Pular para o conteúdo principal

"Eu estou fazendo isso por todas as mulheres!"


- "Utopia" foi lançado há 6 meses. Você se sente diferente sobre esse álbum agora?

Não mudou muita coisa devido à natureza do álbum. Meu último disco ["Vulnicura"] foi sobre ter o coração partido, todo mês eu me sentia diferente sobre aquelas músicas. Já esse se concentra o máximo possível nos pontos importantes. O tema é sobre como construir uma utopia. A realidade disso tudo é diferente. Os humanos são realmente desajeitados, mas de vez em quando acertam. "Utopia" é sobre essa tensão.

- O que te atraiu para a ideia da utopia?

Para mim, a Utopia é uma emergência. Foi uma reação à eleição de Trump. Eu estava paralisada, principalmente por causa dos problemas ambientais que ele não fará nada para resolver. Toda vez que a humanidade fica em apuros, é quando mudamos para uma velocidade maior [para solucionar]. Estamos vivendo em tempos em que precisamos reagir rapidamente. Precisamos definir qual é o nosso plano.

- Quais iniciativas lhe dão esperança? Você se sentiu emocionada com a "Marcha por Nossas Vidas"?

Sim, e essa é uma delas, com certeza. Quando eu estava morando em Nova York, minha filha foi para a escola a 45 minutos de Sandy Hook, onde as pessoas foram mortas [em 2012]. Na Islândia não temos exército, não há violência, quase não há assassinatos, então isso foi aterrorizante para mim. Quando eu conversava com as pessoas sobre isso, eles balançavam a cabeça e diziam: "Garotos serão garotos: não há nada que você possa fazer sobre isso." Eu não entendi! É gratificante para mim em tantos níveis que essas crianças tenham uma voz. Agora é algo como: "Não! Nós não vamos viver com isso, vamos mudar! É incrível e acho que pode se tornar realidade.

- Você acha que a música tem poder suficiente para mudar atitudes e criar comunidades?

Comecei a fazer turnê ainda quando jovem em uma banda punk. Tocamos na Berlim Ocidental antes do muro cair. Nós tivemos que economizar dinheiro por anos para poder comprar um carro de segunda mão muito ruim para dirigir pela Europa, dormindo no chão das casas das pessoas. Eu venho da onda do "faça você mesmo" onde cada show você pensa: isso é especial. Para nós, nunca foi sobre a fama mundial. Foi sobre conhecer outras pessoas que pensam como você, viajando pelo mundo, tendo essa conexão. Eu ainda me sinto do mesmo jeito.

- Desvendar "Utopia" foi tão assustador quanto o lançamento de "Vulnicura"?

"Vulnicura" tocou em um território no qual eu me sentia pressionada desde a adolescência: a mulher torturada Edith Piaf/Joana D'Arc com cordas e batidas. A civilização ocidental quer esse arquétipo de cantoras que cantam, então depois vem uma grande fumaça e elas morrem incendiadas. Eu tenho muitas personagens dentro de mim, como todas as mulheres - pelo menos 50. A desse disco é apenas uma delas. "Utopia" foi uma tentativa de inventar uma nova textura. É um álbum mais criativo para mim como produtora e uma declaração mais corajosa. Sou eu no meu elemento nerd musicista.

- A letra de "Blissing Me" é sobre enviar arquivos em MP3 para alguém e se apaixonar por uma música. Com que frequência você faz isso?

Com as pessoas que me importo? Faço um esforço para encontrar a música certa que sei que elas vão amar. Errarei algumas vezes, mas depois os acertarei bem na cabeça com uma outra canção. Acho que é um enigma tão emocionante para resolver. Envio muitas músicas para amigos. Todos os e-mails que recebem de mim são músicas, um ponto de exclamação e um título. É isso aí! Às vezes as palavras apenas me irritam. Minha coisa favorita é quando recebo uma canção de um amigo sem palavras. Especialmente quando estou acordando. Eu coloco para tocar e fico: "Simmm!".

- Há alguns anos, você revelou que muitas vezes não foi creditada como produtora durante sua carreira. É surpreendente que você ainda tenha que lidar com isso.

É o mesmo com as leis sobre o uso de armas e o movimento #MeToo: é uma maratona. Vai levar uma geração inteira para mudar isso. Eu fui bem direta. Foi a primeira vez que reclamei sobre algo assim como mulher. Dois dias atrás, alguém me enviou um artigo de um dos maiores sites de música que creditou os elementos de silêncio de “Black Lake” a Arca, o produtor com quem trabalhei no disco. Ele fez a batida dessa música, mas eu a escrevi meses antes dele aparecer no projeto. Isso já estava lá! Eles eram meus! O site disse que ele produziu a música inteira, não que havia sido o co-produtor. Eu não vou ficar chateada toda vez que der de cara com algo assim. Isso é um desperdício de energia! É difícil saber o que fazer para ser uma boa feminista. É para continuar reclamando? É para enviar um e-mail ao site? Isso parece ridículo.

- Você já sentiu que ser definida como uma artista "feminina" é algo que te limita?

Eu vi minha mãe e todas as mulheres nos anos 70 brigarem muito por seus direitos em muitas lutas, ganhando e perdendo muitas delas. Elas fizeram um grande trabalho para a minha geração! Foi meu papel ser essa pessoa liberta. Eu estava habilitada. Mesmo sendo mulher, fiz todas as coisas que os garotos faziam. Foi assim por 30 anos e isso é realmente importante. Não há uma resposta para essa pergunta. Nós vamos ter que fazer isso por outra geração, aproveitar todas as ocasiões para falar sobre isso e sempre usar nosso julgamento. Eu tenho que me lembrar que não estou fazendo isso por mim. Eu estou fazendo isso por todas as mulheres!

O próximo show de Björk será no All Points East Festival, que acontecerá em 27 de maio, em Londres, lugar que ocupa um lugar especial no coração da islandesa. Ela viveu lá durante o início de sua carreira solo: "Eu tenho muitos amigos aí. Estou sempre ansiosa para voltar!".


Saiba mais:



Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Para a Folha de São Paulo, Björk fala sobre o envelhecimento de sua voz

Na próxima terça-feira, 18 de junho de 2019, a exposição Björk Digital chega a São Paulo no Museu da Imagem e do Som (adquira ingressos clicando AQUI). Boa parte das datas já estão, inclusive, esgotadas! Em processo de divulgação do projeto, a cantora islandesa concedeu uma entrevista exclusiva para a Folha,em uma conversa por telefone direto de sua casa na Islândia. A matéria é de Diogo Bercito. Confira:
Björk discutiu alguns tópicos, como o estado atual de seus vocais: Ela vem cantando com tons abaixo das versões de seus discos já há alguns anos: "Deixo que a minha voz envelheça". A artista ainda se mostrou tranquila sobre a passagem de tempo natural da vida, e criticou a discriminação que a maioria das mulheres sofrem dando como exemplo Frank Sinatra e Johnny Cash, que puderam envelhecer sem esse tipo de cobrança do público, que parecia considerar suas vozes ainda mais charmosas com o avanço da idade. Enquanto, Whitney Houston era ridicularizada por não conseguir mais ca…

5 motivos para não perder a exposição Björk Digital em São Paulo

Como já noticiamos aqui, a exposição Björk Digital virá ao Brasil em uma temporada de dois meses no Museu da Imagem do Som, em São Paulo. Entre 18* de junho e 18 de agosto, a mostra estará nas instalações do Espaço Redondo e do Espaço Expositivo do centro cultural, com uma série de atividades interativas que prometem captar a emoção do público, como já aconteceu com os mais de 400 mil visitantes nos últimos 3 anos, nos 12 países que receberam o projeto!
A abertura para o público geral será no dia 19/06*.
Você ainda está em dúvida se deve comparecer ou não? O Björk BR separou uma lista com 5 motivos para não perder a vinda do trabalho audiovisual da islandesa ao nosso país: Em outras palavras, o próprio conteúdo! 1. Sessão de cinema  Tão famosos quanto as canções de Björk são seus clipes lendários! A obra assinada por ela em colaboração com diretores renomados, conquistou muitas pessoas e revolucionou a música pop nos últimos 26 anos, e está na programação da exposição da cantora. Mas …

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre estas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.

1996 - Post Tour:
SETLIST: Army of Me/One Day/The Modern Things/Venus as a Boy/You've Been Flirting Again/Isobel/Possibly Maybe/I Go Humble/Big Time Sensuality/Hyperballad/Human Behaviour/The Anchor Song/I Miss You/Crying/Violently Happy/It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser mu…