Pular para o conteúdo principal

Björk explica os cenários e figurinos "magicamente utópicos" de sua nova turnê


"Eu sinto que os estrangeiros relacionam principalmente a imagem da Islândia ao inverno, à lava negra, aos vulcões, geleiras, àquele ambiente brutal. Mas há um outro lado da Islândia no verão, como as noites ensolaradas na natureza, que são muito mágicas e utópicas.

 O cenário da nova turnê foi inspirado nas noites de verão na Islândia, onde em certa época do ano pode haver até 24 horas de sol por dia

Em entrevista ao Dezeen, Björk falou de seus esforços para criar "um transe semelhante ao ópio em um jardim utópico", no qual ela procurava alcançar combinando o lado natural da vida com o do homem. A islandesa ainda revelou que pinturas que marcaram sua infância serviram como inspiração para os cenários da turnê de "Utopia". Ela contou com a ajuda do cenógrafo e designer Heimir Sverrisson na ambientação do palco: "É uma proposta de nosso futuro possível quando aprendemos a usar a tecnologia e natureza. Eu tive longas conversas com vários profissionais para sintonizar o equilíbrio entre o biológico e o urbano. Este mundo é uma tentativa de revelar uma cooperação funcional entre o natural e o artificial, mas quero que a natureza ganhe um pouco essa disputa - algo em torno de 65% ao ar livre e 35% de coisas provocadas pelo homem. 

Os figurinos desenhados por Threeasfour foram feitos, inclusive, com plástico reciclado. O esquema de cores do show foi escolhido como uma mistura da cor pêssego e um azul pálido muito específico, enquanto recursos adicionais são usados para capturar a sensação de flutuar no céu, como a fumaça. Para suas máscaras e acessórios para a cabeça, Björk queria que a estética fosse futurista, e citou Sydney Opera House e ficção científica como influências: "São como uma extensão dos ossos, como se pudessem ajudá-los a fazer sons de vento mais poderosos, como se seus crânios ressoassem com o ar.

É a natureza colaborando com a tecnologia, por isso existem todos esses tipos de híbridos e plantas-pássaros-humanos no palco. Eu queria que a máscara no meu rosto fosse como a abertura de uma orquídea, mas também queria ter orifícios como os de uma flauta no meu pescoço, uma espécie de planta-ave mutante. Tudo precisava parecer fértil e potente, com uma energia erótica, mas também um pouco assustadora, e também com um elemento de comédia".

Em entrevista ao mesmo site, James Merry comentou sobre as máscaras usadas por Björk e suas flautistas no novo show:

"Björk havia falado comigo muitas vezes sobre a ideia de usar os figurinos e acessórios para dar uma aparência mais 'avatar' a ela e às flautistas, uma transformação mais completa do personagem humano em algo sci-fi e digital. Eu tentei manter em mente o mundo que ela estava criando em torno do álbum e tentei fazer algo que se encaixasse nisso, dando a elas esse personagem específico: um tipo de orquídea, mutante, com todas muito unidas. Uma tribo matriarcal em uma ilha desconhecida começando de novo. Era importante para mim que cada design fosse diferente do outro, para que parecesse algo coeso quando elas estivessem juntas, mas que cada uma ainda tivesse seu próprio caráter e personalidade. Eu não pude colocar nada que obstruísse a boca ou os olhos delas, o material também tinha que ser muito leve. Em certos momentos do show, as coreografias exigem que elas balancem bastante a cabeça, então tive que me certificar de que tudo estaria facilmente fixo e no lugar, com tão pouca distração e conforto quanto o possível. 

Essas peças também precisavam funcionar à distância, visto que várias apresentações serão em grandes festivais ao ar livre. Considerando que as máscaras que fiz para o videoclipe de "Utopia" tinham mais detalhes e texturas, estas aqui tem uma silhueta que dão aquela sensação de transformação para quem as vê de longe".

James Merry ainda revelou que todas as peças foram feitas para parecessem extensões dos corpos de Björk e das flautistas, como se novos ossos estivessem crescendo fora de suas cabeças ao se transformarem em orquídeas.

Saiba Mais:

- Madonna curte fotos de Björk no Instagram.

Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Uma conversa entre Rei Kawakubo e Björk

“Essa entrevista poderia ser chamada de Folclore do Futuro ou algo envolvendo a palavra "folclore"?”. Essa foi uma solicitação de Björk antes da Interview Magazine publicar em outubro de 2019 uma conversa por e-mail inédita entre ela e Rei Kawakubo, fundadora da marca Comme des Garçons e da Dover Street Market. Confira a tradução completa do bate-papo:
BJÖRK: Querida Rei, estou muito honrada por termos essa conversa! Você é uma das pessoas que eu mais admiro, estou emocionada que isso esteja acontecendo. Estava pensando onde os interesses de nós duas se sobrepõem e, por algum motivo, comecei a pensar nas raízes, no folclore, ou na falta dele. Você mencionou em uma entrevista de 1982, que queria se afastar das influências folclóricas da moda japonesa. Acho isso muito interessante. Sempre achei que as culturas japonesa e islandesa têm  coisas em comum que, quando o budismo e o cristianismo chegaram, foram feitas com menos violência do que em outros países, o que serviu de pont…

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

Em 1997, Björk já pensava em trabalhar com a realidade virtual

Vulnicura VR é o primeiro álbum em realidade virtual da história. Nele, cada experiência musical faz parte de um todo maior; uma narrativa visual que une cada canção. No entanto, segundo a edição de setembro de 2019 da Crack Magazine, esta não foi a primeira tentativa de Björk em querer dar vida a um projeto com esse tipo de tecnologia. Nos anos 90, quando a ferramenta começava a ganhar visibilidade, a islandesa quis criar uma experiência semelhante para o álbum Homogenic. Na época, muitos estudiosos acreditavam que os VRs seriam a próxima grande mudança de paradigma da humanidade após a Internet. Mas ficou como promessa, já que além de cara, não estava desenvolvida o suficiente para materializar as ideias da cantora, não para o mundo que ela queria construir. A artista acredita que a realidade virtual ficou por muito tempo em segundo plano.
Só em 2013, os primeiros headseats especializados foram lançados. Então, Björk e seu diretor criativo (e braço direito) James Merry entraram em c…