Pular para o conteúdo principal

Björk é mais do que apenas uma grande voz


Em nova entrevista, Björk comenta novamente sobre os temas que cercam seu novo álbum, "Utopia": "As pessoas se referem à natureza como algo externo, mas somos parte dela. "Quando chamei o disco de "álbum Tinder" foi uma piada, e tenho um péssimo senso de humor. Eu usei essa comparação para descrever um certo sentimento, uma abertura, uma curiosidade, uma disposição para começar um novo período. Esse momento é crucial, entre um capítulo final e um novo capítulo inaugural. Eu nunca nem usei esse aplicativo. Sabe o que me interessaria em algo assim? Um no qual as estatísticas se baseassem em coleções de álbuns. Não seria uma ótima maneira de conhecer novas pessoas? Anonimamente, apenas a partir do gosto musical?".

Voltando ao assunto das máscaras, que tanto causa repercussão, a islandesa respondeu: "Eu não gostava de viver sob os flashs, era como se roubassem minha energia. Com o uso das máscaras, eu inverto os papéis: Eu escolho qual energia libero, qual impressão eu quero deixar, mas na realidade, não quero esconder nada com essas máscaras, muito pelo contrário. Usando uma máscara, eu posso ser mais expressiva, é como uma fantasia, que pode dizer tantas coisas: tristeza, dor, raiva, mas também alegria. Eu também só gosto de fingir que vim de uma ilha futurista. (risos). Um ser híbrido que vive entre todos os tipos de outras criaturas estranhas". <3

Björk pode muito bem esconder seu rosto, mas tem uma coisa que nunca deixará com que ela passe por aí sem chamar atenção: sua voz. Então o que aconteceria se ela perdesse este instrumento?: "Oh, eu sempre perco a minha voz, sabe. Quando eu estava tocando em bandas punks, isso já acontecia comigo o tempo todo. Com o passar dos anos, comecei a ter consciência da importância/gravidade disso. Talvez apenas quando fiz "Vespertine", um álbum que criei apenas usando um laptop e a minha voz. Ao mesmo tempo, foi esse disco que me libertou da ideia de que eu era apenas "uma cantora". Desde então sou autossuficiente. Eu posso produzir, escrever meus arranjos, eu sou mais que "uma voz". O que eu quero dizer é que levei quase três anos para fazer o "Utopia" e durante esse tempo, eu cantei (somando tudo) por no máximo dez horas, enquanto eu levava meses e meses para projetar o álbum, masterizá-lo, e fazer a mixagem. Então, mesmo que eu perdesse a minha voz para sempre, eu continuaria a fazer música, com certeza".

Eu cresço com a minha voz, cantar é algo que me muda constantemente, e acho que devemos nos alegrar quando acontece isso. Uma das coisas mais bonitas do mundo é ir até uma ilha, nadar no mar, e depois abrir a boca e soltar toda a liberdade da voz, seja ela qual for, com 25 ou 55 anos, sendo alguém jovem ou velho, da Papua Nova Guiné ao Peru ou à Inglaterra. Enfim, a voz é o melhor instrumento para nos expressarmos, e é por isso que eu amo muito o karaokê (risos)".

Mas todas as vozes são musicais? Até a de Donald Trump? "Sim, mas eu realmente tenho que responder isso? Apoiando ou não esse cara e a sua total indiferença, estamos falando do presidente do país mais poderoso do mundo. E nada disso aqui é sobre poder ou fronteiras, é sobre sobrevivência. A sobrevivência do nosso planeta. Isso ainda é algo que toda criatura quer, não?".

Flautas: "É um instrumento muito mais humano do que um violino. Por exemplo, é como se com uma flauta, fosse possível beijar alguém, dar vida a essa pessoa. E isso é algo tão cheio de vida, mesmo com o uso de um sintetizador, sabe. O som dela também pode ser imitado sem qualquer instrumento, simplesmente com nossos lábios, assobiando. Para mim, tocar flauta é sinônimo de um recomeço, como toda vez que aspiramos o ar do nosso pulmão".

Arca: "Ele sabe muito mais da minha discografia do que eu mesma. Provou isso ao me lembrar de algumas músicas. Ele investiu tempo e energia para colaborar comigo em "Utopia" e sou muito grata por isso. Não está me acompanhando na turnê porque está ocupado com sua própria música".

Mas e os pássaros do "Utopia"? Também podemos esperar por eles na banda da islandesa?: "Eu adoraria, mas primeiro eu teria que fazer com que eles assinassem um contrato". 

E ela usou pássaros venezuelanos, da terra do Arca!: "Não os coloquei no disco porque eu queira dominar a cultura venezuelana, mas sim porque são sons exóticos, e quando digo isso, me refiro ao oposto do que é considerado "normal". O oposto de entediante". 

Em 11 de Julho, a nova turnê de Björk passará por Ghent, na Bélgica: "Eu já estive lá quando ainda era adolescente. Meus amigos e eu dançamos bastante na boate Boccaccio, e eu nunca vou esquecer isso. Os seguranças eram muito agressivos, eles tinham cachorros, um deles até mordeu meu lábio (risos). Oh, mas até que não foi uma experiência negativa, eu considero esta cicatriz uma das minhas feridas de guerra!".


Postagens mais visitadas deste blog

Björk e a paixão pelo canto de Elis Regina: "Ela cobre todo um espectro de emoções"

"É difícil explicar. Existem várias outras cantoras, como Ella Fitzgerald , Billie Holiday , Edith Piaf , mas há alguma coisa em Elis Regina com a qual eu me identifico. Então escrevi uma canção, Isobel , sobre ela. Na verdade, é mais uma fantasia, porque sei pouco a respeito dela".  Quando perguntada se já viu algum vídeo com imagens de Elis, Björk respondeu:  "Somente um. É um concerto gravado no Brasil, em um circo, com uma grande orquestra. Apesar de não conhecê-la, trabalhei com ( Eumir ) Deodato e ele me contou várias histórias sobre ela. Acho que tem algo a ver com a energia com a qual ela canta. Ela também tem uma claridade no tom da voz, que é cheia de espírito.  O que eu gosto em Elis é que ela cobre todo um espectro de emoções. Em um momento, ela está muito feliz, parece estar no céu. Em outro, pode estar muito triste e se transforma em uma suicida".  A entrevista foi publicada na Folha de São Paulo , em setembro de 1996. Na ocasião, Björk divulgava o

Debut, o primeiro álbum da carreira solo de Björk, completa 30 anos

Há 30 anos , era lançado "Debut", o primeiro álbum da carreira solo de Björk : "Esse disco tem memórias e melodias da minha infância e adolescência. No minuto em que decidi seguir sozinha, tive problemas com a autoindulgência disso. Era a história da garota que deixou a Islândia, que queria lançar sua própria música para o resto do mundo. Comecei a escrever como uma estrutura livre na natureza, por conta própria, na introversão". Foi assim que a islandesa refletiu sobre "Debut" em 2022, durante entrevista ao podcast Sonic Symbolism: "Eu só poderia fazer isso com algum tipo de senso de humor, transformando-o em algo como uma história de mitologia. O álbum tem melodias e coisas que eu escrevi durante anos, então trouxe muitas memórias desse período. Eu funcionava muito pelo impulso e instinto". Foto: Jean-Baptiste Mondino. Para Björk, as palavras que descrevem "Debut" são: Tímido, iniciante, o mensageiro, humildade, prata, mohair (ou ango

Sindri Eldon explica antigo comentário sobre a mãe Björk

Foto: Divulgação/Reprodução.  O músico Sindri Eldon , que é filho de Björk , respondeu as críticas de uma antiga entrevista na qual afirmou ser um compositor melhor do que sua mãe.  Na ocasião, ele disse ao Reykjavík Grapevine : "Minha principal declaração será provar a todos o que secretamente sei há muito tempo: que sou melhor compositor e letrista do que 90% dos músicos islandeses, inclusive minha mãe".  A declaração ressurgiu no Twitter na última semana, e foi questionada por parte do público que considerou o comentário uma falta de respeito com a artista. Na mesma rede social, Sindri explicou:  "Ok. Primeiramente, acho que deve ser dito que isso é de cerca de 15 anos atrás. Eu era um idiota naquela época, bebia muito e estava em um relacionamento tóxico. Tinha um problema enorme e realmente não sabia como lidar com isso. Essa entrevista foi feita por e-mail por um cara chamado Bob Cluness que era meu amigo, então as respostas deveriam ser irônicas e engraçadas. Eu

Nos 20 anos de Vespertine, conheça as histórias de todas as canções do álbum lendário de Björk

Vespertine está completando 20 anos ! Para celebrar essa ocasião tão especial, preparamos uma super matéria . Confira detalhes de todas as canções e vídeos de um dos álbuns mais impressionantes da carreira de Björk ! Coloque o disco para tocar em sua plataforma digital favorita, e embarque conosco nessa viagem.  Foto: Inez & Vinoodh.  Premissa:  "Muitas pessoas têm medo de serem abandonadas, têm medo da solidão, entram em depressão, parecem se sentir fortes apenas quando estão inseridas em grupos, mas comigo não funciona assim. A felicidade pode estar em todas as situações, a solidão pode me fazer feliz. Esse álbum é uma maneira de mostrar isso. "Hibernação" foi uma palavra que me ajudou muito durante a criação. Relacionei isso com aquela sensação de algo interno e o som dos cristais no inverno. Eu queria que o álbum soasse dessa maneira. Depois de ficar obcecada com a realidade e a escuridão da vida, de repente parei para pensar que inventar uma espécie de paraí

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Relembre todas as passagens de Björk por terras brasileiras! Preparamos uma matéria detalhada e cheia de curiosidades: Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalmente desembarcou no Brasil , com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96) , como parte do Free Jazz Festival . Fotos:  André Gardenberg, Folhapres