Pular para o conteúdo principal

Viajando pela Islândia com as dicas de Björk


A curadora e diretora de criação Ximena Caminos cresceu em Buenos Aires, onde trabalhou no Museu de Arte Latino-Americana antes de montar uma parceria com Alan Faena, com quem fundou uma rede de hotéis famosos na Argentina e nos Estados Unidos. Viajando bastante pelo mundo, a empresária acumulou muitas histórias, e em nova entrevista compartilhou uma em específico envolvendo Björk:
Björk é uma das pessoas mais extraordinárias que já encontrei em minhas viagens. Nós nos conhecemos quando eu estava em uma viagem com o pessoal do Tate Modern, museu de arte moderna de Londres, para a Bienal de Veneza. Ela me contou sobre Akureyri, uma cidade no norte da Islândia. Eu amei! Ela realmente me emprestou sua casa perto do lago para a minha primeira viagem por lá, e ainda me disse: "Este é o número da minha mãe, ligue para ela, ela vai te dar a chave. Eu só te peço uma coisa. Ao amanhecer, quando você acordar, ouça os pássaros". Björk também me recomendou outros lugares para visitar. Fomos a um baile de máscaras em Iðnó, a um bar chamado Gaukurinn, para assistir ao show de drag queens chamado Dragsugur; a um restaurante chamado Snaps on Odinsgata, que tinha bons coquetéis; e Hurra, um local para música e bandas.

Comente com outros fãs:

Postagens mais visitadas deste blog

Relembre as vindas de Björk ao Brasil

As apresentações mais recentes de Björk no Brasil aconteceram há mais de 10 anos, entre 26 e 31 de Outubro de 2007. Relembre essas e outras passagens da islandesa, que já disse ter vivido momentos mágicos em nosso país.
Mas antes de tudo, uma curiosidade: Björk já foi capa da famosa/extinta revista brasileira Bizz, edição de Dezembro de 1989, o que comprova a divulgação do trabalho da artista no Brasil antes mesmo do grande sucesso e reconhecimento em carreira solo.
1996 - Post Tour:
SETLIST:  Army of Me One Day The Modern Things Venus as a Boy You've Been Flirting Again Isobel Possibly Maybe I Go Humble Big Time Sensuality Hyperballad Human Behaviour The Anchor Song I Miss You Crying Violently Happy It's Oh So Quiet.
Em outubro de 1996, Björk vinha pela primeira vez ao Brasil com shows marcados em São Paulo (12/10/96) e no Rio de Janeiro (13/10/96), como parte do Free Jazz Festival.



Em entrevista à Folha de São Paulo, Björk se disse ansiosa pelas apresentações:
"Vai ser m…

Exposição Björk Digital chega a Brasília em Dezembro

Depois de uma temporada de sucesso em São Paulo, a exposição Björk Digital passará por Brasília. A informação foi confirmada pela própria Björk, que contou a novidade empostnas redes sociais em agosto. A mostra fica em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil de 3 de Dezembro de 2019 a 9 de fevereiro de 2020. Os ingressos são gratuitos.
Na programação estão inclusos: 6 vídeos de Vulnicura, sendo 5 em realidade virtual (Stonemilker, Mouth Mantra, Quicksand, Family e Notget), e uma instalação especial (Black Lake), além da sessão de videoclipes de Björk, incluindo os do álbum Utopia, remasterizados em alta definição (exibidos em sala de cinema) e uma área dedicada ao projeto educativo de Biophilia. Confira mais detalhes AQUI.
A exposição é apresentada pelo Ministério da Cidadania e Secretaria Especial da Cultura, patrocinada pelo Banco do Brasil, realizada no CCBB Brasília pela Cinnamon Comunicação.
No ano que vem, chega ao CCBB do Rio de Janeiro (11/03-18/05) e de Belo Horizonte (junh…

"Eu nunca pensei em fazer nada 'estranho' com a minha arte. Não teria sido diferente se eu tivesse me tornado padeira".

Com os vídeos disponibilizados pelos fãs que foram ao show no festival "Primavera Sound", em Barcelona, pudemos observar a intro super interessante da nova turnê de Björk: O avatar do VR de "Family" aparece no telão ao lado de uma mensagem que diz:
"Isto é uma emergência! Para que possamos sobreviver como espécie, nós precisamos definir a nossa utopia. O acordo climático de Paris é uma utopia moderna impossível de se imaginar, mas superar nossos desafios com o meio ambiente é o único jeito de permanecermos vivos. Temos que imaginar que algo que não existe moldará intencionalmente o futuro e isso demanda espaço para que haja esperança tecendo uma "cúpula" matriarcal. Vamos imaginar e embarcar em um mundo onde a natureza e a tecnologia colaboram, criando uma canção sobre isso, um modelo musical. Vamos escrever músicas para o nosso destino. Em mitologias ao redor do mundo, depois de desastres, alguém captura esse espírito com uma flauta e começa de nov…