos essa conversa! Você é uma das pessoas que eu mais admiro, estou emocionada que isso esteja acontecendo. Estava pensando onde os interesses de nós duas se sobrepõem e, por algum motivo, comecei a pensar nas raízes, no folclore, ou na falta dele. Você mencionou em uma entrevista de 1982, que queria se afastar das influências folclóricas da moda japonesa. Acho isso muito interessante. Sempre achei que as culturas japonesa e islandesa têm  coisas em comum que, quando o budismo e o cristianismo chegaram, foram feitas com menos violência do que em outros países, o que serviu de pont…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

Em 1997, Björk já pensava em trabalhar com a realidade virtual

Vulnicura VR é o primeiro álbum em realidade virtual da história. Nele, cada experiência musical faz parte de um todo maior; uma narrativa visual que une cada canção. No entanto, segundo a edição de setembro de 2019 da Crack Magazine, esta não foi a primeira tentativa de Björk em querer dar vida a um projeto com esse tipo de tecnologia. Nos anos 90, quando a ferramenta começava a ganhar visibilidade, a islandesa quis criar uma experiência semelhante para o álbum Homogenic. Na época, muitos estudiosos acreditavam que os VRs seriam a próxima grande mudança de paradigma da humanidade após a Internet. Mas ficou como promessa, já que além de cara, não estava desenvolvida o suficiente para materializar as ideias da cantora, não para o mundo que ela queria construir. A artista acredita que a realidade virtual ficou por muito tempo em segundo plano.
Só em 2013, os primeiros headseats especializados foram lançados. Então, Björk e seu diretor criativo (e braço direito) James Merry entraram em c…