Pular para o conteúdo principal

Björk explica os cenários e figurinos "magicamente utópicos" de sua nova turnê


"Eu sinto que os estrangeiros relacionam principalmente a imagem da Islândia ao inverno, à lava negra, aos vulcões, geleiras, àquele ambiente brutal. Mas há um outro lado da Islândia no verão, como as noites ensolaradas na natureza, que são muito mágicas e utópicas.

 O cenário da nova turnê foi inspirado nas noites de verão na Islândia, onde em certa época do ano pode haver até 24 horas de sol por dia

Em entrevista ao Dezeen, Björk falou de seus esforços para criar "um transe semelhante ao ópio em um jardim utópico", no qual ela procurava alcançar combinando o lado natural da vida com o do homem. A islandesa ainda revelou que pinturas que marcaram sua infância serviram como inspiração para os cenários da turnê de "Utopia". Ela contou com a ajuda do cenógrafo e designer Heimir Sverrisson na ambientação do palco: "É uma proposta de nosso futuro possível quando aprendemos a usar a tecnologia e natureza. Eu tive longas conversas com vários profissionais para sintonizar o equilíbrio entre o biológico e o urbano. Este mundo é uma tentativa de revelar uma cooperação funcional entre o natural e o artificial, mas quero que a natureza ganhe um pouco essa disputa - algo em torno de 65% ao ar livre e 35% de coisas provocadas pelo homem. 

Os figurinos desenhados por Threeasfour foram feitos, inclusive, com plástico reciclado. O esquema de cores do show foi escolhido como uma mistura da cor pêssego e um azul pálido muito específico, enquanto recursos adicionais são usados para capturar a sensação de flutuar no céu, como a fumaça. Para suas máscaras e acessórios para a cabeça, Björk queria que a estética fosse futurista, e citou Sydney Opera House e ficção científica como influências: "São como uma extensão dos ossos, como se pudessem ajudá-los a fazer sons de vento mais poderosos, como se seus crânios ressoassem com o ar.

É a natureza colaborando com a tecnologia, por isso existem todos esses tipos de híbridos e plantas-pássaros-humanos no palco. Eu queria que a máscara no meu rosto fosse como a abertura de uma orquídea, mas também queria ter orifícios como os de uma flauta no meu pescoço, uma espécie de planta-ave mutante. Tudo precisava parecer fértil e potente, com uma energia erótica, mas também um pouco assustadora, e também com um elemento de comédia".

Em entrevista ao mesmo site, James Merry comentou sobre as máscaras usadas por Björk e suas flautistas no novo show:

"Björk havia falado comigo muitas vezes sobre a ideia de usar os figurinos e acessórios para dar uma aparência mais 'avatar' a ela e às flautistas, uma transformação mais completa do personagem humano em algo sci-fi e digital. Eu tentei manter em mente o mundo que ela estava criando em torno do álbum e tentei fazer algo que se encaixasse nisso, dando a elas esse personagem específico: um tipo de orquídea, mutante, com todas muito unidas. Uma tribo matriarcal em uma ilha desconhecida começando de novo. Era importante para mim que cada design fosse diferente do outro, para que parecesse algo coeso quando elas estivessem juntas, mas que cada uma ainda tivesse seu próprio caráter e personalidade. Eu não pude colocar nada que obstruísse a boca ou os olhos delas, o material também tinha que ser muito leve. Em certos momentos do show, as coreografias exigem que elas balancem bastante a cabeça, então tive que me certificar de que tudo estaria facilmente fixo e no lugar, com tão pouca distração e conforto quanto o possível. 

Essas peças também precisavam funcionar à distância, visto que várias apresentações serão em grandes festivais ao ar livre. Considerando que as máscaras que fiz para o videoclipe de "Utopia" tinham mais detalhes e texturas, estas aqui tem uma silhueta que dão aquela sensação de transformação para quem as vê de longe".

James Merry ainda revelou que todas as peças foram feitas para parecessem extensões dos corpos de Björk e das flautistas, como se novos ossos estivessem crescendo fora de suas cabeças ao se transformarem em orquídeas.

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça as histórias de todas as canções do álbum "Utopia"

Lançado em 24 de novembro de 2017 , o álbum Utopia é um dos trabalhos mais incríveis da carreira de Björk .  Reunimos em uma matéria especial detalhes de todas as faixas do projeto. Confira:  Foto:  Jesse Kanda (2017).  1. Arisen My Senses: "A primeira faixa que escrevi para o álbum Utopia foi justamente a de abertura. A melodia é como uma constelação no céu. É quase uma rebelião otimista contra modulações com narrativa "normais". Não há apenas uma. Tem umas cinco e eu realmente amei isso. Adicionei um arranjo de harpa junto de um texto, e enviei essa música de presente para a Arca . Ela mal podia acreditar, pois sentiu que bati de algum jeito em seu inconsciente! Criei a partir de um trecho de uma mixtape no SoundCloud dela, um trabalho feito uns três anos antes. Vi aquilo como o seu material mais feliz. Nem comentei com ela, apenas reeditei e mandei. Desta vez, estávamos fazendo juntas, de igual para igual, o oposto de Vulnicura . E esse foi o ponto de partida par

Björk e Milton Nascimento - A Travessia para um grande encontro

Foto: Horácio Brandão/Midiorama (1998) Poucas horas antes do show no  Metropolitan , no Rio de Janeiro, em 20 de agosto de 1998 (saiba mais AQUI ), Björk    conversou com a imprensa brasileira, e esteve junto de Milton Nascimento . Ela foi uma das atrações principais do festival Close-Up Planet : Fotos: Site Rock em Geral (1998) Ao jornal  Extra , ela contou que é fã não só de Elis, mas também do Sepultura . Falando de Milton Nascimento, revelou: "Cheguei no sábado (acompanhada de uma amiga de infância) e fiquei bêbada com algumas pessoas ouvindo as músicas dele". Segundo a publicação, a cantora teria cogitado a ideia de ir a apresentação "Tambores de Minas" da lenda brasileira, no Canecão . Ela admitiu que do line-up do festival, só conhecia mesmo as atrações internacionais: "Tenho que dizer que sou ignorante em relação à música brasileira, e isso me envergonha". Também deixou claro que, como de costume, não incluiria nada do Sugarcubes

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Relembre todas as passagens da islandesa por nosso país, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989. A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet. Em outubro de 1996 , Björk finalmente desembarcou no Brasil, com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no R

Os preparativos para o próximo álbum de Björk

Em 13 de novembro, Björk participou da conferência online   Artificial Intelligence Expo of Applications (AIXA). Durante o bate-papo, que contou com a presença do cineasta Luca Guadagnino e do diretor artístico/curador Andrea Lissoni , ela falou rapidamente sobre a criação de seu próximo álbum :  "Sim, com certeza passo muito tempo compondo. Em cada um dos meus discos, gosto de me surpreender durante o processo criativo. Percebo minha voz como algo controlado pela natureza, o lado biológico. Então, para mim, escrever uma canção é tipo: "Oh, agora vou fazer algo que nunca fiz antes!".  Com relação ao estilo do ritmo, é como resolver o mistério de um assassinato. Aliás, estou exatamente nesse estágio para o meu próximo álbum. Tenho trabalhado nisso, mas não se pode decidir nem tão cedo nem tão tarde, pois é como matar uma das etapas. Tem que estar no território do subconsciente, sabe?  Com a situação que o mundo está enfrentando no momento, estamos todos tentando nos ma

Hildur Rúna Hauksdóttir, a mãe de Björk

"Como eu estava sempre atrasada para a escola, comecei a enganar a minha família. Minha mãe e meu padrasto tinham o cabelo comprido e eles eram um pouco hippies. Aos dez anos de idade, eu acordava primeiro do que eles, antes do despertador tocar. Eu gostava de ir na cozinha e colocar o relógio 15 minutos mais cedo, e então eu iria acordá-los... E depois acordá-los novamente cinco minutos depois... E de novo. Demorava, algo como, quatro “rodadas”. E então eu acordava meu irmãozinho, todo mundo ia escovar os dentes, e eu gostava de ter certeza de que eu era a última a sair e, em seguida, corrigir o relógio. Fiz isso durante anos. Por muito tempo, eu era a única criança da minha casa, e havia mais sete pessoas vivendo comigo lá. Todos tinham cabelos longos e ouviam constantemente Jimi Hendrix . O ambiente era pintado de roxo com desenhos de borboletas nas paredes, então eu tenho uma certa alergia a essa cor agora (risos). Vivíamos sonhando, e to