Pular para o conteúdo principal

"Eu nunca pensei em fazer nada 'estranho' com a minha arte. Não teria sido diferente se eu tivesse me tornado padeira".


Com os vídeos disponibilizados pelos fãs que foram ao show no festival "Primavera Sound", em Barcelona, pudemos observar a intro super interessante da nova turnê de Björk: O avatar do VR de "Family" aparece no telão ao lado de uma mensagem que diz:

"Isto é uma emergência! Para que possamos sobreviver como espécie, nós precisamos definir a nossa utopia. O acordo climático de Paris é uma utopia moderna impossível de se imaginar, mas superar nossos desafios com o meio ambiente é o único jeito de permanecermos vivos. Temos que imaginar que algo que não existe moldará intencionalmente o futuro e isso demanda espaço para que haja esperança tecendo uma "cúpula" matriarcal. Vamos imaginar e embarcar em um mundo onde a natureza e a tecnologia colaboram, criando uma canção sobre isso, um modelo musical. Vamos escrever músicas para o nosso destino. Em mitologias ao redor do mundo, depois de desastres, alguém captura esse espírito com uma flauta e começa de novo, trazendo a fauna. Aqui nós chegamos em uma nova ilha com espécies mutantes, híbridos desconhecidos de plantas e pássaros. Nosso passado ficou para trás, desligue-o. Vamos ser intencionais em seguir a luz. Imagine um futuro, esteja nele". 

Promovendo a nova turnê, Björk concedeu uma nova entrevista e falou sobre diversos assuntos ao DeMorgen, site da Bélgica, que receberá o show 'Utopia' em julho:

Assédio Sexual: "Esses miseráveis não podem mais seguir seu próprio caminho sem punições. Se um cara pula para a sua varanda no meio da noite sem permissão (se referindo à Lars Von Trier), você pode até estar com medo, mas tem que ousar gritar muito mais alto! Pude ir embora daquela situação já que não tinha ambições no mundo da atuação. Sempre me preocupei se outras pessoas poderiam fazer o mesmo. Eu já disse tudo o que precisava ser dito, mas publiquei aquilo por todas aquelas mulheres que são impedidas de dizer "não". Quase me senti como se estivesse pagando uma dívida. Tive a sorte de ficar longe de tudo isso porque achavam que eu era como um pássaro estranho, mas não é o futuro que vejo para a minha filha. 

Quando se é adolescente, acho que temos uma noção melhor da moral. Os jovens, de repente, veem o que está acontecendo de errado ao seu redor e tentam romper com isso. Fico feliz que muitas mulheres e artistas mais novos sejam mais emotivos quanto a esse aspecto. É como eu disse em "Tabula Rasa": "Não repetir os erros dos nossos pais".

Quando confrontada sobre a perspectiva dos homens sobre as canções do novo álbum, como "Sue Me", Björk respondeu: "Não acho que essa música possa estar sendo interpretada da forma correta. Isadora é a minha 'propriedade' mais preciosa, então entendo por que algumas pessoas entendem essa canção de forma tão pessoal. Existem bons pais o suficiente no mundo, incluindo o meu. E você não deve ser dos piores também (risos). Mas a coisa do patriarcado, esse é o grande problema ao qual eu me referia. No meu país, isso nunca existiu no tempo em que estou por lá. Quando criança, nunca me queixei de desigualdade de gênero. Todas as mulheres eram e são tratadas como independentes. Mas além das fronteiras daquela ilha, o que me parecia era que elas haviam desembarcado no terceiro mundo. Eu vi como foi ser uma garota jovem e entrar em uma sala cheia de executivos (fora da Islândia) me tratando como uma estúpida. Isso acontece com muita frequência, é absolutamente horrível! Eu entendo o quanto você como pai deve ter se sentido desconfortável ouvindo essas minhas novas canções, mas deve admitir que há pelo menos um pouco de verdade no que eu cantei ali".

"Eu conheço muitos homens maravilhosos! Mas, na verdade, estou decepcionada porque foram principalmente eles que nos empurraram para esse abismo que se encontra o nosso mundo. A ideia que eu quero transmitir com esse projeto é que, agora é a vez das mulheres. Dê a elas a chance de consertar as coisas (...) Eu realmente acho que podemos escrever o futuro".

Catarse: "Os meus fãs realmente foram atraídos pelo "Vulnicura", com músicas que vieram do lugar mais sombrio do meu coração, mas eu não conseguia mais mergulhar na tristeza todas as noites nos palcos, principalmente quando vi que todos os que estavam presentes nos shows estavam meio "mortos" comigo. Eu acredito fortemente no carma. Não devemos nos entregar muito à autopiedade, senão ficaremos ainda mais infelizes. Depois que percebi isso, fui correndo compor novamente. Eu não sabia que as gravações demorariam dois anos e meio, claro (risos)".

Setlist: "Nos palcos, eu me sinto mais em casa do que nunca! Houve momentos em que eu odiava voltar a tocar os mesmos sucessos, como "Big Time Sensuality", "It's Oh So Quiet"... Me sentia como um 'jukebox', mas agora estou em paz com todas as minhas músicas. Elas pertencem a mim, mas nem sempre tenho que carregá-las comigo. Ocasionalmente eu escolho alguma que se adapte ao meu humor".

Lançar um álbum de Jazz: "Não. Eu acho que seria previsível demais. Sempre fui do tipo: "não tenho ideia de como quero soar amanhã com a minha música". Tenho uma canção antiga chamada "There's More To Life Than This", que foi gravada ao vivo em um banheiro de uma festa que estava acontecendo. É possível ouvir isso no eco e nos sons de fundo. Não sei explicar por qual motivo eu fiz isso, mas enfim, achei que precisava estar lá no disco. Pode parecer ingenuidade, mas prefiro o instinto do que a razão. É possível ir muito mais longe, acredite em mim!".

Sobre seu trabalho ser considerado 'estranho': "Eu nunca pensei em fazer nada 'estranho' com a minha arte. Não teria sido diferente se eu tivesse me tornado padeira. Eu prometo passar por aí com um show simples*". (*Os jornalistas responsáveis pela matéria dizem ter suspeitado que essa última parte tenha sido uma piada, quando foram revisar a entrevista KKKKK).

"Estou tão feliz por poder tocar no Sint-Pietersplein de Ghent. Eu amo a beleza monumental desse lugar e tocar ao ar livre, mas tenho uma certa agonia de estádios, realmente odeio isso! As arenas não apenas tem uma acústica horrível, como também não me fazem sentir nada! Todo aquele monte de concreto frio, os assentos uniformes, não é a utopia que tenho em mente. Em teatros, a conexão com o público é muito mais fácil, até mesmo em grandes festivais". 

Postagens mais visitadas deste blog

Uma conversa entre Rei Kawakubo e Björk

“Essa entrevista poderia ser chamada de Folclore do Futuro ou algo envolvendo a palavra "folclore"?”. Essa foi uma solicitação de Björk antes da Interview Magazine publicar em outubro de 2019 uma conversa por e-mail inédita entre ela e Rei Kawakubo, fundadora da marca Comme des Garçons e da Dover Street Market. Confira a tradução completa do bate-papo:
BJÖRK: Querida Rei, estou muito honrada por termos essa conversa! Você é uma das pessoas que eu mais admiro, estou emocionada que isso esteja acontecendo. Estava pensando onde os interesses de nós duas se sobrepõem e, por algum motivo, comecei a pensar nas raízes, no folclore, ou na falta dele. Você mencionou em uma entrevista de 1982, que queria se afastar das influências folclóricas da moda japonesa. Acho isso muito interessante. Sempre achei que as culturas japonesa e islandesa têm  coisas em comum que, quando o budismo e o cristianismo chegaram, foram feitas com menos violência do que em outros países, o que serviu de pont…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

Em 1997, Björk já pensava em trabalhar com a realidade virtual

Vulnicura VR é o primeiro álbum em realidade virtual da história. Nele, cada experiência musical faz parte de um todo maior; uma narrativa visual que une cada canção. No entanto, segundo a edição de setembro de 2019 da Crack Magazine, esta não foi a primeira tentativa de Björk em querer dar vida a um projeto com esse tipo de tecnologia. Nos anos 90, quando a ferramenta começava a ganhar visibilidade, a islandesa quis criar uma experiência semelhante para o álbum Homogenic. Na época, muitos estudiosos acreditavam que os VRs seriam a próxima grande mudança de paradigma da humanidade após a Internet. Mas ficou como promessa, já que além de cara, não estava desenvolvida o suficiente para materializar as ideias da cantora, não para o mundo que ela queria construir. A artista acredita que a realidade virtual ficou por muito tempo em segundo plano.
Só em 2013, os primeiros headseats especializados foram lançados. Então, Björk e seu diretor criativo (e braço direito) James Merry entraram em c…