Pular para o conteúdo principal

Björk é mais do que apenas uma grande voz


Em nova entrevista, Björk comenta novamente sobre os temas que cercam seu novo álbum, "Utopia": "As pessoas se referem à natureza como algo externo, mas somos parte dela. "Quando chamei o disco de "álbum Tinder" foi uma piada, e tenho um péssimo senso de humor. Eu usei essa comparação para descrever um certo sentimento, uma abertura, uma curiosidade, uma disposição para começar um novo período. Esse momento é crucial, entre um capítulo final e um novo capítulo inaugural. Eu nunca nem usei esse aplicativo. Sabe o que me interessaria em algo assim? Um no qual as estatísticas se baseassem em coleções de álbuns. Não seria uma ótima maneira de conhecer novas pessoas? Anonimamente, apenas a partir do gosto musical?".

Voltando ao assunto das máscaras, que tanto causa repercussão, a islandesa respondeu: "Eu não gostava de viver sob os flashs, era como se roubassem minha energia. Com o uso das máscaras, eu inverto os papéis: Eu escolho qual energia libero, qual impressão eu quero deixar, mas na realidade, não quero esconder nada com essas máscaras, muito pelo contrário. Usando uma máscara, eu posso ser mais expressiva, é como uma fantasia, que pode dizer tantas coisas: tristeza, dor, raiva, mas também alegria. Eu também só gosto de fingir que vim de uma ilha futurista. (risos). Um ser híbrido que vive entre todos os tipos de outras criaturas estranhas". <3

Björk pode muito bem esconder seu rosto, mas tem uma coisa que nunca deixará com que ela passe por aí sem chamar atenção: sua voz. Então o que aconteceria se ela perdesse este instrumento?: "Oh, eu sempre perco a minha voz, sabe. Quando eu estava tocando em bandas punks, isso já acontecia comigo o tempo todo. Com o passar dos anos, comecei a ter consciência da importância/gravidade disso. Talvez apenas quando fiz "Vespertine", um álbum que criei apenas usando um laptop e a minha voz. Ao mesmo tempo, foi esse disco que me libertou da ideia de que eu era apenas "uma cantora". Desde então sou autossuficiente. Eu posso produzir, escrever meus arranjos, eu sou mais que "uma voz". O que eu quero dizer é que levei quase três anos para fazer o "Utopia" e durante esse tempo, eu cantei (somando tudo) por no máximo dez horas, enquanto eu levava meses e meses para projetar o álbum, masterizá-lo, e fazer a mixagem. Então, mesmo que eu perdesse a minha voz para sempre, eu continuaria a fazer música, com certeza".

Eu cresço com a minha voz, cantar é algo que me muda constantemente, e acho que devemos nos alegrar quando acontece isso. Uma das coisas mais bonitas do mundo é ir até uma ilha, nadar no mar, e depois abrir a boca e soltar toda a liberdade da voz, seja ela qual for, com 25 ou 55 anos, sendo alguém jovem ou velho, da Papua Nova Guiné ao Peru ou à Inglaterra. Enfim, a voz é o melhor instrumento para nos expressarmos, e é por isso que eu amo muito o karaokê (risos)".

Mas todas as vozes são musicais? Até a de Donald Trump? "Sim, mas eu realmente tenho que responder isso? Apoiando ou não esse cara e a sua total indiferença, estamos falando do presidente do país mais poderoso do mundo. E nada disso aqui é sobre poder ou fronteiras, é sobre sobrevivência. A sobrevivência do nosso planeta. Isso ainda é algo que toda criatura quer, não?".

Flautas: "É um instrumento muito mais humano do que um violino. Por exemplo, é como se com uma flauta, fosse possível beijar alguém, dar vida a essa pessoa. E isso é algo tão cheio de vida, mesmo com o uso de um sintetizador, sabe. O som dela também pode ser imitado sem qualquer instrumento, simplesmente com nossos lábios, assobiando. Para mim, tocar flauta é sinônimo de um recomeço, como toda vez que aspiramos o ar do nosso pulmão".

Arca: "Ele sabe muito mais da minha discografia do que eu mesma. Provou isso ao me lembrar de algumas músicas. Ele investiu tempo e energia para colaborar comigo em "Utopia" e sou muito grata por isso. Não está me acompanhando na turnê porque está ocupado com sua própria música".

Mas e os pássaros do "Utopia"? Também podemos esperar por eles na banda da islandesa?: "Eu adoraria, mas primeiro eu teria que fazer com que eles assinassem um contrato". 

E ela usou pássaros venezuelanos, da terra do Arca!: "Não os coloquei no disco porque eu queira dominar a cultura venezuelana, mas sim porque são sons exóticos, e quando digo isso, me refiro ao oposto do que é considerado "normal". O oposto de entediante". 

Em 11 de Julho, a nova turnê de Björk passará por Ghent, na Bélgica: "Eu já estive lá quando ainda era adolescente. Meus amigos e eu dançamos bastante na boate Boccaccio, e eu nunca vou esquecer isso. Os seguranças eram muito agressivos, eles tinham cachorros, um deles até mordeu meu lábio (risos). Oh, mas até que não foi uma experiência negativa, eu considero esta cicatriz uma das minhas feridas de guerra!".


Postagens mais visitadas deste blog

Björk volta ao Brasil para show no Primavera Sound

Por essa a gente não esperava... Após 15 anos, Björk volta ao Brasil para show no festival Primavera Sound . A apresentação acontece no dia 5 de novembro , em São Paulo ! Atenção: Os ingressos estão à venda ( e já acabando ) em: https://www.eventim.com.br/primaverasoundsp Estamos esperando por esse momento desde 2007 ! Björk se apresentará no Brasil com a turnê Orkestral . No repertório, estão canções de várias fases da carreira. Durante a série de lives na Islândia, a artista revisitou muitas músicas em diferentes performances. No concerto de 2022, algumas delas devem aparecer no setlist. Conheça as histórias das faixas clicando   AQUI . Na estrada, Björk estará ao lado do condutor Bjarni Frímann Bjarnason .  "Para mim, o show "Orkestral" é como um dia de feriado. Eu apenas chego com um vestido nas costas e apareço, canto e vou para casa. Torna-se mais sobre mim, a cantora. Eu trabalho com as orquestras locais de cada lugar, então sou mais como uma convidada ou uma vi

A participação de Björk em The Northman

Que saudades de ver esse rostinho lindo!  Björk esteve na estreia de "The Northman", em Reykjavík.  Nas redes sociais, a artista escreveu: "Estou muito orgulhosa de fazer parte disso. Gostaria de agradecer a Robert Eggers , Sjón e Robin Carolan por convidarem Dóa (o nome artístico da filha dela, que é uma das atrizes da grande produção) e eu para essa aventura. Estou mais do que grata!!! E obrigada a James Merry por me apoiar e Alexander (Skarsgård) por ser um co-ator gracioso".  "Durante sua cena, eu podia ver que Björk tinha uma lua cheia gigantesca atrás dela, bem atrás de sua cabeça. Aquilo pareceu perfeito para aquela cena, seu personagem e como ela estava vestida. Foi absolutamente fascinante. Ela é tão incrível!". pic.twitter.com/e9dPgaf2Ec — Björk BR (@sitebjorkbrasil) April 20, 2022 "É bom finalmente ver as raízes de alguém tratadas com imaginação, inteligência e qualidade. Eu AMEI as passagens com Mjötviður Mær . A arqueologia moder

Ísadora Bjarkardóttir Barney fala sobre sua carreira como artista e o apoio da mãe Björk

Doa , também conhecida como d0lgur , é uma estudante, funcionária de uma loja de discos ( Smekkleysa ), cineasta, cantora e agora atriz. Em abril, estreia nas telonas no novo filme de Robert Eggers , The Northman . Ela interpreta Melkorka , uma garota irlandesa mantida em cativeiro em uma fazenda islandesa, que também gosta de cantar.  O nome de batismo da jovem de 19 anos, é Ísadora Bjarkardóttir Barney .  "Bjarkardóttir" reflete a tradição islandesa de usar nomes patronímicos ou matronímicos . Ou seja, o segundo nome de uma criança é baseado no primeiro nome de sua mãe ou pai. Assim, "Bjarkardóttir" significa o "dóttir" – filha – de "Bjarkar". Isto é, de Björk . E Barney vem do pai Matthew Barney, que nasceu nos Estados Unidos.  Na nova edição da revista THE FACE , a artista falou sobre sua carreira. Ela vive entre Reykjavík e Nova York , onde nasceu em outubro de 2002. Confira os trechos em que citou a mãe, a nossa Björk.  " Sjón e min

Saiba tudo sobre as visitas de Björk ao Brasil

Foto: Divulgação (2007) As apresentações mais recentes de Björk no Brasil, aconteceram em 2007. Em novembro de 2022, ela volta ao nosso país no festival Primavera Sound . Relembre todas as passagens da islandesa por terras brasileiras, nesta matéria detalhada e cheia de curiosidades! Foto: Reprodução (1987) Antes de vir nos visitar em turnê, a cantora foi capa de algumas revistas brasileiras sobre música, incluindo a extinta  Bizz,  edição de Dezembro de 1989 . A divulgação do trabalho dela por aqui, começou antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo, ainda com o  Sugarcubes . 1996 - Post Tour: Arquivo: João Paulo Corrêa SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.  Em outubro de 1996, Björk finalment

Björk está no elenco de 'The Northman’, filme de Robert Eggers

Em outubro de 2019 , o site IndieWire garantiu que Björk estava em negociações avançadas para participar de uma nova produção do diretor Robert Eggers , responsável pelos filmes "A Bruxa" (2015) e "O Farol" (2019).  O longa, intitulado de The Northman , foi descrito como uma "saga de vingança viking", na qual um príncipe nórdico (Alexander Skarsgård) procura por justiça após seu pai ser assassinado. A história é ambientada na Islândia , na virada do Século X.  Foto: Santiago Felipe. O roteiro de Eggers foi escrito em parceria com Sjón , um grande amigo e colaborador da islandesa ( Isobel , Jóga , Bachelorette , Selmasongs , Oceania , Wanderlust , The Comet Song , Cosmogony , Virus , Solstice ). Nicole Kidman , Alexander Skarsgård , Anya Taylor-Joy , Bill Skarsgård , Kate Dickie , Ralph Ineson , Claes Bang , Ethan Hawke  e Willem Dafoe também fazem parte do elenco.  A trilha sonora é de Robin Carolan e Vessel .  Foto: Reprodução.  O Belfast Telegraph ,