Pular para o conteúdo principal

"Eu nunca pensei em fazer nada 'estranho' com a minha arte. Não teria sido diferente se eu tivesse me tornado padeira".


Com os vídeos disponibilizados pelos fãs que foram ao show no festival "Primavera Sound", em Barcelona, pudemos observar a intro super interessante da nova turnê de Björk: O avatar do VR de "Family" aparece no telão ao lado de uma mensagem que diz:

"Isto é uma emergência! Para que possamos sobreviver como espécie, nós precisamos definir a nossa utopia. O acordo climático de Paris é uma utopia moderna impossível de se imaginar, mas superar nossos desafios com o meio ambiente é o único jeito de permanecermos vivos. Temos que imaginar que algo que não existe moldará intencionalmente o futuro e isso demanda espaço para que haja esperança tecendo uma "cúpula" matriarcal. Vamos imaginar e embarcar em um mundo onde a natureza e a tecnologia colaboram, criando uma canção sobre isso, um modelo musical. Vamos escrever músicas para o nosso destino. Em mitologias ao redor do mundo, depois de desastres, alguém captura esse espírito com uma flauta e começa de novo, trazendo a fauna. Aqui nós chegamos em uma nova ilha com espécies mutantes, híbridos desconhecidos de plantas e pássaros. Nosso passado ficou para trás, desligue-o. Vamos ser intencionais em seguir a luz. Imagine um futuro, esteja nele". 

Promovendo a nova turnê, Björk concedeu uma nova entrevista e falou sobre diversos assuntos ao DeMorgen, site da Bélgica, que receberá o show 'Utopia' em julho:

Assédio Sexual: "Esses miseráveis não podem mais seguir seu próprio caminho sem punições. Se um cara pula para a sua varanda no meio da noite sem permissão (se referindo à Lars Von Trier), você pode até estar com medo, mas tem que ousar gritar muito mais alto! Pude ir embora daquela situação já que não tinha ambições no mundo da atuação. Sempre me preocupei se outras pessoas poderiam fazer o mesmo. Eu já disse tudo o que precisava ser dito, mas publiquei aquilo por todas aquelas mulheres que são impedidas de dizer "não". Quase me senti como se estivesse pagando uma dívida. Tive a sorte de ficar longe de tudo isso porque achavam que eu era como um pássaro estranho, mas não é o futuro que vejo para a minha filha. 

Quando se é adolescente, acho que temos uma noção melhor da moral. Os jovens, de repente, veem o que está acontecendo de errado ao seu redor e tentam romper com isso. Fico feliz que muitas mulheres e artistas mais novos sejam mais emotivos quanto a esse aspecto. É como eu disse em "Tabula Rasa": "Não repetir os erros dos nossos pais".

Quando confrontada sobre a perspectiva dos homens sobre as canções do novo álbum, como "Sue Me", Björk respondeu: "Não acho que essa música possa estar sendo interpretada da forma correta. Isadora é a minha 'propriedade' mais preciosa, então entendo por que algumas pessoas entendem essa canção de forma tão pessoal. Existem bons pais o suficiente no mundo, incluindo o meu. E você não deve ser dos piores também (risos). Mas a coisa do patriarcado, esse é o grande problema ao qual eu me referia. No meu país, isso nunca existiu no tempo em que estou por lá. Quando criança, nunca me queixei de desigualdade de gênero. Todas as mulheres eram e são tratadas como independentes. Mas além das fronteiras daquela ilha, o que me parecia era que elas haviam desembarcado no terceiro mundo. Eu vi como foi ser uma garota jovem e entrar em uma sala cheia de executivos (fora da Islândia) me tratando como uma estúpida. Isso acontece com muita frequência, é absolutamente horrível! Eu entendo o quanto você como pai deve ter se sentido desconfortável ouvindo essas minhas novas canções, mas deve admitir que há pelo menos um pouco de verdade no que eu cantei ali".

"Eu conheço muitos homens maravilhosos! Mas, na verdade, estou decepcionada porque foram principalmente eles que nos empurraram para esse abismo que se encontra o nosso mundo. A ideia que eu quero transmitir com esse projeto é que, agora é a vez das mulheres. Dê a elas a chance de consertar as coisas (...) Eu realmente acho que podemos escrever o futuro".

Catarse: "Os meus fãs realmente foram atraídos pelo "Vulnicura", com músicas que vieram do lugar mais sombrio do meu coração, mas eu não conseguia mais mergulhar na tristeza todas as noites nos palcos, principalmente quando vi que todos os que estavam presentes nos shows estavam meio "mortos" comigo. Eu acredito fortemente no carma. Não devemos nos entregar muito à autopiedade, senão ficaremos ainda mais infelizes. Depois que percebi isso, fui correndo compor novamente. Eu não sabia que as gravações demorariam dois anos e meio, claro (risos)".

Setlist: "Nos palcos, eu me sinto mais em casa do que nunca! Houve momentos em que eu odiava voltar a tocar os mesmos sucessos, como "Big Time Sensuality", "It's Oh So Quiet"... Me sentia como um 'jukebox', mas agora estou em paz com todas as minhas músicas. Elas pertencem a mim, mas nem sempre tenho que carregá-las comigo. Ocasionalmente eu escolho alguma que se adapte ao meu humor".

Lançar um álbum de Jazz: "Não. Eu acho que seria previsível demais. Sempre fui do tipo: "não tenho ideia de como quero soar amanhã com a minha música". Tenho uma canção antiga chamada "There's More To Life Than This", que foi gravada ao vivo em um banheiro de uma festa que estava acontecendo. É possível ouvir isso no eco e nos sons de fundo. Não sei explicar por qual motivo eu fiz isso, mas enfim, achei que precisava estar lá no disco. Pode parecer ingenuidade, mas prefiro o instinto do que a razão. É possível ir muito mais longe, acredite em mim!".

Sobre seu trabalho ser considerado 'estranho': "Eu nunca pensei em fazer nada 'estranho' com a minha arte. Não teria sido diferente se eu tivesse me tornado padeira. Eu prometo passar por aí com um show simples*". (*Os jornalistas responsáveis pela matéria dizem ter suspeitado que essa última parte tenha sido uma piada, quando foram revisar a entrevista KKKKK).

"Estou tão feliz por poder tocar no Sint-Pietersplein de Ghent. Eu amo a beleza monumental desse lugar e tocar ao ar livre, mas tenho uma certa agonia de estádios, realmente odeio isso! As arenas não apenas tem uma acústica horrível, como também não me fazem sentir nada! Todo aquele monte de concreto frio, os assentos uniformes, não é a utopia que tenho em mente. Em teatros, a conexão com o público é muito mais fácil, até mesmo em grandes festivais". 

Postagens mais visitadas deste blog

A história do vestido de cisne da Björk

20 anos! Em 25 de março de 2001 , Björk esteve no Shrine Auditorium , em Los Angeles, para a 73º edição do Oscar . Na ocasião, ela concorria ao prêmio de "Melhor Canção Original" por I've Seen It All , do filme Dancer in the Dark , lançado no ano anterior.  No tapete vermelho e durante a performance incrível da faixa, a islandesa apareceu com seu famoso "vestido de cisne". Questionada sobre o autor da peça, uma criação do  fashion   designer macedônio  Marjan Pejoski , disse: "Meu amigo fez para mim".    Mais tarde, ela repetiu o look na capa de Vespertine . Variações também foram usadas muitas vezes na turnê do disco, bem como em uma apresentação no Top of the Pops .  "Estou acostumada a ser mal interpretada. Não é importante para mim ser entendida. Acho que é bastante arrogante esperar que as pessoas nos compreendam. Talvez, tenha um lado meu que meus amigos saibam que outros desconhecidos não veem, na verdade sou uma pessoa bastante sensata. 

Vestido de Cisne: o maior equívoco que as pessoas cometem sobre Björk

Foto: Divulgação "Estou acostumada a ser mal interpretada. Não é importante para mim ser entendida. Acho que é bastante arrogante esperar que as pessoas compreendam você.  Talvez, tenha um lado meu que meus amigos saibam que outros desconhecidos não veem, na verdade sou uma pessoa bastante sensata. (...)  Eu não posso acreditar que ainda estão falando sobre o vestido de cisne tantos anos depois! Acho esse sentido do vestido de Hollywood muito alienante! Obviamente, eu estava fazendo uma piada. Uma coisa que ninguém menciona é que eu tinha seis ovos comigo e os distribui ao redor do tapete vermelho. E todos os assistentes das estrelas ficavam tipo: "Desculpe, senhora, você deixou cair isso". Foi bem divertido! A coisa mais estranha é que todos realmente pensaram que eu estava tentando me encaixar, mas que de alguma forma eu tinha entendido isso errado. Parece que estou tentando me encaixar

A paixão de Björk por Kate Bush

Foto: Divulgação "Eu gostaria de ouvi-la sem parar. Era muito divertido acompanhar sua música na Islândia. Eu acabei adquirindo os álbuns muitos anos depois que saíram, então eu não tinha qualquer contexto, eu estava simplesmente ouvindo-os no meu próprio contexto. E todas as minhas canções favoritas eram as “lado-B” do terceiro single , por exemplo. E então eu vi alguns documentários sobre ela, era a primeira vez que eu via as coisas de um ponto de vista britânico e eles estavam falando: "Ela esteve no Top 3 das paradas musicais, e foi no Top of The Pops , e fez muito melhor do que o fracasso do álbum anterior”. E foi o oposto total para mim! É tão ridículo, esta narrativa de sucesso e fracasso. Como, se você faz algo surpreendente, a próxima coisa tem que ser horrível. É como o tempo ou algo assim. Dez anos mais tarde, alguém assiste na Islândia ou na China e é totalmente irrelevante. Para mim, ela sempre representará a época de exploração da

Björk e Milton Nascimento - A Travessia para um grande encontro

Foto: Horácio Brandão/Midiorama (1998) Poucas horas antes do show no  Metropolitan , no Rio de Janeiro, em 20 de agosto de 1998 (saiba mais AQUI ), Björk    conversou com a imprensa brasileira, e esteve junto de Milton Nascimento . Ela foi uma das atrações principais do festival Close-Up Planet : Fotos: Site Rock em Geral (1998) Ao jornal  Extra , ela contou que é fã não só de Elis, mas também do Sepultura . Falando de Milton Nascimento, revelou: "Cheguei no sábado (acompanhada de uma amiga de infância) e fiquei bêbada com algumas pessoas ouvindo as músicas dele". Segundo a publicação, a cantora teria cogitado a ideia de ir a apresentação "Tambores de Minas" da lenda brasileira, no Canecão . Ela admitiu que do line-up do festival, só conhecia mesmo as atrações internacionais: "Tenho que dizer que sou ignorante em relação à música brasileira, e isso me envergonha". Também deixou claro que, como de costume, não incluiria nada do Sugarcubes

Björk e Arca trocam cartas em nova edição da i-D Magazine

Para a edição em comemoração ao 40º aniversário da revista  iD , Björk e Arca compartilharam cartas profundamente pessoais, que escreveram uma para a outra. Nos relatos, elas falam sobre a natureza da família, seu relacionamento especial e em constante evolução; e a obra criada a partir disso.  As duas se conheceram em setembro de 2013, logo após o último show da turnê de Biophilia . Arca estava fazendo um DJset na festa nos bastidores. De cara, se deu muito bem com Björk e dançaram a noite toda. Com a amizade já fortalecida, a artista e produtora venezuelana foi convidada para colaborar no próximo álbum da islandesa, Vulnicura (2015). Juntas, elas também embarcaram na turnê do projeto, antes de se unirem novamente para criar o disco Utopia (2017). Em diversas entrevistas ao longo dos últimos 7 anos, Björk descreveu a parceria com Arca como o relacionamento musical mais forte que já teve.  Segundo Arca, Björk é uma pessoa “mergulhada em sua profundidade e multiplicidade. Simples, co