Pular para o conteúdo principal

Björk explica os cenários e figurinos "magicamente utópicos" de sua nova turnê


"Eu sinto que os estrangeiros relacionam principalmente a imagem da Islândia ao inverno, à lava negra, aos vulcões, geleiras, àquele ambiente brutal. Mas há um outro lado da Islândia no verão, como as noites ensolaradas na natureza, que são muito mágicas e utópicas.

 O cenário da nova turnê foi inspirado nas noites de verão na Islândia, onde
em certa época do ano pode haver até 24 horas de sol por dia

Em entrevista ao Dezeen, Björk falou de seus esforços para criar "um transe semelhante ao ópio em um jardim utópico", no qual ela procurava alcançar combinando o lado natural da vida com o do homem. A islandesa ainda revelou que pinturas que marcaram sua infância serviram como inspiração para os cenários da turnê de "Utopia". Ela contou com a ajuda do cenógrafo e designer Heimir Sverrisson na ambientação do palco: "É uma proposta de nosso futuro possível quando aprendemos a usar a tecnologia e natureza. Eu tive longas conversas com vários profissionais para sintonizar o equilíbrio entre o biológico e o urbano. Este mundo é uma tentativa de revelar uma cooperação funcional entre o natural e o artificial, mas quero que a natureza ganhe um pouco essa disputa - algo em torno de 65% ao ar livre e 35% de coisas provocadas pelo homem. 

Os figurinos desenhados por Threeasfour foram feitos, inclusive, com plástico reciclado. O esquema de cores do show foi escolhido como uma mistura da cor pêssego e um azul pálido muito específico, enquanto recursos adicionais são usados para capturar a sensação de flutuar no céu, como a fumaça. Para suas máscaras e acessórios para a cabeça, Björk queria que a estética fosse futurista, e citou Sydney Opera House e ficção científica como influências: "São como uma extensão dos ossos, como se pudessem ajudá-los a fazer sons de vento mais poderosos, como se seus crânios ressoassem com o ar.

É a natureza colaborando com a tecnologia, por isso existem todos esses tipos de híbridos e plantas-pássaros-humanos no palco. Eu queria que a máscara no meu rosto fosse como a abertura de uma orquídea, mas também queria ter orifícios como os de uma flauta no meu pescoço, uma espécie de planta-ave mutante. Tudo precisava parecer fértil e potente, com uma energia erótica, mas também um pouco assustadora, e também com um elemento de comédia".

Em entrevista ao mesmo site, James Merry comentou sobre as máscaras usadas por Björk e suas flautistas no novo show: "Björk havia falado comigo muitas vezes sobre a ideia de usar os figurinos e acessórios para dar uma aparência mais 'avatar' a ela e às flautistas, uma transformação mais completa do personagem humano em algo sci-fi e digital. Eu tentei manter em mente o mundo que ela estava criando em torno do álbum e tentei fazer algo que se encaixasse nisso, dando a elas esse personagem específico: um tipo de orquídea, mutante, com todas muito unidas. Uma tribo matriarcal em uma ilha desconhecida começando de novo. Era importante para mim que cada design fosse diferente do outro, para que parecesse algo coeso quando elas estivessem juntas, mas que cada uma ainda tivesse seu próprio caráter e personalidade. Eu não pude colocar nada que obstruísse a boca ou os olhos delas, o material também tinha que ser muito leve. Em certos momentos do show, as coreografias exigem que elas balancem bastante a cabeça, então tive que me certificar de que tudo estaria facilmente fixo e no lugar, com tão pouca distração e conforto quanto o possível. 

Essas peças também precisavam funcionar à distância, visto que várias apresentações serão em grandes festivais ao ar livre. Considerando que as máscaras que fiz para o videoclipe de "Utopia" tinham mais detalhes e texturas, estas aqui tem uma silhueta que dão aquela sensação de transformação para quem as vê de longe".

James Merry ainda revelou que todas as peças foram feitas para parecessem extensões dos corpos de Björk e das flautistas, como se novos ossos estivessem crescendo fora de suas cabeças ao se transformarem em orquídeas. 


Saiba Mais:

- Madonna curte fotos de Björk no Instagram.

Comente com outros fãs:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Museu da Imagem e do Som confirma a exposição "Björk Digital" em São Paulo

Inédita no Brasil, a exposição Björk Digital celebra o trabalho e o universo criativo da artista islandesa. Dividida em sessões compostas por experiências de realidade virtual e elementos audiovisuais imersivos, a mostra chega ao MIS em junho, depois de passar por cidades como Tóquio, Sidney e Londres.
Trazida em parceria com a produtora Dueto, a exposição é apresentada pelo Ministério da Cidadania e Vivara, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. O MIS é uma instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.

Detalhes sobre datas e ingressos ainda não foram revelados.

A informação já havia sido adiantada em julho do ano passado na coluna de Lauro Jardim no Globo. A Dueto, produtora de Monique Gardenberg, foi a responsável por dois dos três festivais que trouxeram nossa amada ao Brasil. Aliás, em 2007, quando esteve no país com o show Volta, a cantora também compareceu à pré-estreia do filme O Passado, do diretor Hector Babenco, como convidada de M…

Cineasta argentina Lucrecia Martel, dirigirá novo show de Björk

Cornucopia, o novo show de Björk, estreia em maio no The Shed, em Nova Iorque! Inclusive, esse lugar que receberá a mini residência promete ser um dos espaços culturais mais importantes da cidade, principalmente por ter a capacidade de se transformar fisicamente ao criar ambientes dinâmicos de acordo com as visões dos artistas que ali aparecem nos próximos anos. 
A temporada de oito concertos ganhou novos detalhes muito interessantes. A cineasta argentina Lucrecia Martel se juntou ao time de colaboradores da islandesa e dirigirá o espetáculo. 


Internacionalmente reconhecida como uma das mais importantes peças do cinema latino-americano, Martel obteve sucesso de crítica em seu trabalho, incluindo Zama, seu mais recente filme lançado em 2017. Entre suas obras, destacam-se também: La Ciénaga (2001), A Menina Santa (2004) e A Mulher sem Cabeça (2008). Confira mais detalhes clicando aqui
Lucrecia e a Rei Cine, produtora argentina que a representa, emitiram uma declaração à imprensa desta…

Edital do CCBB indica que a exposição Björk Digital virá ao Brasil

E não é que era verdade mesmo? Em julho, em sua coluna no O Globo, o jornalista Lauro Jardim comentou em primeira mão sobre as grandes chances da Björk Digital passar pelo Brasil. 
Na época, as negociações já estariam bem avançadas e na fase de captação de recursos. Ele citou a produtora Dueto, de Monique Gardenberg, como uma das interessadas em trazer a mostra ao país. Em 2007; a diretora, produtora cultural e cineasta brasileira convidou junto do diretor Hector Babenco a própria Björk para a pré-estreia do filme "O Passado", quando a cantora esteve no Brasil com a turnê do álbum Volta. As duas já se conheciam das outras passagens da artista por aqui, em 1996 e 1998 com os shows de Post e Homogenic. A Dueto Produções foi, inclusive, a responsável por dois dos três festivais que a trouxeram ao Brasil.
No entanto, na tarde de hoje (28/11), fomos surpreendidos com a possível indicação de que tudo realmente vai acontecer, mas com a ajuda também de outras pessoas! O projeto é c…