Pular para o conteúdo principal

"Eu estou fazendo isso por todas as mulheres!"


- "Utopia" foi lançado há 6 meses. Você se sente diferente sobre esse álbum agora?

Não mudou muita coisa devido à natureza do álbum. Meu último disco ["Vulnicura"] foi sobre ter o coração partido, todo mês eu me sentia diferente sobre aquelas músicas. Já esse se concentra o máximo possível nos pontos importantes. O tema é sobre como construir uma utopia. A realidade disso tudo é diferente. Os humanos são realmente desajeitados, mas de vez em quando acertam. "Utopia" é sobre essa tensão.

- O que te atraiu para a ideia da utopia?

Para mim, a Utopia é uma emergência. Foi uma reação à eleição de Trump. Eu estava paralisada, principalmente por causa dos problemas ambientais que ele não fará nada para resolver. Toda vez que a humanidade fica em apuros, é quando mudamos para uma velocidade maior [para solucionar]. Estamos vivendo em tempos em que precisamos reagir rapidamente. Precisamos definir qual é o nosso plano.

- Quais iniciativas lhe dão esperança? Você se sentiu emocionada com a "Marcha por Nossas Vidas"?

Sim, e essa é uma delas, com certeza. Quando eu estava morando em Nova York, minha filha foi para a escola a 45 minutos de Sandy Hook, onde as pessoas foram mortas [em 2012]. Na Islândia não temos exército, não há violência, quase não há assassinatos, então isso foi aterrorizante para mim. Quando eu conversava com as pessoas sobre isso, eles balançavam a cabeça e diziam: "Garotos serão garotos: não há nada que você possa fazer sobre isso." Eu não entendi! É gratificante para mim em tantos níveis que essas crianças tenham uma voz. Agora é algo como: "Não! Nós não vamos viver com isso, vamos mudar! É incrível e acho que pode se tornar realidade.

- Você acha que a música tem poder suficiente para mudar atitudes e criar comunidades?

Comecei a fazer turnê ainda quando jovem em uma banda punk. Tocamos na Berlim Ocidental antes do muro cair. Nós tivemos que economizar dinheiro por anos para poder comprar um carro de segunda mão muito ruim para dirigir pela Europa, dormindo no chão das casas das pessoas. Eu venho da onda do "faça você mesmo" onde cada show você pensa: isso é especial. Para nós, nunca foi sobre a fama mundial. Foi sobre conhecer outras pessoas que pensam como você, viajando pelo mundo, tendo essa conexão. Eu ainda me sinto do mesmo jeito.

- Desvendar "Utopia" foi tão assustador quanto o lançamento de "Vulnicura"?

"Vulnicura" tocou em um território no qual eu me sentia pressionada desde a adolescência: a mulher torturada Edith Piaf/Joana D'Arc com cordas e batidas. A civilização ocidental quer esse arquétipo de cantoras que cantam, então depois vem uma grande fumaça e elas morrem incendiadas. Eu tenho muitas personagens dentro de mim, como todas as mulheres - pelo menos 50. A desse disco é apenas uma delas. "Utopia" foi uma tentativa de inventar uma nova textura. É um álbum mais criativo para mim como produtora e uma declaração mais corajosa. Sou eu no meu elemento nerd musicista.

- A letra de "Blissing Me" é sobre enviar arquivos em MP3 para alguém e se apaixonar por uma música. Com que frequência você faz isso?

Com as pessoas que me importo? Faço um esforço para encontrar a música certa que sei que elas vão amar. Errarei algumas vezes, mas depois os acertarei bem na cabeça com uma outra canção. Acho que é um enigma tão emocionante para resolver. Envio muitas músicas para amigos. Todos os e-mails que recebem de mim são músicas, um ponto de exclamação e um título. É isso aí! Às vezes as palavras apenas me irritam. Minha coisa favorita é quando recebo uma canção de um amigo sem palavras. Especialmente quando estou acordando. Eu coloco para tocar e fico: "Simmm!".

- Há alguns anos, você revelou que muitas vezes não foi creditada como produtora durante sua carreira. É surpreendente que você ainda tenha que lidar com isso.

É o mesmo com as leis sobre o uso de armas e o movimento #MeToo: é uma maratona. Vai levar uma geração inteira para mudar isso. Eu fui bem direta. Foi a primeira vez que reclamei sobre algo assim como mulher. Dois dias atrás, alguém me enviou um artigo de um dos maiores sites de música que creditou os elementos de silêncio de “Black Lake” a Arca, o produtor com quem trabalhei no disco. Ele fez a batida dessa música, mas eu a escrevi meses antes dele aparecer no projeto. Isso já estava lá! Eles eram meus! O site disse que ele produziu a música inteira, não que havia sido o co-produtor. Eu não vou ficar chateada toda vez que der de cara com algo assim. Isso é um desperdício de energia! É difícil saber o que fazer para ser uma boa feminista. É para continuar reclamando? É para enviar um e-mail ao site? Isso parece ridículo.

- Você já sentiu que ser definida como uma artista "feminina" é algo que te limita?

Eu vi minha mãe e todas as mulheres nos anos 70 brigarem muito por seus direitos em muitas lutas, ganhando e perdendo muitas delas. Elas fizeram um grande trabalho para a minha geração! Foi meu papel ser essa pessoa liberta. Eu estava habilitada. Mesmo sendo mulher, fiz todas as coisas que os garotos faziam. Foi assim por 30 anos e isso é realmente importante. Não há uma resposta para essa pergunta. Nós vamos ter que fazer isso por outra geração, aproveitar todas as ocasiões para falar sobre isso e sempre usar nosso julgamento. Eu tenho que me lembrar que não estou fazendo isso por mim. Eu estou fazendo isso por todas as mulheres!

O próximo show de Björk será no All Points East Festival, que acontecerá em 27 de maio, em Londres, lugar que ocupa um lugar especial no coração da islandesa. Ela viveu lá durante o início de sua carreira solo: "Eu tenho muitos amigos aí. Estou sempre ansiosa para voltar!".


Saiba mais:



Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Björk dá conselho para fãs em bate-papo no Instagram

Em turnê pela Europa, Björk respondeu perguntas dos fãs através dos Stories do Instagram. Ela também deu alguns conselhos para seus admiradores através do perfil da revista Dazed. O bate-papo aconteceu nesta terça-feira, 19 de novembro, dia da apresentação de Cornucopia na O2 Arena. Confira a tradução completa da conversa: 
- Estou em uma banda, mas às vezes sinto que estou arrastando os outros comigo. O que devo fazer?
Talvez isso seja justo o suficiente se não forem as músicas deles, sabe? Quando eu estava em bandas, sempre co-escrevíamos, e quando eu estava com vontade de compartilhar minhas próprias músicas, me afastava para criar. Trazê-la (pronta) para os ensaios não pareceria o certo a se fazer. Mas, novamente, a sinergia em um grupo de pessoas trabalhando juntas é um dos momentos mais nutritivos que existem, mas é um ato delicado de equilíbrio.
- Você acha que a indústria da música tem um futuro agora que ninguém mais compra música?
Sim, seria incrível se os sites de streaming f…

Exposição Björk Digital chega a Brasília em Dezembro

Depois de uma temporada de sucesso em São Paulo, a exposição Björk Digital passará por Brasília. A informação foi confirmada pela própria Björk, que contou a novidade empostnas redes sociais em agosto. A mostra fica em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil de 3 de Dezembro de 2019 a 9 de fevereiro de 2020. Os ingressos são gratuitos.
Na programação estão inclusos: 6 vídeos de Vulnicura, sendo 5 em realidade virtual (Stonemilker, Mouth Mantra, Quicksand, Family e Notget), e uma instalação especial (Black Lake), além da sessão de videoclipes de Björk, incluindo os do álbum Utopia, remasterizados em alta definição (exibidos em sala de cinema) e uma área dedicada ao projeto educativo de Biophilia. Confira mais detalhes AQUI.
A exposição é apresentada pelo Ministério da Cidadania e Secretaria Especial da Cultura, patrocinada pelo Banco do Brasil, realizada no CCBB Brasília pela Cinnamon Comunicação.
No ano que vem, chega ao CCBB do Rio de Janeiro e de Belo Horizonte, em março e junho d…

Com Cornucopia, Björk inicia apresentações em arenas na Europa

Björk tocando na O2 Arena é algo que poderia ter feito mais sentido nos anos 90, se o local já existisse. Foi naquela época que a artista islandesa fez álbuns que venderam milhões, e que sua voz surpreendente esteve em maior evidência na mídia. Hoje, isso é uma lembrança distante para ela, que optou por um trabalho ainda mais experimental, como em Utopia (2017).
No entanto, uma apresentação está marcada na O2 para o dia 19 de novembro. Será o maior show dela em Londres nesses 42 anos de carreira. "Obviamente, jurei na adolescência que nunca tocaria em uma arena na minha vida", ela contou ao jornal britânico Evening Standart UK. “Mas as dos Anos 80 são diferentes das arenas recém-construídas e, de certa forma, os teatros do Século XVIII tem tanta bagagem. Mas é claro que isso é um experimento, assim como tudo o que faço. Acho que não vale a pena fazer, a menos que seja algo que nunca fiz antes, né? Inicialmente, eu esperava que teatros tradicionais pudessem nos receber, mas …